Posts Tagged ‘Blindar’

Tucanos montam tropa de choque para blindar Perillo e Serra

19 de julho de 2012

Helena Sthephanowitz, via Rede Brasil Atual

Foi um acinte à nação a entrevista coletiva com toda a cúpula do PSDB para blindar seus governadores envolvidos com Cachoeira, no mesmo dia em que um agente da Polícia Federal que participou das investigações da Operação Monte Carlo foi executado por dois assassinos.

O crime ainda não está esclarecido, mas obviamente há suspeitas de envolvimento da organização criminosa ligada a Carlinhos Cachoeira no assassinato do policial, já que o juiz de Goiânia que cuidava do caso pediu afastamento por ameaça de morte; e a Procuradora do Ministério Público Federal também foi ameaçada.

A nação brasileira exige desbaratar a organização e punir exemplarmente os mandantes, porque não é possível aceitar a Polícia Federal ser desafiada e intimidada dessa forma por organizações criminosas infiltradas em órgãos de estado, controlando amplos setores da Secretaria de Segurança Pública, e corrompendo policiais, como aconteceu em Goiás.

Na coletiva tucana, em vez de chamar seu governador Marconi Perillo (PSDB/GO) à responsabilidade, os tucanos foram prestar apoio e “reafirmar confiança”, mesmo com todas as evidências que pesam sobre ele.

Os tucanos usaram, sem sucesso, o velho golpe de, quando são pegos com a boca na botija em escândalos de corrupção, quererem se passar por vítimas de complôs petistas. Antigamente acusavam os adversários de fazer dossiês contra eles. Agora os acusam de fazer a própria CPMI do Cachoeira e ainda usaram o surrado argumento da revista Veja de que seria para fazer cortina de fumaça no julgamento do chamado “mensalão”.

Questionado por repórteres se o relatório da Polícia Federal que apontava propina para Perillo na compra da casa era perseguição petista, o presidente do partido, Sérgio Guerra (PSDB/PE), chegou ao absurdo de acusar a PF de conspirar politicamente contra os tucanos. E essa ofensa justamente no dia em que o agente da PF foi executado, talvez, por gente ligada à organização criminosa.

Ora, a Polícia Federal apenas seguiu o caminho do dinheiro, que saiu da Delta, passou pelas contas do esquema Cachoeira e foi parar nas contas de Perillo. E as conversas telefônicas indicam que o tucano estava condicionando uma propina de R$500 mil para liberar os pagamentos à Delta. O Brasil inteiro viu isso na tevê. Sérgio Guerra queria o quê” Que os policiais fechassem os olhos para todas essas evidências que indiciam Perillo”

Politicamente, a entrevista foi desastrosa perante a opinião pública. O telespectador viu uma tropa de choque querendo abafar sua própria corrupção. Nem a edição para reduzir danos do Jornal Nacional da TV Globo conseguiu salvar. Perillo já está queimado e nenhum político em sã consciência coloca a mão no fogo por ele sem motivo. No entanto, toda a cúpula tucana resolveu queimar a mão de propósito: Sérgio Guerra, o líder no Senado Álvaro Dias (PSDB/PR), o líder na Câmara Bruno Araújo (PSDB/PE) e os membros da CPI deputados Carlos Sampaio (PSDB/SP) e Vanderlei Macris (PSDB/SP).

Essa imolação política coletiva só tem uma explicação: blindar José Serra (PSDB/SP), para onde a CPI avança mais rápido do que o esperado. Os nomes de José Serra, de Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, e do empreiteiro José Celso Gontijo (*) foram proibidos no vocabulário tucano durante a entrevista, mas estava subentendido a todo momento, inclusive com os tucanos falando de “coisas que saem na internet”.

O recado nas entrelinhas dos tucanos foi para que os petistas deixassem Paulo Preto e Gontijo de lado, não mexessem com José Serra, porque senão deflagrariam uma guerra explorando o julgamento do mensalão com apoio das oligarquias midiáticas que estavam cobrindo a entrevista em peso. Grande novidade. Por acaso a pressão para marcar o julgamento coincidindo com a campanha eleitoral não foi justamente para fazer isso?

(*) Doador, por intermédio de sua mulher, de R$8,25 milhões, como pessoa física, ao PSDB nacional na campanha eleitoral 2010. Apareceu em diálogos da Operação Monte Carlo como intermediário de negócios da empreiteira Delta.

Leia também: Intermediário da Delta doou R$8,25 milhões para candidatura de José Serra


%d blogueiros gostam disto: