Posts Tagged ‘PSDB’

Se cuida, Dudu: Brasil investiga Pasadena, mas refinaria de Pernambuco é problema maior

14 de abril de 2014
Refinaria_Pernambuco01A

Refinaria Abreu e Lima, Pernambuco.

Jeb Blount, via Reuters Brasil

A compra de uma refinaria nos Estados Unidos pela Petrobras por US$1,2 bilhão virou tema de campanha eleitoral, com a oposição afirmando que a estatal pagou 20 vezes mais que o valor justo pela unidade no Texas e que Dilma Rousseff errou ao aprovar o negócio quando era presidente do Conselho da empresa em 2006.

A investigação, porém, está provavelmente mirando na refinaria errada: mesmo que a Petrobras tenha pago caro, a refinaria de Pasadena, com capacidade para processar 100 mil barris por dia, pode ter sido o melhor negócio em refino que a petroleira já fez em pelo menos três décadas.

[…]

A Petrobras não quis comentar sobre Pasadena, pois está conduzindo sua própria investigação, mas José Sergio Gabrielli, que era presidente da Petrobras na época da aquisição, disse nesta semana que a compra de Pasadena foi “um grande investimento”.

[…]

Para efeito de comparação, a saudita Aramco e a francesa Total construíram em Jubail (Arábia Saudita) uma refinaria para 400 mil barris diários por US$10 bilhões, ou US$25 mil por barril –menos de um terço do custo da Rnest (refinaria do Nordeste, a Abreu e Lima).

A chinesa Sinopec planeja concluir no ano que vem em Guangdong uma refinaria para 200 mil barris diários ao preço de US$9 bilhões (US$45 mil por barril), quase metade do custo da refinaria no Nordeste.

Em Port Arthur (Texas), a Aramco e a anglo-holandesa Royal Dutch Shell gastaram US$10 bilhões por uma refinaria para 350 mil barris/dia, o que também equivale a um terço do valor em Pernambuco.

Em nível mundial, refinarias novas para o processamento de petróleo pesado estão custando “no máximo” 38 a US$45 mil por barril, segundo um consultor de refino dos EUA que trabalhou em refinarias da América do Norte, Oriente Médio, América Latina e Ásia.

[…]

As refinarias na costa norte-americana do Golfo do México, onde fica Pasadena, geralmente lucram cerca de US$10,00 por barril refinado, segundo Margolin, da Cowan and Company, e Alen Good, analista de ações de empresas de petróleo e refino na Morningstar, em Chicago.

[…]

Com base no desembolso de US$1,2 bilhão, a Petrobras provavelmente conseguiria reaver o investimento de Pasadena em cinco anos, segundo Good.

Isso pode se dever mais à sorte do que a um investimento inteligente. Quando a compra foi aprovada, em 2006, a Petrobras estava procurando formas de refinar seu petróleo nos EUA, pois havia a expectativa de que esse país passaria a comprar mais petróleo bruto do Brasil.

Desde então, o boom do petróleo de xisto nos EUA aumentou a demanda pelo refino de petróleo, tornando mais valiosas as refinarias na costa do Golfo.

A cifra de US$1,2 bilhão também pode representar um valor superestimado em relação ao verdadeiro custo de Pasadena, já que o total incluía US$595 milhões em outros itens, como uma parte do estoque de petróleo da empresa Astra já presente na unidade, além de multas e taxas legais. Good e Margolin disseram que esses custos deveriam ser excluídos da avaliação da refinaria.

Quando isso é feito, chega-se ao valor de US$486 milhões pela refinaria propriamente dita, ou US$4.860,00 por barril – valor que pode ser recuperado em um ano de operação a plena capacidade. Ainda para efeito de comparação, 18 vezes menos que a Rnest.

“Faz pouco sentido se comover com Pasadena quando você considera o que a Petrobras está pagando mais pela capacidade de refino no Brasil”, disse Good. “Com esses preços, faz mais sentido para a Petrobras comprar refinarias nos EUA do que construí-las no Brasil.”

Gabrielli também questionou a cifra de US$1,2 bilhão, alegando que na verdade a refinaria texana custou menos de US$500 milhões.

Gasolina política

Pedro Galdi, analista-chefe da SLW Corretora, de São Paulo, disse que os investigadores deveriam se voltar muito mais para a Rnest do que para Pasadena.

“Todas as refinarias da Petrobras são, de alguma forma, fora da norma, e tenho poucas dúvidas de que, se uma CPI for realmente instalada, isso vai aparecer muito claramente”, disse ele. “Houve uma séria má gestão.”

A refinaria Rnest surgiu de um acordo entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez, da Venezuela.

A ideia inicial era que a unidade recebesse 60 por cento do petróleo do Brasil e 40 por cento da Venezuela, numa demonstração de amizade internacional e como forma de impulsionar a indústria regional.

Mas para lidar com petróleo venezuelano, que é mais pesado e com poluentes tóxicos do que o produto brasileiro, a Petrobras precisava de duas linhas de refino separadas, e por isso foi preciso acrescentar instalações adicionais.

Funcionários do governo já alertaram aos críticos de Pasadena que uma investigação mais ampla poderá respingar sobre eles próprios. Pernambuco, afinal, é um Estado que já foi governado por Eduardo Campos, ex-aliado e hoje rival eleitoral de Dilma.

[…]

Clique aqui para ler a tradução completa.

Leia também:

Antonio Lassance: Quem tem medo de uma CPI ampla?

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Eu amo Dudu, eu sou um robô: Como ser “popular” na rede fraudando o Twitter

14 de abril de 2014

Eduardo_Campos34_Clones

Fernando Brito, via Tijolaço

O site Muda Mais publicou um interessante levantamento. Vídeos do ex-governador Eduardo Campos foram promovidos no Twitter por um exército de 5 mil robôs, isto é, perfis falsos, sem sequer um seguidor.

Cerca de 2 mil destes perfis foram usados também para atacar Lula e a Copa. Fui a alguns deles e conferi: quase todos os que vi jamais postaram qualquer coisa que não fosse retuitar Eduardo Campos e Marina Silva. Na reprodução de um deles, você vê a contradição: quase 6 mil pessoas retuitaram, mas apenas sete “curtiram”.

Que exemplo de ética e de “nova política”, vocês não acham?

Eduardo_Campos35_Aprovacao

O Muda Mais recolheu a lista de todos os perfis falsos. Seria interessante cruzar a lista com os 23 mil robôs que, segundo o Estadão, foram usados para pressionar o Supremo Tribunal Federal a negar os embargos infringentes no julgamento do chamado “mensalão”.

Fez o trabalho que o Ministério Público Eleitoral deveria fazer, para ver como se está despejando dinheiro nas redes sociais para promover candidaturas, comprando listas de perfis.

Está prontinho, se Suas Excelências querem mesmo moralizar o processo eleitoral, apurando quem usa o dinheiro para influenciar a rede.

Mas parece que a Justiça Eleitoral está mais preocupada em gastar milhões com a identificação biométrica dos eleitores, para evitar uma malandragem de que quase não se tem notícia e que, se acontecer, vai fraudar meia dúzia de votos, que talvez não dê para eleger um vereador em Santana do Altos e Baixos das Mercês.

Leia também:

Aécio e Eduardo Campos: Passa-se o ponto

Partido de Marina Silva cobre R$30,00 para militante ter direito de participar das decisões

O maior problema de Eduardo Campos não é Marina Silva. É ele mesmo!

O socialista Eduardo Campos adota tática do nazista Bornhausen

Mais Médicos: Eduardo Campos é acometido de amnésia súbita

Aécio e Eduardo: “Dois em um” empacam na mesmice

Pau-mandado de José Serra formaliza apoio a Eduardo Campos

Marina deixa claro que aliança com PSB tem prazo de validade

Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso

Para agradar Marina, PSB vai lançar candidato de faz-de-conta

O PS[d]B de Campos e Marina

Luiz Erundina afirma que alianças do PSB não têm coerência

Marina e Campos falharam como “terceira via” e torcem por protestos nas ruas

Aliança PSB/PSDB: Afinal, o que é essa tal de “nova política”?

Quanto pior melhor: Marina Silva pede novos protestos de rua em 2014

O sistema financeiro em busca de candidata?

Censura ao vice-presidente do PSB mostra a face autoritária de Marina

O pragmático marido da programática Marina

Paulo Moreira Leite: Guru de Marina disse que é preciso aumentar o preço da carne e do leite

A promiscuidade da(s) rede(s) Itaú-Marina

Já que a Rede de Marina furou, Banco Itaú cria sua própria rede

Com o apoio da mídia golpista, Marina Silva cultua o blasfemo “deus mercado”

Campos/Marina: O papel da coalizão do ódio

Para André Singer, programa de Eduardo Campos/Marina não existe

Luciano Martins Costa: A mídia está atirando para todos os lados

O mal-estar de Marina Silva

Janio de Freitas: O não dito pelo dito

Como fatos são maiores que desejos, Marina devastou a oposição

Aliado histórico de Marina abandona Rede e diz ter feito “papel de bobo”

Os neossocialistas Heráclito Fortes, Bornhausen e Caiado apoiam Eduardo Campos/Marina

Por que no te callas, Marina Silva?

Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos

Janio de Freitas: Presente e futuro

Dez consequências da decisão de Marina

Vice do PSB diz que partido de Marina é “fundamentalista, preconceituoso e sem caráter”

Problemas para Campos: Marina já critica alianças do PSB

Todos contra o chavismo

Marina/Campos: De madrugada, choro e ataque ao “chavismo do PT”

Marina Silva e o chavismo

Malabarismo de Marina Silva desorientou a mídia golpista

Estão faltando ideias e sobrando frases feitas para Marina

A Rede de Marina: Uma nova política ou uma nova direita?

Marina perdeu antes de o jogo começar?

Marina Silva é o atraso do Brasil financiado por banqueiros

Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões

Antonio Lassance: Quem tem medo de uma CPI ampla?

12 de abril de 2014

Cassio_Cunha_Lima01A

A tentativa oposicionista de restringir o assunto da CPI a Pasadena foi fruto de um acerto para fazer um cordão sanitário em torno de Eduardo Campos.

Antonio Lassance, via Carta Maior

Era uma vez uma CPI proposta para “identificar responsabilidades no setor da administração pública em decorrência de qualquer tipo de corrupção”. Alguém contra?

A oposição é contra. O PSDB e seus coadjuvantes: o PSB, o PSOL e a intrépida trupe de senadores que são oposição em partidos que são governo, como Cristovam Buarque e Pedro Taques, do PDT; Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos, do PMDB. Eles querem uma CPI minimalista, para não dizer míope, para investigar apenas a compra de uma refinaria em Pasadena, na Califórnia, pela Petrobras.

Segundo a suspeita oposicionista, a Califórnia fica do outro lado da rua que atravessa a Praça dos Três Poderes. Dá para ir a pé, do Senado. Pasadena fica, pelo que imaginam, no 3º andar do Palácio do Planalto.

Essa não é a primeira CPI da Corrupção. Em 1988, o então senador Fernando Henrique Cardoso e a maioria dos parlamentares peemedebistas que, um ano depois, formariam o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), apoiaram o requerimento de criação de uma CPI que tinha como objetivo identificar responsabilidades “na administração pública” e em decorrência “de qualquer tipo de corrupção”.

Era, portanto, uma CPI ampla, geral e irrestrita. FHC manifestou-se favoravelmente a que o poder de fiscalização do Congresso fosse exercido “em toda a sua plenitude”.

A “CPI da Corrupção” investigou, de tudo, um pouco. De liberação de verbas para prefeituras à gestão de Jader Barbalho no Ministério da Reforma e do Desenvolvimento Agrário (Mirad). Depois, fez-se um desvio de rota e a CPI passou a olhar contratos com empreiteiras – sempre elas – com suspeita de superfaturamento, a construção de um aeroporto na cidade natal de Sarney, entre outras coisas.

Anos depois, em 2001, eis que aparece outra proposta de “CPI da Corrupção”. Dessa vez, o PSDB é governo, e FHC, o presidente. O PT encabeçava a iniciativa e mirava desde as denúncias de compra de votos da emenda da reeleição; o caixa 2 em campanhas eleitorais (o ministro de FHC, Andrea Matarazzo, é citado); o tráfico de influência na Presidência da República; a privatização de uma empresa pública de telefonia; as verbas do antigo Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER); os desvios no Banpará (de novo, aparece o nome de Jader Barbalho) etc. etc. etc.

FHC, dessa vez, posicionou-se terminantemente contra a CPI. Seu ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Aloysio Nunes Ferreira, acusou o PT de ser “neo-udenista”, o que, como se sabe, significa dizer que alguém usa e abusa do discurso do combate à corrupção com a intenção golpista de derrubar o governo. A “cruzada ética redentora” acabaria por solapar as próprias bases da democracia no país, acusava Aloysio Nunes.

Os tucanos acabaram conseguindo impedir a instalação daquela CPI. Diziam que a mesma era desnecessária, pois o governo já investigava as denúncias. Parece que é o mesmo “script” de hoje, mas não é. As diferenças são muitas. A começar que a base governista criou sua própria CPI.

Além disso, à época de FHC, a Procuradoria Geral da República era chefiada por um procurador que ganharia o irônico apelido de “Engavetador-Geral da Nação”. Sequer havia a Controladoria-Geral da União.

A Polícia Federal tinha, como seu Diretor-Geral, um filiado ao PSDB. Ele seria figura chave no desmonte da candidatura de Roseana Sarney, então do PFL, principal rival, no campo governista, da candidatura de José Serra à Presidência da República.

O jogo de comadres que uniu PSDB e PSB

Hoje, estamos diante da possibilidade de mais uma CPI da Corrupção. O governo Dilma chamou tucanos e eduardistas para dançar.

A estratégia visa, claramente, se contrapor à tentativa da oposição em torno de uma CPI exclusivamente da Petrobras e que teria como alvo direto não Pasadena, mas o Palácio do Planalto. Pasadena é pretexto.

Ao criar uma CPI para chamar de sua, os governistas diluíram o foco da oposição. O governo percebeu o “jogo de comadres” entre PSDB e PSB. A tentativa oposicionista de restringir o assunto da CPI a Pasadena foi fruto de um acerto para fazer um cordão sanitário em torno de Eduardo Campos. Em troca, o PSB, depois de titubear em apoiar a CPI, acabou tornando-se um de seus mais enfáticos defensores.

Pelo acordo dos oposicionistas, Eduardo Campos seria poupado do risco de ser envolvido nas acusações contra a Refinaria “Abreu e Lima”, em Pernambuco. É impossível falar na refinaria sem que o assunto respingue em Eduardo Campos. Não só porque ele era, até semana passada, governador daquele estado.

A “Abreu e Lima” sempre foi propagandeada por Campos como uma vitória pessoal sua. O plano era levar a refinaria para Pernambuco, trazer empresas estrangeiras para ali fazerem grandes investimentos, relacionar o empreendimento ao porto de Suape e montar um grande complexo petrolífero que reposicionaria a economia do estado.

Em meio a tanta grandiloquência do discurso da grande política, havia a pequena política dos grandes negócios. A oposição tucana a Campos, em Pernambuco, sempre o acusou de usar Suape e “Abreu e Lima” para se promover.

Pior, o PSDB de Pernambuco levantava suspeitas de que Campos estivesse associando a obra a seu financiamento de campanha. Criticavam Campos por ter feito inúmeras viagens à Holanda para discutir negócios que interessavam a empreiteiras e outros grupos empresariais de seu estado. Grupos que, coincidentemente, depois aportariam recursos para a sua campanha.

Depois do acordo PSDB/PSB em favor da CPI sobre Pasadena, curiosamente, o assunto da refinaria “Abreu e Lima” deixou de sair da boca dos tucanos e, como num passe de mágica, sumiu momentaneamente do noticiário. Todo o esforço seria concentrado só na compra da refinaria californiana.

O jogo bruto da política come solto, apimentado pelo calendário eleitoral e animado por capítulos de um novelão que vai longe. O próximo capítulo é a decisão do STF sobre quem tem razão: quem pede uma CPI ampla, ou quem quer restringi-la.

Repleta de expectativas, com uma fila de vilões, promessas de reviravoltas surpreendentes e clima de suspense, a guerra de CPIs deixa no ar uma questão: para que servem e para onde vão as CPIs?

As CPIs de hoje e seus fantasmas

Essa deve ser a terceira CPI da Corrupção – ampla, geral e irrestrita. Ela se instala sob a sombra de vários fantasmas: a CPI dos Correios (que resultou no escândalo do “mensalão”), a CPI do “Fim do Mundo”, a CPI do Banestado, a CPI do Cachoeira.

Lula, na entrevista aos blogueiros (8/4), chamou para a briga. Conclamou os petistas a defenderem Dilma. Mandou os deputados e senadores serem mais aguerridos. Lembrou que não se pode cometer os mesmos erros que levaram o PT a abaixar a cabeça no “mensalão”. “Se você abaixa a cabeça, eles colocam uma canga em cima”.

A CPI do “Fim do Mundo” começou como CPI “dos Bingos”, feita para investigar o bicheiro Carlos Cachoeira – ele depois daria mote a uma outra, a CPI “do Cachoeira”. Cachoeira agora disputa, com Jader Barbalho e Matarazzo, o posto de quem mais provocou CPIs no Congresso.

Aqueles que acham que nascemos ontem, que hoje pedem CPIs restritas e bem definidas e pensam que não nos lembramos do que eles fizeram no verão passado, usaram aquela CPI “dos Bingos” para pular dos assuntos de Cachoeira para o “mensalão”; para os casos de assassinato dos prefeitos petistas Toninho do PT, de Campinas, e Celso Daniel, de Santo André; para os contratos de coleta de lixo em Ribeirão Preto; para as empresas GTech; para a Caixa Econômica Federal; para o boato reproduzido pela revista Veja de que dólares “cubanos” teriam vindo em caixas de bebida para abastecer a campanha de 2002; e até para a “máfia do apito” do Campeonato Brasileiro de Futebol.

CPIs de políticos x CPIs de políticas

Dois tipos de CPIs hoje tomam conta do Congresso: as que investigam políticos e as que investigam políticas. As primeiras estão em franca decadência. As segundas sempre viveram sob o risco de serem condenadas à irrelevância.

As CPIs que investigam políticos, mesmo as que incidem sobre membros do Congresso, acabam tendo seus resultados dependentes mais dos procedimentos das comissões de ética e das decisões do plenário do que propriamente das investigações. Com a instituição do voto aberto, a pressão em favor das renúncias se tornou ainda maior, e o peso dessas CPIs, cada vez menor.

As CPIs que investigam governos normalmente chovem no molhado. Todas as denúncias e revelações com as quais trabalham já foram feitas pelos órgãos de fiscalização e controle, pela Polícia Federal ou por tribunais. Ninguém mais troca uma delação premiada por um depoimento em CPI.

Raros são os depoentes que vão às CPIs sem um prévio “habeas corpus” que lhes garanta o direito de permanecer calados e a satisfação de fazerem os parlamentares perderem seu tempo à toa, ouvindo a mesma resposta: “reservo-me o direito de permanecer calado…”.

O desgaste das CPIs feitas para animar eleições, que fazem muito barulho por nada, tende ajudar que as CPIs de políticas públicas prevaleçam. Mas, para isso, a relação entre os governos e os legislativos precisaria mudar.

Por enquanto, o descompromisso da maioria dos governos com CPIs propositivas são um tiro no pé. Fazem parecer que CPI pra valer tem que ter dedo na cara, berros e algemas.

A maioria das pessoas ainda associa o sucesso de uma CPI à derrubada de um ministro, à cassação de um parlamentar, à prisão de um malfeitor ou de quem quer que seja.

A última CPI que conseguiu prender alguém foi a da pedofilia. Mesmo assim, porque um depoimento estava sendo acompanhado ao vivo por uma autoridade judiciária que, assim que o depoente proferiu sua última frase, já tinha uma ordem de prisão aguardando sua saída do recinto.

As CPIs, ao contrário, deveriam ter como principal resultado a criação de novas leis e a avaliação de políticas e programas, com a recomendação de mudanças e de maior controle pelo próprio legislativo. O resto é pose para fotografia. Se esvai após os flashes.

Dos governos, se esperaria que eles pegassem carona, no melhor sentido, no trabalho das CPIs para apoiar iniciativas legislativas e modificar sua conduta.

A CPI do Sistema Carcerário, criada em 2007, fez o mais profundo diagnóstico da crise permanente que ainda abala essa área. Dos 12 projetos de lei apresentados, nenhum chegou a ser aprovado. A principal proposta, o Estatuto Penitenciário Nacional, demonstra bem a disposição dos parlamentares de se debruçarem sobre o tema: a comissão especial para analisar o projeto sequer chegou a ser criada.

Essa CPI voltou a ser lembrada com a crise no Maranhão, no início deste ano, dramatizada pelas cenas tétricas de degola na Penitenciária de Pedrinhas. O relator daquela CPI, por coincidência, era um deputado maranhense, o combativo Domingos Dutra.

Dutra chamou o episódio de Pedrinhas de uma “tragédia anunciada”. A expressão nos dá um bom contraste para confrontar quem acha que o principal problema das CPIs ainda é quando elas acabam em pizza. É muito pior quando elas acabam em tragédias, com sangue no lugar do molho de tomate.

Antonio Lassance é cientista político.

Leia também:

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

11 de abril de 2014

Valor_Economico_Logo01AVia Jornal GGN

Em geral mais objetivo em suas matérias, o jornal Valor Econômico pouco a pouco parece abrir mão do rigor jornalístico, igualando-se aos demais jornais na falta de apuração correta dos dados.

Sob o olho “Análise”, a matéria “Ex-presidente tenta blindar a estatal” é eivada de erros técnicos, erros graves de informação e de interpretação:

Erro 1 – afirma que a Petrobrás “jogou pelo ralo” US$2 bilhões com a compra da refinaria Pasadena. Todas as denúncias até agora divulgadas não chegam perto desse número.

Erro 2 – na hora de contabilizar o que considera prejuízo total, a matéria soma US$485 milhões pagos pela refinaria, mais US$340 milhões pelos estoques de óleo cru, mais US$340 milhões por multas, juros e honorários dos advogados. Mesmo descontando-se erros primários de contabilização de prejuízos, o total é US$825 milhões, longe dos US$2 bilhões informados.

Erro 3 – Sem nenhuma explicação, dobrou o valor contabilizado como garantias bancárias, juros, honorários e despesas processuais – dos originais US$173 milhões para US$355 milhões. Não separou o que é prejuízo efetivo (multas, honorários de advogados) do que é despesa inerente à operação.

Erro 4 – Trata como prejuízo US$340 milhões pagos por estoques de petróleo, sem considerar que estoques são refinados e revendidos no mercado.

Erro 5 – Trata como escândalo cláusula do acordo de acionistas que previa prêmio de 20% para a Astra Oil (sobre o valor original negociado) caso ela saísse do negócio e deixasse a Petrobras no controle. Ignora ser hábito consagrado no mercado o chamado “prêmio de controle” – isto é, pagar mais por participação que permita o controle acionário.

Erro 6 – Para criticar o prêmio, a reportagem refere-se a entrevista de José Sérgio Gabrielli. Mas ignorou todas as explicações dadas por ele, sobre as condições do mercado no momento da compra (que tornavam a compra atraente), depois da compra, com a crise de 2007 (tornando a refinaria desinteressante) e, mais recentemente, com as mudanças no mercado de petróleo (tornando novamente a refinaria rentável).

Erro 7 – Na hora de contabilizar prejuízos, não levou em conta o valor atual da refinaria, que produz 100 mil barris diários de derivados de petróleo e opera com lucro.

Erro 8 – Menciona “evidências encontradas até agora nas dezenas de documento relacionadas à compra da refinaria que tornaram públicas negociatas”. A matéria não explica o que considera como “negociatas”. Os documentos até agora divulgados não trazem menção a nenhuma “negociata”. No máximo, cláusulas de negócio que poderiam ser classificadas ou como usuais ou como mal negociadas.

Leia também:

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

A crucificação de André Vargas versus a preservação de Robson Marinho

11 de abril de 2014
Andre_Vargas05_Marinho

Jornalismo de esgoto: O deputado André Vargas está sendo crucificado antes que os fatos sejam devidamente apurados. Robson Marinho é poupado, mesmo tendo provas irrefutáveis contra ele.

Paulo Nogueira, via DCM

Seu maior crime, naturalmente, da ótica da mídia que conforme ele bem notou promove um “massacre”, é ser do PT. Até aqui, o que se sabe de concreto é que ele é amigo de um doleiro preso. Textos absolutamente enviesados tiram conclusões precipitadamente devastadoras de conversas vazadas pela Polícia Federal.

Que se apurem os fatos, claro. Mas a histeria condenatória é fundamentalmente injusta e maldosa. O que incomoda no episódio para quem faz jornalismo apartidário e independente como o DCM é o tratamento diferente que a mídia dispensa aos suspeitos de corrupção.

Enquanto isso perdurar, o combate à corrupção não vai avançar. Uma prática corrupta não vai resolver nada no capítulo da corrupção.

Compare a estridência deste caso com, por exemplo, o de Robson Marinho, o fundador do PSDB, sobre o qual chovem torrencialmente provas de recebimento de propinas no Metrô de São Paulo.

Até a Suíça já se movimentou, ao bloquear uma conta milionária de Marinho. Mas este episódio não comove a mídia, assim como o escândalo do helicóptero da cocaína e tantos outras histórias que não cabem no “interesse público” das companhias de mídia.

Marinho – que não se perca pelo sobrenome – ainda hoje é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, sinecura pela qual recebe R$20 mil por mês.

O propósito do TCE é fiscalizar as contas do governo estadual. Pausa para rir. Isto sim é o que se pode chamar de aparelhamento da fiscalização.

Marinho foi indicado por Mário Covas, de quem era amigo pessoal. Um jornalista que questionou Covas sobre a ética de colocar um amigo numa função tão delicada recebeu uma patada como resposta.

Vargas, massacrado, se afastou da vice-presidência da Câmara para se defender.

Marinho, poupado e blindado, permanece no TCE a despeito das provas de corrupção.

É um retrato do Brasil.

Leia também:

Trensalão tucano: Alstom tentou Quércia, mas fechou com PSDB

MP abrirá as cinco primeiras denúncias criminais no cartel do trensalão

Por que Serra está na mira do Ministério Público

Suíça divulga novos documentos do trensalão tucano

Trensalão: Depoimentos ligam José Serra ao propinoduto tucano do Metrô

Trensalão tucano: Promotor vê indícios de ação de Serra no cartel

Trensalão tucano: Matarazzo quer habeas corpus para não ser investigado

José Serra gastou R$2 bilhões na compra de trens para CPTM sem pesquisar preços

Metrô/SP: A grande quadrilha

Marco Aurélio sobre o trensalão: “Vou dar os nomes.”

Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia

Trensalão: Promotoria suspeita que cartel do Metrô tenha desviado até R$875 milhões

Luciano Martins Costa: Pane no Metrô e na imprensa

Trensalão: Culpa pelo tumulto no Metrô não é do usuário; é dos trens do propinoduto

Trensalão: Bird fez alerta sobre Siemens em 2009

Trambicagem: Regulamentação paulista da lei anticorrupção permite acordo com cartel dos trens

Trensalão: Lewandowski mandou abri inquérito contra tucano por caluniar ministro da Justiça

Documento (mais um) comprova que o trensalão pagou propina a tucanos

Desigualdade escancarada: Demotucanos conseguem desmembrar o julgamento do trensalão

Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações

Trensalão: Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal

Trensalão tucano: Brasil aguarda US$166 milhões bloqueados na Suíça

Trensalão: Arquivo da Alstom desemboca em tucanos de alta plumagem

Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin

Trensalão tucano: PSDB barra investigação sobre cartel na Assembleia

Trensalão tucano e o risco de prescrição do crime

Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin

No STF, o trensalão tucano caiu nas mãos da ministra Rosa Weber, a que condenou José Dirceu sem provas

MP aponta superfaturamento de quase R$1 bilhão em reforma de trens do Metrô

Será que o trensalão paulista pode descarrilar para Minas?

Trensalão tucano: Investigação aponta superfaturamento de R$1 bilhão em reforma do Metrô

Trensalão tucano: Condenado por propina na Suíça fez doações ao PSDB

Janio de Freitas: Esconde-esconde

Trensalão tucano: A opinião pública e o efeito manada

PSDB faz até “showzinho” para abafar o propinoduto tucano

Trensalão tucano: Homem-bomba do PSDB/SP operou R$28 milhões na Suíça

Trensalão tucano: Cade e a cortina de fumaça

Trensalão tucano: Corrupção em dose dupla

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Lobista tucano aparece como novo suspeito no escândalo da Siemens

PF entra no trilho do trensalão tucano

Por onde andou o dinheiro do trensalão tucano

Trensalão tucano: Descoberta a conta secreta do propinoduto na Suíça

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Saiba o nome dos deputados paulistas que foram contra a CPI da Corrupção

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Todos os homens do propinoduto tucano

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Serra conseguiu fazer o que a oposição não conseguia: Destruir o PSDB paulista

Prestes a descarrilar, mídia golpista começa a abandonar o trensalão tucano

Denúncias do cartel do Metrô em São Paulo resgatam conexão Serra–Arruda

Trensalão tucano: E eles ainda dizem que não sabem de nada

Trensalão tucano: Estudante de Berkeley fura jornais brasileiros

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Denúncias do trensalão tucano têm de acabar antes das eleições de 2014, diz cardeal do PSDB

Agora vai: Desesperados com o trensalão, PSDB pensa em lançar a chapa FHC–Aécio

Antes tarde do que mais tarde: MPF investigará trensalão tucano

“Política da propina” pagou R$3milhões, apontam inquéritos

Corrupto processa corruptor: O circo tucano

Mídia e trensalão tucano: Como servir a Deus sem trair o Diabo

As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana

Trensalão tucano: Se cuida FHC, o MP vai investigar sua eleição

A CPTM virou balcão de negócios do governo tucano

MPF engavetou todas as ações contra os tucanos

Trensalão: Tucanos não querem CPI da Corrupção

Carlos Neder: A falsidade da gestão e da propaganda tucana

Domínio do fato no julgamento dos outros é refresco

Trensalão tucano em 5 passos

E o que fala Arnaldo Jabor sobre o trensalão tucano?

Carta revela envolvimento de tucanos em esquema pesado de corrupção

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

MP/SP pede reforço da Alemanha para resolver caso do trensalão tucano

Propinoduto tucano: O trem pagador

Trensalão: Os executivos fichas-sujas do tucanato paulista

Trensalão tucano: Suíça descobre propina de 800 mil euros no caso Alstom

“Falha administrativa” faz justiça suíça desistir de investigar suspeitos de propinas em São Paulo

Até “calunista” tucano afirma que trensalão ultrapassa de longe “mensalão”

MPF abre investigação sobre “falha” em apuração do trensalão tucano

Trensalão tucano: Com ajuda de lobista, Alstom atingiu 100% da meta de negócios em São Paulo

Até tu, Otavinho: O trem tucano

Trensalão: Como o Ministério Público protegeu os tucanos

Trensalão: Governo federal cobrou de Rodrigo de Grandis apoio à investigação suíça

Seus problemas acabaram: Filie-se ao PSDB

Trensalão tucano: Justiça ironiza Alckmin e manda reabri caso Siemens

Trensalão: Após afastamento do engavetador Rodrigo de Grandis, justiça chega aos homens do propinoduto tucano

Trensalão tucano: Investigações sobre propinoduto avançam com delações em série

Júri tucano derruba matéria do trensalão do Prêmio Esso de Jornalismo

Rodrigo De Grandis, o procurador muy amigo

Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos

Trensalão: Ex-diretor da Siemens aponta caixa 2 de PSDB/DEM e cita membros da cúpula tucana


%d blogueiros gostam disto: