Posts Tagged ‘Porto’

Ferrovia Norte-Sul: Fantástico mente novamente

25 de abril de 2013
Trem_Antigo

Se o Brasil dependesse de FHC para criação de novas ferrovias, ainda estaríamos assim.

FHC não construiu 1 quilômetro de ferrovia e vendeu as que tinha a preço de Vale do Rio Doce.

Via Conversa Afiada

Nota à imprensa

Ferrovia Norte-Sul e Porto de Santos

Brasília, 22/04/2013 – A respeito da matéria “Deficiência estrutural nas ferrovias e portos faz Brasil desperdiçar bilhões”, exibida no programa Fantástico de 21/04/13, os Ministérios do Planejamento e Transportes, Secretaria de Portos e Valec Engenharia, Construções e Ferrovias SA esclarecem:

1. A ferrovia Norte-Sul, com 2.255 quilômetros de extensão, se encontra em três diferentes estágios:

a. Trecho Palmas/Açailândia: 719 quilômetros em operação

b. Trecho Palmas/Anápolis: 855 quilômetros em finalização de obras (90% de execução)

c. Trecho Anápolis/Estrela d’Oeste: 681 em obras (35% de execução)

2. A reportagem se concentrou no trecho entre as cidades de Palmas (TO) e Anápolis (GO) cujas obras estão sendo finalizadas e, de fato, não estão concluídas.

3. Quatro novos contratos, realizados pelo Regime Diferenciado de Contratação Pública (RDC), farão os serviços necessários para colocar o trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), em operação, tais como: taludes, brita para sustentação dos dormentes, desvios e pátios de manobra. Esses contratos somam R$400 milhões: dois já estão com contratos assinados e dois em fase final de licitação.

4. Os 10% restantes de obras, entre o trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), serão realizados até o final de 2013 e o segmento entrará em operação em 2014.

5. Em relação ao trecho Anápolis/Estrela d’Oeste, não é verdadeira a informação de que não há projeto para pontes e passagens. Todos os projetos executivos das 69 pontes ou passagens estão finalizados. 60 deles estão aprovados e os nove restantes, em fase final de análise. A previsão de conclusão de obras nesse trecho é julho de 2014.

6. Não é verdadeira também a informação sobre a dragagem do Porto de Santos. Ao contrário do que diz a matéria, recentemente foi concluída a primeira fase da dragagem de aprofundamento do canal de acesso e bacias de evolução do Porto. Essa dragagem amplia o acesso de grandes navios e eleva a capacidade de transporte de carga. Também foi concluída a implosão das pedras de Itapema e Teffé, além da retirada do navio Ais Georgis, que contribui para melhorar a movimentação de grandes embarcações.

7. No Porto de Santos, de 2002 a 2012, a movimentação de cargas aumentou em 97% e a quantidade de navios atracados, em 40%.

8. A reportagem não aborda os benefícios já gerados pelos trechos em operação da Ferrovia Norte-Sul e omite parte de sua história:

a. De 1987 a 2002 foram realizados 215 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul. A partir de 2003, foram concluídos 504 quilômetros entre Aguiarnópolis (TO) e Palmas (TO).

b. De 2008 até junho de 2012 já foram transportados quase 9 milhões de toneladas de grãos, minério de ferro e areia na Ferrovia Norte-Sul.

c. Em 2014, a Ferrovia Norte-Sul terá 2.255 quilômetro em operação: de Açailândia (MA) até Estrela D’Oeste (SP).

d. Em complemento, serão leiloados no segundo semestre de 2013 a concessão para construção e operação dos segmentos entre Açailândia (MA) e Vila do Conde (PA), fazendo a ligação da ferrovia ao norte para o Porto de Vila do Conde (PA); e entre Estrela D’Oeste (SP) – Panorama (SP) – Maracaju (MS) – Paranaguá (PR), complementando a ligação da ferrovia com portos do sul do país.

e. O PAC marca a retomada do modal ferroviário no transporte de cargas no Brasil, que manteve sua malha estagnada até meados de 1996.

f. O PAC representará uma ampliação da malha ferroviária de 5.050 quilômetros até 2016, muito superior aos 719 quilômetros de expansão da malha nos 20 anos que o antecederam. Além da Norte-Sul, destacam-se grandes obras como:

● 114 quilômetros em operação da Ferronorte, entre Alto Araguaia (MT) e Itiquira (MT).

● 146 quilômetros da Ferronorte, em fase final de obras: Itiquira (MT) e Rondonópolis (MT)

● Ferrovia Transnordestina – 1.728 quilômetros

● Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL) – Ilhéus (BA) – Barreiras (BA) – 1.022 quilômetros

g. Além disso, o Governo Federal lançou em agosto de 2012 o Plano de Investimentos em Logística (PIL), que prevê a ampliação da malha ferroviária nacional em mais de 10 mil quilômetros. Os leilões de concessão desses novos segmentos ferroviários estão previstos para o 2º semestre de 2013.

h. O planejamento de expansão da malha ferroviária pelo Governo Federal, somando PAC e as concessões, permitiu a sua ampliação em mais de 15 mil quilômetros, mais de 50% da malha hoje existente, 28.700.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Ministério dos Transportes

Secretaria de Portos

Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A.

Em tempo 1: O Governo Federal de Cristina K entraria na Justiça para, com a mesma duração, desmentir, domingo que vem [28/4], o que Fantástico fez clique aqui.

Em tempo 2: Sobre o tema “quem paga é você”, quem paga, em boa parte é o Governo Federal, que enche a pança da Globo. A Petrobras, inclusive, patrocina a F-1, evento esportivo em que atletas brasileiros não vencem. (Às vezes, por contrato…)

Em tempo 3: Quando a Secom vai buscar na Globo o BV das inserções do governo e das estatais? Por causa dele, o BV, Henrique Pizzolato vai em cana.

Em tempo 4: O “Farol de Alexandria” cedeu a Ferrovia do Nordeste a Benjamin Steinbruch por um abatimento no Imposto de Renda. Viva o Brasil! Até hoje, o grande empreendedor Steinbruch não concluiu a obra e vive a pedir “aditivos”.

Governo federal chama Estadão de mentiroso

5 de abril de 2013

Estadao_Mentira02

Altamiro Borges em seu blog

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República divulgou na tarde de quinta-feira, dia 4, nota oficial negando que tenha montado, junto com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), uma operação para monitorar o movimento sindical no Porto de Suape, na região metropolitana do Recife. Sem apresentar provas, o jornalão publicou a “reporcagem” na própria quinta-feira afirmando que a operação foi iniciada há um mês. A matéria teve o nítido objetivo de estimular a cizânia entre a presidenta e o governador Eduardo Campos, que ainda não definiu se será candidato nas eleições de 2014.

Nos últimos meses, o diário falido da famiglia Mesquita tem intensificado os ataques ao governo federal. A produção de factoides é permanente, com o propósito explícito da escandalização da política. A presidenta Dilma, que ainda insiste no “namorico” com a mídia e veta qualquer debate mais sério sobre a regulação dos meios de comunicação, é a maior vítima destes ataques levianos. Os ataques “irresponsáveis” são destaque no jornal. Já a resposta do governo, como a que foi dada pelo GSI, vira notinha de rodapé – se é que será publicada. Lamentável. Acorda, Dilma!

Abaixo a nota do Gabinete de Segurança Institucional:

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República repudia veementemente matéria publicada hoje no O Estado de S.Paulo insinuando que o governo faça vigilância sobre movimentos sindicais dos portuários no estado de Pernambuco.

É mentirosa a afirmação de que o GSI/Abin tenha montado qualquer operação para monitorar o movimento sindical no Porto de Suape ou em qualquer outra instituição do país. O GSI lamenta ainda a utilização política do tema, questionando a quem interessa tal tipo de interpretação neste momento.

Todo o trabalho do GSI e da Abin está amparado pelas Leis 9.883, de 1999, que criou o Sistema Brasileiro de Inteligência e a Abin como seu órgão central, e 10.683, de 2003, que estabelece ser do GSI a coordenação da inteligência federal. Sua atuação vem se pautando por uma ação institucional e padronizada, como ocorre em todos os sistemas democráticos.

Em nenhum momento o governo determinou ao GSI/Abin qualquer ação relativa ao tema referido na irresponsável reportagem do jornal.

***

Leia também:

A agonia do “Estadão”

Ministério do Planejamento: Nota à imprensa em resposta à matéria mentirosa publicada no “Estadão”

Seria o “Estadão” um jornal “nascido para perder”?

No Twitter, Miguel Nicolelis reage à “tentativa de destruição de caráter” pelo “Estadão”


%d blogueiros gostam disto: