Posts Tagged ‘Coxinhas’

O analfabeto midiático

22 de agosto de 2013

Veja_Globo_Alienacao

Ele imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo esforço intelectual. Reflexões em torno de poema de Brecht, no século 21.

Celso Vicenzi, via Outras Palavras

O pior analfabeto é o analfabeto midiático. Ele ouve e assimila sem questionar, fala e repete o que ouviu, não participa dos acontecimentos políticos, aliás, abomina a política, mas usa as redes sociais com ganas e ânsias de quem veio para justiçar o mundo. Prega ideias preconceituosas e discriminatórias, e interpreta os fatos com a ingenuidade de quem não sabe quem o manipula. Nas passeatas e na internet, pede liberdade de expressão, mas censura e ataca quem defende bandeiras políticas. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. E que elas – na era da informação instantânea de massa – são muito influenciadas pela manipulação midiática dos fatos. Não vê a pressão de jornalistas e colunistas na mídia impressa, em emissoras de rádio e tevê – que também estão presentes na internet – a anunciar catástrofes diárias na contramão do que apontam as estatísticas mais confiáveis. Avanços significativos são desprezados e pequenos deslizes são tratados como se fossem enormes escândalos. O objetivo é desestabilizar e impedir que políticas públicas de sucesso possam ameaçar os lucros da iniciativa privada. O mesmo tratamento não se aplica a determinados partidos políticos e a corruptos que ajudam a manter a enorme desigualdade social no país.

Questões iguais ou semelhantes são tratadas de forma distinta pela mídia. Aula prática: prestar atenção como a mídia conduz o noticiário sobre o escabroso caso que veio à tona com as informações da alemã Siemens. Não houve nenhuma indignação dos principais colunistas, nenhum editorial contundente. A principal emissora de tevê do País calou-se por duas semanas após matéria de capa da revista IstoÉ denunciando o esquema de superfaturar trens e metrôs em 30%.

O analfabeto midiático é tão burro que se orgulha e estufa o peito para dizer que viu/ouviu a informação no Jornal Nacional e leu na Veja, por exemplo. Ele não entende como é produzida cada notícia: como se escolhem as pautas e as fontes, sabendo antecipadamente como cada uma delas vai se pronunciar. Não desconfia que, em muitas tevês, revistas e jornais, a notícia já sai quase pronta da redação, bastando ouvir as pessoas que vão confirmar o que o jornalista, o editor e, principalmente, o “dono da voz” (obrigado, Chico Buarque!) quer como a verdade dos fatos. Para isso as notícias se apoiam, às vezes, em fotos e imagens. Dizem que “uma foto vale mais que mil palavras”. Não é tão simples (Millôr, ironicamente, contra-argumentou: “Então diga isto com uma imagem.”). Fotos e imagens também são construções, a partir de um determinado olhar. Também as imagens podem ser manipuladas e editadas “ao gosto do freguês”. Há uma infinidade de exemplos. Usaram-se imagens para provar que o Iraque possuía depósitos de armas químicas que nunca foram encontrados. A irresponsabilidade e a falta de independência da mídia norte-americana ajudaram a convencer a opinião pública, e mais uma guerra com milhares de inocentes mortos foi deflagrada.

O analfabeto midiático não percebe que o enfoque pode ser uma escolha construída para chegar a conclusões que seriam diferentes se outras fontes fossem contatadas ou os jornalistas narrassem os fatos de outro ponto de vista. O analfabeto midiático imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo de esforço intelectual. Não se apoia na filosofia, na sociologia, na história, na antropologia, nas ciências política e econômica – para não estender demais os campos do conhecimento – para compreender minimamente a complexidade dos fatos. Sua mente não absorve tanta informação e ele prefere acreditar em “especialistas” e veículos de comunicação comprometidos com interesses de poderosos grupos políticos e econômicos. Lê pouquíssimo, geralmente best-sellers e livros de autoajuda. Tem certeza de que o que lê, ouve e vê é o suficiente, e corresponde à realidade. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o espoliador das empresas nacionais e multinacionais.”

O analfabeto midiático gosta de criticar os políticos corruptos e não entende que eles são uma extensão do capital, tão necessários para aumentar fortunas e concentrar a renda. Por isso recebem todo o apoio financeiro para serem eleitos. E, depois, contribuem para drenar o dinheiro do Estado para uma parcela da iniciativa privada e para os bolsos de uma elite que se especializou em roubar o dinheiro público. Assim, por vias tortas, só sabe enxergar o político corrupto sem nunca identificar o empresário corruptor, o detentor do grande capital, que aprisiona os governos, com a enorme contribuição da mídia, para adotar políticas que privilegiam os mais ricos e mantenham à margem as populações mais pobres. Em resumo: destroem a democracia.

Para o analfabeto midiático, Brecht teria, ainda, uma última observação a fazer: Nada é impossível de mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual.

O analfabeto político

Bertold Brecht

O pior analfabeto, é o analfabeto político.

Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida,

O preço do feijão, do peixe, da farinha

Do aluguel, do sapato e do remédio

Depende das decisões políticas.

O analfabeto político é tão burro que

Se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política.

Não sabe o imbecil,

Que da sua ignorância nasce a prostituta,

O menor abandonado,

O assaltante e o pior de todos os bandidos

Que é o político vigarista,

Pilantra, o corrupto e o espoliador

Das empresas nacionais e multinacionais.

Janio de Freitas: Tontos e acovardados

16 de agosto de 2013
Hospital_Sirio_Libanes01

Invasão ao Sírio Libanês: Mais uma manifestação pacífica dos coxinhas.

As polícias estavam atônitas e os governadores estavam perplexos diante da violência baderneira a pretexto de manifestações populares. Agora, as polícias e os governadores estão acovardados e fogem de seus deveres e do cumprimento das leis diante do agravamento da baderna violenta.

A tentativa de invasão do paulistano Hospital Sírio Libanês é absolutamente inadmissível. Não foi apenas um degrau a mais na escalada da insensatez e da brutalidade. Foi uma agressão aos direitos humanos.

Atacar a emergência de um hospital é um ato intencional de exasperação dos sofrimentos e de desesperação dos que só estão ali porque sofrem, e pedem socorro.

Atacar a emergência de um hospital é um ato de covardia que não se distingue, na essência, da covardia dos torturadores.

Apesar disso e apesar da violência que os monstrengos morais cometeram contra a resistência à invasão, a polícia só se dispôs a fazer uma prisão. De um animal com algumas aparências humanas, algumas formas semelhantes às de mulher.

Prendeu para quê? Para nada. Não. Prendeu para soltar depois de fingir que prendera. Fingiu para dizer que cumpriu a lei, que agiu de acordo com o seu dever.

Mas não teve coragem de agir para a prisão de todo o bando, para submetê-lo às investigações de sua composição, procedência e propósito verdadeiro. Por que o ataque a um hospital? Por que “o Sírio Libanês representa o desvio de dinheiro do SUS”, como disse um dos animais? Não há como imaginar a elaboração e a adoção de um motivo desses, em referência a um hospital capaz de produzir orgulho, onde hospitais costumam ser o que se sabe, e de uma equipe médica de relevo internacional.

Mas ainda que o ataque fosse a um dos hospitais sórdidos e prejudiciais ao SUS, a agressão aos direitos humanos dos já vitimados física e emocionalmente, em uma sala de emergências, seria a mesma e do mesmo modo exigente das ações policiais corretas e necessárias.

Abusos de violência baderneira multiplicam-se dia a dia. Tentativa de invasão depredadora da sede de governo estadual no Rio, invasão depredadora da Assembleia fluminense, invasão da Câmara Legislativa em Brasília são atos contra bens públicos não envolvidos nas causas reclamadas, como seriam tanques e caveirões da arbitrariedade.

Diante disso, os governadores cedem ao medo de críticas eleitoralmente prejudiciais, e por isso não passam às suas polícias a orientação equilibrada e eficiente que lhes devem, em defesa da sociedade e do patrimônio público. E as polícias cedem ao medo das críticas e não buscam os limites adequados de ação eficiente e sem a desproporção que as condena.

A baderna violenta vence. Até onde irá, são hipóteses em aberto. O ataque ao Sírio Libanês sugere algumas.

Os coxinhas baixaram a guarda?

10 de agosto de 2013
Coxinhas_Smartphone01

Os coxinhas se cansaram de tirar fotos nos “protestos pacíficos” para colocar no feicebuque.

Via Carta Maior

Desde que começaram os protestos no País, no dia 6 de junho, em São Paulo, a rigor, esse é o primeiro final de semana em que as turquesas da disputa política afrouxam a pressão sobre o governo.

Os sinais de alívio vêm de várias direções. A virada na popularidade de Dilma, com inflexão de alta no Datafolha, é o corolário da mudança. A forte desaceleração dos índices de preços, talvez seja a melhor notícia econômica em meses.

Em julho, o item alimentos registrou deflação. Uma oscilação sazonal previsível. Mas um símbolo necessário para desmontar o palanque do tomate, que em abril deu o mote à catequese do “descontrole econômico”, uivado pela emissão conservadora.

O crescimento em 10 dos 14 setores industriais pesquisados pelo IBGE, em junho, e uma desvalorização cambial em marcha favorecendo exportações compõem ainda o clima de vento a favor. Há mais. Tabulações recentes do Ipea desmoralizaram a tentativa conservadora de desconstruir as conquistas sociais do ciclo de governos do PT. O rendimento domiciliar per capita, entre 2000 e 2010, mostra o Ipea, cresceu em média 63% acima da inflação nos municípios brasileiros. Na década tucana a desigualdade aumentou em 58% dos municípios (leia mais). Por fim, revelações de altos executivos da Siemens escancaram o conluio de 16 anos entre oligopólios e corrupção tucana no Metrô de São Paulo (leia mais).

A pergunta é: o governo deve baixar a guarda? Basta administrar a inércia? A queda da inflação esgota a resposta às ruas de junho? A dispersão da agenda política dentro da própria esquerda sugere que não. O governo, o PT e aliados estão diante de uma disjuntiva: apascentar o conformismo empurrando a pequena vantagem até 2014; ou sinalizar um novo ciclo de construção da democracia social no País.

A primeira opção dá o mando de jogo ao Banco Central e a segunda exige rever equívocos e afrontar interesses. Interesses de corporações – caso da mídia beligerante. E interesses corporativistas de uma sociedade elitista, dentro da qual não cabe o Brasil revelado pelos avanços sociais dos últimos anos.

O Programa Mais Médicos consolida o geral no particular. Esboça uma nova família de políticas públicas necessárias ao passo seguinte do desenvolvimento e da democracia. Rompe a lógica incremental, aciona novos conceitos para enfrentar o estrutural e o emergencial.

Carta Maior acredita que é crucial intensificar o debate em torno dessas escolhas (leia mais), objetivo do ciclo de discussão que tem promovido com a intelectualidade em várias capitais.

***

Leia também:

Comportamento de coxinhas paulistanos é tema de análise sociológica

Manual de Ouro do Manifestante Idiota

Dicas para não pagar mico em tempo de manifestações

A revolução dos coxinhas e seus estranhos amigos

O futuro dos coxinhas do Leblon e dos Jardins

Neofascismo coxinha tenta virar ideologia

***

Mesmo com mudanças, a máfia de branco quer derrubar MP do Programa Mais Médicos

31 de julho de 2013

Medicos29A_Ricos

A “megapasseata” em São Paulo reuniu poucos profissionais contrários ao programa federal. Governo desiste de curso de oito anos, e agora residência terá passagem obrigatória pela atenção básica

Cida de Oliveira, via Rede Brasil Atual

A desistência do governo em aumentar para oito anos a duração do curso de Medicina, anunciada na quarta-feira, dia 31, pelo ministro da Educação Aloizio Mercadante, é o reconhecimento de um grande equívoco, mas não altera a essência da Medida Provisória 621, que institui o Programa Mais Médicos. A afirmação é do presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), Florisval Meinão, durante manifestação nas ruas da região central da capital paulista nesta tarde.

A manifestação, que segundos os organizadores seria uma “megapasseata” contra o pacote da presidenta Dilma Rousseff para reduzir a falta de médicos, reuniu poucos representantes do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), da Associação Paulista de Medicina (APM), Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) e de estudantes de poucas faculdades de Medicina.

A APM critica vários pontos da proposta do governo federal, como a contratação de profissionais formados em outros países sem a revalidação do diploma no Brasil. “O governo acabou se dando conta do erro de mudar a formação sem consultar as universidades e cedeu às pressões do meio acadêmico. Mas na prática não muda nada. Os médicos vão continuar indo trabalhar nas mesmas condições precárias”, disse.

Para o dirigente, as condições são ruins nas regiões afastadas, onde faltam médicos, e também nas regiões metropolitanas, onde faltam até mesmo macas para colocar os pacientes nos corredores.

Chantagem

O presidente do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), Renato Azevedo, reafirmou que as entidades pressionarão o Congresso para a derrubada da MP. No próximo dia 8 as entidades se reunirão em Brasília para visitar os parlamentares.

E negou que as entidades médicas estejam chantageando o governo com a saída de seus representantes de diversas comissões no Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar e Conselho Nacional de Saúde. Mas ele condiciona a reavaliação do caso a uma retirada, pelo governo, da MP.

Para o Conselho Federal de Medicina (CFM), a oferta universal de residência médica aos recém-formados, na rede pública de saúde, até 2018, dificilmente alcançará a qualidade necessária. O vice-presidente, Carlos Vital, disse que não há, hoje, condições suficientes para que a universalização da residência médica se torne realidade em cinco anos, e acrescentou que a ação “pode vir a ser configurada como mais uma forma de serviço civil obrigatório, em pseudoforma de residência”. Ele criticou ainda a proposta de ampliação do número de vagas apresentada pelo governo, que “tem muitas lacunas”.

O vice-presidente do CFM disse também que o problema não é apenas a oferta de vaga, mas a valorização de certas áreas como a medicina da família – uma das áreas mais carentes do SUS. Atualmente, das cerca de 12 mil vagas de residência ofertadas, 9 mil não são preenchidas.

A ideia inicial do Ministério da Educação era ampliar de seis para oito anos o tempo da graduação, com os dois últimos anos dedicados ao atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS). Mercadante defendeu hoje que, já em 2018, a residência médica passe a ser obrigatória ao final dos seis anos de graduação para algumas atividades da medicina. Pelo modelo, toda a residência será feita no SUS, e o primeiro ano, obrigatoriamente, em atenção básica, urgência e emergência no sistema.

A decisão foi tomada em discussão com diretores de faculdades, comissão de especialistas e representantes da Associação Brasileira de Escolas Médicas. A nova proposta será levada ao relator da MP, deputado Rogério Carvalho (PT/SE).

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, chegou a criticar o cancelamento de cirurgias e consultas em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS), como forma de protesto. “O Ministério da Saúde está com as portas abertas para ouvir sugestões. Mas não concordo que se prejudique a população que às vezes espera meses por uma cirurgia ou para uma consulta. Apresentem as propostas concretas, mas não partam para uma tática que prejudique a população.”

***

Leia também:

Governo federal lançou o programa mais médicos e em São Paulo existe o “Maus Médicos”

O salto no IDH das cidades e o Programa Mais Médicos

Máfia de branco: Agora eles querem sabotar o Programa Mais Médicos

Médicos da Venezuela e de Cuba estão entre os primeiros no Revalida

Os ingleses querem médicos de fora. Nós, não…

Paulo Moreira Leite: O extremismo dos doutores

Jânio de Freitas: De galinhas e medicina

Folha mente: Brasil continua as negociações com Cuba para contratação de médicos

Governo federal lança o Programa Mais Médicos

Cremesp paga táxi e hora extra para funcionários irem a ato de médicos na Paulista

Ipea: Medicina é carreira com maior remuneração

Guia para entender a vinda de médicos estrangeiros

Eliane Brum: Ser doutor é mais fácil do que se tornar médico

Breno Altman: Conservadorismo de branco é atraso

Paulo Moreira Leite: Os médicos e os números por trás do preconceito

A medicina e o Brasil real

Programa Mais Médicos atrai mais de 11 mil profissionais em uma semana

Programa Mais Médicos: Ministério da Saúde mela o boicote dos doutores coxinhas

Lewandowski confirma validade do Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos: O farisaísmo perdeu

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde

***

O vídeo da música que está irritando os coxinhas

29 de julho de 2013

Max_Gonzaga01Fernando Brito, via Tijolaço

O compositor e cantor Max Gonzaga (foto) está bombando na internet com a música “Classe média”, despertando a ira dos coxinhas, o nome que pegou para os jovens de classe média que reproduzem o discurso superficial e de direita da mídia.

Max, coitado, está sendo acusado de fazer a música para zombar das manifestações do mês passado, mas ele a gravou há oito anos, em 2005. Aliás, Max diz cantando, muito mais simples e bem-humorado, o que a Marilena Chauí falou, provocando tanta polêmica.

Se alguém quiser o disco do Max, a propaganda é grátis, basta clicar aqui e ele combina um jeito de entregar.

Em tempo: a classe média é e pode ser diferente. Foi dela que saíram Chico Buarque, Caetano, Gil e uma geração de artistas e intelectuais geniais, como anos antes tinham surgido Vinícius, Graciliano, Jorge Amado e tantos outros. Mas é preciso, para isso, apenas um detalhe: não ter o umbigo no centro do Universo e lembrar que o povo é a terra de onde o intelecto se alimenta para brotar e poder florir.

***

Leia também:

Comportamento de coxinhas paulistanos é tema de análise sociológica

Manual de Ouro do Manifestante Idiota

Dicas para não pagar mico em tempo de manifestações

A revolução dos coxinhas e seus estranhos amigos

O futuro dos coxinhas do Leblon e dos Jardins

Neofascismo coxinha tenta virar ideologia

Lewandowski confirma validade do Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos: O farisaísmo perdeu

Máfia de branco: Agora eles querem sabotar o Programa Mais Médicos

Médicos da Venezuela e de Cuba estão entre os primeiros no Revalida

Os ingleses querem médicos de fora. Nós, não…

Paulo Moreira Leite: O extremismo dos doutores

Jânio de Freitas: De galinhas e medicina

Folha mente: Brasil continua as negociações com Cuba para contratação de médicos

Governo federal lança o Programa Mais Médicos

Cremesp paga táxi e hora extra para funcionários irem a ato de médicos na Paulista

Ipea: Medicina é carreira com maior remuneração

Guia para entender a vinda de médicos estrangeiros

Eliane Brum: Ser doutor é mais fácil do que se tornar médico

Breno Altman: Conservadorismo de branco é atraso

Paulo Moreira Leite: Os médicos e os números por trás do preconceito

A medicina e o Brasil real

Programa Mais Médicos atrai mais de 11 mil profissionais em uma semana

Programa Mais Médicos: Ministério da Saúde mela o boicote dos doutores coxinhas

O estranho interesse de um urologista que cobra R$450,00 por consulta no Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde?

ONU solta comunicado atestando a coerência do Programa Mais Médicos

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba

***


%d blogueiros gostam disto: