Posts Tagged ‘Diletto’

Um ano depois, o picolé da filha de Serra ainda é mistério

18 de fevereiro de 2014

Veronica_Lehman_Sorvete02

No início do ano passado, uma transação surpreendeu o mercado: o Fundo Innova, gerido por Verônica Serra, filha do ex-presidenciável tucano José Serra, investiu R$100 milhões para ter 20% de uma pequena fábrica de sorvetes de Cotia (SP), a Diletto. A promessa era ganhar o mundo e transformá-la na nova Häagen-Dazs. De lá pra cá, absolutamente nada aconteceu, como atesta o site da própria empresa, deixando no ar algumas perguntas intrigantes: de onde realmente veio o dinheiro para um investimento tão sem sentido e o que foi feito com os recursos trazidos de paraísos fiscais para o Brasil?

Via Brasil 247

Um ano atrás, o fundo de investimentos Innova, gerido por Verônica Serra, filha do ex-governador e ex-presidenciável tucano José Serra, anunciou um dos investimentos mais estranhos da história do capitalismo brasileiro. O fundo decidira aportar R$100 milhões para adquirir 20% de uma pequena fábrica de sorvetes em Cotia (SP), chamada Diletto (relembre aqui).

À época, foi montada uma pesada operação de marketing para dar ar de normalidade à transação. Entre as peças promocionais, houve até uma capa da Forbes Brasil, sobre os planos do empreendedor Leandro Scabin, que fundara a Diletto. Dizia-se, à época, que os recursos do Fundo Innova estariam sendo aportados pelos empresários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles, da Ambev, e que a pequena sorveteria seria transformada na nova Häagen-Dazs.

No entanto, no mercado, sempre houve a suspeita de que os recursos geridos por Verônica Serra pertenciam à própria família – e não ao trio de bilionários da Ambev, que não costumam rasgar dinheiro aportando R$100 milhões numa sorveteria.

De lá pra cá, o que realmente aconteceu? Uma visita ao site da Diletto é esclarecedora. No campo “Diletto na mídia” (confira aqui), descobre-se que nada de importante sucedeu na história da empresa depois do aporte de R$100 milhões. Depois da entrada do Innova, a empresa conseguiu emplacar uma nota no Valor Econômico, sobre um picolé especial de dia das mães (leia aqui) e uma pequena reportagem na Gazeta do Povo sobre sorvetes (leia aqui).

Muito pouco para quem levou uma bolada tão grande. O que deixa no ar algumas questões: (1) de onde realmente veio o dinheiro do aporte na Diletto? (2) o que foi feito com esses recursos?

Leia também: Verônica*
E aí Joaquim, a filha do Serra também está no “mensalão”
A crise do picolé assusta Scabin, Verônica Serra e Lemann
E se Verônica Serra fosse filha de Lula?

A crise do picolé assusta Scabin, Verônica Serra e Lemann

22 de março de 2013

Veronica_Lemann_Sorvete

Tem sorvete derretendo na mão de gente famosa; divulgação de pagamento de “um valor superior a R$100 milhões” por entre “14% e 21%” da sorveteria Diletto, de Leandro Scabin, por fundo Innova de Verônica Serra, filha de José Serra, e Jorge Paulo Lemann, maior bilionário do Brasil, desperta suspeitas no mercado. O valor admitido por Scabin à revista Forbes, agora é negado por assessores; nenhum outro número foi divulgado.

Marco Damiani, via Brasil 247

Tem picolé derretendo em praça pública: os nervos dos donos estão quentes. Pertencente, até o final de janeiro, ao fundador Leandro Scabin, a Fábio Pinheiro, ex-sócio do banco Pactual, e ao publicitário Fábio Meneghini, da W/McCann, a sorveteria Diletto está na ponta da língua do mercado. Por “um valor superior a R$100 milhões”, segundo afirma a prestigiada revista Forbes Brasil em reportagem destacada em sua capa deste mês, entre 14% e 21% da empresa foram vendidos ao fundo Innova Capital, criado pelos titulares do 3G Capital Jorge Paulo Lemann, o maior bilionário do Brasil, e Marcel Telles. O Innova, com capital estimado em US$190 milhões, tem a filha do ex-governador e sempre presidenciável tucano José Serra, Verônica Serra, como sócia e comandante em chefe.

“Todo o dinheiro pago será reinvestido na empresa”, admitiu à Forbes, em entrevista na qual aparece com um sorriso, como se diz, de orelha a orelha, o empreendedor Scabin. “Nós não vamos embolsar nada”, insistiu ele à publicação especializada em negócios, interessada em questionar quais eram as “extravagâncias financeiras planejadas após levantar uma bolada milionária”. Scabin, em nenhum momento, negou o valor da venda, por, repita-se, mais de R$100 milhões por cerca de 20% da Diletto. Pelo tamanho do sorriso na foto ilustrativa da reportagem, bem pode ter sido mesmo até mais.

Agora, no entanto, dada a estranheza que percorre o mercado em razão do investimento feito por Lemann, Verônica e seu Innova Capital numa companhia que, no ano passado, faturou R$30 milhões, Scabin parece ter recolhido a comemoração. Estranho. Com o negócio na boca do mercado, a primeira providência da Diletto foi trocar sua área terceirizada de comunicação. A assessoria de imprensa Índex, que até a repercussão do negócio cuidava diligentemente da divulgação dos valores de seus sorvetes, foi substituída pela Máquina da Notícia, de forte influência do publicitário Nizan Guanaes, e que administra, entre outras contas, a imagem da Ambev diante da mídia. Como se sabe, a Ambev é a primeira pérola na coroa de brilhantes participações acionárias de Lemann.

Não há coincidência. A compra de uma participação numa sorveteria, mesmo sendo feita pelo bilionário Lemann e a filha de Serra, Verônica, poderia ter sido encarada como um negócio normal, não fosse pelo valor divulgado inicialmente. Diante do faturamento da companhia, qualquer conta de precificação não o sustenta. Há um consenso econométrico, mercadológico e político de que “um valor superior a R$100 milhões” pela Diletto extrapola até a última barreira de um investimento de bom senso. Não há notícia, ainda, de que Jorge Paulo Lemann goste de perder dinheiro – ou admita prazos de décadas para obter seu retorno. O mesmo vale para Verônica, sua protegida desde que foi beneficiada por uma bolsa de estudos bancada por ele para a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Os novos titulares da comunicação midiática da Diletto informam que o valor pago por cerca de 20% da empresa não é de R$100 milhões. Scabin, porém, não negou o montante antes de o negócio se tornar de conhecimento público. Dando-se crédito, ok, à versão do novo momento, quanto foi pago pelo Innova de Lemann e Verônica à Diletto de Scabin, Pinheiro e Meneghini? Mais ainda? Um pouco menos, muito menos? Não, a informação é a de que não há informação sobre isso.

Enquanto nenhum dos envolvidos na aquisição minoritária mais comentada da semana aceita, ainda, falar em on a respeito, o certo é que os multicoloridos Diletto, cujo slogan é “La felicità è un gelatto”, vão se degelando sob a alta temperatura de um negócio mal explicado.

Leia também: Verônica*
E aí Joaquim, a filha do Serra também está no “mensalão”
Um ano depois, o picolé da filha de Serra ainda é mistério
E se Verônica Serra fosse filha de Lula?


%d blogueiros gostam disto: