Posts Tagged ‘Oliver Stone’

Nicolas Maduro: EUA serão os mais prejudicados se aplicarem sanções à Venezuela

20 de março de 2014

Venezuela_Nicolas_Maduro03

Via Agência Brasil

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, disse na quarta-feira, dia 19, que os Estados Unidos serão os mais prejudicados no caso da aplicação de sanções a Caracas. Ele advertiu que caso o país decida não comprar mais petróleo venezuelano, o produto será vendido “a outro lado”.

“Os mais prejudicados, em uma escalada de sanções serão os Estados Unidos, sua sociedade, seus empresários, seu povo […]. Oxalá não sigam esse caminho, para demonstrar o que não queremos demonstrar, que seriam eles os mais prejudicados”, disse Maduro em seu novo programa semanal de rádio.

Ele garantiu que o petróleo que não for comprado da Venezuela será vendido a outro lado. “De repente, podemos vendê-lo até a melhor preço. Não teremos problemas, nós somos livres”, disse.

***

Leia também:

“Golpe de Estado na Venezuela foi derrotado definitivamente”, afirma vice-presidente

Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone

Venezuela: Pesquisas desmascaram golpistas

Breno Altman: Brasil afasta fantasma da submissão na OEA

Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana

Mauro Santayana: o ninho da serpente

O truque o Valor para bater na Venezuela

Quando Hugo Chavez morreu                 

FHC quer ser o guru de todos os golpes

Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo

Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Pedro Barros: “Mídia traz uma Venezuela caricata, completamente deslocada da realidade.”

Por que a Globo é contra o governo venezuelano

Quem está por trás dos protesto na Venezuela?

Passo a passo: O plano da Usaid para acabar com o governo de Hugo Chavez

A 3ª Guerra Mundial acontece na mídia e nas redes sociais

Os jovens, o Brasil e a Ucrânia

Mauro Santayana: A arquitetura da balcanização

A Venezuela e a força das redes sociais

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Quem são os jovens venezuelanos?

Breno Altman: Hora de dizer a verdade para Clóvis Rossi

Como se constrói a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Venezuela: A guerra da (des)informação

EUA comandam protestos contra Nicolas Maduro

Venezuela e Brasil não podem retroceder

O coxinha Leopoldo Lopez, pau-mandado do EUA, quer dar golpe na Venezuela

O que querem os EUA numa Venezuela em transe?

Atos na Venezuela são manipulados com fotos falsas

Venezuela: Povo marcha pela paz; opositores pela violência

50 verdades sobre Hugo Chavez

50 verdades sobre Henrique Capriles

Hugo Chavez, presente!

Nasce Hugo Chavez, o mito

Hugo Rafael Chavez Frias (Sabaneta, 28/7/2954 – Caracas, 5/3/2013

Hugo Chavez: Morte produzida em laboratório

A hora e a vez de Hugo Chavez

“Viva Hugo Chavez! Viva para sempre.”

Atílio Borón: ¡Gloria al bravo Chavez! ¡Hasta la victoria, siempre, comandante!

Lula divulga vídeo falando de sua convivência com Hugo Chavez

Chavez fez a Venezuela deixar de ser um quintal dos EUA

Por que a Globo é contra os venezuelanos

Enterro de Chavez: A multidão vermelha faz história

Opositores de Chavez fogem de comparações, igual FHC foge de comparar seu governo ao de Lula

A morte de Chavez e o ódio do senador Aloysio

Lula no NYT sobre Chavez: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, o legado chega ao fim.”

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Mauricio Dias: Água mole em pedra dura…

Em Washington, pobres viviam com ajuda da Venezuela

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Hugo Chavez foi assassinado?

WikiLeaks: O plano da Usaid para acabar com o governo de Chavez

“Golpe de Estado na Venezuela foi derrotado definitivamente”, afirma vice-presidente

19 de março de 2014

Venezuela_Jorge_Arreaza_Vice01

O vice-presidente da Venezuela, Jorge Arreaza (foto), assegurou na segunda-feira, dia 17, que o golpe de Estado que os partidos de ultradireita executavam foi “derrotado definitivamente”. Arreaza deu declarações durante a instalação da Conferência Nacional de Paz, no aeroporto de Puerto Cabello, estado de Carabobo.

Via Vermelho

Na abertura da Conferência Nacional de Paz, o vice-presidente expôs a operação de coordenação especial que o Executivo ativou junto à Guarda Nacional Bolivariana, à Polícia Nacional Bolivariana e ao Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas com o objetivo de restituir a ordem e a paz no município Chacao, estado Miranda, depois que grupos violentos depredaram propriedades públicas e privadas da cidade, por mais de 30 dias sem nenhuma ação por parte da prefeitura.

Em sua exposição, Arreaza criticou o prefeito de Chacao, Ramón Muchacho, do partido de ultradireita, Primero Justiça, que defendeu de forma “indireta” as ações violentas em sua jurisdição. Ele manifestou ainda que, apesar disso, a paz foi imposta e, “como disse o presidente Nicolas Maduro, esta tentativa de golpe foi derrotada definitivamente”, afirmou.

Sobre a operação em Chacao, destacou que as ações foram realizadas para garantir o direito dos moradores de livre trânsito e de executarem suas atividades cotidianas. “Nesta madrugada [18/3], nossa Força Armada Nacional Bolivariana e a GNB tomaram a Praça Altamira, todo o corredor da Avenida Francisco de Miranda para garantir o direito dos moradores”, disse Arreaza em transmissão da emissora Televisión.

“Vocês não imaginam o vandalismo ocorrido no município Chacao. Não houve intervenção da Polícia Regional do estado Miranda, que não existe, pelo menos ali, e da polícia municipal que estava só observando”, expôs aos políticos, empresários e estudantes que acudiram à mesa de diálogo em Carabobo.

Arreaza disse que o prefeito Ramón Muchacho converteu sua conta no Twitter num meio para a “defesa indireta” dos violentos ataques, “dando destaque aos feridos em Chacao ou às bombas lacrimogêneas, porém não noticiava quantos escritórios públicos haviam sido destruídos pelos grupos armados de ultradireita”.

Venezuela_NY01

Protestos em Nova Iorque, em frente a CNN, em apoio a Maduro e contra o intervencionismo norte-americano.

Leia também: Venezuela*

Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone

Venezuela: Pesquisas desmascaram golpistas

Breno Altman: Brasil afasta fantasma da submissão na OEA

Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana

Mauro Santayana: o ninho da serpente

O truque o Valor para bater na Venezuela

Quando Hugo Chavez morreu

FHC quer ser o guru de todos os golpes

Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo

Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Pedro Barros: “Mídia traz uma Venezuela caricata, completamente deslocada da realidade.”

Por que a Globo é contra o governo venezuelano

Quem está por trás dos protesto na Venezuela?

Passo a passo: O plano da Usaid para acabar com o governo de Hugo Chavez

A 3ª Guerra Mundial acontece na mídia e nas redes sociais

Os jovens, o Brasil e a Ucrânia

Mauro Santayana: A arquitetura da balcanização

A Venezuela e a força das redes sociais

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Quem são os jovens venezuelanos?

Breno Altman: Hora de dizer a verdade para Clóvis Rossi

Como se constrói a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Venezuela: A guerra da (des)informação

EUA comandam protestos contra Nicolas Maduro

Venezuela e Brasil não podem retroceder

O coxinha Leopoldo Lopez, pau-mandado do EUA, quer dar golpe na Venezuela

O que querem os EUA numa Venezuela em transe?

Atos na Venezuela são manipulados com fotos falsas

Venezuela: Povo marcha pela paz; opositores pela violência

50 verdades sobre Hugo Chavez

50 verdades sobre Henrique Capriles

Hugo Chavez, presente!

Nasce Hugo Chavez, o mito

Hugo Rafael Chavez Frias (Sabaneta, 28/7/2954 – Caracas, 5/3/2013

Hugo Chavez: Morte produzida em laboratório

A hora e a vez de Hugo Chavez

“Viva Hugo Chavez! Viva para sempre.”

Atílio Borón: ¡Gloria al bravo Chavez! ¡Hasta la victoria, siempre, comandante!

Lula divulga vídeo falando de sua convivência com Hugo Chavez

Chavez fez a Venezuela deixar de ser um quintal dos EUA

Por que a Globo é contra os venezuelanos

Enterro de Chavez: A multidão vermelha faz história

Opositores de Chavez fogem de comparações, igual FHC foge de comparar seu governo ao de Lula

A morte de Chavez e o ódio do senador Aloysio

Lula no NYT sobre Chavez: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, o legado chega ao fim.”

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Mauricio Dias: Água mole em pedra dura…

Em Washington, pobres viviam com ajuda da Venezuela

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Hugo Chavez foi assassinado?

WikiLeaks: O plano da Usaid para acabar com o governo de Chavez

Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone

15 de março de 2014

Hugo_Chavez93_Oliver_Stone

Oliver Stone e seu documentário sobre Hugo Chavez.

Léa Maria Aarão Reis, via Carta Maior

O filme é um documentário do norte-americano Oliver Stone e tem 50 minutos. Chama-se Mi amigo Hugo e foi apresentado na quarta-feira, dia 5, na Telesur, a televisão venezuelana, em cadeia nacional, para marcar um ano da morte prematura de Hugo Chavez.

Trata-se de uma bela homenagem ao amigo de Caracas com quem Stone iniciou uma afetuosa amizade em 2009, quando o conheceu e filmou-o para outro documentário de sua autoria, Ao sul da fronteira, no qual entrevistou chefes dos governos progressistas do continente sul-americano. Do Brasil – o então presidente Lula dizendo: “Chavez, um homem necessário”, Cristina Kirchner, José Mujica, Evo Morales, Rafael Corrêa.

Depois da morte de Chavez, o cineasta retornou a Caracas e conversou com o já então presidente Maduro, com oficiais de ordens do gabinete do presidente morto, seu irmão, alguns amigos e com a companheira, Cília Flores, e diversos políticos que formaram nos ministérios venezuelanos durante o governo chavista. Todos ainda comovidos e leais ao companheiro.

Aliás, a lealdade das equipes de Chavez é notória neste filme.

Deve-se assistir a Mi amigo Hugo. É importante para conhecer uma realidade que as mídias conservadoras sul-americanas e as do norte da fronteira fazem questão de, desonestamente, não mostrar.

É repugnante ver, quase no final do filme, na montagem dos noticiários de diversos canais norte-americanos comemorando sem compostura e com alegria selvagem a morte de Chavez.

É importante, em especial para os mais jovens, assistir ao filme de Oliver Stone porque para estes sempre foi repassada uma imagem negativa, populista e caricata do finado chefe de governo venezuelano. Foram formados assim.

E não apenas pela honestidade com que o personagem é apresentado. É ressaltada a importância do seu trabalho na liderança dos movimentos de independência do continente, “um precursor do atual processo de integração latino-americano e Caribe,” observa Stone. Chavez jogou no lixo a chamada política externa de joelhos antes praticada pelos governos do sul da fronteira do Rio Grande.

Em Ao sul da fronteira, Stone já anotava: “Os norte-americanos não sabem o que está acontecendo aqui” (na Venezuela). Em Mi amigo Hugo ele completa, na sua narração: “Chavez inspira as gerações de jovens líderes políticos do continente.”

Assistir a este doc é também uma oportunidade de conhecer, em grande close, o ser humano expansivo e seu carisma, no cotidiano. O bebedor de café inveterado, cerca de trinta xícaras diárias. Café aguado; “mas não é colombiano; é venezuelano, muito bom,” brinca Chavez. A rotina estafante de trabalho, das sete da manhã até altas horas da noite. O sono insuficiente, com o qual se preocupavam seus próximos e auxiliares. O ritual que cumpria religiosamente, assim que se levantava da cama: informar-se do preço do petróleo.

Imagens de Chavez na ONU, “desinfetando” o púlpito onde George Bush/“o diabo” acabara de discursar. Visitando e conversando com Fidel e na companhia de Morales. Na Academia Militar, onde ingressou aos 17 anos. Já na qualidade de presidente da república bolivariana, cantando canções campesinas nas festas do interior – adorava cantar. Andando (e caindo) de bicicleta.

A resistência ao golpe vergonhoso, frustrado, do governo estadunidense. As sabotagens nas refinarias. E o presidente Maduro dizendo: “Chavez não foi apenas um ser humano; ele é um grande coletivo. Representa uma nova consciência do mundo que exige o respeito entre países.”

Imagens de Chavez sendo vencido pela doença, arfando, subindo escadas com certa dificuldade, e o último discurso, em 4 de dezembro de 2012, na tevê, a despedida, última aparição pública antes de voltar a Cuba pela última vez. A voz embargada, cantarolando, e a paixão pela Venezuela: “Pátria é minha vida, minha alma, meu amor. Viva a pátria, viva a vida.”

Populista? Mas sem a frieza dos príncipes, dos sociólogos e dos gravatas-de-seda.

Autor de alguns filmes que já são clássicos – Platoon, Nascido em 4 de julho, Wall Street –, Oliver Stone se tornou um amigo íntimo, um confidente de Hugo Chavez.

Este seu doc – “é a minha despedida de um soldado e amigo”, ele declara – é obra de profissional. Tem qualidade e transpira afeto e a cordialidade para com Chavez. “Sua generosidade de espírito era incrível”, ele diz. “Era um patriota que adorava seu país.”

Mas é Cília Flores quem resume, com simplicidade, o homem com quem conviveu bem próximo: “Sempre bem humorado, ele transmitia alegria por onde passava.”

***

Leia também: Venezuela*

Venezuela: Pesquisas desmascaram golpistas

Breno Altman: Brasil afasta fantasma da submissão na OEA

Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana

Mauro Santayana: o ninho da serpente

O truque o Valor para bater na Venezuela

Quando Hugo Chavez morreu

FHC quer ser o guru de todos os golpes

Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo

Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Pedro Barros: “Mídia traz uma Venezuela caricata, completamente deslocada da realidade.”

Por que a Globo é contra o governo venezuelano

Quem está por trás dos protesto na Venezuela?

Passo a passo: O plano da Usaid para acabar com o governo de Hugo Chavez

A 3ª Guerra Mundial acontece na mídia e nas redes sociais

Os jovens, o Brasil e a Ucrânia

Mauro Santayana: A arquitetura da balcanização

A Venezuela e a força das redes sociais

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Quem são os jovens venezuelanos?

Breno Altman: Hora de dizer a verdade para Clóvis Rossi

Como se constrói a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Venezuela: A guerra da (des)informação

EUA comandam protestos contra Nicolas Maduro

Venezuela e Brasil não podem retroceder

O coxinha Leopoldo Lopez, pau-mandado do EUA, quer dar golpe na Venezuela

O que querem os EUA numa Venezuela em transe?

Atos na Venezuela são manipulados com fotos falsas

Venezuela: Povo marcha pela paz; opositores pela violência

50 verdades sobre Hugo Chavez

50 verdades sobre Henrique Capriles

Hugo Chavez, presente!

Nasce Hugo Chavez, o mito

Hugo Rafael Chavez Frias (Sabaneta, 28/7/2954 – Caracas, 5/3/2013

Hugo Chavez: Morte produzida em laboratório

A hora e a vez de Hugo Chavez

“Viva Hugo Chavez! Viva para sempre.”

Atílio Borón: ¡Gloria al bravo Chavez! ¡Hasta la victoria, siempre, comandante!

Lula divulga vídeo falando de sua convivência com Hugo Chavez

Chavez fez a Venezuela deixar de ser um quintal dos EUA

Por que a Globo é contra os venezuelanos

Enterro de Chavez: A multidão vermelha faz história

Opositores de Chavez fogem de comparações, igual FHC foge de comparar seu governo ao de Lula

A morte de Chavez e o ódio do senador Aloysio

Lula no NYT sobre Chavez: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, o legado chega ao fim.”

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Mauricio Dias: Água mole em pedra dura…

Em Washington, pobres viviam com ajuda da Venezuela

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Hugo Chavez foi assassinado?

WikiLeaks: O plano da Usaid para acabar com o governo de Chavez

O documentário “Ao sul da fronteira” de Oliver Stone traça panorama latino

26 de março de 2013

Oliver_Stone03_Ao_Sul_FronteiraPartindo da Venezuela, o renomado cineasta Oliver Stone percorre países da América do Sul entrevistando seus presidentes. O documentário Ao Sul da Fronteira traça um panorama desses governos de esquerda no continente.

Edu Fernandes, via Vermelho

O diretor Oliver Stone faz questão de deixar claro seu ponto de vista quando adota alguma temática política em seus filmes, como em Platoon (1986). Dessa vez ele traz toda sua amargura com os republicanos no documentário Ao sul da fronteira (South of the border), no qual alguns presidentes sul-americanos são entrevistados para mostrar como funcionam esses governos de esquerda.

Por ter sua visão bem explícita, o documentário é totalmente parcial e poderá ofender quem não tem a mesma visão de mundo. Quem vota em políticos que preferem construir pistas e viadutos para automóveis e esquecer os corredores de ônibus, ou que aprovam a progressão continuada que permite analfabetos chegando até o segundo grau, com certeza não faz parte do público-alvo desse filme. Os representantes clássicos dos setores sociais que já apoiaram a ditadura militar ficarão irritados com as entrevistas. (OK, essa crítica também pode ser considerada tendenciosa).

Stone tenta entrar no filão que já é dominado por Michael Moore, mas sem os requintes que seu colega despojado domina com mais facilidade. Só há as conversas com os presidentes e algumas imagens de arquivo. Ao sul da fronteira não se preocupa em construir diagramas, animações ou dar espaço para piadinhas. Alguns dizem que esses recursos tiram a seriedade da obra, mas acabam deixando a mensagem mais fácil de ser assimilada.

Michael Moore e Oliver Stone: Por que defendemos o WikiLeaks e Assange

23 de agosto de 2012

Michael Moore e Oliver Stone desmontam argumentos da Suécia e alertam: A extradição de Assange para os EUA representaria derrota global da liberdade de expressão.

Michael Moore e Oliver Stone, via Outras Palavras

Passamos nossas carreiras de cineastas sustentando que a mídia norte-americana é frequentemente incapaz de informar os cidadãos sobre as piores ações de nosso governo. Portanto, ficamos profundamente gratos pelas realizações do WikiLeaks e aplaudimos a decisão do Equador de garantir asilo diplomático a seu fundador –Julian Assange – que agora vive na embaixada equatoriana em Londres.

O Equador agiu de acordo com importantes princípios dos direitos humanos internacionais. E nada poderia demonstrar quão apropriada foi sua ação quanto a ameaça do governo britânico, de violar um princípio sagrado das relações diplomáticas e invadir a embaixada para prender Assange.

Desde sua fundação, o WikiLeaks revelou documentos como o filme Assassinato colateral, que mostra a matança aparentemente indiscriminada de civis de Bagdá por um helicóptero Apache, dos Estados Unidos; além de detalhes minuciosos sobre a face verdadeira das guerras contra o Iraque e Afeganistão; a conspiração entre os Estados Unidos e a ditadura do Iêmem, para esconder nossa responsabilidade sobre os bombardeios no país; a pressão do governo Obama para que outras nações não processem, por tortura, oficiais da era Bush; e muito mais.

Como era de prever, foi feroz a resposta daqueles que preferem que os norte-americanos não saibam dessas coisas. Líderes dos dois partidos chamaram Assange de “terrorista tecnológico”. E a senadora Dianne Feinstein, democrata da Califórnia que lidera o Comitê de Inteligência do Senado, exigiu que ele fosse processado pela Lei de Espionagem. A maioria dos norte-americanos, britânicos e suecos não sabe que a Suécia não acusou formalmente Assange por nenhum crime. Em vez disso, emitiu um mandado de prisão para interrogá-lo sobre as acusações de agressão sexual em 2010.

Todas essas acusações devem ser cuidadosamente investigadas antes que Assange vá para um país que o tire do alcance do sistema judiciário sueco. Mas são os governos britânico e sueco que atrapalham a investigação, não Assange.

Autoridades suecas sempre viajaram para outros países para fazer interrogatórios quando necessário, e o fundador do WikiLeaks deixou clara sua disposição de ser interrogado em Londres. Além disso, o governo equatoriano fez uma oferta direta à Suécia, permitindo que Assange seja interrogado dentro de sua embaixada em Londres. Estocolmo recusou as duas propostas.

Assange também comprometeu-se a viajar para a Suécia imediatamente, caso o governo sueco garanta que não irá extraditá-lo para os Estados Unidos. Autoridades suecas não mostraram interesse em explorar essa proposta, e o ministro de Relações Exteriores, Carl Bildt, declarou inequivocamente a um consultor jurídico de Assange e do WikiLeaks que a Suécia não vai oferecer essa garantia. O governo britânico também teria, de acordo com tratados internacionais, o direito de prevenir a reextradição de Assange da Suécia para os Estados Unidos, mas recusou-se igualmente a garantir que usaria esse poder. As tentativas do Equador para facilitar esse acordo entre os dois governos foram rejeitadas.

Em conjunto, as ações dos governos britânico e sueco sugerem que sua agenda real é levar Assange à Suécia. Por conta de tratados e outras considerações, ele provavelmente poderia ser mais facilmente extraditado de lá para os Estados Unidos. Assange tem todas as razões para temer esses desdobramentos. O Departamento de Justiça recentemente confirmou que continua a investigar o WikiLeaks, e os documentos do governo australiano de fevereiro passado, recém-divulgados afirmam que “a investigação dos Estados Unidos sobre a possível conduta criminal de Assange está em curso há mais de um ano”. O próprio WikiLeaks publicou e-mails da Stratfor, uma corporação privada de inteligência, segundo os quais um júri já ouviu uma acusação sigilosa contra Assange. E a história indica que a Suécia iria ceder a qualquer pressão dos Estados Unidos para entregar Assange. Em 2001, o governo sueco entregou à CIA dois egípcios que pediam asilo. A agência norte-americana entregou-os ao regime de Mubarak, que os torturou.

Se Assange for extraditado para os Estados Unidos, as consequência repercutirão por anos, em todo o mundo. Assange não é cidadão estadunidense, e nenhuma de suas ações aconteceu em solo norte-americano. Se Washington puder processar um jornalista nessas circunstâncias, os governos da Rússia ou da China poderão, pela mesma lógica, exigir que repórteres estrangeiros em qualquer lugar do mundo sejam extraditados por violar suas leis. Criar esse precedente deveria preocupar profundamente a todos, admiradores do WikiLeaks ou não.

Conclamamos os povos britânico e sueco a exigir que seus governos respondam algumas questões básicas. Por que as autoridades suecas recusam-se a interrogar Assange em Londres? E por que nenhum dos dois governos pode prometer que Assange não será extraditado para os Estados Unidos? Os cidadãos britânicos e suecos têm uma rara oportunidade de tomar uma posição pela liberdade de expressão, em nome de todo o mundo.

Tradução: Daniela Frabasile


%d blogueiros gostam disto: