Posts Tagged ‘Censura’

Minas Gerais: O abominável homem dos Neves, a censura e a guerrilha nas redes sociais

3 de fevereiro de 2014

Aecio_Brucutu01

Se você achava que Serra era capaz de tudo… Pedro Guadalupe, brucutu pró-Aécio, que dizia que o senador impunha censura à imprensa em Minas, está prestes a entrar na campanha do tucano. O que o dinheiro não faz… E mais: Pedro não assume o que fala e tira texto do ar.

Fernando Brito, via Tijolaço e lido no Viomundo

A Folha, hoje [2/2], anuncia que começou a “guerrilha virtual” entre PT e PSDB para as eleições. O que descreve, em geral, são simples acompanhamentos de menções em redes sociais, o que é feito por softwares, automaticamente, e não exige mais que um analista ou dois para interpretar as menções e os contextos onde elas se dão. Coisa simples, mas que seus “iniciados” dizem ser complicada, porque ganham mais por isso.

Guerra, mesmo, só do novo brucutu digital de Aécio Neves, o ex-serrista e fernandista Xico Graziano, que acusa, claro, os blogs que mostram o lado playboy de Aécio Neves de “estarem no bolso do PT”.

Como eu não estou e mostro, gostaria de que Graziano especificasse os blogs, se tiver coragem, porque ando precisando de dinheiro e gostaria de ganhar algum dele na Justiça.

Mas, à parte disso, a matéria traz lá no pé a notícia de que um cidadão chamado Pedro Guadalupe, que se define como “gênio” das redes sociais, “está entre os mais cotados para integrar a equipe de Aécio”.

Guadalupe, na linha brucutu, abriu o site “Dilma Mente” para atacar a presidenta da República, diz ele que “em alto nível”.

A matéria menciona que Guadalupe teria trabalhado para João Santana, a serviço do PT, contra o candidato de Aécio à Prefeitura, Marcio Lacerda. Aí eu fui pesquisar sobre o gajo.

É um guri traquinas, que gosta de fama e de dinheiro – não necessariamente nessa ordem –, está sendo processado pela família de Renato Russo por uso de suas músicas e disse, há dias, que fora contratado por Andréa Neves para “tocar fogo” nas redes sociais.

E eis que senão quando me deparo com um de seus furiosos artigos no site de sua propriedade o BHAZ – Belo Horizonte da A a Z.

Transcrevo título e trechos:

O abominável homem dos Neves e as pesquisas eleitorais!

13/09/2012 – Pedro Guadalupe

Você conhece uma das principais artimanhas da família Neves para ganhar eleições? A censura que o clã impõe à imprensa de Minas Gerais é conhecida em todo o país. Se você vive no Estado, é provável que nunca tenha ouvido falar sobre isso, justamente porque o esforço dos Neves para só divulgar as informações que lhes interessa funciona… e muito. Mas você há de concordar que os principais meios de comunicação mineiros nunca publicam nenhuma notícia que possa sujar a imagem de Aécio Neves. […]

Na época das eleições, esse esforço dos Neves para manipular a opinião pública é ainda maior. Você não deve se lembrar, mas, em 2006, há menos de 15 dias para as eleições, o DataFolha lançou uma pesquisa dizendo que Aécio Neves liderava as intenções de voto com 73% dos eleitores, enquanto o concorrente Nilmario teria apenas 12% (confira aqui). Quando abriram as urnas, Nilmário teve quase o dobro dos votos: 22%.” […]

Quer dizer que Guadalupe, o homem do “Dilma Mente” mentia em 2012 quando informava que Aécio subjugava a imprensa ou mente agora, quando diz que Dilma mente? É com este tipo de ação mercenária que o PSDB vem falar de “blogueiros no bolso do PT”? Está nos confundindo com esta turma que você contratam a peso de outro, como aquele guru indiano do Serra, que acabou indo pra o xilindró?

Aguardem, meus amigos. Se você achava que Serra era capaz de tudo, vai sofrer uma decepção. A campanha de Aécio será mais suja ainda.

PS do Viomundo: Um leitor diz, nos comentários, que a TV Brasil deixará de ser retransmitida em Minas, dando lugar à TV Cultura de São Paulo. Especula que Aécio estaria fechando todos os canais de comunicação sobre os quais não tem controle visando a disputa estadual e sua campanha ao Planalto. Faz sentido.

Por outro lado, também gostaríamos que Graziano desse nomes aos bois para ter a possibilidade de acioná-lo na Justiça, se fossemos listados…

***

Aecio_Brucutu02

Urinou pra trás: Print de @jaimeramos21 com o texto original.

Na noite de domingo, dia 2, a página no site do “gênio” Pedro Guadalupe a que Fernando Brito se refere havia sido substituída pelo texto abaixo, mas a data e o título continuaram os mesmos. O Pedro é um bundão. Não assume o que fala.

O abominável homem dos Neves e as pesquisas eleitorais

13/09/2012 – Pedro Guadalupe

Ideologia? Eu não quero uma pra viver

Cazuza dizia que seus inimigos estavam no poder. E que ele queria uma ideologia para viver.

Com todo respeito ao Cazuza, de quem até gosto (mais prefiro os Mamonas Assassinas), eu não quero. Obrigado, mas não sou ideológico. Vivo bem assim. Sou uma “metamorfose ambulante”, uma pessoa em constante estado de evolução.

Eu sou profissional. E, modéstia à parte, dos bons. Sou bom no que faço. E muito dessa expertise se deve ao fato de meu trabalho não ser movido por questões ideológicas, por paixões políticas, por gostar mais do azul que do vermelho.

Para continuar na música, eu faço muito mais o estilo tribalista. “Eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também”. Desde que me paguem, é claro. Mercenário? Não, nem de longe. Sou profissional, como já disse. Estabeleço um preço por meu trabalho e, quando o acordo é celebrado, me dedico de corpo e alma para atingir meus objetivos.

Mas é preciso um porém. Desafio qualquer um, de que lado estiver, a mostrar um desvio de conduta de meu trabalho como marqueteiro político. Até meus desafetos – e eles estão por aí, às dúzias – são obrigados a reconhecer que meu trabalho sempre explorou a verdade. Ela é plenamente suficiente para desenvolver qualquer estratégia de comunicação política, seja na situação, seja na oposição.

Não tenho inimigos na política. Elaine Matozinhos, coitada, não conta. É café com leite. Tenho aliados e tenho adversários. A todos, sempre tratei com cordialidade e respeito. Em 2012, por exemplo, trabalhei tanto para o PT quanto para o DEM. Já foram tantos partidos; PP, PMDB, DEM, PT, PEN, PSDB…. Ou vocês acham que se eu fosse um “brucutu”, como querem insinuar, eu seria cotado a trabalhar com PSDB, após a campanha que fiz para o Patrus?

Agora os blogueiros financiados pelo governo federal resolveram me atacar. Só que todos sabem que eu não sou o alvo deles, mas o senador Aécio Neves. A quem querem imputar a pecha de fazer uma campanha suja. Calma, gente. A brincadeira ainda está só começando. Nenhum petista aloprado soltou um dossiê qualquer, como costumam fazer. A militância ainda está meio perdida com rolezinhos, doações para os mensaleiros, movimentos contra a Copa e a troca na cúpula da comunicação.

Estou pronto para o combate. Apesar de novo, minha pele é curtida e minha casca é grossa. Será uma campanha dura, árdua e de muita labuta. Da minha parte, garanto a hombridade e a ética que devem pautar qualquer tipo de atividade, não apenas na política. Como falei na Folha, Dilma é presidente e merece respeito, aqui meus amigos o nível é alto . É pena que nem todos possam dizer o mesmo. Aliás, pena nada. Isso apenas facilita o meu trabalho.

E não se esqueçam que eu sou mágico. Isso mesmo. Mágico profissional. Já tentaram enganar algum mágico alguma vez?

***

Leia também:

O Brasil de várias justiças – e injustiças

Advogados tentam liberar jornalista que divulgou Lista de Furnas

Na terra do Aécio, jornalista que fala a verdade vai para a cadeia

Aécio Neves é flagrado completamente bêbado

“Com essa imagem de pé de cana e de farinheiro?”

Aécio Neves, os 10 anos de fracasso de Minas Gerais e a porrada de Lindebergh Farias

Caso Aécio: É constitucional contratar empresa da família?

“Se Gurgel não abrir inquérito contra Aécio, está prevaricando”, afirma deputado

Tucanagem: Aécio Neves e o nióbio de Araxá

Povo brasileiro paga aluguel e condomínio de escritório de Aécio em BH

MPF: Aécio utilizou recursos ilegais também na campanha para senador

E aí Aécio? CVM investiga sumiço de R$3,5 bilhões no balanço da Copasa

Ocultação de patrimônio: “Laranja” complica Aécio Neves e sua irmã Andréa

Áecio Neves é denunciado por ocultar patrimônio e sonegar imposto

Aécio Neves fala muito, mas a realidade é outra

Dois anos depois de criado, PSDB Sindical de Aécio não decola

Aécio tem 110 razões para ter cautela com o “mensalão”

Rogério Correia: “Valério operou ao mesmo tempo para o Aécio e o PT”

A matéria que motivou a nota do PSDB mineiro

Lista de Furnas: O caso de corrupção que a mídia esconde

Por que o mensalão tucano, a Lista de Furnas e os processos contra Aécio no STF não andam?

Lista de Furnas é esquema comprovado e repleto de provas na Justiça

Tatto defende CPI da Privataria e cobra explicações de FHC sobre Lista de Furnas

Se quiser, Joaquim Barbosa já pode avocar o processo da Lista de Furnas

Lista de Furnas: Deputados do PSDB são acusados de pressionar lobista preso

Lista de Furnas: Amaury Ribeiro já tem documentos para o livro A Privataria Tucana 2

Advogado acusa réu do mensalão tucano de ser mandante da morte de modelo

Perseguido por Aécio e com medo de ser assassinado, delator do mensalão tucano está em presídio de segurança máxima

TJ/MG: Processo que incrimina governantes mineiros desaparece

Serristas abandonam Aécio. Deu chabu?

Aécio Neves e seus fakes na internet

Aécio Neves ama a Petrobrax

Aécio Neves vai para a UTI?

Tucanou o golpe: Aécio Neves chama ditadura de “revolução”. Pode isso, Arnaldo?

Aécio, o tucanato e o mundo em que vivem

Aécio Neves usa mais verba para ir ao Rio do que a BH

Ágil com ministros, há 6 meses Roberto Gurgel analisa denúncia contra Aécio

Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso

A louca cavalgada de Aécio

Deputado denuncia conluio entre Ministério Público e o senador Aécio

Recordar é viver: Como votou Aécio na cassação de Demóstenes Torres

Aécio Neves, o “menino” do Rio

Por que Aécio Neves está censurando seus perfis fakes nas redes sociais

1 de dezembro de 2013
Aecio_Boladasso03

Essa página ainda está no ar.

Kiko Nogueira, via Diário do Centro do Mundo

Aécio Neves entrou na Justiça contra perfis nas redes sociais que, em tese, o ridicularizam. Seus advogados querem identificar os usuários que estão criando as páginas. Uma das baixas foi o “Aécio Boladasso”, inspirado na “Dilma Bolada”, que é uma sátira a favor da presidente. “Aécio Boladão” e “Aécio Bolagato” continuavam na ativa.

A ação afirma que “todos os perfis e páginas foram criados recentemente, em datas muito próximas, e possuem conteúdo muito similar, o que denota a criação seriada de perfis ilícitos, os quais, inclusive, foram altamente difundidos nas mídias digitais”.

Nem Twitter nem Facebook teriam fornecido, por enquanto, informações sobre os criadores das contas. Segundo a assessoria do pessedebista, a iniciativa foi inspirada na das ministras Gleisi Hoffmann e Maria do Rosário. O senador é “pessoa pública e respeita os perfis de humor ou que trazem críticas a suas atividades ou posições políticas, mas vem sendo vítima de campanha de calúnia na internet por parte de pessoas que violam a legislação do País e as regras de funcionamento das redes sociais, com a utilização de técnicas proibidas e conteúdos considerados ilegais”.

Por que ele está partindo para cima dos perfis fake?

Porque é assim que ele opera. Em setembro, Aécio incorporou à minirreforma eleitoral a penalização de quem postar conteúdos agressivos ou ofensivos. Na sua proposta, o autor responderá criminalmente e a Justiça Eleitoral será acionada para retirá-la da Internet.

De acordo com um especialista em informações ouvido pelo DCM, é intimidação pura e simples. “A ideia é criar uma prática incriminadora da opinião do cidadão comum, considerado adversário”, diz. “Foi o que aconteceu, por exemplo, em Goiás, onde o governador Marconi Perillo processou jornalistas e blogueiros de oposição. Um deles foi condenado a pagar R$200 mil por causa de uma frase que era, na verdade, de um agente da Polícia Federal”.

Ele prossegue: “Interpelam-se os gestores das redes sociais, alegando-se supostos ‘crimes de opinião’. Com a confirmação do IP dado pela empresa, começa o inferno da pessoa. Processos, ameaças… Ninguém está livre disso. Basta que um juiz considere a frase ou piada caluniosa”. Haveria, também, um esquema de espionagem ativo. “A espionagem acabou se tornando comum para achacar e intimidar”, disse o especialista.

Em Minas, o Novojornal teria sido submetido a escutas telefônicas. Segundo o diretor Marco Aurélio Carone, foi por causa da “linha editorial independente, não se sujeitando a determinações da censora oficial Andréa Neves”. (Andréa é irmã de Aécio, eminência parda, seu braço direito e esquerdo). O registro “.com.br” foi cassado em 2008, medida que só foi revogada quatro anos e meio depois. Andrea Neves, conta Carone, ligou para anunciantes, avisando que “eles estariam patrocinando um jornal contra o governo de Minas”.

No caso das redes, vai ser difícil sua turma controlar um ambiente tão caótico e criativo. “Aécio Boladão” já transformou, por exemplo, em “Aécio Bolado”. “Chegay Tucanada, acharam que tinham me matado né?? Nãaaaaaaaaaaao, os petralhas não me acharam”, escreveu ele no Twitter. “Se dirigir não beba, se for beber me chama”. A zoeira, ela não tem limites.

Aecio_Drummond01

Aécio Boladão

Mal-estar em O Globo: As manifestações chegam à redação

24 de outubro de 2013

Globo_Jornal21102013Boatos sustentam: cancelamento de assinaturas cresceu dez vezes, depois da capa que tentou criminalizar professores.

Ivson Alves, via Coleguinhas Uni-vos e lido no Outras Palavras

“Quem escreve para jornal é desocupado ou psicopata.”

A frase acima marcou o ponto mais baixo – alguém pode achar mais alto, não eu – do mal-estar interno na redação de O Globo causado pela primeira abaixo, da edição de quinta-feira, dia 17.

Tecla de retrocesso.

No meio da tarde daquele dia, o e-mail interno geral de O Globo começou a receber centenas de e-mails revoltados com a capa “retrato de bandido” acima (sim, sei qual é o endereço). A imensa maioria – talvez uns 80% – era composta de um texto padrão, educado, que dizia algo como ser inaceitável O Globo fazer uma capa daquela, e 20% eram textos próprios, muitos com impropérios (as minhas fontes não quiseram me passar nenhum, argumentando, com razão, que a vigilância interna deve estar em níveis de alerta vermelho-sangue). No mesmo dia, o cancelamento diário de assinaturas, que normalmente já não é desprezível (em torno de 10), subiu algo entre 10 e 20 vezes, segundo as fontes. A torrente de e-mails continuou até mais ou menos às 9:30 de sexta-feira, quando o sempre competente setor de tecnologia de O Globo conseguiu uma forma de bloqueá-la.

Aí o problema real começou.

Em política, há uma frase – “vaca está estranhando bezerro” – que se encaixa perfeitamente no que aconteceu na redação de O Globo após o bloqueio dos e-mails de protesto. A parte mais nova dos repórteres respondeu o e-mail da tecnologia, avisando do bloqueio das mensagens, protestando contra a censura, sob o argumento geral – comportando variações – de que não se poderia ignorar a insatisfação dos leitores, no mínimo porque eles são os clientes.

O “aquário” não gostou, claro, considerando a manifestação como uma espécie de motim, mas isso faz parte da tradição autoritária de O Globo. O que não faz – ou fazia – parte dessa tradição é que jornalistas mais velhos apoiassem o bloqueio – ou seja, o cerceamento do direito dos leitores de opinar sobre o jornal que compram – e, mais, se manifestassem contra a discussão do tema no e-mail geral da redação.

Nesse contexto é que Ilimar Franco, titular do Panorama Político, enviou a frase que iniciou esse post e define bem o abismo que separa os estamentos mais altos da redação de O Globo – incluídos aí não apenas os que habitam o “aquário” – e a “jovem guarda” da redação, que, até por dever de ofício, está mais ligada ao que ocorre nas ruas (e agora está meio em pânico com as consequências da capa “retrato de bandido” para seu dia a dia, já suficientemente perigoso ultimamente).

Num mundo menos imperfeito, a manifestação das moças e rapazes geraria não esse tipo de resposta de Ilimar, mas uma meditação dos “aquarianos” e seus aliados quanto aos caminhos que estão sendo seguidos pelo jornal. Talvez, nessa meditação, se chegasse à conclusão que as recentes manifestações no País – tirando os casos de violência gratuita, que são espetaculosos, geram medo, e, com isso, tendem a distorcer o raciocínio, mas não mudam o curso da História – apontam para uma mudança de patamar na democracia brasileira, que, como sabemos, não chega a ter nem 30 anos, como uma grande parte dos manifestantes.

Essa mudança de patamar é causada pela passagem da consciência do nível de subsistência de parte significativa da população – aquele no qual o importante é contar com energia elétrica e ter dinheiro, a fim de comprar a geladeira que permitirá guardar os alimentos por mais tempo, liberando uma parte dele, antes usado de obtê-los – para aquele em que o tal tempo ganho pela existência da geladeira fica à disposição para outras tarefas, como refletir sobre o futuro da família, especialmente a educação dos filhos, e sobre por que raios ele/ela precisa deslocar-se 100 quilômetros para a consulta com um médico que nem sempre está lá, levando um tempo enorme no trajeto devido ao péssimo transporte público.

A adaptação a esse novo tipo de racionalidade é um problema que afeta, em primeiro (e em segundo e terceiro) lugar os políticos e as diversas instâncias governamentais e suas burocracias. Outras instituições da sociedade, porém, terão que passar por esse processo e seria de bom alvitre para elas irem pensando nisso. Entre essas instituições, até pelo seu papel central na sociedade, estão os meios de comunicação.

No caso específico de O Globo, a reflexão deveria partir de sua direção de redação, já que, por sua posição no processo de produção, tem acesso privilegiado aos dados reais do problema, entre eles aqueles trazidos pela “jovem guarda”, que anda pelas ruas e enfrenta-os diretamente. Levar essas reflexões aos Marinho é dever dos “aquarianos”. Se não o cumprirem, serão cobrados lá na frente.

E quanto à “jovem guarda”? Bem, se eu tivesse menos 20 anos e fosse tão bem preparado como eles são hoje em dia, e diante desse literal mundo de oportunidades que a mídia e as indústrias criativas e de serviço oferecem, eu estaria pensando seriamente em pular fora desse barco, pois já dá para ouvir as chapas de aço rangendo e uns barulhos estranhos vindo lá da casa de máquinas, enquanto os oficiais se esbaldam no salão de baile.

Censura à imprensa mineira ganha documentário internacional

20 de maio de 2013

Via Blog Fernando Massote

A Current TV, difundida na Europa, Estados Unidos e outras partes do mundo, está distribuindo um documentário sobre a censura à imprensa mineira. O vídeo se inicia com uma entrevista com o professor Fernando Massote, que analisa e denuncia os fatos envolvendo o governo Aécio Neves. É assim que a imprensa internacional corre em ajuda aos mineiros, para compensar o silêncio da mídia local sobre tudo o que não interessa ao Palácio da “Liberdade”. Confira, abaixo, o documentário, distribuído em francês, inglês e português.

Roberto Carlos, o rei da censura

25 de abril de 2013
Roberto_Carlos03

O censor

Como o maior cantor popular do Brasil se transformou numa máquina de proibir livros sobre ele.

Kiko Nogueira, via Diário do Centro do Mundo

Roberto Carlos é o chamado control freak. Sempre foi, mas piorou nos últimos anos. Sua obsessão por controlar sua imagem é notória e o leva a tomar decisões absurdas, na melhor das hipóteses, ou autoritárias, na pior. Cercado de agentes e aspones que o protegem de tudo, ou tentam protegê-lo, Roberto vive num mundo de fantasia, uma casca de ovo que ele pretende inexpugnável.

A nova de RC e seu time foi a notificação extrajudicial ordenando o recolhimento de um livro chamado Jovem Guarda: moda, música e juventude, de Maíra Zimmermann. É a tese de mestrado de Maíra, professora da Faap, e fala do surgimento do, na opinião da autora, mercado consumidor adolescente nos anos de 1960. Tiragem: mil exemplares. Mil.

Os advogados do cantor alegam que ele traz detalhes sobre a trajetória de sua vida e de sua intimidade e que a capa “contém caricatura do notificante e dos principais integrantes da Jovem Guarda sem que eles nem sequer fossem notificados”. Seu empresário declarou à Folha que recebe todo mês vários casos desse tipo e que “já passa direto para o escritório jurídico”.

Roberto se especializou no papel de censor. Não adianta o empresário dizer que “a lei nos protege” (o artigo 5º da Constituição veda a violação da intimidade e da vida privada e sua “exploração indevida”).

Em 2007, ele já havia proibido a boa biografia Roberto Carlos em detalhes, de Paulo César de Araújo, com os mesmos argumentos. Roberto se cerca de gente amedrontada que segue essa omertà. Há dois anos, numa matéria para a revista Alfa, o repórter Marcelo Zorza Netto entrevistou um músico de sua banda. Durante algumas semanas, ele ligou para a redação, preocupadíssimo com o que havia contado sobre Roberto (uma história sobre uma manifestação do TOC, o transtorno obsessivo compulsivo, de que RC sofre).

Roberto_Carlos02_Livro

A capa do livro censurado.

Para Roberto, a amputação de sua perna, na altura da canela direita, aos 6 anos, é um tabu que ganhou dimensões gigantescas. Em sua melhor fase, meados dos anos 1970, ele mesmo abordou esse drama na canção O Divã. O roteiro de seu famoso cruzeiro leva sua condição em consideração. Os shows precisam acontecer em águas calmas para que ele não se desequilibre. Mas isso não pode ser dito (aliás, foi dito numa reportagem da Viagem e Turismo. A antiga assessora de imprensa passou também alguns dias telefonando).

Por isso as entrevistas de Roberto são sempre insossas. Sua participação no documentário Uma noite em 67, sobre um festival da Record, é frustrante. Ele não sabia de nada, ele não tem nada a dizer que não seja protocolar. Faz uma piada sobre o fato de que havia uma turma organizada para vaiá-lo quando defendeu sua música, Maria, Carnaval e Cinzas, dando sua clássica risada. Só. Existe um acerto anterior de não se tocar em qualquer assunto que não seja de seu agrado. Não é que ele seja recluso ou avesso à mídia. Ele aparece bastante na Caras ou na Contigo, mas sempre do jeito que quer.

Você já deve ter lido ótimos livros, e outros nem tanto, sobre Frank Sinatra, John Lennon, Billie Holiday, Keith Richards etc. No ano passado, os Stones completaram 50 anos de carreira. Houve uma enxurrada de biografias. Uma delas, a de Mick Jagger, escrita pelo bom crítico Philip Norman, dava um excelente panorama dos anos de 1960 e 1970 e dissecava, claro, o vocalista dos Stones: suas mulheres, a prisão por posse de drogas e por aí vai. Não houve nenhum movimento do escritório de Jagger para proibi-la ou tirá-la de circulação (continua sendo vendida na Amazon, aliás).

Você pode achar que Roberto Carlos, bem, quem se importa com Roberto Carlos? Isso é uma questão. Outra, bem diferente, é como o maior cantor popular do Brasil virou um campeão da censura. Ele afirma que está preparando sua biografia. Maravilha, bicho. Uma coisa é certa: de tudo o que ele não vai dizer, suas proibições maníacas a livros não serão encontradas em página alguma.


%d blogueiros gostam disto: