Posts Tagged ‘Eduardo Campos’

Eu amo Dudu, eu sou um robô: Como ser “popular” na rede fraudando o Twitter

14 de abril de 2014

Eduardo_Campos34_Clones

Fernando Brito, via Tijolaço

O site Muda Mais publicou um interessante levantamento. Vídeos do ex-governador Eduardo Campos foram promovidos no Twitter por um exército de 5 mil robôs, isto é, perfis falsos, sem sequer um seguidor.

Cerca de 2 mil destes perfis foram usados também para atacar Lula e a Copa. Fui a alguns deles e conferi: quase todos os que vi jamais postaram qualquer coisa que não fosse retuitar Eduardo Campos e Marina Silva. Na reprodução de um deles, você vê a contradição: quase 6 mil pessoas retuitaram, mas apenas sete “curtiram”.

Que exemplo de ética e de “nova política”, vocês não acham?

Eduardo_Campos35_Aprovacao

O Muda Mais recolheu a lista de todos os perfis falsos. Seria interessante cruzar a lista com os 23 mil robôs que, segundo o Estadão, foram usados para pressionar o Supremo Tribunal Federal a negar os embargos infringentes no julgamento do chamado “mensalão”.

Fez o trabalho que o Ministério Público Eleitoral deveria fazer, para ver como se está despejando dinheiro nas redes sociais para promover candidaturas, comprando listas de perfis.

Está prontinho, se Suas Excelências querem mesmo moralizar o processo eleitoral, apurando quem usa o dinheiro para influenciar a rede.

Mas parece que a Justiça Eleitoral está mais preocupada em gastar milhões com a identificação biométrica dos eleitores, para evitar uma malandragem de que quase não se tem notícia e que, se acontecer, vai fraudar meia dúzia de votos, que talvez não dê para eleger um vereador em Santana do Altos e Baixos das Mercês.

Leia também:

Aécio e Eduardo Campos: Passa-se o ponto

Partido de Marina Silva cobre R$30,00 para militante ter direito de participar das decisões

O maior problema de Eduardo Campos não é Marina Silva. É ele mesmo!

O socialista Eduardo Campos adota tática do nazista Bornhausen

Mais Médicos: Eduardo Campos é acometido de amnésia súbita

Aécio e Eduardo: “Dois em um” empacam na mesmice

Pau-mandado de José Serra formaliza apoio a Eduardo Campos

Marina deixa claro que aliança com PSB tem prazo de validade

Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso

Para agradar Marina, PSB vai lançar candidato de faz-de-conta

O PS[d]B de Campos e Marina

Luiz Erundina afirma que alianças do PSB não têm coerência

Marina e Campos falharam como “terceira via” e torcem por protestos nas ruas

Aliança PSB/PSDB: Afinal, o que é essa tal de “nova política”?

Quanto pior melhor: Marina Silva pede novos protestos de rua em 2014

O sistema financeiro em busca de candidata?

Censura ao vice-presidente do PSB mostra a face autoritária de Marina

O pragmático marido da programática Marina

Paulo Moreira Leite: Guru de Marina disse que é preciso aumentar o preço da carne e do leite

A promiscuidade da(s) rede(s) Itaú-Marina

Já que a Rede de Marina furou, Banco Itaú cria sua própria rede

Com o apoio da mídia golpista, Marina Silva cultua o blasfemo “deus mercado”

Campos/Marina: O papel da coalizão do ódio

Para André Singer, programa de Eduardo Campos/Marina não existe

Luciano Martins Costa: A mídia está atirando para todos os lados

O mal-estar de Marina Silva

Janio de Freitas: O não dito pelo dito

Como fatos são maiores que desejos, Marina devastou a oposição

Aliado histórico de Marina abandona Rede e diz ter feito “papel de bobo”

Os neossocialistas Heráclito Fortes, Bornhausen e Caiado apoiam Eduardo Campos/Marina

Por que no te callas, Marina Silva?

Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos

Janio de Freitas: Presente e futuro

Dez consequências da decisão de Marina

Vice do PSB diz que partido de Marina é “fundamentalista, preconceituoso e sem caráter”

Problemas para Campos: Marina já critica alianças do PSB

Todos contra o chavismo

Marina/Campos: De madrugada, choro e ataque ao “chavismo do PT”

Marina Silva e o chavismo

Malabarismo de Marina Silva desorientou a mídia golpista

Estão faltando ideias e sobrando frases feitas para Marina

A Rede de Marina: Uma nova política ou uma nova direita?

Marina perdeu antes de o jogo começar?

Marina Silva é o atraso do Brasil financiado por banqueiros

Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões

Folha, com exclusividade, descobre o que ninguém sabia

8 de abril de 2014

Via SQN

Dilma_Rejeicao01

Aécio e Eduardo Campos: Passa-se o ponto

8 de abril de 2014

Eduardo_Campos33_Aecio_Passa-se

Ricardo Melo

Poucos governos foram tão alvejados quanto o de Dilma Rousseff nos últimos meses. Na grande mídia, tudo foi motivo de crítica pesada: Copa do Mundo, inflação, crescimento, Petrobras, relação com empresários, Mais Médicos etc. etc. etc. Subiu ao palco até aquela agência de risco famosa por dar nota azul a bancos que, semanas depois, lideraram a maior crise do capitalismo desde 1929. Chumbo grosso.

Eis que, diante de tudo isso, as pesquisas de opinião mostram, sim, um recuo da popularidade de Dilma. Era esperado, até previsível. Especulador ganhou muito dinheiro com isso. O inesperado, para quem se diz portador do novo, da juventude, da mudança, foi o que aconteceu com o tucano Aécio Neves e o filotucano Eduardo Campos: estacionaram como aquelas caçambas que ocupam vagas preciosas no meio-fio à espera do lixo de condôminos. Considerando a margem de erro do Datafolha, ficaram literalmente empacados.

Isso não quer dizer que o mundo esteja a mil maravilhas para o governo. Há um desejo de mudança, de melhora, de iniciativas corajosas. Mas aí vem o detalhe: entre os que querem novos ares, a maioria considera que o mais apto a fazer isto é Lula, seguido por Marina e, depois por… Dilma! É de provocar vergonha alheia.

A esta altura do campeonato, quem deve, ou deveria, estar em polvorosa é a oposição. Com toda a exposição dos últimos meses, seus candidatos não conseguiram convencer os eleitores de que são os arautos de um Brasil próspero. Não é por menos. Tucanos e filotucanos têm dificuldades conhecidas em lidar com o povo a céu aberto. Preferem a pouca luz de bastidores.

Nos meios tradicionais e jantares selecionados, operam com saliência e desenvoltura: trocam favores relacionados a heliportos pela cabeça de jornalistas, intimidam oposicionistas em seus Estados, mas, quando se trata de Brasília, posam de Cato.

Com a cara mais lambida do mundo, Aécio e Campos pedem agora CPIs sobre a Petrobras; já em suas searas, vestem a roupa do coronelismo mais retrógrado. Nunca demais recordar: governos tucanos, que há mais de uma década rapinam o Tesouro paulista em conluio com multinacionais, jamais aceitaram a criação de uma mísera CPI estadual para investigar as denúncias de roubalheiras no Metrô e na CPTM. Uma única!

Mas em Brasília o pessoal troca de uniforme, finge-se de vestal e quer (quer mesmo?) uma devassa na Petrobras. Parece não perceber que manobras mesquinhas não são suficientes para colocar água em torneiras à beira de racionamento, melhorar a segurança pública ou resolver a situação vexatória dos transportes públicos sob sua responsabilidade. E ainda nem começou o horário eleitoral, no qual os partidos governistas dispõem de uma larga vantagem sobre os adversários.

Nada disso sugere que o governo dirigido pelo PT ostente uma situação confortável e possa viver da indigência dos rivais. O Planalto tem contas a prestar sobre a série de denúncias indicando que a máquina pública serve de balcão de negócios para interesses privados e partidários. Tão hipócrita quanto dizer que a prática começou nos governos do PT é tentar esconder que certos hábitos infelizmente são multipartidários. O governo Dilma Rousseff tem nas mãos a chance de romper essa inércia.

Anistia

A pressão pela revisão da Lei da Anistia cresceu com as últimas revelações da Comissão da Verdade. Incapaz de contestar as barbaridades que vieram a público, a última trincheira dos obscurantistas é cobrar o julgamento de “todos os lados”. Cinismo absoluto.

A oposição ao regime militar foi julgada, exilada, presa, torturada e condenada à morte (por fora da lei) durante o desgoverno dos generais. Quem se safou com a anistia foram os torturadores e seus mandantes. São estes que devem ir ao banco dos réus. Ou será que querem julgar Dilma de novo?

Partido de Marina Silva cobra R$30,00 para militante ter direito de participar das decisões

25 de março de 2014

Marina_Dinheiro03

Ana Flávia Gussen, via Hoje em Dia em 22/3/2014

Criado por Marina Silva (PSB) para “fundar uma nova política”, o movimento Rede Sustentabilidade está cobrando para que seus filiados votem nas convenções estaduais. O valor mínimo para o militante exercer o voto é de R$30,00, segundo resolução nacional que estabelece o regimento interno das convenções de 2014. O documento foi aprovado pela cúpula nacional e vale para todos os estados.

Fundadores do Rede em Minas acusam Marina de “selecionar os filiados” e distorcer os ideais do movimento. Para eles, o Rede pratica a “velha política”. Aqueles que não puderem pagar o voto, devem apresentar uma justificativa por escrito, de acordo com o documento.

“A Marina e sua cúpula criaram regras absurdas para ganhar dinheiro. Temos 52 filiados no Aglomerado da Serra e outros 50 em Betim que ficaram fora do movimento por causa disso. Quem não puder, tem que apresentar atestado de pobreza”, disparou um dos fundadores o advogado Tito Lívio. De acordo com ele, a convenção em Minas será realizada em abril.

O artigo 6º do regimento traz a seguinte regra: “O filiado será considerado em dia com suas obrigações financeiras mediante o pagamento da contribuição extraordinária para a primeira convenção da Rede Sustentabilidade no valor mínimo de R$30,00”.

Velha política
Lívio faz parte de um movimento paralelo que questiona tais posicionamentos da cúpula nacional do Rede Sustentabilidade. Em um manifesto assinado pelo grupo interno Coletivo Mineiro, eles afirmam que pessoas são desfiliadas e assinaturas são impugnadas ilegalmente.

“A rede era um partido para receber pessoas, ativistas, mas continuam fazendo a velha política do mesmo jeito. Não tem nada de decisões horizontais, ações democratizadas. Não existe nada disso. Marina é uma fraude”, disparou o militante.

Outro lado
O Hoje em Dia entrou em contato com o líder da Rede em Minas, José Fernando Aparecido, mas ele não falou sobre o assunto. “Não tenho muito conhecimento sobre esse regimento”. O coordenador do grupo de trabalho Paulo Emílio também disse que não falaria uma vez que “os estados não participaram da elaboração das regras”. O porta-voz da Rede ao lado de Marina, Cássio Martinho não foi localizado. Seu telefone pessoal estava desligado.

Falta de assinaturas impediu registro
O pedido de criação do partido Rede Sustentabilidade foi arquivado em fevereiro desse ano no tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o TSE, o processo já havia sido concluído em outubro do ano passado quando por maioria dos votos os ministros negaram a criação da Rede.

O partido teve o apoio de 442.524 eleitores com assinaturas certificadas pelos cartórios eleitorais, mas precisava ter no mínimo 491.949 assinaturas. Em Minas, forma colhidas 100 mil sendo 60 mil certificadas.

***

Leia também:

O maior problema de Eduardo Campos não é Marina Silva. É ele mesmo!

O socialista Eduardo Campos adota tática do nazista Bornhausen

Mais Médicos: Eduardo Campos é acometido de amnésia súbita

Aécio e Eduardo: “Dois em um” empacam na mesmice

Pau-mandado de José Serra formaliza apoio a Eduardo Campos

Marina deixa claro que aliança com PSB tem prazo de validade

Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso

Para agradar Marina, PSB vai lançar candidato de faz-de-conta

O PS[d]B de Campos e Marina

Luiz Erundina afirma que alianças do PSB não têm coerência

Marina e Campos falharam como “terceira via” e torcem por protestos nas ruas

Aliança PSB/PSDB: Afinal, o que é essa tal de “nova política”?

Quanto pior melhor: Marina Silva pede novos protestos de rua em 2014

O sistema financeiro em busca de candidata?

Censura ao vice-presidente do PSB mostra a face autoritária de Marina

O pragmático marido da programática Marina

Paulo Moreira Leite: Guru de Marina disse que é preciso aumentar o preço da carne e do leite

A promiscuidade da(s) rede(s) Itaú-Marina

Já que a Rede de Marina furou, Banco Itaú cria sua própria rede

Com o apoio da mídia golpista, Marina Silva cultua o blasfemo “deus mercado”

Campos/Marina: O papel da coalizão do ódio

Para André Singer, programa de Eduardo Campos/Marina não existe

Luciano Martins Costa: A mídia está atirando para todos os lados

O mal-estar de Marina Silva

Janio de Freitas: O não dito pelo dito

Como fatos são maiores que desejos, Marina devastou a oposição

Aliado histórico de Marina abandona Rede e diz ter feito “papel de bobo”

Os neossocialistas Heráclito Fortes, Bornhausen e Caiado apoiam Eduardo Campos/Marina

Por que no te callas, Marina Silva?

Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos

Janio de Freitas: Presente e futuro

Dez consequências da decisão de Marina

Vice do PSB diz que partido de Marina é “fundamentalista, preconceituoso e sem caráter”

Problemas para Campos: Marina já critica alianças do PSB

Todos contra o chavismo

Marina/Campos: De madrugada, choro e ataque ao “chavismo do PT”

Marina Silva e o chavismo

Malabarismo de Marina Silva desorientou a mídia golpista

Estão faltando ideias e sobrando frases feitas para Marina

A Rede de Marina: Uma nova política ou uma nova direita?

Marina perdeu antes de o jogo começar?

Marina Silva é o atraso do Brasil financiado por banqueiros

Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões

O maior problema de Eduardo Campos não é Marina Silva. É ele mesmo!

15 de março de 2014
Eduardo_Campos3_Bornhausen

Eduardo Campos com Bornhausen: “Renovação”!

Kiko Nogueira, via DCM

Eduardo Campos tem dois problemas. Um deles é Marina Silva. O outro, mais complicado, é ele mesmo.

Em Nazaré da Mata (PE), o governador de Pernambuco e virtual presidenciável disse que “não dá mais para ter quatro anos de Dilma. O Brasil não aguenta e o povo brasileiro sabe disso”. Afirmou também, referindo-se a Dilma, que “quem acha que sabe tudo não sabe de nada”.

Numa maratona de encontros em São Paulo, alguns deles ladeado por Marina, voltou à carga. “O arranjo político de Brasília já deu o que tinha que dar”, declarou. Dilma é “autoritária”, “foge do debate”, é “avessa ao diálogo”, vendeu uma imagem de gerente competente “que não se confirmou”, não fez a “faxina ética” que prometeu e “se acomodou” com os escândalos de corrupção” de seu governo. “Há uma crise de expectativa, uma crise política, uma crise econômica”, decretou.

Campos está em campanha e é, até certo ponto, natural ter subido o tom. Não decola nas pesquisas, não acontece, não nada.

Seu novo aliado é Jorge Bornhausen, ex-governador biônico de Santa Catarina, ex-senador e presidente do PFL. Hoje sem cargo, Bornhausen foi fundamental na criação do PSD de Kassab e deu uma mão a Marconi Perillo e Demóstenes Torres até o escândalo do bicheiro Carlinhos Cachoeira. Seu filho, Paulo Bornhausen, filiou-se ao PSB, que de socialista tem o nome.

Mas a grande questão de Campos passa pelas ideias. Onde elas estão? O que ele propõe, enfim?

Silêncio.

A tática de bater é um complemento à esterilidade que ele apresenta em sua conta nas redes sociais – um apanhado de lugares comuns, como “nossa vocação é pensar grande, é trabalhar para que os grandes sonhos e projetos do povo brasileiro virem realidade. É nisso que acredito”; “Só uma economia forte e pujante na sua sustentabilidade pode trazer um futuro melhor para os brasileiros”; “O Brasil precisa de um governo que jogue limpo, que trabalhe duro para defender nossa economia, que é a base da nossa soberania nacional”; “O IBGE divulgou hoje o medíocre PIB de 2013”. E blábláblá.

Essa é a “nova política” de Eduardo Campos? No que a histeria ajuda agora? O que ele fez em Pernambuco de tão notável que o credencia a dar aulas? O estado está em 19ª posição no Atlas de Desenvolvimento Humano, aliás. Um empresário paulista que se mudou para o Recife teve dificuldades de registrar a empregada porque ninguém – ninguém – faz isso por lá.

É de uma miopia abissal. Em vez de Bornhausen, Campos podia ser apresentado a gente como, por exemplo, Mujica ou o papa Francisco, dois reformadores e renovadores políticos. Um excelente template. Ou a alguém à direita com um conjunto de propostas. Qualquer coisa. O que o Brasil não aguenta – como ele diz – é o mais do mesmo que ele representa.

***

Leia também: Eduardo Campos*

O socialista Eduardo Campos adota tática do nazista Bornhausen

Mais Médicos: Eduardo Campos é acometido de amnésia súbita

Aécio e Eduardo: “Dois em um” empacam na mesmice

Pau-mandado de José Serra formaliza apoio a Eduardo Campos

Marina deixa claro que aliança com PSB tem prazo de validade

Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso

Para agradar Marina, PSB vai lançar candidato de faz-de-conta

O PS[d]B de Campos e Marina

Luiz Erundina afirma que alianças do PSB não têm coerência

Marina e Campos falharam como “terceira via” e torcem por protestos nas ruas

Aliança PSB/PSDB: Afinal, o que é essa tal de “nova política”?

Quanto pior melhor: Marina Silva pede novos protestos de rua em 2014

O sistema financeiro em busca de candidata?

Censura ao vice-presidente do PSB mostra a face autoritária de Marina

O pragmático marido da programática Marina

Paulo Moreira Leite: Guru de Marina disse que é preciso aumentar o preço da carne e do leite

A promiscuidade da(s) rede(s) Itaú-Marina

Já que a Rede de Marina furou, Banco Itaú cria sua própria rede

Com o apoio da mídia golpista, Marina Silva cultua o blasfemo “deus mercado”

Campos/Marina: O papel da coalizão do ódio

Para André Singer, programa de Eduardo Campos/Marina não existe

Luciano Martins Costa: A mídia está atirando para todos os lados

O mal-estar de Marina Silva

Janio de Freitas: O não dito pelo dito

Como fatos são maiores que desejos, Marina devastou a oposição

Aliado histórico de Marina abandona Rede e diz ter feito “papel de bobo”

Os neossocialistas Heráclito Fortes, Bornhausen e Caiado apoiam Eduardo Campos/Marina

Por que no te callas, Marina Silva?

Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos

Janio de Freitas: Presente e futuro

Dez consequências da decisão de Marina

Vice do PSB diz que partido de Marina é “fundamentalista, preconceituoso e sem caráter”

Problemas para Campos: Marina já critica alianças do PSB

Todos contra o chavismo

Marina/Campos: De madrugada, choro e ataque ao “chavismo do PT”

Marina Silva e o chavismo

Malabarismo de Marina Silva desorientou a mídia golpista

Estão faltando ideias e sobrando frases feitas para Marina

A Rede de Marina: Uma nova política ou uma nova direita?

Marina perdeu antes de o jogo começar?

Marina Silva é o atraso do Brasil financiado por banqueiros

Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões


%d blogueiros gostam disto: