Posts Tagged ‘Apoio’

Depois de Genoíno e Delúbio, José Dirceu também lança vaquinha para pagar multa

14 de fevereiro de 2014
Ze_Dirceu51_Site_Doacao

Clique na imagem para acessar o site “Apoio Zé Dirceu”.

Rodrigo Rodrigues, via Terra Magazine

Depois de José Genoíno e Delúbio Soares, na quarta-feira, dia 12, familiares e amigos do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, também lançaram um site para arrecadação de fundos para quitar a dívida oriunda do processo do mensalão.

O site “Apoio Zé Dirceu” tem o objetivo de levantar R$971.128,92, que é o valor da multa que Dirceu deve pagar para a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, em virtude da condenação na Ação Penal 470.

O site disponibiliza uma conta na Caixa Econômica Federal para que os interessados façam a doação por meio de depósito e transferência bancária. Por conta das recentes desconfianças e acusações do ministro Gilmar Mendes, o site de José Dirceu orienta todos os militantes e amigos a realizarem depósitos identificados. O site de apoio a Dirceu também pede aos amigos e colaboradores que as doações sejam incluídas no Imposto de Renda do doador, para garantir a lisura do processo.

No texto de apresentação do site, familiares e amigos afirmam que Dirceu fora vítima de julgamento de exceção e com objetivo de frear as conquistas do Partido dos Trabalhadores.

“Minha condenação foi e é uma tentativa de julgar nossa luta e nossa história, da esquerda e do PT, nossos governos e nosso projeto político”, diz o site, reproduzindo palavras do próprio José Dirceu.

“A ajuda para pagar a multa quase milionária imposta pelo Supremo é um protesto coletivo contra as arbitrariedades e violações do julgamento da AP 470. A contribuição de cada um representa muito mais do que um gesto financeiro. Representa antes de tudo um gesto humano e político”, afirma o site de apoio ao ex-ministro.

Histórico

As campanhas recentes de arrecadação de fundos para Delúbio e José Genoíno conseguiram levantar mais de R$1,7 milhão para quitar a dívida dos petistas com a Justiça.

Só a “vaquinha” de Delúbio arrecadou mais de R$1 milhão em nove dias de mobilização, superando em mais de R$500 mil o valor da multa que deveria ser paga à Justiça, que era de R$466,8 mil.

Em nota oficial aos contribuintes, o ex-tesoureiro do PT anunciou que os valores excedentes seriam repassados para Dirceu e João Paulo Cunha.

Na quarta-feira, dia 12, Cunha também teve a multa estipulada em mais de R$373,5 mil pela condenação no processo do “mensalão”.

Recordar é viver: Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC

18 de outubro de 2013
Alckmin_PCC00A

Alckmin prestigiou evento do candidato Ney Santos.

Os políticos não podem ser crucificados por aparecer ao lado de suspeitos ou foras da lei durante campanhas eleitorais: ok. Mas, em 2010, o tucano Geraldo Alckmin caprichou. Em declaração entusiasmada (vídeo abaixo), ele pediu votos para o candidato a deputado estadual do PSC Claudiney Alves dos Santos, vulgo Ney Santos. Após as eleições, Santos foi detido sob acusação de ser o maior receptador no Estado de bens comprados com dinheiro do PCC. Ele tinha em seu nome Ferrari, Porsche e fortuna de R$50 milhões. Santos ainda é apenas um suspeito, pode ser um bom rapaz, mas a dúvida se instala: Alckmin o apoiou por gosto, orientação de assessores ou foi sem querer, ingenuamente, que pediu votos para um homem visto como chefão do PCC paulista, a mesma organização que jurou o mesmo Alckmin de morte?

Via Brasil 247 em 18/10/2013

O governador Geraldo Alckmin talvez ainda não saiba, mas bomba nas redes sociais um vídeo composto por duas cenas, em tempos e situações diferentes, com um personagem em comum, mas das quais Alckmin só está presente apenas em uma delas.

Cena 1. Durante a campanha eleitoral para o governo de São Paulo, em 2010, o então candidato tucano é visto num recinto fechado, em torno de pessoas que parecem fazer parte de uma das torcidas organizadas do Santos Futebol Clube, do qual ele notoriamente é torcedor. Gravado por pelo menos duas câmeras, o futuro governador profere um enfático, entusiasmado e irretorquível pedido de votos ao candidato a deputado estadual Ney Santos, do PSC, um jovem com ar de brucutu e camiseta de campanha ao seu lado.

Cena 2. No vídeo seguinte, no mesmo anexo, assiste-se a uma notícia completa exibida no Jornal da Record, que registra a detenção provisória, após as eleições, do mesmo Ney Santos. Ele fora investigado pela polícia por um súbito enriquecimento pessoal, que o levara a sair da cadeia e, nos cinco anos seguintes, acumular uma fortuna que proporcionava ao nome dele a propriedade de uma Ferrari avaliada em R$1,2 milhão, uma Porsche igualmente cara, imóveis e bens de alto valor. Fortuna pessoal estimada em R$50 milhões, com direito a propriedade de vários postos de gasolina. Suspeitava-se que Santos havia se tornado o maior receptador de dinheiro obtido pelas atividades criminosas do PCC – Primeiro Comando da Capital.

Em 2011, presidiários que a polícia considera como integrantes do PCC foram grampeados num telefonema em que informavam um ao outro sobre a “decretação” da morte de Alckmin e outros políticos do governo estadual pela cúpula da organização criminosa.

Alckmin_PCC01

Em outro evento da campanha de Alckmin, Santos comparece com seus correligionários.

Tolinho – Por qualquer ângulo que se olhe, a situação é politicamente singular, porém familiar. O tempo em que políticos eram crucificados por aparecerem, em suas campanhas eleitorais, ao lado de personagens suspeitos ou envolvidos em crimes já passou. Compreende-se que as escolhas são, na grande maioria das vezes, involuntárias. O político é procurado e, normalmente, já sai falando a favor de quem o procura, especialmente se for de partido coligado, como era o caso do PSDB com o PSC.

Mas para quem agora tem a redobrada obrigação de enfrentar o continuado crescimento do PCC, Alckmin, no mínimo, se mostrou um grande ingênuo no passado recente. Certamente ele não se sentiria ofendido em ser chamado de tolo por isso. Melhor do que ser apontado, ou aparecer e reconhecer, que sabia exatamente para quem estava pedindo os votos do povo, no caso da impressionantemente forte declaração de apoio a Nei Santos. Certo ou não?

Desse episódio que, para o vídeo que você assistirá abaixo, já despertou quase 100 mil visitas no YouTube, o que se retira é: mais cuidado, governador, na próxima campanha. E, pede-se, esclareça o que ocorreu nesse episódio de apoio ao suspeitíssimo Ney Santos em 2010.

Leia também:
No acordo entre PCC e Alckmin, o Estado de São Paulo se rendeu ao mundo do crime
Enquanto PCC atacava, secretário de Segurança de Alckmin torcia pelo Corinthians na Argentina
Alckmin e Marcola: A volta dos que não foram ou a fuga dos que não fugiram
Geraldo Alckmin provoca diarreia em São Paulo
Manobra de Alckmin na Nota Fiscal Paulista pode prejudicar arrecadação de impostos
Corrupção na Receita paulista: Cadê o Alckmin?
Alckmin diz que plano de contingência contra racionamento é “papelório inútil”
Vídeo: Deputado Sílvio Costa aponta a bipolaridade dos golpistas da oposição
Alckmin fura fila e é vaiado em São Paulo
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Choque tucano de gestão: Alckmin afirma que “ninguém ficou sem água” em São Paulo
Choque tucano de gestão: Sabesp cobra mais de escola pública do que de vips
O PSDB e a falta de respeito pela democracia
37 mil afetados: Alckmin reduz programa de leite para crianças carentes
Em São Paulo, pedágio mais caro do país é reajustado
São Paulo: O encarceramento em massa como política de segurança
Person of the year: FHC fala mal do Brasil e espanta investidores que Alckmin queria atrair
Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?
Marcha da Família conta com o apoio de Geraldo Alckmin
Para especialistas, fuga espetacular do PCC foi jogada eleitoral e arriscada
Documento acusa Alckmin de criar “falsa impressão” ao tentar atenuar desabastecimento de água
Plínio de Arruda Sampaio: “Ponho a mão no fogo pelo Alckmin.”
Choque de gestão: Alckmin tira recursos da segurança e educação
E se faltar água em São Paulo?
Racionamento de água e a sina do PSDB
Luciano Martins Costa: A reportagem que nunca foi escrita
Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência
Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos
Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira
Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC
Documentos secretos revelam a relação entre PCC e parte da PM de São Paulo
Geraldo Alckmin usou ameaça do PCC para se promover
Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin
Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política
E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos
Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?
O feito extraordinário de Alckmin
Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp
Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin
Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin
Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações
Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia
Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64
Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira
O jovem velho que é a cara do PSDB
Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin
Endireita, São Paulo: Os depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin
Conheça a biografia de Geraldo Alckmin
José Serra deflagra operação Sabesp
Vídeo: Da crise hídrica à crise democrática
No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade
Gestão tucana: Caos social por falta de água em São Paulo
ONU considera crise hídrica em SP uma violação aos direitos humanos
Depois de destinar R$4,3 bilhões a acionistas, Alckmin quer aumentar preço da água
Gestão tucana: Se o Tietê estivesse despoluído, ele poderia salvar São Paulo da crise hídrica
Sabesp é generosa com acionistas, mas não com investimentos em infraestrutura
Memória seletiva: Folha diz que alerta para crise hídrica desde 2001. De uma hora pra outra esqueceu
Vladimir Safatle: A crise da água e a transferência de responsabilidades
Diretor da Sabesp: “Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água.”
Enquanto a Petrobras é massacrada, a Sabesp é convenientemente esquecida
Lógica financeira da Sabesp marginaliza tratamento de esgoto e limpeza de rios
Escolas fechadas, fuga da cidade, caminhões-pipa: O cenário possível de São Paulo sem água
A fina flor da demagogia barata
Folha, 12/10/2003: São Paulo só atende demanda por água até 2010
Se o rodízio de 24 horas fosse feito em 2014, haveria economia de 12,3% do Cantareira
Está chegando o dia: Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo
Agora é oficial: Ministério Público aponta responsabilidade de Alckmin na crise da água
Alckmin pode não ter solução para a água, mas já tem estratégia de mídia
Estelionato eleitoral: Cronologia das pérolas ditas por Alckmin durante a crise hídrica
São Paulo: Por trás da falta d’água, privatização e ganância
Sabesp ignorou regra que reduziria risco de falta de água em São Paulo
Em 2013, devido à falta de manutenção nas tubulações, Sabesp desperdiçou uma Cantareira
“Oh, happy days”: A festa da Sabesp em Nova Iorque e a falta de água em São Paulo
Alguém precisa acordar Alckmin
Os 10 mitos sobre a crise hídrica
Os tucanos já gastaram US$3,6 bilhões para limpar o Tietê, mas o rio continua poluído
O que sai no jornal ou “o racionamento dos fatos”
Em 2009, Serra foi alertado para a crise hídrica de 2015. E não fez nada
Para entender a escassez de água
Sabesp se nega a publicar contratos de empresas que mais consomem água
Luciano Martins Costa: A ordem é preservar Alckmin e criminalizar a população
Empresas começam a deixar São Paulo pela falta d’água
Falta luz? Nos últimos anos, Eletropaulo cortou investimentos
Sabesp: Do Cantareira para a Bolsa de Nova Iorque
Em São Paulo, 360 quilômetros de Metro: Era a previsão de 1968
Secretário de Alckmin diz que reclamações sobre falta d’água em São Paulo são “exibicionismo”
Catástrofe social, econômica e ambiental ronda o estado de São Paulo
É hora de Fernando Haddad coordenar a luta contra a falta de água

O dia em que Chico Buarque virou Geni

22 de setembro de 2013
Chico_Buarque14

O linchamento de Chico não preocupa. Mas e as outras Genis que são apedrejadas todos os dias?

Perplexos com apoio do compositor a José Genoíno, entre refletir e linchar, leitores escolhem o caminho fácil das pedras. Noves fora, Juca Kfouri e Beth Carvalho também assinaram. As adesões passam de 7 mil.

João Peres, via RBA

Raras vezes se vê uma notícia perdida neste mundo de sobreinformação causar tamanha perplexidade. A informação da RBA de que o compositor e escritor Chico Buarque aderiu ao abaixo-assinado em defesa do deputado José Genoíno, réu da Ação Penal 470, o “mensalão”, expôs na internet uma enxurrada de sentimentos que falam muito sobre como os brasileiros enxergamos os políticos e desconfiamos do funcionamento das instituições democráticas – por consequência, da democracia em si.

Entre os quase 300 comentários feitos até sexta-feira, dia 20, apenas em torno da reportagem da RBA, desconsiderando manifestações publicadas em outras páginas, xingamentos dominam, seguidos por elogios à atitude do cantor. Nas manifestações negativas reside o objeto digno de análise. Seria de se imaginar que a postura de Chico Buarque levasse a uma reflexão simples, banal: se ele está apoiando Genoíno, não seria bom que eu tentasse entender o porquê?

O propósito da lista organizada por amigos do deputado não é outro que não esse: o de mostrar que, pelo respaldo social de que goza frente às acusações que recebe, o ex-presidente do PT talvez devesse ter recebido do Supremo Tribunal Federal (STF) outro tratamento. Sendo tarde para reverter a condenação, ao menos no todo, trata-se de um desagravo, na visão destes apoiadores, a alguém que recebeu uma pena injusta e que precisa ter sua honra resgatada.

Entre a reflexão e o linchamento, toma-se o caminho fácil das pedras nas mãos.

Os comentários começam com perplexidade: “Isso não é possível. Um cara com o intelecto do Chico não faria uma bobagem dessa…”

Transformam o compositor em vítima da desinformação: “Ô Chico, até tu entrou nessa. Espero que sua fama de ‘pé frio’ se confirme. Fala sério!”

Partem para a difamação: “Pilantra. O pai fundou o PT, a irmã tinha cargo… entre outras coisas. A falsa esquerda que se deu bem na ditadura.”

Chegam ao melhor “eu já sabia” de que se tem notícia: “Lógico! Ele foi um dos apoiadores dessa corja. Gostava muito do Chico. Hoje não gosto mais.”

Vão à explicação sociológica: “O cara é talentoso, mas com certeza o sangue burguês fala mais alto nessas horas. Nenhuma decepção!”

E apelam à antropologia e à biologia: “Ótimo compositor, mas péssimo ser humano. Eu já conhecia esta faceta quando mostrou-se contra a ditadura na época. Nos livramos da ditadura e ganhamos José Dirceu, Dilma, Lula, Delúbio, José Genoíno etc…. Ou seja, trocamos 6 por 15 dúzias”.

Ao observar o comportamento exposto em redes sociais, sempre é bom manter um pé atrás, mas, neste caso, conversas à mesa do bar, no almoço de domingo e nos ônibus da vida estão aí para mostrar que os comentários colocados neste microcosmo não estão isolados neste mundo. Não é de hoje que se debate sobre a tendência de generalizar a política – ou melhor, os políticos, sempre entendidos como aproveitadores profissionais, incapazes de ter contato com a realidade e insensíveis. Embora a visão não seja desprovida de fundamentos, a extrapolação desta visão é que é um problema, com impacto direto em nossa vida democrática.

Não é de se surpreender com o linchamento porque os comentários sobre a posição do compositor nada mais fazem que reproduzir o senso comum acumulado ao longo de décadas, e contemporaneamente tornados públicos de forma instantânea pela internet. É mais fácil andar com a manada do que parar para pensar.

O que Chico fez foi emprestar seu prestígio para promover um convite a seus admiradores: vamos refletir se a chamada “opinião pública” está sendo justa com o deputado? A lista pró-Genoíno tem apoios como os do escritor Fernando Morais, do cineasta Toni Venturi, da psicanalista Maria Rita Kehl. Muito à esquerda? Citemos Nelson Jobim, ex-ministro do STF e dos governos FHC e Lula.

Beth_Carvalho02A propósito, a carta intitulada “Nós estamos aqui” ultrapassa a casa da 7 mil assinaturas, entre elas as do jornalista Juca Kfouri e da cantora Beth Carvalho.

São chamamentos à reflexão. Não é preciso concordar com os apoiadores do deputado petista, mas não é construtivo, pessoal e socialmente, rasgar o convite sem lê-lo. Dá trabalho, é verdade, formar uma opinião sólida e consistente, e às vezes é preciso perder amizades para defendê-la – Chico que o diga. Mas é melhor para a democracia do que o senso comum. A ojeriza pela vida política, senso comum, é o que facilita o sequestro da mesma por poucos grupos econômicos que conseguem ditar as ordens no país e no mundo.

Isso leva a uma questão maior, que é a vulnerabilidade de nossa democracia. Uma população que acredita piamente em uma história, sem contestá-la, é uma população fácil de dominar. Assim como o admirador de Chico não deve confiar de olhos fechados no que ele está a dizer, tampouco deve ter como verdade inconteste aquilo que é divulgado por uma emissora que apoiou um golpe e uma ditadura, que manipulou uma eleição presidencial e que de lá para cá desestabilizou outras tantas, sem entrar na seara econômica, nas manifestações de junho e nos direitos sociais.

Chico paga o preço de ser bem resolvido: ele é feito pra apanhar, ele é bom de cuspir, mas não dá seu prestígio pra qualquer um, maldito Chico. Frente à perplexidade, é mais fácil culpar o outro do que tentar entender se estamos errando ou não. O que preocupa não é essa nossa Geni, calejada pela vida, rica e de reputação – e que não vai morrer por um linchamento de redes sociais. Preocupa saber que todos os dias milhares de Genis sofrem com essa linha de intolerância ao outro, tão natural na sociedade brasileira: ateus, prostitutas, presidiários, gays etc. O caminho em que as pedras ficam no chão é árduo. Mas é melhor para todo mundo.

A ingratidão da Globo

9 de setembro de 2013
Globo_Ditadura07

Com desfaçatez suprema, o editorial de O Globo desculpa-se enquanto evoca as razões que, 50 anos atrás, pretende terem justificado o apoio ao golpe.

Mino Carta, via CartaCapital

Ingratidão da Globo me espanta, ela vomita no prato em que comeu, com o perdão pelo uso do verbo, de eficácia indiscutível, no entanto. Aludo ao editorial com que o mais autorizado porta-voz das Organizações, O Globo, brindou seus leitores dia 1º de setembro. Diz-se ali que apoiar o golpe de 64 foi erro nascido de um equívoco. Veio a ditadura, como sabemos, provocada pelos gendarmes chamados pelos donos do poder civil, entre os quais figurava, com todos os méritos, Roberto Marinho, e os anos de chumbo de alguns foram de ouro para a Globo.

A empresa do doutor Roberto cresceu extraordinariamente graças aos favores proporcionados pelos ditadores, gozou de regalias incontáveis, floresceu até os limites do monopólio. O apoio de 64 prosseguiu impavidamente por 21 anos, enquanto o Terror de Estado imperava. Grassavam tortura e censura, repetiam-se os expurgos dentro do Congresso mantido como estertor democrático de pura fancaria. Só o MDB do doutor Ulysses Guimarães redimiu o pecado original ao reunir debaixo da sua bandeira todos os opositores do regime. Para desgosto da Globo.

Sim, O Globo apoiou o golpe, juntamente com os demais jornalões como o editorial não deixa de acentuar, e também apoiou os desmandos do regime, a começar pelo golpe dentro do golpe que resultou no Ato Institucional nº 5. E prisões e perseguições, e até as ditaduras argentina, chilena e uruguaia.

Em contrapartida, combateu Brizola governador, e de modo geral, os demais governos de estado conquistados pela oposição em conjunturas diversas, bem como o movimento sindical surgido sob o impulso de um certo Luiz Inácio, presidente do Sindicado dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema, responsável pelas greves de 78, 79 e 80, finalmente preso e enquadrado na famigerada Lei de Segurança Nacional.

Derradeiro lance global, a condenação inapelável do movimento das Diretas Já, quando a Globo foi alvo da ira popular e um veículo da empresa foi incendiado na Avenida Paulista no dia 25 de janeiro de 84, ao término de uma manifestação que reuniu na Praça da Sé 500 mil pessoas. Rejubilou-se, contudo, o doutor Roberto, com a rejeição da emenda das Diretas, obra magistral da Arena de José Sarney, e com a formação da Aliança Nacional, nome de fantasia da enésima, inesgotável conciliação das elites.

Não se diga que a Globo deixou de ser coerente com seus ideais. Decisiva na eleição de Fernando Collor em 89, com a manipulação do debate de encerramento com Lula, comandada pelo doutor Roberto em pessoa. Nosso colega, como sustentavam seus assalariados, não hesitou em promover a festa carnavalesca contra o presidente corrupto, desmascarado somente pela IstoÉ ao descobrir a testemunha inesperada e fatal, o motorista Eriberto. Antes disso, o governo Sarney contara com o apoio irrestrito da Globo, sempre beneficiada por Antônio Carlos Magalhães, ministro da Comunicações, na mesma medida em que o fora por outro amigo insubstituível, Armando Falcão, ministro da Justiça do ditador Ernesto Geisel.

O governo Fernando Henrique quebrou o País três vezes, mas nunca lhe faltou o aplauso global oito anos a fio, tanto mais na hora do singular episódio intitulado “Privataria tucana” e da compra dos votos para garantir a reeleição do príncipe dos sociólogos, sem falar do “mensalão” também tucano. Houve até o momento em que, tomado de entusiasmo, o doutor Roberto acreditou cegamente em sua colunista Miriam Leitão, segundo quem, eleito pela segunda vez, FHC garantiria a estabilidade da moeda até o último alento. Doze dias depois de reempossado, o príncipe desvalorizou o real e cobriu a Globo de dívidas. Havia, contudo, um BNDES à disposição para tapar o buraco.

FHC deixou saudades, a justificar o apoio compacto aos candidatos tucanos nas eleições de 2002, 2006 e 2010. E a adesão à maciça campanha midiática que, como em 1964, coloca jornalões e quejandos de um lado só, então a favor do golpe, nos últimos dez anos contra um governo tido como de esquerda, atualmente a carregar a herança de Lula. Vale observar, aliás, que mesmo no instante do pretenso arrependimento, O Globo desfralda os mesmos argumentos de 50 anos atrás. Donde a evocação da “divisão ideológica do mundo” à sombra álgida da Guerra Fria, aprofundada no Brasil “pela radicalização de João Goulart”. Enfim, renova-se o aviso fatídico: a marcha da subversão estava às portas. Eu a espero em vão até hoje.

Sim, o doutor Roberto acreditou ter agido acertadamente até sua morte e sempre chamou o golpe de revolução. Explicaria em um dos seus retumbantes editoriais da primeira página, no 20º aniversário daquele que seus pupilos agora definem como “equívoco”, que “sem povo não haveria revolução”. E quem seria o povo daquela quadra criminosa? As marchas dos titulares da casa-grande e dos seus aspirantes, secundados pelos fâmulos momentaneamente retirados da senzala.

Sim, é verdade que muitos jornalistas de esquerda tiveram abrigo na redação de O Globo, e alguns deles foram e são amigos meus, mas não me consta que o doutor Roberto se tenha posicionado “com firmeza contra a perseguição” de profissionais de quaisquer outras redações. Vezos nativos. O Estadão chegou a hospedar colunistas portugueses, inimigos do regime salazarista. Tinham eles a virtude de escrever em castiço os editoriais ditados pelo doutor Julinho. Este gênero de situações reflete a pastosidade emoliente da realidade do País, onde o dono da casa-grande pode permitir-se tudo o que bem entender.

De todo modo, não é somente deste ponto de vista que a Globo foi deletéria. Ensaios foram escritos no exterior para provar como a influência global foi daninha, inclusive com telenovelas vulgarizadoras de uma visão burguesota, movida a consumismo e cultura da aparência, visceralmente apolítica, anódina e inodora. Como tevê, e como jornal, a Globo já foi bem melhor. Ocorrem-me programas de excelente qualidade, conduzidos por humoristas como Chico Anysio e Jô Soares, capazes às vezes de ousar o desafio sutil à ditadura. Mas a queda foi brutal, como se deu em relação ao jornal à época da direção de Evandro Carlos de Andrade. Lamentáveis as opiniões, em compensação, boa, frequentemente, a informação.

O texto do editorial carece, é óbvio, da grandeza que a situação recomendaria, pelo contrário é de mediocridade e superficialidade doridas, não somente na lida difícil com o vernáculo, mas também pela demonstração, linha a linha, palavra a palavra, e, mais ainda, no desenrolar do raciocínio central, da sua insinceridade orgânica. Surge, de resto, da covardia diante das manifestações anti-Globo e, como de hábito, aferra-se à hipocrisia típica dos senhores da casa-grande, velhacos até a medula.

Esta é a gente que gosta de brigar na proporção de cem contra um, se possível mil, sem mudar o número de quantos ousam confrontá-los. Incrível, embora natural, inescapável, nesta pasta víscida e maligna que compõe a verdade factual do País da casa-grande e da senzala, a falta de um debate em torno da peculiar confissão global, como acentua Cláaudio Bernabucci em sua coluna desta edição. Que dizem os jornalões acusados de conivência pelo O Globo? Que dizem as lideranças partidárias? E o Congresso? Nem se fale das figuras governistas e parlamentares que até agora enxergam na Globo um sustentáculo indispensável.

Silêncio geral, entre atônito e perplexo.

***

Leia também:

Apoio da Globo ao golpe de 1964 foi comercial, não ideológico

Globo se desculpa pelo passado. Mas e o presente?

Golpe de 1964: A Globo devolverá o dinheiro que ganhou com ele?

Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos

Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça

Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão

Ministério Público no DF abre apuração sobre o caso de sonegação envolvendo a Rede Globo

Rede Globo: Só falta o cadáver

Funcionária da Receita foi condenada por sumir com processo contra a Globo

Rede Globo é alvo de uma CPI na Câmara

Sonegação fiscal da Globo fica em segundo plano, agora o caso é de polícia

Processos contra a Globo podem reaparecer no Congresso

Leandro Fortes: O povo não é bobo

A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark

Professor demonstra manipulação de “O Globo” sobre a Venezuela

João, Irineu e José, os filhos de Roberto Marinho: Os bilionários donos do BV

Dia Nacional de Lutas: Trabalhadores ocupam as ruas com atos em todo o País

“Grande mídia” tenta abafar protestos contra a Globo

Ligações suspeitas entre Globo e Banco Rural, mas ninguém investiga

Rede Globo: Quem planta terrorismo, colhe caos

Por que a Globo faz o que faz

Como a Globo manipula gente simples para defender sua visão predadora de impostos

***

Globo se desculpa pelo passado. Mas e o presente?

2 de setembro de 2013

Roberto_Marinho08A_Figueiredo_Lobo

Em editorial histórico, jornal O Globo reconhece que errou ao apoiar o golpe militar de 1964, mas diz que outros veículos de comunicação, como Folha e Estado, fizeram o mesmo. O mea culpa acontece um dia depois de a emissora ser alvo de um protesto violento, que atiraram esterco na emissora. Ao longo de sua história, Roberto Marinho andou de mãos dadas com os generais, como na foto com João Batista Figueiredo. Será mesmo que a Globo se arrependeu ou são lobos que se vestem de cordeiros para aplacar a fúria das ruas?

Via Brasil 247

Quase meio século depois do golpe militar de 1964, a poderosa Globo fez um mea culpa histórico. Reconheceu que errou ao apoiar a ditadura, mas disse que seu erro foi compartilhado por outros meios de comunicação, como Folha e O Estado de S.Paulo.

O reconhecimento ocorre um dia depois de a Globo ser alvo de um protesto violento, em São Paulo, quando um grupo atirou esterco na sede da emissora. “À luz da História, contudo, não há por que não reconhecer, hoje, explicitamente, que o apoio foi um erro, assim como equivocadas foram outras decisões editoriais do período que decorreram desse desacerto original”, diz o texto, divulgado hoje pelo grupo editorial da família Marinho.

Globo_Manifestantes03

Manifestantes jogam mer.., quer dizer, esterco no fachada da TV Globo, em São Paulo.

No mesmo texto, a Globo afirma que a democracia “é um valor absoluto”. Mas será que a Globo de hoje, de fato, respeita a soberania popular ou continua combatendo, com a mesma ênfase de sempre, governos trabalhistas, como fez com João Goulart, antes de 1964, Leonel Brizola, no Rio de Janeiro, e, agora, com o projeto Lula-Dilma?

Terá mesmo a Globo se arrependido ou são lobos que se vestem de cordeiros para aplacar a fúria das ruas?

***

Leia também:

Apoio da Globo ao golpe de 1964 foi comercial, não ideológico

Golpe de 1964: A Globo devolverá o dinheiro que ganhou com ele?

A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark

Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos

Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça

Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão

Leandro Fortes: O povo não é bobo

João, Irineu e José, os filhos de Roberto Marinho: Os bilionários donos do BV

Rede Globo: Quem planta terrorismo, colhe caos

Por que a Globo faz o que faz

Como a Globo manipula gente simples para defender sua visão predadora de impostos

***


%d blogueiros gostam disto: