Posts Tagged ‘Dilma Rousseff’

Se cuida, Dudu: Brasil investiga Pasadena, mas refinaria de Pernambuco é problema maior

14 de abril de 2014
Refinaria_Pernambuco01A

Refinaria Abreu e Lima, Pernambuco.

Jeb Blount, via Reuters Brasil

A compra de uma refinaria nos Estados Unidos pela Petrobras por US$1,2 bilhão virou tema de campanha eleitoral, com a oposição afirmando que a estatal pagou 20 vezes mais que o valor justo pela unidade no Texas e que Dilma Rousseff errou ao aprovar o negócio quando era presidente do Conselho da empresa em 2006.

A investigação, porém, está provavelmente mirando na refinaria errada: mesmo que a Petrobras tenha pago caro, a refinaria de Pasadena, com capacidade para processar 100 mil barris por dia, pode ter sido o melhor negócio em refino que a petroleira já fez em pelo menos três décadas.

[…]

A Petrobras não quis comentar sobre Pasadena, pois está conduzindo sua própria investigação, mas José Sergio Gabrielli, que era presidente da Petrobras na época da aquisição, disse nesta semana que a compra de Pasadena foi “um grande investimento”.

[…]

Para efeito de comparação, a saudita Aramco e a francesa Total construíram em Jubail (Arábia Saudita) uma refinaria para 400 mil barris diários por US$10 bilhões, ou US$25 mil por barril –menos de um terço do custo da Rnest (refinaria do Nordeste, a Abreu e Lima).

A chinesa Sinopec planeja concluir no ano que vem em Guangdong uma refinaria para 200 mil barris diários ao preço de US$9 bilhões (US$45 mil por barril), quase metade do custo da refinaria no Nordeste.

Em Port Arthur (Texas), a Aramco e a anglo-holandesa Royal Dutch Shell gastaram US$10 bilhões por uma refinaria para 350 mil barris/dia, o que também equivale a um terço do valor em Pernambuco.

Em nível mundial, refinarias novas para o processamento de petróleo pesado estão custando “no máximo” 38 a US$45 mil por barril, segundo um consultor de refino dos EUA que trabalhou em refinarias da América do Norte, Oriente Médio, América Latina e Ásia.

[…]

As refinarias na costa norte-americana do Golfo do México, onde fica Pasadena, geralmente lucram cerca de US$10,00 por barril refinado, segundo Margolin, da Cowan and Company, e Alen Good, analista de ações de empresas de petróleo e refino na Morningstar, em Chicago.

[…]

Com base no desembolso de US$1,2 bilhão, a Petrobras provavelmente conseguiria reaver o investimento de Pasadena em cinco anos, segundo Good.

Isso pode se dever mais à sorte do que a um investimento inteligente. Quando a compra foi aprovada, em 2006, a Petrobras estava procurando formas de refinar seu petróleo nos EUA, pois havia a expectativa de que esse país passaria a comprar mais petróleo bruto do Brasil.

Desde então, o boom do petróleo de xisto nos EUA aumentou a demanda pelo refino de petróleo, tornando mais valiosas as refinarias na costa do Golfo.

A cifra de US$1,2 bilhão também pode representar um valor superestimado em relação ao verdadeiro custo de Pasadena, já que o total incluía US$595 milhões em outros itens, como uma parte do estoque de petróleo da empresa Astra já presente na unidade, além de multas e taxas legais. Good e Margolin disseram que esses custos deveriam ser excluídos da avaliação da refinaria.

Quando isso é feito, chega-se ao valor de US$486 milhões pela refinaria propriamente dita, ou US$4.860,00 por barril – valor que pode ser recuperado em um ano de operação a plena capacidade. Ainda para efeito de comparação, 18 vezes menos que a Rnest.

“Faz pouco sentido se comover com Pasadena quando você considera o que a Petrobras está pagando mais pela capacidade de refino no Brasil”, disse Good. “Com esses preços, faz mais sentido para a Petrobras comprar refinarias nos EUA do que construí-las no Brasil.”

Gabrielli também questionou a cifra de US$1,2 bilhão, alegando que na verdade a refinaria texana custou menos de US$500 milhões.

Gasolina política

Pedro Galdi, analista-chefe da SLW Corretora, de São Paulo, disse que os investigadores deveriam se voltar muito mais para a Rnest do que para Pasadena.

“Todas as refinarias da Petrobras são, de alguma forma, fora da norma, e tenho poucas dúvidas de que, se uma CPI for realmente instalada, isso vai aparecer muito claramente”, disse ele. “Houve uma séria má gestão.”

A refinaria Rnest surgiu de um acordo entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez, da Venezuela.

A ideia inicial era que a unidade recebesse 60 por cento do petróleo do Brasil e 40 por cento da Venezuela, numa demonstração de amizade internacional e como forma de impulsionar a indústria regional.

Mas para lidar com petróleo venezuelano, que é mais pesado e com poluentes tóxicos do que o produto brasileiro, a Petrobras precisava de duas linhas de refino separadas, e por isso foi preciso acrescentar instalações adicionais.

Funcionários do governo já alertaram aos críticos de Pasadena que uma investigação mais ampla poderá respingar sobre eles próprios. Pernambuco, afinal, é um Estado que já foi governado por Eduardo Campos, ex-aliado e hoje rival eleitoral de Dilma.

[…]

Clique aqui para ler a tradução completa.

Leia também:

Antonio Lassance: Quem tem medo de uma CPI ampla?

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Antonio Lassance: Quem tem medo de uma CPI ampla?

12 de abril de 2014

Cassio_Cunha_Lima01A

A tentativa oposicionista de restringir o assunto da CPI a Pasadena foi fruto de um acerto para fazer um cordão sanitário em torno de Eduardo Campos.

Antonio Lassance, via Carta Maior

Era uma vez uma CPI proposta para “identificar responsabilidades no setor da administração pública em decorrência de qualquer tipo de corrupção”. Alguém contra?

A oposição é contra. O PSDB e seus coadjuvantes: o PSB, o PSOL e a intrépida trupe de senadores que são oposição em partidos que são governo, como Cristovam Buarque e Pedro Taques, do PDT; Pedro Simon e Jarbas Vasconcelos, do PMDB. Eles querem uma CPI minimalista, para não dizer míope, para investigar apenas a compra de uma refinaria em Pasadena, na Califórnia, pela Petrobras.

Segundo a suspeita oposicionista, a Califórnia fica do outro lado da rua que atravessa a Praça dos Três Poderes. Dá para ir a pé, do Senado. Pasadena fica, pelo que imaginam, no 3º andar do Palácio do Planalto.

Essa não é a primeira CPI da Corrupção. Em 1988, o então senador Fernando Henrique Cardoso e a maioria dos parlamentares peemedebistas que, um ano depois, formariam o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), apoiaram o requerimento de criação de uma CPI que tinha como objetivo identificar responsabilidades “na administração pública” e em decorrência “de qualquer tipo de corrupção”.

Era, portanto, uma CPI ampla, geral e irrestrita. FHC manifestou-se favoravelmente a que o poder de fiscalização do Congresso fosse exercido “em toda a sua plenitude”.

A “CPI da Corrupção” investigou, de tudo, um pouco. De liberação de verbas para prefeituras à gestão de Jader Barbalho no Ministério da Reforma e do Desenvolvimento Agrário (Mirad). Depois, fez-se um desvio de rota e a CPI passou a olhar contratos com empreiteiras – sempre elas – com suspeita de superfaturamento, a construção de um aeroporto na cidade natal de Sarney, entre outras coisas.

Anos depois, em 2001, eis que aparece outra proposta de “CPI da Corrupção”. Dessa vez, o PSDB é governo, e FHC, o presidente. O PT encabeçava a iniciativa e mirava desde as denúncias de compra de votos da emenda da reeleição; o caixa 2 em campanhas eleitorais (o ministro de FHC, Andrea Matarazzo, é citado); o tráfico de influência na Presidência da República; a privatização de uma empresa pública de telefonia; as verbas do antigo Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER); os desvios no Banpará (de novo, aparece o nome de Jader Barbalho) etc. etc. etc.

FHC, dessa vez, posicionou-se terminantemente contra a CPI. Seu ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Aloysio Nunes Ferreira, acusou o PT de ser “neo-udenista”, o que, como se sabe, significa dizer que alguém usa e abusa do discurso do combate à corrupção com a intenção golpista de derrubar o governo. A “cruzada ética redentora” acabaria por solapar as próprias bases da democracia no país, acusava Aloysio Nunes.

Os tucanos acabaram conseguindo impedir a instalação daquela CPI. Diziam que a mesma era desnecessária, pois o governo já investigava as denúncias. Parece que é o mesmo “script” de hoje, mas não é. As diferenças são muitas. A começar que a base governista criou sua própria CPI.

Além disso, à época de FHC, a Procuradoria Geral da República era chefiada por um procurador que ganharia o irônico apelido de “Engavetador-Geral da Nação”. Sequer havia a Controladoria-Geral da União.

A Polícia Federal tinha, como seu Diretor-Geral, um filiado ao PSDB. Ele seria figura chave no desmonte da candidatura de Roseana Sarney, então do PFL, principal rival, no campo governista, da candidatura de José Serra à Presidência da República.

O jogo de comadres que uniu PSDB e PSB

Hoje, estamos diante da possibilidade de mais uma CPI da Corrupção. O governo Dilma chamou tucanos e eduardistas para dançar.

A estratégia visa, claramente, se contrapor à tentativa da oposição em torno de uma CPI exclusivamente da Petrobras e que teria como alvo direto não Pasadena, mas o Palácio do Planalto. Pasadena é pretexto.

Ao criar uma CPI para chamar de sua, os governistas diluíram o foco da oposição. O governo percebeu o “jogo de comadres” entre PSDB e PSB. A tentativa oposicionista de restringir o assunto da CPI a Pasadena foi fruto de um acerto para fazer um cordão sanitário em torno de Eduardo Campos. Em troca, o PSB, depois de titubear em apoiar a CPI, acabou tornando-se um de seus mais enfáticos defensores.

Pelo acordo dos oposicionistas, Eduardo Campos seria poupado do risco de ser envolvido nas acusações contra a Refinaria “Abreu e Lima”, em Pernambuco. É impossível falar na refinaria sem que o assunto respingue em Eduardo Campos. Não só porque ele era, até semana passada, governador daquele estado.

A “Abreu e Lima” sempre foi propagandeada por Campos como uma vitória pessoal sua. O plano era levar a refinaria para Pernambuco, trazer empresas estrangeiras para ali fazerem grandes investimentos, relacionar o empreendimento ao porto de Suape e montar um grande complexo petrolífero que reposicionaria a economia do estado.

Em meio a tanta grandiloquência do discurso da grande política, havia a pequena política dos grandes negócios. A oposição tucana a Campos, em Pernambuco, sempre o acusou de usar Suape e “Abreu e Lima” para se promover.

Pior, o PSDB de Pernambuco levantava suspeitas de que Campos estivesse associando a obra a seu financiamento de campanha. Criticavam Campos por ter feito inúmeras viagens à Holanda para discutir negócios que interessavam a empreiteiras e outros grupos empresariais de seu estado. Grupos que, coincidentemente, depois aportariam recursos para a sua campanha.

Depois do acordo PSDB/PSB em favor da CPI sobre Pasadena, curiosamente, o assunto da refinaria “Abreu e Lima” deixou de sair da boca dos tucanos e, como num passe de mágica, sumiu momentaneamente do noticiário. Todo o esforço seria concentrado só na compra da refinaria californiana.

O jogo bruto da política come solto, apimentado pelo calendário eleitoral e animado por capítulos de um novelão que vai longe. O próximo capítulo é a decisão do STF sobre quem tem razão: quem pede uma CPI ampla, ou quem quer restringi-la.

Repleta de expectativas, com uma fila de vilões, promessas de reviravoltas surpreendentes e clima de suspense, a guerra de CPIs deixa no ar uma questão: para que servem e para onde vão as CPIs?

As CPIs de hoje e seus fantasmas

Essa deve ser a terceira CPI da Corrupção – ampla, geral e irrestrita. Ela se instala sob a sombra de vários fantasmas: a CPI dos Correios (que resultou no escândalo do “mensalão”), a CPI do “Fim do Mundo”, a CPI do Banestado, a CPI do Cachoeira.

Lula, na entrevista aos blogueiros (8/4), chamou para a briga. Conclamou os petistas a defenderem Dilma. Mandou os deputados e senadores serem mais aguerridos. Lembrou que não se pode cometer os mesmos erros que levaram o PT a abaixar a cabeça no “mensalão”. “Se você abaixa a cabeça, eles colocam uma canga em cima”.

A CPI do “Fim do Mundo” começou como CPI “dos Bingos”, feita para investigar o bicheiro Carlos Cachoeira – ele depois daria mote a uma outra, a CPI “do Cachoeira”. Cachoeira agora disputa, com Jader Barbalho e Matarazzo, o posto de quem mais provocou CPIs no Congresso.

Aqueles que acham que nascemos ontem, que hoje pedem CPIs restritas e bem definidas e pensam que não nos lembramos do que eles fizeram no verão passado, usaram aquela CPI “dos Bingos” para pular dos assuntos de Cachoeira para o “mensalão”; para os casos de assassinato dos prefeitos petistas Toninho do PT, de Campinas, e Celso Daniel, de Santo André; para os contratos de coleta de lixo em Ribeirão Preto; para as empresas GTech; para a Caixa Econômica Federal; para o boato reproduzido pela revista Veja de que dólares “cubanos” teriam vindo em caixas de bebida para abastecer a campanha de 2002; e até para a “máfia do apito” do Campeonato Brasileiro de Futebol.

CPIs de políticos x CPIs de políticas

Dois tipos de CPIs hoje tomam conta do Congresso: as que investigam políticos e as que investigam políticas. As primeiras estão em franca decadência. As segundas sempre viveram sob o risco de serem condenadas à irrelevância.

As CPIs que investigam políticos, mesmo as que incidem sobre membros do Congresso, acabam tendo seus resultados dependentes mais dos procedimentos das comissões de ética e das decisões do plenário do que propriamente das investigações. Com a instituição do voto aberto, a pressão em favor das renúncias se tornou ainda maior, e o peso dessas CPIs, cada vez menor.

As CPIs que investigam governos normalmente chovem no molhado. Todas as denúncias e revelações com as quais trabalham já foram feitas pelos órgãos de fiscalização e controle, pela Polícia Federal ou por tribunais. Ninguém mais troca uma delação premiada por um depoimento em CPI.

Raros são os depoentes que vão às CPIs sem um prévio “habeas corpus” que lhes garanta o direito de permanecer calados e a satisfação de fazerem os parlamentares perderem seu tempo à toa, ouvindo a mesma resposta: “reservo-me o direito de permanecer calado…”.

O desgaste das CPIs feitas para animar eleições, que fazem muito barulho por nada, tende ajudar que as CPIs de políticas públicas prevaleçam. Mas, para isso, a relação entre os governos e os legislativos precisaria mudar.

Por enquanto, o descompromisso da maioria dos governos com CPIs propositivas são um tiro no pé. Fazem parecer que CPI pra valer tem que ter dedo na cara, berros e algemas.

A maioria das pessoas ainda associa o sucesso de uma CPI à derrubada de um ministro, à cassação de um parlamentar, à prisão de um malfeitor ou de quem quer que seja.

A última CPI que conseguiu prender alguém foi a da pedofilia. Mesmo assim, porque um depoimento estava sendo acompanhado ao vivo por uma autoridade judiciária que, assim que o depoente proferiu sua última frase, já tinha uma ordem de prisão aguardando sua saída do recinto.

As CPIs, ao contrário, deveriam ter como principal resultado a criação de novas leis e a avaliação de políticas e programas, com a recomendação de mudanças e de maior controle pelo próprio legislativo. O resto é pose para fotografia. Se esvai após os flashes.

Dos governos, se esperaria que eles pegassem carona, no melhor sentido, no trabalho das CPIs para apoiar iniciativas legislativas e modificar sua conduta.

A CPI do Sistema Carcerário, criada em 2007, fez o mais profundo diagnóstico da crise permanente que ainda abala essa área. Dos 12 projetos de lei apresentados, nenhum chegou a ser aprovado. A principal proposta, o Estatuto Penitenciário Nacional, demonstra bem a disposição dos parlamentares de se debruçarem sobre o tema: a comissão especial para analisar o projeto sequer chegou a ser criada.

Essa CPI voltou a ser lembrada com a crise no Maranhão, no início deste ano, dramatizada pelas cenas tétricas de degola na Penitenciária de Pedrinhas. O relator daquela CPI, por coincidência, era um deputado maranhense, o combativo Domingos Dutra.

Dutra chamou o episódio de Pedrinhas de uma “tragédia anunciada”. A expressão nos dá um bom contraste para confrontar quem acha que o principal problema das CPIs ainda é quando elas acabam em pizza. É muito pior quando elas acabam em tragédias, com sangue no lugar do molho de tomate.

Antonio Lassance é cientista político.

Leia também:

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Valor Econômico mistura números e eleva prejuízo de Pasadena para US$2 bilhões

11 de abril de 2014

Valor_Economico_Logo01AVia Jornal GGN

Em geral mais objetivo em suas matérias, o jornal Valor Econômico pouco a pouco parece abrir mão do rigor jornalístico, igualando-se aos demais jornais na falta de apuração correta dos dados.

Sob o olho “Análise”, a matéria “Ex-presidente tenta blindar a estatal” é eivada de erros técnicos, erros graves de informação e de interpretação:

Erro 1 – afirma que a Petrobrás “jogou pelo ralo” US$2 bilhões com a compra da refinaria Pasadena. Todas as denúncias até agora divulgadas não chegam perto desse número.

Erro 2 – na hora de contabilizar o que considera prejuízo total, a matéria soma US$485 milhões pagos pela refinaria, mais US$340 milhões pelos estoques de óleo cru, mais US$340 milhões por multas, juros e honorários dos advogados. Mesmo descontando-se erros primários de contabilização de prejuízos, o total é US$825 milhões, longe dos US$2 bilhões informados.

Erro 3 – Sem nenhuma explicação, dobrou o valor contabilizado como garantias bancárias, juros, honorários e despesas processuais – dos originais US$173 milhões para US$355 milhões. Não separou o que é prejuízo efetivo (multas, honorários de advogados) do que é despesa inerente à operação.

Erro 4 – Trata como prejuízo US$340 milhões pagos por estoques de petróleo, sem considerar que estoques são refinados e revendidos no mercado.

Erro 5 – Trata como escândalo cláusula do acordo de acionistas que previa prêmio de 20% para a Astra Oil (sobre o valor original negociado) caso ela saísse do negócio e deixasse a Petrobras no controle. Ignora ser hábito consagrado no mercado o chamado “prêmio de controle” – isto é, pagar mais por participação que permita o controle acionário.

Erro 6 – Para criticar o prêmio, a reportagem refere-se a entrevista de José Sérgio Gabrielli. Mas ignorou todas as explicações dadas por ele, sobre as condições do mercado no momento da compra (que tornavam a compra atraente), depois da compra, com a crise de 2007 (tornando a refinaria desinteressante) e, mais recentemente, com as mudanças no mercado de petróleo (tornando novamente a refinaria rentável).

Erro 7 – Na hora de contabilizar prejuízos, não levou em conta o valor atual da refinaria, que produz 100 mil barris diários de derivados de petróleo e opera com lucro.

Erro 8 – Menciona “evidências encontradas até agora nas dezenas de documento relacionadas à compra da refinaria que tornaram públicas negociatas”. A matéria não explica o que considera como “negociatas”. Os documentos até agora divulgados não trazem menção a nenhuma “negociata”. No máximo, cláusulas de negócio que poderiam ser classificadas ou como usuais ou como mal negociadas.

Leia também:

Petrobras assinala recordes em refinaria e de extração no pré-sal

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Petrobras assinala recordes em refinarias e de extração no pré-sal

10 de abril de 2014

Petrobras_Recordes01

Via Correio do Brasil

A Petrobras atingiu recorde de processamento em suas refinarias no mês de março, informou a companhia em nota na noite de domingo. A carga média processada no mês passado foi de 2,151 milhões de barris de petróleo por dia (bpd), superando em 12 mil barris diários o recorde de julho de 2013, de 2,139 milhões de barris diários.

A Petrobras também atingiu recorde na produção de diesel e gasolina com baixo teor de enxofre em suas refinarias. Foram produzidos 4 milhões de barris de diesel S-10 (com concentração de 10 partes por milhão (ppm) de enxofre), 20 milhões de barris de diesel S-500 (500 ppm de enxofre) e 14,8 milhões de barris de gasolina S-50 (50 ppm de enxofre).

As contas da Petrobras têm sido abaladas nos últimos meses pelo déficit em sua produção de combustíveis, que obriga a empresa a importar, revendendo os produtos no país com preços abaixo do mercado internacional.

Pré-sal

A Petrobras também registrou em março produção recorde na camada pré-sal. A produção média mensal de petróleo operada pela companhia no pré-Sal atingiu em março 387 mil bpd. A produção tende a crescer ainda mais, já que em 3 de abril entrou em operação o poço 7-SPH-04-SPS, no campo de Sapinhoá, no pré-sal da Bacia de Santos.

“Esse poço, que tem potencial de produção de 26 mil barris de petróleo por dia, está conectado à plataforma de produção de 120 mil barris por dia de capacidade, o FPSO Cidade de São Paulo”, informou a Petrobras.

A Petrobras destacou ainda a produção do poço SPS-77A, também ligado ao FPSO Cidade de São Paulo, que produz 36 mil bpd desde o 18 de fevereiro de 2014, fazendo dele o poço de maior produção atualmente no Brasil.

Gás natural

A Petrobras ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 100 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural entregues ao mercado consumidor, disse a empresa. No dia 26 de março, a companhia disponibilizou um total de 101,1 milhões de metros cúbicos

Destes, 45,1 milhões de metros cúbicos foram destinados ao mercado termelétrico e 42,5 milhões de metros cúbicos ao mercado não termelétrico, do qual fazem parte indústrias, residências, veículos, sistemas de cogeração e outros. O restante foi entregue às unidades da Petrobras.

Em março deste ano a geração de energia elétrica nas usinas termelétricas da Petrobras foi de 5.000 MW. Considerando as usinas para as quais a Petrobras fornece gás natural, a geração chegou a 7.613 MW, representando cerca de 12 por cento da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional (SIN).

Em nota, a companhia atribuiu os recordes ao “aumento da produtividade de seu quadro de empregados”.

Leia também:

Petrobras: 42 milhões nada, Astra pagou quase US$500 milhões por Pasadena

Memória curta da oposição disfarça falta de propostas

Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC

Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras

Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”

O dedinho de FHC, o porto de Cuba e as hidrelétricas do Aécio

O contra-ataque do governo na CPI da Petrobras

Recordar é viver: Justiça mira gestão da Petrobras na era FHC

A Petrobras e as tucanisses

Miguel do Rosário: Documentos comprovam que Astra pagou mais por Pasadena

Alguns esclarecimentos importantes sobre Petrobras e Pasadena

A Petrobras incomoda

A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

Lobos e cordeiros nos ataques especulativos à Petrobras

Janio de Freitas: O mistério do futuro

O jogo pesado: Tirar a Petrobras de campo

Sérgio Gabrielli explica a senadores detalhes da compra da refinaria nos EUA

A história de Pasadena que a “grande mídia” não contou e o vídeo não editado pela Globo

Ata confirma versão de Dilma sobre Pasadena

Petrobras lança US$8,5 bilhões em bônus e demanda supera US$22 bilhões

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Petrobras valia US$15,4 bilhões em 2003. Hoje vale R$214,6 bilhões. O que a mídia noticia

Faz algum sentido tratar a Petrobras como uma empresa quebrada?

Banco ataca e depois “enche o carrinho” de Petrobras

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%

“Consultores” da Folha criam o inédito: Maior campo do mundo é “problema para a Petrobras

Lucro menor da Petrobras tem nome: investimento gigante

Petrobras 60 anos, com meta de dobrar produção

Lula critica “bisbilhotice” de Obama sobre Dilma e a Petrobras

Petrobras tem lucro de 40% mais que o “previsto”

“Bomba” da Época difamando a Petrobras é desmentida em 24 horas

Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?

FHC ao FMI: “CEF, BB e Petrobras estão à venda.”

Petrobras vai investir US$236,7 bilhões nos próximos cinco anos

Petrobras responde à turma da Petrobrax

PSDB debate Petrobras: É o partido da piada pronta

PSDB, da Petrobrax, ensina como gerir Petrobras

Petrobras cala a boca do PIG nativo e internacional

Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

Petrobras: Dilma terá de pagar dívida de R$4,7 bilhões deixada por FHC

Petrobras bate rivais em todos os indicadores

Petrobras bate novo recorde de produção no pré-sal

Transpetro alcança marca de 10 navios lançado ao mar

Dilma diz que leilão do Campo de Libra é “passaporte para o futuro”

Os lances de Libra e o lance de 2014

Economistas que privatizaram a Vale deveriam se envergonhar de criticar Libra

Pré-sal: O discurso que Aécio não fez e engoliu

Paulo Moreira Leite: Quem perdeu no pré-sal

A redistribuição social da renda petroleira

FHC leiloou Campo de Libra por R$250 mil

Os números finais do leilão do Campo de Libra

Mídia golpista e PSDB noticiam: Petrobras tem “32% de chances de falir”. É? Então a Vale tem 59%. Que burros. Dá zero pra eles!

Dilma: “Quem quer mudar a regra do petróleo, que mostre a cara.”

Pré-sal vai gerar 87 milhões de empregos

União terá 85% de lucro com o Campo de Libra: “Isso é bem diferente de privatização”, afirma Dilma

Pré-sal: Brasil ganha R$1 trilhão no leilão do Campo de Libra, alcançando recorde mundial

Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Em alto nível, Lula faz a lista do “compare e comprove” com a gestão FHC

8 de abril de 2014

Lula_Blogueiros06_2014

Fernando Brito, via Tijolaço em 8/42014

Em artigo publicado no site do Instituto Lula, o ex-presidente faz comparações irrespondíveis entre o Brasil de hoje e aquele que ele encontrou ao assumir o governo. Reproduzo o texto ao final, mas tomo a liberdade de fazer uma lista, simplificada e mais fácil de absorver, das comparações feitas por ele.

É isso o que deve ser mostrado ao eleitor, para sua decisão de votar, porque é a realidade, não a espuma batida e misturada pelo “liquidificador” da mídia. Porque é isso que define o vigor econômico do país e, com ele, a renda, o emprego, os recursos para investimentos sociais, para a modernização do serviço público.

Aos dados econômicos de Lula, portanto:

● O Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país, era, em 2003, o equivalente a US$550 bilhões, hoje supera os US$2,1 trilhões. Quatro vezes maior, portanto.

● O comércio exterior passou de US$119 bilhões anuais em 2003 para US$480 bilhões em 2013, também quatro vezes maior.

● O investimento estrangeiro direto, que foi de US$63 bilhões, contra os US$16,6 bilhões de 2002, quando já não havia quase nada mais a ser vendido na quitanda de Fernando Henrique Cardoso. Ou seja, quase quatro vezes mais.

● Inflação de 12,5% em 2002 para 5,9% em 2013, reduzida a menos da metade.

● Dívida pública líquida diminuída praticamente à metade; de 60,4% do PIB para 33,8%.

● Reservas cambiais de 376 bilhões de dólares em reservas, quase dez vezes maiores do que os 38,8 bilhões de 2002.

● Geração de empregos: até fevereiro, foram 20,2 milhões de empregos (15,4 milhões com Lula e 4,8 milhões com Dilma), o que dá uma média anual 1,8 milhão de empregos, enquanto nos oito anos de Fernando Henrique Cardoso, que criou 5,02 milhões de vagas, a média era de 627,5 mil vagas anuais. Quase triplicou, portanto, mesmo com uma crise internacional que destruiu 62 milhões de empregos, segundo a OIT.

E Lula poderia ter acrescentado ainda:

● Em dólar, o salário mínimo passou de US$56,33 em dezembro de 2002 (R$200,00 para o dólar a R$3,55), para US$321,77 em março deste ano (RS$724,00 para o dólar a R$2,25). Ou, para corrigir pela inflação interna, aumento real de 86,7% desde aquela data, usando o INPC como indexador.

Será que dá, Aécio, sequer para conversar?

Leiam o artigo de Lula:

A saúde das economias emergentes

Luiz Inácio Lula da Silva

Nos últimos meses têm surgido na mídia internacional alguns juízos apressados e superficiais sobre um inevitável declínio econômico dos chamados países emergentes e a sua suposta “fragilidade”.

Os que pensam assim não compreendem o alcance das transformações que o mundo viveu nas últimas décadas e o verdadeiro significado do salto histórico que deram países como a China, a Índia, o Brasil, a Turquia e a África do Sul, entre vários outros. Não percebem que a economia desses países, além de crescer de modo extraordinário, passou também por uma mudança de qualidade. Tornou-se mais diversificada, eficiente e profissional. E muito mais rigorosa e prudente do ponto de vista macroeconômico, sobretudo no que se refere às políticas fiscal e monetária. Não levam em conta que os países emergentes, com tremendo esforço e determinação, reduziram sistematicamente a sua vulnerabilidade interna e externa e agora estão muito mais aptos a enfrentar as oscilações econômicas globais. Por isso, quem os avalia por critérios superados, de décadas atrás – os estereótipos sobre as eternas mazelas do “terceiro mundo” – acaba subestimando a sua solidez e o seu potencial de crescimento.

Até pelos erros de avaliação cometidos na véspera da crise de 2008, quando grandes empresas norte-americanas e europeias à beira da falência eram consideradas por muitos analistas como modelo de solidez e competência, penso que seria recomendável maior objetividade nos diagnósticos e, principalmente, nos prognósticos.

Um dos principais ensinamentos a tirar da crise, que não surgiu nas nações em desenvolvimento, mas nos países mais ricos do planeta, é que as opiniões sobre as economias e o destino dos países devem evitar tanto o elogio inconsistente quanto o alarmismo sem fundamento. A busca equilibrada da verdade é sempre o melhor caminho. E isso supõe examinar de perto, meticulosamente, sem preconceitos nem velhos clichês, a economia real de cada país.

Os países emergentes, obviamente, não estão nem nunca estiveram isentos de desafios. Integrados ao mercado mundial, tem que lidar com as consequências de um maior ou menor dinamismo da economia global. Mas hoje não dependem exclusivamente das exportações que, apesar da crise, mantiveram um volume muito expressivo. Os países emergentes criaram fortes mercados internos, ainda com enorme horizonte de expansão. A retomada dos Estados Unidos e da Europa não torna essas economias menos atrativas para o investimento estrangeiro, que continua a chegar em grande quantidade. As economias desenvolvidas precisam, mais do que nunca, de mercados ainda elásticos para a sua produção, e esses mercados estão principalmente na Ásia, na América Latina e na África. Sem falar que o crescimento norte-americano e europeu tende a favorecer o conjunto do comércio mundial.

A queda no ritmo de crescimento dos emergentes costuma ser exemplificada com a situação da China, que chegou a crescer 14 por cento ao ano e hoje cresce em torno de 7%. É evidente que, com a desaceleração dos países ricos, a China não poderia manter a mesma velocidade de expansão. O que se esquece, porém, é que 10 anos atrás o PIB da China era de cerca de 1.6 trilhão de dólares e hoje é de quase 9 trilhões de dólares. A taxa de crescimento é menor, mas sobre uma base muitíssimo maior. Além disso, deixou de ser um país quase que exclusivamente exportador, para desenvolver também o seu mercado interno, o que demanda novas importações. Por outro lado, graças à imensa poupança e acúmulo de reservas, a China passou a ser uma importante fonte de investimentos externos na Ásia, na África e na América Latina.

Embora sejam economias menores do que a China, os outros emergentes, com diferentes ritmos de crescimento – mas sempre crescendo – também apresentam boas perspectivas.

É o caso do Brasil, que está sabendo ajustar-se ao novo cenário internacional e tem condições concretas não só de manter as suas conquistas econômicas e sociais, mas de continuar avançando.

Os dados da economia brasileira falam por si. No último decênio, o Brasil conseguiu tornar-se em vários aspectos um novo país. O PIB, que em 2003 era de 550 bilhões de dólares, hoje supera os 2.1 trilhões. Somos hoje a sétima economia do mundo. O comércio externo passou de 119 bilhões de dólares anuais em 2003 para 480 bilhões em 2013. O país tornou-se um dos seis maiores destinos de investimento externo direto, recebendo 63 bilhões de dólares só no ano passado, de acordo com as Nações Unidas. É grande produtor de automóveis, máquinas agrícolas, celulose, alumínio, aviões; e líder mundial em carnes, soja, café, açúcar, laranja e etanol.

Baixamos a inflação de 12.5 por cento em 2002 para 5.9 por cento em 2013. Há dez anos consecutivos ela permanece dentro dos limites estabelecidos pela autoridade monetária, mesmo com a aceleração do crescimento. Reduzimos a dívida pública líquida praticamente à metade; de 60.4 por cento do PIB para 33.8 por cento. Desde 2008, o país fez superávit primário médio anual de 2.5 por cento, o melhor desempenho entre as grandes economias. E a Presidenta Dilma Rousseff anunciou o esforço fiscal necessário para manter a trajetória de redução da dívida em 2014.

Com 376 bilhões de dólares em reservas, dez vezes mais do que em 2002. Diferentemente do passado, hoje o Brasil pode lidar com flutuações externas ajustando o câmbio sem turbulências nem artifícios.

Esses resultados poderiam ter sido ainda melhores, não fossem os impactos da crise sobre o crédito, o câmbio e o comércio global. A recuperação dos Estados Unidos é uma excelente notícia, mas neste momento a economia mundial reflete a retirada dos estímulos do FED. E, mesmo nessa conjuntura adversa, o Brasil cresceu 2.3 por cento no ano passado, um dos melhores resultados dentre os países do G-20 que já divulgaram os indicadores de 2013.

O mais notável é que, desde 2008, enquanto o mundo, segundo a OIT, destruiu 62 milhões de empregos, o Brasil criou 10.5 milhões de novos postos de trabalho. A taxa de desemprego é a menor da nossa história. Não vejo indicador mais robusto da saúde de uma economia.

Há uma década o país trabalha ativamente para ampliar e modernizar a sua infraestrutura. Aumentamos a capacidade energética de 80 mil MW para 122 mil MW e estamos construindo três hidrelétricas de grande porte. Além disso, o governo lançou um vasto programa de concessões de portos, aeroportos, rodovias, hidrovias e distribuição e geração de energia no valor de mais de 170 bilhões de dólares.

Recentemente estive com investidores globais, em Nova Iorque, mostrando como o Brasil se prepara para dar passos ainda maiores na nova etapa da economia mundial. Pude comprovar que eles tem uma visão ao mesmo tempo realista e positiva do país e do seu potencial de crescimento. Seguirão investindo no Brasil e, com certeza, terão bons resultados, crescendo junto com o nosso povo.

O novo papel que os países emergentes assumiram na economia global não é algo efêmero, transitório. Eles vieram para ficar. A sua força evitou que o mundo mergulhasse, a partir de 2008, numa recessão generalizada. E não será menos importante para que a economia global volte a ter um ciclo de crescimento sustentado.

Leia também:
Jornal O Globo omite informações para atacar Lula
Hipocrisia da mídia: Dono da Globo também estava em jantar de Lula com Odebrecht
Franklin Martins: “Se Lula não tivesse sido eleito em 2002, o Brasil tinha explodido.”
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Um grupo de criminosos, chefiado por um advogado, pede a morte de Lula no Facebook
A cobra vai fumar: Lula entra com queixa-crime contra o Ronaldo Caiado
Crise grega: Sardenberg merece ganhar o prêmio IgNobel de Economia
Lula: Quem quebrou o país foram os governos tucanos
Vídeo: Não somos nazistas!
#OsAntiPira: Relação completa de prêmios recebidos por Lula após deixar a Presidência
Lula defende a Petrobras e convoca petroleiros a preservar maior empresa do Brasil
Ecce homo ou esse é o cara
Habeas corpus: Ombudsman da Folha esculacha a Folha
Instituto Lula à Época: É a última vez que perderemos tempo. Agora terá o mesmo tratamento de Veja
Instituto Lula: “Se Lula quisesse falar com a Folha de S.Paulo, falaria com a Folha de S.Paulo.”
Na ânsia de atingir Lula, Folha esqueceu de ler o hilário habeas corpus que ataca Moro
Luciano Martins Costa: A “barriga” intencional da Folha
Hildegard Angel: Lula, o que você faria se só lhe restasse um dia?
Histeria contra Lula expõe baixarias de Caiado
Janio de Freitas: O que Lula mostrou? Que ele está se movendo e chamando para mudar
Instituto Lula: “A Folha passou agora de qualquer limite.”
Habeas corpus: Folha espalha notícia falsa e depois, singelamente, diz “erramos”
Autor de habeas corpus em favor de Lula tem mais de 140 ações no STF
Para Dalmo Dallari, direita “intolerante, vingativa e feroz” quer atingir Lula
Prender Lula? Terão esta coragem?
Em nota, senadores do PT denunciam “sórdida campanha” contra Lula
É hora de reagir em defesa de Lula
A criminalização da diplomacia comercial brasileira
Quem quer prender Lula?
Odebrecht descarta delação e faz manifesto
Agora é Lula quem está na mira de Sérgio Moro
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
O tamanho do ódio por Lula, Dilma e PT
Não sobrou pedra sobre pedra: A resposta de Lula à Época
Diego Escosteguy é o Kim Kataguiri do jornalismo
Espumando, FHC adverte os golpistas divididos: “O alvo é Lula”.
O terceirizado que jogou o Ministério Público no show bizz
MPF arrasa revista Época: Não há provas contra Lula
Denúncia da revista Época contra Lula mancha Ministério Público Federal
A prova da mentira de Época contra Lula
Lula deu uma surra no panelaço
Mujica, O Globo e o “chupa petralhas!”
Tremei, paneleiros. Lula está de volta às ruas!
Revista Época questiona Lula por contrato do governo de FHC
“Confissão” de Lula a Mujica é mais um crime de imprensa
Depois de Dilma, Lula novamente
Época não consegue inovar e repete a farsa
Mujica deveria aceitar o convite sem-noção de Caiado para falar no Brasil
Carta aberta a Mujica: “Perdão pela mídia canalha brasileira, dom Pepe.”
Réquiem para o jornalismo
Lula é odiado porque deveria ter dado errado
Corra, Lula, corra
Como funciona a fábrica de infâmias contra Lula na internet
Lula ironiza pastores evangélicos em palestra: “Jogam a culpa em cima do diabo.”
Vai pro pau: Lula topa a polêmica que FHC pediu na tevê
Chico Buarque: “O alvo não é a Dilma, mas o Lula.”
Na Itália, Lula fala sobre importância do combate à fome
Histórico plano de investimento prevê R$198,4 bilhões para promover crescimento no Brasil
Mentiras e omissões sobre o pacote de concessões
Sorry, coxinhas! Lula é aplaudido na ONU
Lula recebe homenagem da Prefeitura de Roma
Paulo Moreira Leite: Apesar do massacre, memória de Lula persiste
Doações: com Lula é “imoral”, com FHC é “cultural”. A hipocrisia da mídia e o sapato do Brizola
Líder do Retardados Online quer “pegar Lula” na Bahia
Lula se antecipa a nova armação da Veja
Lula: “O PT continuará vivo enquanto os trabalhadores sonharem com uma vida melhor.”
Por que o MCCE parou de fazer ranking da corrupção por partido?
1994-2014: A inflação dos períodos FHC e Lula/Dilma
Lula mostrou o Darf. Quem falta mostrar?
Manchetômetro: Noticiário das Organizações Globo massacra Dilma
Gilmar Mendes suspende decreto de Lula que dava posse de terras aos índios Guarani-Kaiowá
IDH: Comparação entre os governos do PT e PSDB
Salário mínimo: As diferenças entre os governos FHC e Lula/Dilma
Era Lula cria mais empregos que FHC, Itamar, Collor e Sarney juntos
Desigualdade caiu 1,89 com FHC e 9,22 com Lula
Inflação anual de Dilma é próxima à do Lula e inferior à de FHC


%d blogueiros gostam disto: