Posts Tagged ‘Regina Duarte’

Os rolezões de FHC com direito à companhia de Regina Duarte e outros sanguessugas

3 de fevereiro de 2014

FHC_Quebra_Nozes01

Fernando Brito, via Tijolaço

Não sei se os amigos e amigas repararam que o modesto blogueiro aqui anda sem paciência. Está demais aguentar a mediocridade que tomou conta da oposição e da mídia brasileira.

Dar de cara com uma publicação “oficial” do PSDB chamando de “rolezinhos” as viagens presidenciais e exigindo “transparência” nos gastos – até nos gastos pessoais! – de Dilma é dose para elefante…

Por isso, publico a seguir a lista dos “rolezinhos” de Fernando Henrique Cardoso na Presidência. Uma longa lista que termina com uma viagem a Nova Iorque com uma multidão de convidados para vê-lo receber um prêmio, inclusive a inefável Regina “Viúva Porcina” Duarte, com despesas pagas pelo dinheiro público.

Para recordar, Regina Duarte havia gravado, dois meses antes, o famoso “eu tô com medo” da campanha eleitoral de José Serra. Foi, segundo a BBC, 99ª viagem de FHC.

Os gastos “estouraram”, segundo a Folha. E iriam, segundo o jornal, estourar ainda mais, com a produção de filmes promocionais do reconhecimento mundial ao Príncipe dos Sociólogos, orçada, na época, entre R$3,5 milhões e R$4 milhões, ou algo como R$7 milhões, hoje, corrigidos pela inflação.

A campanha foi produzida pelo publicitário Nizan Guanaes, que tinha acabado de dirigir a derrotada campanha de José Serra à Presidência, por meio da agência DNA, do onipresente Marcos Valério. Infelizmente, não parece ninguém para peitar os tucanos, porque viraram todos uns coelhinhos assustados.

Abaixo, a lista dos “rolezinhos” de FHC, para quem tiver paciência de contar o número de dias fora do “Viajando Henrique Cardoso”.

FHC_Role

***

Leia também:

Paulo Moreira Leite: Relato sobre uma viagem de FHC a Portugal, em 2002 (e a Nova Iorque)

Quando a criação de 1,1 milhão de empregos é crise: O governo invisível não quer Dilma

País fecha 2013 com saldo de 1,1 milhão de vagas com carteira assinada

Recordar é viver: Para FHC, professor é “coitado” que não conseguiu ser pesquisador

A quem FHC pensa que engana com sua conversa de virgem em lupanar?

Privataria, reeleição e o cínico FHC

Recordar é viver: FHC mexeu no dinheiro dos mais de 70 anos e dos deficientes físicos

Recordar é viver: A história da fazenda de FHC

Palmério Dória: Por que FHC não está preso?

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Banqueiro do propinoduto paulista vendeu apartamento a FHC. Já pensou se fosse o Lula?

O Príncipe da Privataria: Livro revela como FHC comprou a reeleição

O Príncipe da Privataria: A Folha confirma o nome do “Senhor X”

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

Leandro Fortes: A privataria e as desventuras do príncipe

Por que o mensalão tucano, a Lista de Furnas e os processos contra Aécio no STF não andam?

Lista de Furnas é esquema comprovado e repleto de provas na Justiça

Tatto defende CPI da Privataria e cobra explicações de FHC sobre Lista de Furnas

Se quiser, Joaquim Barbosa já pode avocar o processo da Lista de Furnas

Lista de Furnas: Deputados do PSDB são acusados de pressionar lobista preso

Lista de Furnas: Amaury Ribeiro já tem documentos para o livro A Privataria Tucana 2

Advogado acusa réu do mensalão tucano de ser mandante da morte de modelo

Perseguido por Aécio e com medo de ser assassinado, delator do mensalão tucano está em presídio de segurança máxima

TJ/MG: Processo que incrimina governantes mineiros desaparece

O Príncipe da Privataria: Livro revela como FHC comprou sua reeleição

Emprego: Um semestre de Dilma é melhor do que oito anos de FHC

Por que a reeleição de FHC nunca chegou ao STF

Para a reeleição de FHC, Cacciola doou R$50 mil

Proer, a cesta básica dos banqueiros

FHC só lançou programas sociais a quatro meses da eleição de 2002

A Folha noticiou a compra de votos por FHC para a reeleição, mas depois se “esqueceu”

Histórico catastrófico da era FHC

O que Dilma deve a FHC para ser chamada de ingrata?

Vídeo: Entenda como e por que FHC quebrou o Brasil três vezes

Celso Lafer descalço em aeroporto exemplifica submissão de FHC aos EUA

Em vídeo, Itamar Franco esclarece que o Plano Real não é obra de FHC

Salário mínimo: As diferenças entre os governos FHC e Lula/Dilma

Vídeo: Já pensou se fosse o Lula? FHC embriagado na Marquês de Sapucaí

FHC, o reacionário

Conheça o apartamento de FHC em Paris. Ele tem renda pra isso?

Vídeo: FHC tenta mentir em programa da BBC, mas entrevistador não cai nas mentiras

Adib Jatene: “FHC é um homem sem palavra e Serra, um homem sem princípios.”

FHC comprou o Congresso: Fita liga Sérgio Motta à compra de votos para reeleição

FHC comprou o Congresso. O STF não vai fazer nada?

FHC disse muitas vezes: “Não levem a sério o que digo.”

FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?

O retrato do desgoverno de FHC

Governo FHC: O recheio da pasta rosa e o caso do Banco Econômico

Os crimes de FHC serão punidos?

O Brasil não esquecerá os 45 escândalos que marcaram o governo FHC

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

As viagens de FHC, de Lula e a escandalização seletiva

Dinheiro da CIA para FHC

A festa de 500 anos do Brasil de FHC dá prejuízo de R$10 milhões ao estado da Bahia

FHC: PSDB está longe do povo. Partido nem sequer sabe o que é povo

Com indicação de FHC para ABL, Sarney faz Ayres Britto esperar a morte de outro “imortal”

Vídeo em que FHC chama os aposentados de vagabundos

Documentos revelam participação de FHC e Gilmar Mendes no mensalão tucano

FHC: “Nós, a elite, temos tendência à arrogância.”

FHC e o vitupério

Bob Fernandes escancara a relação de FHC com a espionagem dos EUA

Contratada por FHC, Booz Allen já operava como gabinete de espionagem dos EUA

Se cuida, FHC: Vem aí a CPI da Espionagem da CIA

A empresa que espionava o Brasil prestava consultoria ao governo de FHC

Era Lula cria mais empregos que FHC, Itamar, Collor e Sarney juntos

FHC já defendeu uma nova Constituinte, mas agora acha autoritarismo. Pode?

FHC se diz contra 100% dos royalties para a educação

FHC já admite que Aécio não tem condições de ser candidato

FHC é o bafômetro de Aécio

FHC não mostrou o Darf

Como a Globo deu o golpe da barriga em FHC e enviou Miriam para Portugal

Síndrome de Regina Duarte se abate sobre serristas

21 de outubro de 2012

Medo de Lula e do PT, manifestado por atriz em chororô de dez anos atrás no programa eleitoral de José Serra, volta na eleição para prefeito de São Paulo. Acomete, agora, marmanjos calejados e nenhuma das paúras confessadas pela atriz se mostrou justificada, mas a doença que tem em Reinaldo Azevedo o paciente zero parece não ter cura. Também é chamada de preconceito de classe.

Via Brasil 247

O relógio político dos serristas voltou no tempo para dez anos atrás, a 2002. Naquele quadrante, às vésperas da derrota na eleição presidencial para Luiz Inácio Lula da Silva, a atriz Regina Duarte, com sua melhor expressão de chororô, foi ao programa do então adversário lulista José Serra para pronunciar uma frase que marcou época:

“Eu tenho medo do PT. Medo de Lula e do PT!”

Seria a barba do ex-líder sindical que provocava a alegada paúra na antiga “namoradinha do Brasil”? A voz gutural? As bandeiras vermelhas do partido que ele fundou? O apoio do MST? As promessas de palanque ao feitio da esquerda? Ou o explicitado compromisso de reduzir a pobreza e possibilitar três refeições ao dia ao povo brasileiro?

Era o conjunto todo, deixou claro Regina, além do receio de que Lula iria fazer a moratória da dívida externa, romper contratos, solapar todas as bases da democracia brasileira. A expectativa do caos completo.

Lula venceu e nenhum dos medos de Regina Duarte se justificou. A partir do governo Lula, não apenas a dívida externa foi paga como, hoje, as reservas internacionais do Brasil estão em cerca de US$400 bilhões, o que evitou novos ataques especulativos contra o País, como acontecia no tempo do antecessor dele, Fernando Henrique Cardoso. Ao contrário de FHC, Lula não mudou as regras do jogo democrático (como se recorda, o presidente tucano operou o Congresso pelo estabelecimento da reeleição, que até então não existia, e se beneficiou diretamente da manobra). Ainda que tivesse tirado um foto com o bonezinho do MST, não consta que Lula tenha armado os trabalhadores do campo ou feito na marra qualquer tipo de reforma agrária. O que se tem, nesse setor, é o sucesso do programa Fome Zero, a partir do qual se pode constatar, agora, a retirada de cerca de 40 milhões de brasileiros do estado de pobreza.

Nenhum dos tantos medos de Regina Duarte se mostrou real. No entanto, passados dez anos daquele apelo entristecido e quase desesperado, eis que eles – os medos da Regina – ressurgem em homens barbados. E nem está em jogo uma eleição presidencial, como daquela feita, mas um pleito municipal, que nem envolve Lula diretamente, mas um de seus pupilos, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad. Um medo, portanto, ainda mais forte, visto que o perigo é menor.

Quadro típico da classe média paulistana, frequentador do insuspeito Clube Sírio-Libanês, filho de comerciante na reconhecida rua 25 de Março, sem passagem por movimentos que praticaram ou sequer pregaram a luta armada ou ações do gênero, o pacato Haddad virou alvo da síndrome de Regina Duarte que acomete, outra vez às vésperas de uma derrota de Serra – ao que apontam as pesquisas e as condições políticas que cercam a eleição paulistana –, marmanjos calejados como o jornalista Ricardo Setti, o empresário Octávio Frias Filho, o filho do sociólogo Boris Fausto, o comunicador de apelo religioso Silas Malafaia e até o destemido (com arma na mão, como diria Bezerra da Silva) coronel Telhada, ex-comandante da Rota.

Acometidos do mesmo mal estão o vereador eleito Andrea Matarazzo e aquele que pode ser chamado de paciente número zero desse vírus, o verborrágico internauta Reinaldo Azevedo.

Ai, ui, sapatilham eles, cada um a seu modo, arguindo, ora publicamente, ora em privado, que Haddad representará o fortalecimento político de Lula – aquele mesmo Lula que, projeta-se, vai solapar a democracia, inverter as prioridades burguesas, revirar a sociedade brasileira etc. etc.

Ponto a ponto, os medos foram claramente elencados pelo Prêmio Esso de Jornalismo Ricardo Setti em seu blog dentro de veja.com.br. Para os homenzarrões acometidos da síndrome de Regina Duarte parece, ao que se vê pelo que eles próprios têm expressado, não haver vacina nem remédio.

Lula exerceu duas vezes a Presidência da República, à qual chegou pelo voto popular, manteve as regras do jogo e viu sua candidata Dilma Rousseff, com cerca de 10 milhões de votos a mais que o adversário José “sempre ele” Serra, subir a rampa do Palácio do Planalto. De-mo-cra-ti-ca-men-te, frise-se. Não quebrou contratos, não rompeu com os Estados Unidos, não declarou o socialismo tropical. Foi, isso sim, apontado pelo maior historiador do século 20, Eric Hobsbawn, como o líder global mais importante do final do período e tornou-se referência de expressão política democrática em todo mundo.

Serra, vale dizer, rompeu todos os contratos vigentes assim que assumiu a Prefeitura de São Paulo, em 2005, abandonou o mandato menos de dois anos depois e, ao chegar ao governo de São Paulo, igualmente suspendeu todos os pagamentos que deveriam ser feitos no mês de janeiro de 2007 – sucedendo, nesta ocasião, não a petista Marta Suplicy, mas seu próprio correligionário Geraldo Alckmin.

Mas quem tem a Síndrome de La Duarte acha que é Haddad, e não Serra, que vai subverter a ordem, fazer o contrário do que promete em palaque, recusar responder perguntas, agredir jornalistas verbalmente, usar o cargo para finalidades políticas pessoais.

Essa doença, que volta dez anos depois do primeiro surto, não passa e nunca vai passar. Seu nome científico é preconceito de classe.

Ratinho, Regina Duarte e Hebe Camargo têm fazendas em terras invadidas dos Guarani e Kaiowá

23 de agosto de 2012

Via União Campo, Cidade e Floresta

Ratinho tem fazendas na região do Cone Sul, em terras indígenas. Além disso, ele é madeireiro na Amazônia.

Hebe Camargo tem fazenda próxima às aldeias que foram invadidas.
Que gracinha!

Regina Duarte lidera o setor pecuarista contra os povos indígenas.
Ela participa de comícios contra as demarcações e contra os povos indígenas em todo o Brasil. No Mato Grosso do Sul, Regina é a “garota propaganda” em campanhas contra indígenas.

José Serra encarna Regina Duarte: “Eu tenho medo de Haddad.”

10 de julho de 2012

Via Portal Fernando Haddad 13

Vocês, meus queridos leitores, lembram de quando José Serra contratou a atriz global Regina Duarte, para espalhar pânico nos brasileiros com a frase “Eu tenho medo”? Na época, o tucano concorria à Presidência com Lula.

Agora, José Serra faz o papel de Regina Duarte e tenta por medo nos paulistanos. O candidato do PT a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou no sábado, dia 7, que seu adversário José Serra (PSDB) tentou “assustar a população” ao dizer que o futuro da democracia brasileira está em jogo na eleição paulistana.

Campanha suja de Serra

Na sexta-feira, dia 6, numa clara demostração que essa campanha será uma das mais sujas de Serra, ele afirmou: “Uma vitória do PT na cidade daria ao partido a hegemonia no cenário político nacional. O que está em jogo aqui é o futuro de uma administração, mas também o de um sistema democrático, republicano, que respeite as oposições e a liberdade de imprensa”, disse

“Na época do Fernando Henrique Cardoso também houve um alinhamento do Estado com a União, sem comprometimento democrático algum. Isso é fantasia para assustar a população”, rebateu Haddad. “Mas a população está vacinada, sabe que não tem fundamento.”

Em discurso para cerca de 100 militantes petistas no Itaim Paulista (zona leste), o candidato voltou a associar Serra ao prefeito Gillberto Kassab (PSD) e citou os baixos índices de aprovação da gestão municipal.

“O Serra quer dar continuidade à gestão do Kassab, mas 80% das pessoas já disseram que não querem. O Serra quer brigar com a maioria”, afirmou.


%d blogueiros gostam disto: