Trump em vídeo: Se tivesse seguido o exemplo do Brasil, EUA teriam 1 milhão de mortos por covid-19

5 de junho de 2020

Esse Trump, ingrato, insensível, injusto. Incapaz de corresponder a um amor verdadeiro. Força, Jair!

Via Serginho Xavier no Twitter em 5/6/2020

Donald Trump diz que os Estados Unidos teriam tido um milhão de mortos por coronavírus se tivesse seguido os exemplos do Brasil e da Suécia. Como os governadores trabalharam pelo distanciamento, esta é uma censura pública a Jair Bolsonaro pelo seu ídolo.

Evitar confronto com fascistas e PMs: Por enquanto, partidos de oposição pedem para adiar ida às ruas contra Bolsonaro

5 de junho de 2020

No último dia 31 de maio, o presidente Jair Bolsonaro cavalgou durante manifestação em apoio ao governo e cumprimentou apoiadores na frente do Palácio do Planalto. Foto: Pedro Ladeira /Folhapress.

Líderes das bancadas de PSB, PDT, PT, Cidadania e PSD no Senado avaliam que não é o momento de realizar manifestações.

Via Folha em 4/6/2020

Partidos de oposição ao governo Jair Bolsonaro (sem partido) publicaram na quinta-feira [4/6] nota pedindo que as pessoas não compareçam às manifestações previstas para domingo [7/6].

Líderes das bancadas de PSB, PDT, PT, Cidadania e PSD no Senado dizem avaliar que não é o momento de realizar manifestações.

Os parlamentares afirmam, entretanto, que a mobilização para atos pró-democracia “aqueceu nossos corações de esperança” de que a população brasileira tenha percebido que “a política da Presidência da República tem sido devastadora ao país e aliada do coronavírus”.

“Adiaremos à ida às ruas, pelo bem da população, até que possamos, sem riscos, ocupá-las, em prol da população”, afirmam.

Os políticos também dizem temer que eventuais confrontos com a Polícia Militar sejam usados pelo governo Bolsonaro como pretexto para ações antidemocráticas.

“Observando a escalada autoritária do governo federal, devemos preservar a vida e segurança dos brasileiros, não dando ao governo aquilo que ele exatamente deseja, o ambiente para atitudes arbitrárias.”

Em nota separada, a executiva do PSB afirma que “ainda não é hora de tomar as ruas” por questões de segurança sanitária em relação à pandemia do novo coronavírus. O tom é semelhante à mensagem divulgada pela executiva da Rede Sustentabilidade.

À noite, o PT também divulgou nota em que recomenda aos manifestantes observarem o uso de máscaras e o distanciamento social, além de “resistir às provocações e isolar os infiltrados, que já vêm agindo para tentar desvirtuar o caráter das manifestações e dar pretexto à repressão e ao discurso de fechamento do regime”.

No domingo [31/5], manifestações incentivadas por torcidas organizadas de vários times de futebol acabaram em confronto na avenida Paulista.

O ato pró-democracia foi organizado pelas torcidas após apoiadores do presidente se manifestarem, ao longo dos últimos domingos, com bandeiras antidemocráticas como o fechamento do Congresso e do STF (Supremo Tribunal Federal), além de pedir o fim do isolamento social no combate da pandemia da Covid-19.

Bruno Covas atrasa pagamentos de programa feito para ajudar na pandemia

5 de junho de 2020

Prefeito Bruno Covas e governador João Dória. Foto: Divulgação.

Prefeitura não acertou com empresários, que dizem ter entrado no cheque especial por causa dos atrasos.

Via Painel da Folha em 5/6/2020

Chapéu dos outros Propagandeado pela gestão Bruno Covas (PSDB), um programa lançado para ajudar moradores de ruas e bares e restaurantes virou problema em São Paulo. O Rede Cozinha Cidadã compra marmitas das empresas e entrega a comida para a população carente. A prefeitura, no entanto, ainda não acertou os pagamentos com os empresários, que dizem ter entrado no cheque especial por causa dos atrasos. Mais de 325 mil pratos feitos foram entregues e cerca de 70 comércios não receberam ainda.

Burocracia A explicação dada aos empresários é a de que para os repasses serem feitos eles precisam abrir contas no Banco do Brasil, o que tem sido difícil durante a pandemia. O edital dizia que era preferencial ter uma conta no BB, mas não obrigatório.

Piorou Sessenta e nove restaurantes estão participando do projeto. Ao Painel, um deles elogia a ideia do programa, mas diz que a participação nele pode levar seu negócio à falência, já que traçou seu planejamento de compras e funcionários levando o Cozinha Cidadã em consideração. Até o momento, dizem, três notas fiscais foram lançadas, mas só a primeira foi quitada.

Outro lado A prefeitura diz que está trabalhando para resolver os entraves. Também afirma ter feito pesquisa com donos dos restaurantes. Dos 60 que responderam, 55% disseram que a ação evitou o fechamento de seus negócios, 33% afirmaram que impediu a demissão de funcionários e 12% relataram que foi possível manter o capital de giro.

TIROTEIO
“A situação é dramática na assistência social e Onyx não está nem aí. Ele não entende nada e se acha um semi-Deus”.

De Jonas Donizete, presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, queixando-se da falta de comunicação com o ministro da Cidadania.

Mesmo se cair, Weintraub não será abandonado ferido à beira da estrada pelos fascistas

5 de junho de 2020

WEINTRAUB PODE CAIR, MAS NÃO SERÁ ABANDONADO. GUEDES É ÚLTIMO BASTIÃO.
Via Brasil 247 em 5/6/2020

O jornalista Tales Faria, do UOL, afirmou em vídeo que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não será “abandonado” por Jair Bolsonaro caso deixe o Ministério da Educação.

Para Faria, Weintraub faz parte do núcleo duro, “raiz” do bolsonarismo. “Não se iluda, Abraham Weintraub não será abandonado, ele faz parte da turma do coração, são os bolsonaristas de raiz, os seguidores de Olavo de Carvalho, e ungidos pelos crimes do presidente. Haverá sempre uma boa compensação para ele se for obrigado a deixar o cargo”.

Ele explicou ainda que a saída de Weintraub tornou-se necessária para a manutenção do governo federal, que tenta amenizar os embates com o STF e Congresso Nacional, sendo o ministro um empecilho para tal manobra.

Caso a saída de Weintraub se efetue, o ministro da Economia, Paulo Guedes, será o “último bastião” de Bolsonaro, disse o jornalista. “Com o enfraquecimento constante do presidente, seus projetos tendem a ficar paralisados no Congresso, a economia parada também, o impeachment no centro do noticiário e o mercado, os poderosos agentes do mercado, voltam seus olhos para o ministro da Economia, Paulo Guedes. O posto Ipiranga tornou-se o último bastião do presidente.

***

WEINTRAUB VAI À PF E ENTREGA DEPOIMENTO POR ESCRITO
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi à PF na tarde de quinta-feira [4/6] prestar depoimento em inquérito por racismo.
Ricardo Brito, via Portal Terra em 4/6/2020

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi à Polícia Federal na quinta-feira [4/6] para depor no inquérito aberto pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que o investiga por racismo.

Uma fonte com conhecimento do caso disse à Reuters que o ministro apresentou o depoimento por escrito.

“Prestei depoimento à PF, em respeito à Polícia. Fui muito bem recebido pelo diretor-geral Rolando e por toda sua equipe. Agradeço especialmente a você, que me apoia na luta pela LIBERDADE!”, disse Weintraub em uma publicação no Twitter. Do lado de fora da PF havia manifestantes a favor do ministro.

Weintraub tentou, sem sucesso, adiar o depoimento ao STF, mas foi barrado porque não tem, segundo a corte, prerrogativa como investigado para marcar dia e hora para falar.

A investigação pedida pela Procuradoria Geral da República tem como ponto de partida um texto publicado no Twitter do ministro em abril, ao lado de uma imagem da capa de um gibi da Turma da Mônica sobre o país asiático, em que ele escreveu imitando a fala do personagem Cebolinha, que troca a letra R pela letra L, e ironiza os chineses.

“Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?”, ironizou Weintraub na publicação. O ministro posteriormente apagou a postagem.

O caso gerou um incidente diplomático. A embaixada da China no Brasil divulgou nota em sua conta no Twitter em que afirmou repudiar e classificou de “racista” a publicação feita pelo ministro. Weintraub, entretanto, rebateu a acusação e disse que só pediria desculpas se a China enviasse ao Brasil respiradores a preço de custo.

Na sexta-feira [29/5], o ministro da Educação depôs em outro inquérito do Supremo, o das fake news, após ter tornado pública a declaração dele em uma reunião ministerial de abril de que botava na cadeia todos “vagabundos”, começando pelo STF.

Passamos a Itália! Ninguém segura esse Brasil! Quer saúde? Vai pra Cuba!

5 de junho de 2020

Na quinta [4/6] morreram mil quatrocentos e tantos brasileiros. Recorde! E eu continuo sem ministro da Saúde.

Diário de José Roberto Torero, via RBA em 5/6/2020

Eu não sou diarista, mas estou todo dia com você, Diário.

E hoje, para dar uma relaxada, só vou falar de coisa sem importância.

Ontem [4/6] morreram mil quatrocentos e tantos brasileiros. Recorde! E pelo terceiro dia seguido. Já são mais de 34 mil defuntos e mais de 600 mil casos. Passamos a Itália! Ninguém segura esse Brasil!

Aliás, ninguém mesmo, que eu continuo sem ministro da Saúde. E pra quê eu vou querer um ministro de verdade lá? Pro cara seguir o protocolo da OMS? Não mesmo! Quer médico? Vai pra Cuba!

Eu sou mais do otimismo que do remédio, Diário. Por isso, agora, no site do ministério da Saúde, a gente destaca os curados. As mortes ficam em letra bem pequenininha. Tem que ter pensamento positivo, pô!

O Osmar Terra é um bom exemplo: disse que ia ter só 800 mortos e a covid acabava em abril. Errou, mas o importante é a postura.

Olha, Diário, no tocante ao isolamento, ganhei essa queda de braço. Os governadores tão me imitando. Quem continuar com isolamento vai ficar isolado. Até o Dória já liberou uma abertura. No bom sentido, kkk!

Concessionária, por exemplo, vai funcionar. E tá certo, porque assim o cara compra um carro novo, não precisa mais andar de ônibus e não pega covid.

O melhor é que agora ninguém vai poder botar a culpa só em mim. O Carluxo até escreveu hoje que a culpa das mortes pela covid é dos estados. Aliás, tirei 83 milhões do Bolsa Família para botar em publicidade. Tem que espalhar essa ideia aí.

Diário, preciso lembrar de mandar um abraço para a senhora Corte Real (belo nome!), a patroa da mãe da criança que caiu do prédio. O garoto morreu, mas é o destino de todo mundo. O que que eu posso fazer? Não sou coveiro.

Eu tenho pena é da patroa, que vai ter que gastar uma nota em calmante. E que culpa ela tem? É a mesma coisa que dizer que eu tenho alguma coisa a ver com as mortes da covid só porque dou meus rolezinhos de domingo. Pô, vai pra rua quem quer. Eu só boto dentro do elevador.

E, se alguém vier me encher o saco, mando chupar um picolé de cloroquina, talkei?

Falando em chupar picolé, deixo aqui um conselho para o Dia dos Namorados: arranje alguém que cuide de você como o Aras cuida de mim.

***

PAÍS TEM NOVO RECORDE COM MAIS 1.473 MORTES E SUPERA ITÁLIA. BOLSONARO QUER LIBERAR PRAIAS
Com 614.941 casos e 34.021 óbitos pela covid-19, país se tornou terceiro no mundo em número de mortes, atrás apenas de EUA e Reino Unido.
Helder Lima, via RBA em 5/6/2020

O Brasil superou a Itália em número de mortes pela covid-19 neste 4 de junho. Com 1.479 óbitos nas últimas 24 horas, o país tem seu terceiro dia seguido de recorde diário e agora só está atrás de Estados Unidos e Reino Unido em perdas de vidas pela doença. Já são 34.021 mortes desde o início da pandemia, e 614.941 casos confirmados – sendo 30.925 apenas ontem.

Enquanto a curva de mortes e contaminações pela covid-19 ainda é crescente e a pandemia ainda acelera no país, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na quinta [4/6] que a Advocacia Geral da União (AGU) vai dar parecer favorável à liberação de praias durante o período de isolamento social e pandemia.

“Eu não posso ditar uma política para que estados e municípios ataquem melhor essa questão do vírus. Isso é de responsabilidade exclusiva de governadores e prefeitos. E tem certos governadores aí que pelo amor de Deus…, ainda correndo atrás de gente na praia. Eu acho que estava previsto sair hoje da Advocacia-Geral da União um parecer favorável a que se use a praia”, afirmou.

“A partir de hoje, ou amanhã, quando for publicado, se alguém entrar na Justiça, já sabe que o governo federal vai opinar favoravelmente àquela pessoa ir para a praia. E o juiz de cada cidade que vai recepcionar esse mandado de segurança que vai decidir se o João pode ir para a praia ou não […]. E segundo o Supremo Tribunal Federal não compete a mim decidir essa questão”, afirmou, incentivando a desobediência a medidas de isolamento social.

No estado de São Paulo, epicentro de casos e mortes pela covid-19 no país, e na capital paulista, o governador João Doria e o prefeito Bruno Covas (ambos do PSDB), começam a ceder a pressões para abrandar a quarentena. A Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e o Sindicato dos Advogados de São Paulo (Sasp) protocolaram junho ação civil pública para que o Tribunal de Justiça do Estado contenha a flexibilização do isolamento.

Testes
Até o momento, 3,12 milhões de testes de laboratório (RT-PCR) foram distribuídos para laboratórios centrais. Conforme o balanço do Ministério da Saúde, desde o início da pandemia foram solicitados 752,4 mil exames. Destes, 620 mil foram requeridos para covid-19 e 132 mil para outros vírus respiratórios. Dos primeiros, 556 mil foram analisados, 32 mil estão em trânsito (amostra foi coletada mas não chegou ao laboratório) e 32 mil em análise.

Os exames operados por laboratórios privados somam 529,7 mil até o momento. Considerando esta modalidade, o total de testes chega a 1,08 milhão. Comparado com o contingente populacional, o Brasil está com uma média de 8,7 mil testes por milhão de habitantes.

A média geral é de 36,3 mil exames por semana. E a média de resultados positivos vêm se mantendo em 29%, enquanto os negativos vêm ficando em 70,5%.

Em relação ao tempo de análise, 74,1% foram processados em até cinco dias, sendo 50,2% em até dois dias e 23,9% entre três e cinco dias. Já os testes rápidos (sorológicos) tiveram 748,9 mil kits aplicados até o momento.

Manifestação
Em Brasília, nesta quinta, movimentos de mulheres, entidades sindicais e parlamentares protestaram contra a falta de ações do governo Bolsonaro contra a covid-19. Reportagem de Camila Piacesi, no Seu Jornal, da TVT, mostrou o ato realizado pela manhã, em frente ao Palácio do Planalto. O ato começou com uma homenagem aos profissionais de saúde que morreram no combate à pandemia. Segundo os dados mais recentes, 150 enfermeiros e mais de 100 médicos já foram vítimas da doença.

“Ele tem criado uma falsa verdade de que a doença infelizmente vai matar e que é assim mesmo. E a gente sabe que isso não é verdade. Hoje, nós estamo em 31 mil mortes e as mortes em ascendência. O governo está há mais de duas semanas sem ministro da saúde”, destacou a enfermeira Carine Rodrigues, que participou do ato.

“Nós temos hoje o governo federal negando os recursos necessários para o enfrentamento à pandemia pelos estados e municípios”, diz a deputada federal Érika Kokay (PT-DF). Esses recursos seriam fundamentais para a aquisição de EPIs e respiradores. “A União não está fornecendo os instrumentos necessários para que estados e municípios possam fazer frente à pandemia. O descaso do governo com trabalhadores e renda também foi alvo do ato.

Ministério
Na quarta-feira [3/6], foi publicado no Diário Oficial da União decreto do presidente Jair Bolsonaro com a nomeação de Eduardo Pazuello como ministro interino da Saúde. Pazuello é nomeado após 19 dias à frente do ministério, como secretário-executivo da pasta. No decreto de ontem, Pazuello foi exonerado desse cargo, para assumir a interinidade. Ele responde pelo ministério desde 15 de maio, quando Nelson Teich anunciou sua saída.

Ontem, Bolsonaro nomeou o coronel Antônio Elcio Franco Filho como secretário-executivo do Ministério da Saúde, no lugar de Pazuello. Desde o mês passado, ele já era adjunto. A portaria de nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial.

Vídeo: Ciro Gomes quer que os eleitores do PT e apoiadores de Lula “vão pra puta que o pariu”

4 de junho de 2020

Via Revista Fórum em 2/6/2020

O ex-ministro Ciro Gomes, candidato do PDT às eleições presidenciais de 2018, voltou a atacar o ex-presidente Lula e o PT durante entrevista realizada na terça-feira [2/6].

“Ninguém me respeita no lulopetismo fanático. Eu quero, francamente, que eles vão à puta que os pariu, se você me permitir”, disse durante entrevista ao jornalista Mino Carta.

Criticado pela postura que tem adotado desde as eleições de 2018, o ex-ministro tem aproveitado as últimas entrevistas que tem dado para disparar ataques contra o ex-aliados.

O ex-ministro ainda chamou Lula de mentiroso durante a entrevista. “Ele está mentindo. O Lula é um mentiroso compulsivo. O Lula disse que era candidato para o povo brasileiro, de dentro da cadeia”, declarou.

O ex-presidente Lula criticou, na semana passada, a postura do ex-aliado. “Ciro decidiu que quer voto de quem odeia o PT. Que vá com Deus“, tuitou.

Assista um trecho e a entrevista completa.

REDES SOCIAIS


%d blogueiros gostam disto: