Posts Tagged ‘Máfia’

Leandro Fortes: O ditador Marconi Perillo

20 de agosto de 2013

Marconi_Perillo09Governador utiliza a Justiça de Goiás para calar a verdade.

Leandro Fortes, via Carta Capital

A principal voz da oposição na Assembleia Legislativa de Goiás foi calada pelo judiciário local por influência e força do governador Marconi Perillo, do PSDB. Em 7 de agosto, o juiz Ricardo Teixeira Lemos, da 7ª Vara Cível de Goiânia, concedeu liminar determinando que o deputado estadual Mauro Rubem (PT) retire das redes sociais qualquer menção à reportagem de CartaCapital publicada em abril, sobre a central de grampos ilegais montada para atender aos interesses políticos e pessoais de Perillo.

No Twitter, logo depois da publicação da reportagem, o parlamentar havia escrito: “Com a central de grampos montada por Marconi Perillo, o ciclo da quadrilha de Marconi e Cachoeira se fecha”.

O processo foi protocolado em 11 de junho, a decisão liminar foi dada em 12 de julho, mas o deputado só foi notificado há 15 dias. Segundo o deputado, como não houve sequer intimação judicial, tudo correu à revelia, sem direito de defesa.

No processo, o governador alega que o parlamentar o acusa sem provas de formação de quadrilha com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Por causa da sentença, o deputado está proibido de “fazer uso das redes sociais para manifestar comentários injuriosos, difamatórios e caluniosos contra Perillo.”

Na prática, Mauro Rubem, que tem direito a imunidade parlamentar, está sob censura prévia decretada pela Justiça goiana para proteger o governador e, assim, reduzir os danos políticos das denúncias de envolvimento com o jogo do bicho, corrupção e escutas ilegais. Rubem, no entanto, não é a única vítima da sanha judicial de Perillo.

Ao todo, o governador abriu 50 processos contra adversários nos últimos três anos, dos quais 16 atingem profissionais de imprensa e veículos de comunicação, entre os quais CartaCapital. A revista revelou, há seis meses, a existência de uma central de grampos operada por um hacker de codinome “Mr. Magoo” sob a coordenação de dois radialistas subordinados a Perillo, o casal Luiz Aquino e Eni Gama.

A dupla grampeava adversários e aliados do governador, invadia contas de redes sociais e criava perfis falsos para atuar em favor do chefe na internet. A reportagem, certamente, serviu para piorar os índices de popularidade de Perillo, que já não são bons desde que suas relações com o jogo do bicho foram expostas na malfadada CPI do Cachoeira, em 2012.

De acordo com os resultados da última pesquisa encomendada ao Ibope pela CNI, em 25 de julho, Perillo tem apenas 21% de aprovação popular, e 38% de rejeição. É os segundo pior governador do País, perde apenas para Sérgio Cabral, do Rio de Janeiro.

As causas são muitas, mas todas giram em torno da velha amizade que mantém, agora às escondidas, com Cachoeira, o contraventor que nomeou secretários e comprou uma casa de Perillo num condomínio de luxo, em Goiânia, onde, aliás, foi preso no ano passado pela Polícia Federal.

A solução encontrada pelo governador, portanto, foi usar o Judiciário do estado para intimidar a oposição. Perillo deu início a esse expediente ao processar o ex-governador Iris Rezende, do PMDB, ainda a principal liderança do estado. Na campanha de 2010, Rezende acusou Perillo de “irresponsável” e de buscar “tapear o leitor com repercussão de versões”.

Para que o processo de difamação e calúnia não seguisse adiante, o peemedebista aceitou retratar-se, em nota, do tratamento dado ao tucano. Essa vitória deixou Perillo confiante.

Partiu, então, para seus alvos preferenciais, os jornalistas que ousaram criticá-lo, como o comentarista esportivo Jorge Kajuru.

Em um programa de televisão, Kajuru acusou Perillo de ter ordenado o espancamento e o estupro de sua mulher, razão pela qual alega ter saído de Goiás, onde mantinha uma emissora de rádio. Responde, atualmente, a três processos impetrados pelo governador.

No ano passado, a jornalista Lênia Soares, do site Diário de Goiás, foi instada a se retratar por ter reproduzido nas redes sociais denúncias contra Perillo, mas recusou-se a fazê-lo. Continua, portanto, na mira do governador do PSDB.

Aos 23 anos, Lênia virou um símbolo da luta pela liberdade de expressão no estado. Uma fotomontagem da repórter com a boca tapada pela mão do tucano passou a ser estampada em passeatas do movimento “Fora Marconi”, iniciado durante a CPI do Cachoeira.

“É a velha tentativa de se tornar vítima do processo democrático. Não cola mais. Processar jornalistas como forma de intimidação não funciona”, avalia Lênia.

“Daqui a pouco, vamos ter de criar uma associação de perseguidos políticos por Marconi em Goiás”, ironiza o deputado Mauro Rubem.

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, o petista espera uma decisão do Superior Tribunal de Justiça favorável à federalização de diversos crimes praticados pelo aparato policial comandado por Marconi Perillo.

Atualmente, há 43 pessoas desaparecidas no estado após abordagem policial, além de 30 moradores de rua assassinados misteriosamente na capital, Goiânia, apenas este ano.

“O governador tem muitas razões para tentar calar a oposição”, explica o parlamentar.

Na próxima semana, Mauro Rubem vai acionar a seção estadual da OAB para que os casos de censura judicial sejam analisados do ponto de vista do cerceamento da liberdade de expressão no estado. Isso porque cidadãos comuns também estão sendo perseguidos na Justiça por Perillo.

É o caso do estudante Caius Brandão, de Goiânia, processado pelo governador por ter compartilhado no Facebook a matéria de CartaCapital sobre a central de grampos. Perillo pede 100 mil reais a Brandão, cuja única fonte de renda é uma bolsa de mestrado em Filosofia Política na Universidade Federal de Goiás. “O governador instaurou uma política de criminalização dos movimentos de resistência popular e de judicialização da opinião”, reclama Brandão.

Tráfico de órgãos: Um Feliciano piorado na Assembleia mineira

15 de abril de 2013
Mosconi_PSDBMG01_Aecio

Sob suspeita: O tucano Carlos Mosconi, presidente da Comissão de Saúde do Parlamento estadual, é acusado de tráfico de órgãos.

Leandro Fortes, via Carta Capital e lido no Esquedopata

Enquanto o Congresso Nacional é submetido a um constrangimento diário desde a eleição do deputado Marcos Feliciano (PSC/SP), pastor evangélico de discurso homofóbico e racista, para o comando da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, um caso semelhante na forma, mas muito mais grave no conteúdo, permanece escondido na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Em 1º de fevereiro, o tucano Carlos Mosconi assumiu pela quarta vez consecutiva a presidência da Comissão de Saúde do Parlamento mineiro.

Médico de formação, Mosconi é idealizador da MG Sul Transplantes, ONG que servia de central clandestina de receptação e distribuição de órgãos humanos em Poços de Caldas, no sul do estado. Segundo uma investigação da Polícia Federal, Mosconi chegou a encomendar um rim para o amigo de um prefeito da cidade mineira de Campanha.

Em 19 de fevereiro, o juiz Narciso Alvarenga de Castro, da 1ª Vara Criminal de Poços de Caldas, condenou quatro médicos envolvidos no esquema de compra e venda de órgãos humanos, a chamada “Máfia dos Transplantes”. João Alberto Brandão, Celso Scafi, Cláudio Fernandes e Alexandre Zincone, todos da Irmandade Santa Casa, eram ligados a MG Sul Transplantes. Scafi era sócio de Mosconi em uma clínica da cidade. A ONG era responsável pela organização de uma lista de pacientes particulares que encomendavam e pagavam por órgãos retirados de pacientes ainda vivos. A quadrilha realizava os transplantes na Santa Casa, o que garantia, além do dinheiro tomado dos beneficiários da lista, recursos do SUS para o hospital.

A máfia de médicos do Poços de Caldas foi descoberta em 2002 por causa do chamado “Caso Pavesi”, que chegou a ser investigado na Câmara dos Deputados pela CPI do Tráfico de Órgãos Humanos, em 2004. Em 19 de abril de 2000, Paulo Veronesi Pavesi, 10 anos de idade à época, caiu de um brinquedo no prédio onde morava e foi levado à Santa Casa. O menino foi atendido pelo médico Álvaro Ianhez, coordenador do setor de transplantes do hospital e, soube-se depois, chefe da central clandestina de tráfico de órgãos. Ianhez é amigo particular do deputado Mosconi, responsável por sua nomeação no hospital.

A partir de uma denúncia do analista de sistemas Paulo Pavesi, pai do garoto, a PF abriu um inquérito e descobriu que a equipe de Ianhez havia decretado a morte encefálica de Paulo quando ele estava sob efeito de substâncias depressivas do sistema nervoso central. Ou seja, teve os rins, o fígado e as córneas retirados quando provavelmente ainda estava vivo. Pavesi pai foi obrigado a pedir asilo na Itália, depois de ser ameaçado de morte por diversas vezes em Minas Gerais. Atualmente, mora em Londres, onde aguarda até hoje o julgamento do caso do filho.

Outros oito casos semelhantes foram descobertos pela PF e pelo Ministério Público Federal durante as investigações. Um deles, o do trabalhador rural João Domingos de Carvalho, foi o que resultou nas condenações de fevereiro passado. Internado por sete dias na enfermaria da Santa Casa, entre 11 e 17 de abril de 2001, Carvalho foi dado como morto quando estava sentado e teve os rins, as córneas e o fígado retirados pelos médicos Fernandes e Scafi. “Era pura ganância, vontade de enriquecimento rápido, sem se preocupar com o sofrimento dos demais seres humanos”, escreveu o juiz Narciso de Castro na sentença que condenou os médicos da Santa Casa a penas de 8 a 11 anos de prisão, em primeira instância. Todos continuarão em liberdade até o julgamento dos recursos.

Pavesi não se amedrontou à toa. Em 24 de abril de 2002, Carlos Henrique Marcondes, administrador da Santa Casa, foi assassinado no dia exato de seu depoimento no Ministério Público sobre a atuação da máfia dos transplantes lotada no hospital. Ele tinha gravado todas as conversas com os médicos envolvidos no tráfico de órgãos e pretendia entregar as fitas às autoridades. Antes de falar, Marcondes foi encontrado morto no próprio carro com um tiro na boca. Segundo um delegado da Polícia Civil da cidade, o ex-PM Juarez Vinhas, tratou-se de suicídio. O caso foi sumariamente arquivado. O laudo pericial constatou, porém, que três tiros haviam sido disparados contra Marcondes, embora apenas um o tenha atingido. Mais ainda: a arma usada e colocada na mão da vítima desapareceu no fórum de Poços de Caldas, razão pela qual foi impossível pereciá-la. Levado à Santa Casa, o corpo do administrador foi recebido por dois médicos do hospital. Um deles, João Alberto Brandão, foi condenado em fevereiro. O outro, Félix Gamarra, chegou a ser indiciado, mas acabou beneficiado pela lei de prescrição penal, por ter mais de 70 anos de idade. A dupla raspou e enfaixou a mão direita de Marcondes, supostamente usada para apertar o gatilho, de modo a inviabilizar o exame de digitais e presença de resíduos de pólvora. E o advogado da Santa Casa, o também ex-PM Sérgio Roberto Lopes, providenciou a lavagem do carro.

O nome de Mosconi apareceu na trama em 2004, durante a CPI do Tráfico de Órgãos. Convocado pela comissão, o delegado Célio Jacinto, responsável pelas investigações da Polícia Federal, revelou a existência de uma carta do parlamentar na qual ele solicita ao amigo Ianhez o fornecimento de um rim para atender ao pedido do prefeito de Campanha, por R$8 mil. A carta, disse o delegado, foi apreendida entre os documentos de Ianhez, mas desapareceu misteriosamente do inquérito sob custódia do Ministério Público Estadual de Minas Gerais.

Mosconi foi ouvido pelo juiz Narciso de Castro e confirmou conhecer Ianhez desde os anos de 1970. O parlamentar disse “não se recordar” da existência de uma lista de receptores de órgãos da Santa Casa, da qual chegou a ser presidente do Conselho Curador por um período. Sobre a MG Sul Transplantes, que fundou e difundiu, afirmou apenas “ter ouvido falar” de sua existência. Declaração no mínimo estranha. O registro de criação da MG Sul Transplantes, em 1991, está publicado em um artigo no Jornal Brasileiro de Transplantes (volume 1, número 4), do qual os autores são o próprio Mosconi, além de Ianhez, Fernandes, Brandão, e Scafi, todos investigados ou réus de processos sobre a máfia de transplantes de Poços de Caldas.

Serra tem um vice que é problema

18 de outubro de 2012

Alexandre Schneider e José Serra: o vice precisa se explicar.

PF investiga empresas fornecedoras de uniformes escolares que, com o aval de Alexandre Schneider, candidato a vice na chapa de José Serra, firmaram contratos superfaturados com a Secretaria de Educação.

Claudio Dantas Sequeira, via IstoÉ

Ao ser anunciado há dois meses como vice na chapa de José Serra na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Alexandre Schneider logo assumiu a linha de frente dos ataques à gestão do candidato petista Fernando Haddad no Ministério da Educação. A experiência de seis anos como secretário municipal de Educação e sua formação em administração seriam credenciais suficientes para a tarefa. O problema é que a gestão de Schneider também começa a ser alvo de sérios questionamentos. A Polícia Federal investiga a atuação nacional de um cartel de empresas fornecedoras de uniformes escolares que, em São Paulo, atuou livremente com o aval de Schneider – um tucano-serrista que se converteu ao PSD de Gilberto Kassab.

O ponto de partida da investigação dessa suposta “máfia dos uniformes” é um pregão realizado pela Secretaria de Educação em janeiro de 2009. O objetivo da concorrência era comprar roupas para estudantes da rede municipal em “kits” compostos por camisetas, bermudas, meias, tênis, além de jaquetas e calças em tactel e helanca. A PF encontrou indícios de que o pregão foi manipulado num conluio entre as empresas Mercosul Comercial, Capricónio e Diana Paolucci S/A para controlar o limite dos lances. O resultado foi a vitória da Mercosul com um preço unitário de R$117,00. Schneider homologou a concorrência e encomendou um primeiro lote de 724.666 kits por R$84,7 milhões. Em agosto daquele ano, ele assinou aditivo ao contrato, para a compra de 20.461 kits por R$2,4 milhões. Um novo contrato com a Mercosul, para mais 727.631 kits, foi feito em dezembro.

Naquele momento, porém, o secretário de Educação já estava de posse de uma pesquisa de mercado que indicava preços 46% abaixo dos praticados pela Mercosul, que numa licitação no Rio de Janeiro fez oferta de R$97,67 por kit. Caso tivesse aberto uma nova concorrência, Schneider poderia ter economizado cerca de R$33,5 milhões aos cofres públicos. Não bastasse o provável superfaturamento, a entrega dos uniformes, que são importados da China, atrasou. Pressionado, no ano seguinte Schneider contratou outra empresa, a LV Distribuidora. Para escapar da licitação, fez uma polêmica adesão de ata de preços. Fontes da secretaria informaram à IstoÉ que a LV figurou no contrato, mas quem forneceu os uniformes foi a Mercosul.

Na sede da empresa que forneceu uniformes escolares para a Secretaria de Educação é encontrada uma pequena loja abandonada.

Tudo isso poderia ser apenas um eventual equívoco de gestão, mas a PF descobriu que um contrato mantido entre a Mercosul e o Banco do Brasil garantia que todos os valores depositados pela Secretaria de Educação fossem redistribuídos nas contas bancárias da Capricórnio e da Diana Paolucci. Agora, os agentes querem solicitar a quebra de sigilo dessas transações para determinar o destino final desse dinheiro. A PF também estranhou o fato de que, no pregão de 2009, a empresa, que tem sede em Santa Catarina, concorreu com o CNPJ da filial no Distrito Federal. No endereço da cidade-satélite de Samambaia é encontrado apenas um pequeno edifício abandonado.

Consulta ao TSE revelou o destino de um outro repasse que reforça a ligação da Mercosul com Schneider antes mesmo da assinatura do contrato com a Secretaria de Educação. Em outubro de 2008, a Mercosul fez quatro transferências para a conta do diretório nacional do PSDB, num total de R$300 mil. Naquele ano, Schneider era filiado ao PSDB, embora tivesse feito campanha para Kassab, em detrimento de Geraldo Alckmin (PSDB). Os sócios da empresa também fizeram doações pessoais para a campanha do vereador Goulart (ex-PMDB, hoje PSD), autor da lei que criou a obrigatoriedade do uso do uniforme na rede municipal de ensino.

Na investigação que corre em sigilo, a PF também descobriu que, antes do pregão vencido pela Mercosul, o secretário de Educação se reuniu com o grupo de empresários que participaram da licitação. O encontro se deu na tabacaria Esch Café, na alameda Lorena. Estavam presentes Julio Manfredini, da Capricórnio, Abelardo Paolucci, da Diana, e a dupla Antônio Borelli e Roberto Nakano, da Mercosul. Por isso, os agentes identificaram indícios de conluio. O encontro não foi isolado. Segundo funcionários ouvidos por ISTOÉ, os empresários foram vistos frequentemente no gabinete do então secretário. Procurado por IstoÉ, o ex-secretário e atual vice de José Serra não retornou os contatos até o fechamento da edição.

Ex-vereadores ligados à máfia dos fiscais são cabos eleitorais de Russomano

2 de outubro de 2012

José Izar, Vicente Viscome, Zé Índio e Archibaldo Zancra: uns foram presos e outros estão respondendo processo em liberdade.

Quatro ex-parlamentares envolvidos em escândalo do governo Pitta integram campanha do candidato do PRB.

Com informações de Diego Zanchetta em 2/10/2012

Quatro ex-vereadores envolvidos no escândalo da máfia dos fiscais dão suporte à candidatura do líder nas pesquisas de intenção de voto em São Paulo, Celso Russomano (PRB), inclusive com participações em reuniões da campanha.

foram acusados de participar de um esquema que teria arrecadado R$473 milhões em propinas de camelôs ilegais entre 1997 e 2000, durante a gestão Celso Pitta – Izar e Viscome foram condenados. Hoje, estão na linha de frente na busca de votos para Russomano na zona leste da cidade.

A entrada dos quatro envolvidos no escândalo teve o aval de um dos coordenadores da campanha de Russomano, o deputado estadual Campos Machado (PTB), dizem integrantes da coligação que apoia Russomano ouvidos pelo Estado. Segundo eles, foi uma forma de “suprir a carência” de bases regionais.

Condenado pelo crime de extorsão, Viscome passou seis anos preso. Agora tenta voltar à Câmara Municipal pelo PRP. Ele é o principal cabo eleitoral de Russomano na Mooca, onde tem uma concessionária de veículos.

A propaganda do ex-parlamentar ao lado do candidato do PRB está por todos os lados no tradicional bairro de imigrantes italianos.

Com forte influência sobre os comerciantes e apoio de parte do Clube Atlético Juventus, Viscome tem pedido votos para Russomano nos eventos de que participa e para associações de bairros e paróquias da Igreja Católica. As placas e cavaletes de Viscome levam a foto de Russomano.

José Izar, também condenado a oito anos de prisão – ele recorre em liberdade –, participa de eventos de campanha do líder nas pesquisas e até ofereceu suporte jurídico ao comitê. O ex-advogado do Corinthians também comanda a busca de votos em regiões do Brás e do Tatuapé, onde mantém ligação com os comerciantes.

O ex-vereador, um dos pivôs do escândalo da máfia dos fiscais, ficou célebre pelo discurso que o salvou de cassação na Câmara Municipal em 1999. No alto do plenário, um pouco antes de ser absolvido, insinuou ter “na mão” seus colegas vereadores. “Minha mão deve ser uma mão de gigante, porque eu tenho mais ou menos 35 amigos nesta Casa. São amigos que tenho certeza que jamais vou esquecer”, disse o então vereador na tribuna.

Outro envolvido no escândalo que está na linha de frente da campanha de Russomano na região da Vila Prudente é o ex-vereador Archibaldo Zancra. Com influência política na Administração Regional da Vila Prudente na época da máfia dos fiscais – as Regionais foram substituídas pelas subprefeituras na gestão Marta Suplicy –, Zancra é figura presente no comitê de Russomano. Na segunda-feira, 1, por exemplo, passou a tarde no QG da campanha, na zona sul.

O ex-vereador também organizou um evento para o candidato, no dia 25, no Círculo dos Trabalhadores Cristãos, na Vila Prudente.

Zé Índio, que agora ajuda a pedir votos para Russomano no Tatuapé e na Vila Prudente, era um dos chefes da Administração Regional da Mooca quando estourou o escândalo de achaque de vereadores contra camelôs.

Vereador por três mandatos e ex-deputado federal, ele também foi investigado pela Operação Hurricane, da Polícia Federal, sob suspeita de formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva e concussão no caso da máfia dos bingos, em 2006.


%d blogueiros gostam disto: