Archive for the ‘Internacional’ Category

Líderes mundiais evitam pisar no Brasil do golpe

22 de junho de 2017

Via Brasil 247 em 16/6/2017

Reportagem da agência Ansa aponta que líderes mundiais, inclusive o papa Francisco, estariam evitando vir ao Brasil e dando preferência a outros países da América Latina, como Argentina, México ou Chile. Segundo o texto, esse cenário é fruto da instabilidade política no país e também da baixa popularidade de Michel Temer.

A reportagem cita exemplos de líderes como a chanceler alemã Ângela Merkel, o primeiro-ministro português Antonio Costa, o presidente italiano, Sérgio Matarella, e o ex-presidente francês François Hollande, que estiveram no continente ou mesmo no Brasil, mas não se encontraram com Temer.

A matéria destaca ainda que Temer não foi recebido pelo então presidente norte-americano, Barack Obama, em sua primeira viagem internacional, à China, e que em um ano à frente do Palácio do Planalto, foi anfitrião de apenas um chefe de Estado em Brasília, o presidente argentino, Mauricio Macri.

Confira abaixo a íntegra da reportagem da Ansa, em espanhol.

SOLO, A TEMER NO LO VISITA NADIE
Escándalos afectaron la imagen del gobierno de Michel Temer.

(ANSA) – BRASILIA, 13 JUN – Con la imagen internacional desgastada, Michel Temer ha tenido una módica agenda de encuentros: líderes mundiales que viajan a Latinoamérica evitan hacer escala en Brasilia y prefieren ir a Argentina, México o Chile. Hasta el papa Francisco suspendió una visita y optó por viajar a Bogotá.
Temer se reunía este martes con el canciller, Aloisyo Nunes Ferreira, para analizar la agenda internacional de un gobierno que parece haber perdido peso global.
Y esto no es consecuencia de la displicencia diplomática de Temer: por el contrario el mandatario demostró desde su primer día en el gobierno que una de sus prioridades era “demostrar al mundo que Brasil cambió”.
La frase citada arriba fue dicha por Temer desde el 31 de agosto, cuando asumió definitivamente el cargo que desempeñaba desde mayo, y a poco de jurar embarcó hacia China donde se desarrollaba la cumbre del G20.
Diarios locales escribieron que Temer partió a China con el propósito de reunirse o estrechar la mano del entonces presidente norteamericano Barack Obama. Pero esa expectativa no se cumplió en su primer viaje a China, donde Obama no lo recibió aunque sí tuvo tiempo para conversar o saludar a otros líderes de países emergentes.
Hasta este martes cuando se cumple un año, un mes y un día de su llegada al gobierno, primero en forma provisoria luego como mandatario efectivo, Temer fue anfitrión de una sola visita de Estado en Brasilia, la realizada el 7 de febrero por su colega argentino, Mauricio Macri.
Este fin de semana estuvo en Río de Janeiro y San Pablo el premier portugués, Antonio Costa, pero debido a razones de agenda del presidente Temer, que permaneció en Brasilia por la crisis, no se produjo el encuentro que había sido anunciado.
El gobernante portugués almorzó este martes en Buenos Aires con el presidente Macri.
Ciertamente varios dignatarios han escogido Buenos Aires y no Brasilia para sus recientes giras latinoamericanas Así ocurrió la semana pasada cuando la canciller alemana Angela Merkel realizó una gira por la región durante la cual visitó Argentina y de allí voló a México, sin hacer escala en Brasilia, que en esos días estuvo sacudida por el juicio contra Temer por corrupción electoral.
Un mes antes de Merkel, llegó a Buenos Aires el presidente italiano, Sérgio Matarella, que fue agasajado por Macri, tras lo cual embarcó hacia Uruguay, donde se reunió con el mandatario Tabaré Vázquez.
Mattarella no visitó a Temer como tampoco lo hizo el papa Francisco, quien había prometido viajar a San Pablo este año para participar en las celebraciones de la patrona nacional, la Virgen de Aparecida.
Francisco alegó cuestiones de agenda pero obispos brasileños dejaron trascender que el Sumo Pontífice prefirió suspender el viaje como forma de externar algunas discrepancias con Brasilia.
En paralelo el jefe del Estado Vaticano confirmó su viaje a Colombia donde expresará su respaldo al proceso de paz encabezado por el presidente Juan Manuel Santos. El viernes último Temer y la exmandataria Dilma Rousseff fueron absueltos en ese juzgamiento por financiamiento ilegal de la campaña electoral de 2014.
La conclusión de ese proceso no puso fin a la agenda judicial del mandatario, que posiblemente sea investigado por corrupción por la Procuraduría en el caso del frigorífico JBS.
En enero de este año el entonces presidente francés Francois Hollande realizó su última gira por América Latina durante la cual fue recibido por sus colegas Michel Bachellet en Chile y por Juan Manuel Santos en Colombia.
Que Hollande no haya recalado en Brasil fue un dato por lo menos llamativo pues ambos países intensificaron sus relaciones diplomáticas y de Estado en la última década, cuando fue firmado un acuerdo estratégico de Defensa.
Parte de los analistas y medios brasileños coinciden en que los escándalos políticos y denuncias de corrupción que precedieron a la salida de Dilma Rousseff y se prolongaron con la llegada de Temer conspiraron con el prestigio de Brasil.
En marzo de 2016, cuando Rousseff aún era presidenta en medio de una crisis que presagiaba su caída, Barack Obama viajó a Buenos Aires sin aterrizar en Brasilia.
El corresponsal del diario Estado en Argentina escribió sobre el creciente liderazgo de Mauricio Macri a nivel regional y mencionó que el propio Obama destacó ese atributo del gobernante rioplatense.
Luego, con la salida de Rousseff y la sucesión de Temer, se instaló un clima de expectativa que fue efímero: el nuevo gobernante se vio prontamente envuelto en escándalos que causaron la renuncia de ministros. “La crisis interna que vive el gobierno de Temer hizo que Brasil no tenga una posición de firme liderazgo regional”, comentó Fernando Ayerbe, profesor de Relaciones Internacionales de la Universidad Estadual de San Pablo. Algunos comentaristas compararon dos portadas del influyente semanario británico The Economist, que en 2010 ilustró la tapa con un Cristo Redentor convertido en cohete que era lanzado hacia el espacio desde el cerro Corcovado, en señal del éxito de la economía que crecía más del 7%.
Este año la misma publicación mostró a Temer colgado de un brazo de la estatua del Cristo para evitar caer, retratando el inestable cuadro político y económico de un país que enfrentó una recesión del 3,8% en 2015, 3,5% en 2016 y este año avanzaría el 0,41%, según la previsión publicada el lunes por el Banco Central.

Trump cancela parte de acordo feito por Obama com Cuba e se opõe a fim de sanções contra Ilha

22 de junho de 2017

Trump reverteu boa parte do acordo firmado por Obama com Cuba.

Mudanças incluem proibição de viagens individuais para fazer contatos com cubanos e possibilidade de auditoria em todos os norte-americanos que visitem Cuba para comprovar que não violam sanções.

Via Opera Mundi, em 16/6/2017

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na sexta-feira, dia 16/6, o “cancelamento” do acordo firmado pelo ex-presidente Barack Obama com Cuba. Apesar de dizer que estaria descartando todo o pacto, a anulação é apenas parcial.

As mudanças divulgadas pela Casa Branca incluem a proibição das viagens individuais para fazer contatos com o povo cubano, conhecidos em inglês como “people to people travel”, e a possibilidade de auditoria a todos os norte-americanos que visitem Cuba para comprovar que não violam as sanções dos EUA. “Implementaremos a proibição do turismo, e implementaremos o bloqueio”, disse.

Trump anunciou ainda que se “restringirá muito robustamente o fluxo de dólares norte-americanos aos serviços militares, de segurança e de inteligência” da Ilha, e que dará “passos concretos para assegurar-se que os investimentos” de empresas norte-americanas “fluem diretamente ao povo”.

O cancelamento é parcial porque, por exemplo, a recém-aberta embaixada em Havana não será fechada. “A nossa embaixada permanece aberta com a esperança que os nossos países possam forjar um caminho muito melhor”, afirmou o presidente norte-americano.

Bloqueio econômico
A mudança de política inclui o apoio pessoal de Trump ao bloqueio comercial e financeiro norte-americano à Ilha e a oposição aos pedidos internacionais para que o Congresso derrube o bloqueio.

“A política reafirma o bloqueio norte-americano imposto por lei a Cuba e se opõe aos pedidos nas Nações Unidas e outros foros internacionais para acabar com ele”, disse Casa Branca em um comunicado, enquanto Trump anunciava a mudança de política em um teatro de Little Havana, em Miami.

A suspensão do bloqueio econômico é algo que só pode ser decidido pelo Congresso dos EUA, controlado agora pelos republicanos na Câmara e no Senado. “Faremos com que o bloqueio seja cumprido”, disse Trump.

“Acordo melhor”
O presidente norte-americano se disse disposto a negociar o que chamou de “acordo melhor” com Havana, mas apenas se houver avanços “concretos” para a realização de “eleições livres” e a liberdade do que ele classificou como “prisioneiros políticos”.

“Não suspenderemos as sanções a Cuba até que todos os prisioneiros políticos sejam livres, todos os partidos políticos estejam legalizados e sejam programadas eleições livres e supervisionadas internacionalmente”, disse.

Trump também desafiou Havana “a comparecer à mesa [de negociação] com um novo acordo que esteja no melhor interesse tanto do seu povo como do norte-americano”.

O mandatário disse, no entanto, que “qualquer mudança” à sua postura com Cuba dependerá de “avanços concretos” rumo a objetivos como as “eleições livres”, a liberdade de “presos políticos” e a entrega à Justiça norte-americana de “criminosos e fugitivos” que encontraram refúgio na Ilha.

“Quando os cubanos derem passos concretos, estaremos prontos, preparados e capazes de voltar à mesa para negociar esse acordo, que será muito melhor”, disse.

O que diz a norma assinada por Trump?
• Aumenta as restrições de viagem para recrudescer a proibição de turismo dos EUA a Cuba;
• Reafirma o bloqueio econômico;
• Se opõe a convocatórias na ONU e em outros foros internacionais que apoiam Cuba e pedem o fim do bloqueio;
• Viagens com fins educativos não acadêmicos serão limitadas e acontecerão somente em grupo;
• Fica proibida a viagem individual liberada por Obama;
• Os cubano-americanos poderão continuar visitando Cuba e enviando recursos;
• Impede atividades econômicas com empresas vinculadas às Forças Armadas Revolucionárias de Cuba;
• Restringe as possibilidades de negócios com as empresas públicas de Cuba;
• Não restabelece política de “pés secos – pés molhados”, que permitia que a cubanos sem documentos ficar nos EUA.

Fernando Horta: Não foram as listras nem as estrelas

22 de junho de 2017

Fernando Horta, via Jornal GGN em 13/6/2017

É preciso ter cuidado ao pesar o papel dos EUA nos acontecimentos brasileiros desde 2013. Não estou entre os que creem que os Estados Unidos estão na base da articulação política que levou ao golpe de 2016. Penso que existem quatro grandes motivos para minha dúvida:

1) Em primeiro lugar há que se tomar cuidado com a geopolítica. Ela costuma “provar” aquilo que queremos que ela prove. São tantas variáveis, tantos atores e tantas generalizações que podem ser feitas, que quase tudo pode ser sustentado. É claro que um país do tamanho político internacional dos EUA tem interesses em todos os lugares do mundo. Durante a Guerra Fria, por exemplo, os Democratas requeriam recursos ao parlamento para “defender os interesses” em todas as partes do mundo, “mantendo vigilância e possibilidade de agir”. Os Republicanos diziam que “apesar dos EUA serem uma nação grande e potente, ela não pretende tomar a função de Deus” já que observar e agir sobre todo o globo seria uma função apenas d’Ele. Esta pequena anedota serve para mostrar que é controverso o uso do termo “EUA” como um ator unitário.

É claro, que dentre as áreas que democratas e republicanos concordam que sejam de interesse dos EUA estão as com petróleo. O pré-sal é sim de interesse e poderia ensejar uma ação norte-americana. Entretanto, a capacidade econômica e comercial deles é tão superior à do Brasil que é mais barato para eles pagarem os dólares que o Brasil pede e tomar o controle do petróleo na forma estabelecida pelo Brasil. Talvez a entrada da Petrobras no mercado norte-americano com a compra de Pasadena, mais o protagonismo brasileiro no Porto de Mariel, pudesse representar um incômodo maior aos “irmãos do norte” do que o pré-sal propriamente dito. Mas aqui, de novo, não há nada efetivamente claro nem concreto.

2) Há um claro viés nos estudos de História e Política latino-americana quando se trata de EUA. Tudo é descrito como tendo o dedo dos “yankees”, desde o século 19, pelo menos. “Cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça” dirão alguns. É verdade, mas a historiografia brasileira tem trabalhado muito para que nos voltemos a estudar o Brasil, nossos problemas, nossas elites, nosso povo e não ficar usando o recurso explicativo do “inimigo externo”. Não há que se retirar o foco da crítica e combate das nossas elites políticas falidas e da nossa elite econômica antidemocrática e preconceituosa. Os EUA (alguns atores internos lá) podem ter interesses pontuais claros em determinados assuntos, mas não tem o poder de concertação que uma parte da esquerda (esquizofrenicamente na minha opinião) acredita.

Lembremos que os EUA não conseguiram organizar nenhuma ocupação internacional bem-sucedida (deixando o país mais democrático ou com economia mais forte se comparado o início e o fim do controle norte-americano) desde o Japão. Os fiascos são gritantes desde a “Baía dos Porcos” até o Afeganistão. É um pensamento mágico acreditar que os EUA são efetivos e eficazes quando se trata de política internacional. A CIA, por exemplo, é muito mais conhecida pelos erros do que pelos acertos em comparação com suas congêneres a KGB e o Mossad, por exemplo.

É claro que se já existe uma pré-disposição das elites para a transgressão democrática, a ajuda norte-americana é potencializadora da ação. Exatamente como aconteceu em 1964. Mas não é crível que os EUA tenham um poder de engenharia política e social para promover a debacle que vimos no Brasil desde 2013. Nem em países menores, mais fracos economicamente e em momento da Guerra Fria os EUA foram bem-sucedidos. O caso da Nicarágua e El-Salvador são bastante eloquentes.

3) Existem inúmeros atores internos dos EUA que são capazes de ações internacionais por cima do próprio governo norte-americano. Existem trabalhos muito claros mostrando como os think tanks, as universidades e a máquina cultural norte-americana tem sido efetiva em propagar seus valores pelo mundo. Muito mais do que o governo poderia fazer. Wall Street e toda a máquina das “Agências de Risco” (sumidas na era Temer), das grandes agências financeiras internacionais e do próprio domínio do dólar são uma ferramenta de ação que, não depende das ações de governo.

As empresas petrolíferas, talvez, sejam, neste aspecto, o exemplo mais claro. A força de atuação delas pelo globo todo é histórica (especialmente no Oriente Médio). Muitos são, no Brasil, americanófilos (fazem extensas homenagens aos norte-americanos) e comparam o nosso ambiente de negócios com o de lá. Normalmente sem conhecer nem a história, nem a política ou economia dos EUA suficientemente apontam a “corrupção desenfreada” no Brasil como uma diferença. A verdade é que Obama tinha obrigado, pela primeira vez, todo um controle externo às ações destas empresas, tentando coibir exatamente a corrupção, que se sabe ser moeda das petrolíferas dos EUA. Trump retirou a lei que tornava obrigatório auditoria externa e relatórios anuais. Percebe-se aqui o pragmatismo norte-americano que, enquanto denuncia a “corrupção” da Petrobras e se coloca como parte nos estranhos acordos internacionais assinados ilegalmente pelo juiz Moro, isentam suas empresas de se submeterem às mesas regras. Veja que o governo de lá apenas se adapta aos interesses e práticas do establishment capitalista. Algo que o senador Bernie Sanders e a senadora Elizabeth Warren denunciaram com precisão na campanha passada e que poderia ter evitado a eleição de Trump. O fato é que ao falar em “interesse dos EUA”, deve-se dizer interesse de quem efetivamente. Isto para evitar que se acredite no malévolo “Tio Sam” movendo cordas e controlando o mundo todo.

4) Os EUA têm diversas agências que estão muito longe de cooperarem umas com as outras. Um exemplo do passado é o Departamento de Estado e o Comitê de Atividades Antiamericanas. Enquanto o Departamento gastava enormes somas para trazer dissidentes soviéticos para os EUA, dar-lhes possibilidade de viver no capitalismo e usar a figura deles como propaganda antissoviética, o Comitê gastava uma quantidade de dinheiro ainda maior para manter estes “imigrantes” sob supervisão diária procurando por “espiões”. Investigações do congresso norte-americano mostraram que não só as agências mantinham atividades desconhecidas umas das outras como, muitas vezes o que uma fazia a outra desfazia, gastando duplamente o dinheiro do contribuinte sem resultado. Atualmente, uma situação parecida ocorre entre a CIA e a NSA, por exemplo. A NSA trabalha com ferramentas que estão colocando toda a história da inteligência norte-americana em xeque. Elas competem por verbas dentro da estrutura do governo norte-americano. Durante a campanha de Trump viu-se ainda outro conflito, entre FBI e CIA. Se não é fácil obter uma cooperação destas agências dentro dos limites do território norte-americano, tanto mais improvável que esta cooperação se dê quando em ações internacionais, e de forma eficaz. Claro que houve espionagem sobre o governo brasileiro, sobre a Petrobras e sabe-se lá mais quem. Mas imaginar que esta espionagem foi pensada e colocada num plano para destruir o Brasil penso não ser correto. As informações, todas e qualquer delas, podem ter canais públicos e privados para chegar a agentes decisórios. É mais plausível imaginar que o montante de informações produzidas pelas diversas agências nos EUA tenha induzido interesses diversos, em diferentes atores, e não um plano unificado para agência no Brasil.

Isto não quer dizer que eu acredite que os EUA não tiveram nenhuma ação dentro do que ocorreu em nosso país. Apenas que acho que não foram e não são a “inteligência” por trás dos atores e também defendo que são agentes diferentes. Diversos agentes privados agindo de forma mais efetiva e direta do que os públicos.

Nossa vilania enquanto sociedade, nossas elites políticas e seu histórico egoísmo argentário e a fraqueza das nossas instituições somaram-se ao domínio oligopolizado da mídia para produzir o colapso que estamos presenciando. Isto somado aos diversos interesses pontuais que Dilma frustrou (judiciário ao não conceder aumento, Cunha e Temer ao cortar seus canais de corrupção com a nomeação de Graça Foster etc.) respondem pela “tempestade perfeita” de 2016. Os interesses internacionais ajudaram a potencializar o efeito, mas não lideraram o processo e sequer tiveram controle sobre ele.

Temer vai à Europa com agenda esvaziada e compromissos desmarcados

20 de junho de 2017

Temer, o pequeno.

Via Brasil 247 em 19/6/2017

Michel Temer vai à Rússia e à Noruega na condição de um dos líderes mais enfraquecidos da história do Brasil. Temer conta com pouquíssimos convites de viagem para encontro com chefes de Estado que, aparentemente, esperam que os problemas internos se resolvam. Existe o receio de que o investimento em uma relação política com o governo brasileiro seja de curtíssimo prazo.

As informações são de reportagem de Vivian Oswald e Eliane Oliveira em O Globo

Com a agenda esvaziada, a expectativa é que os acordos a serem firmados com esses países sejam menos numerosos do que se imaginava. O convite da viagem à Rússia foi feito em fevereiro deste ano. Segundo fontes do governo, o número de acordos que estavam sendo preparados para a assinatura dos dois mandatários durante a visita teria caído pela metade.
Também é sinal de desprestígio o fato de diversos líderes, que têm vindo à América Latina, nem sequer passar por Brasília.
Um exemplo clássico de comparação com o Brasil é a Argentina. Buenos Aires recebeu, desde o ano passado, os ex-presidentes dos Estados Unidos e da França, Barack Obama e François Hollande; e o presidente da Itália, Sérgio Mattarella; e a chanceler alemã Ângela Merkel.

***

SEGUNDO AGENDA DO PLANALTO, TEMER VIAJOU PARA A “REPÚBLICA SOCIALISTA SOVIÉTICA DA RÚSSIA”
Via DCM em 19/6/2017

A cretinice, mais uma vez, foi corrigida depois que o vexame vazou.

Na iminência da queda de Temer, jornal inglês The Guardian abre página sobre o Brasil

16 de junho de 2017

Esmael Morais em 14/6/2017

Há um forte cheiro de enxofre no ar, nos arredores do Palácio do Planalto, em Brasília, que pode indicar que a queda de Michel Temer está muito próxima.

O mau cheiro exalado esta semana foi sentido pelo jornal britânico The Guardian, que abriu uma página especial para coletar mais impressões sobre a crise que desgraça o Brasil.

“Com o impeachment da presidente Dilma Rousseff, que foi substituída por um intermediário na forma de Michel Temer, tem sido uma semana particularmente turbulenta em um país atingido por dificuldades econômicas e agitação social”, descreve o jornal.

Tem razão o The Guardian, pois o Tinhoso realmente está derretendo. Por isso o cheiro de enxofre no ar.

No front interno, por outro lado, a Procuradoria Geral da República prepare-se para protocolar uma nova denúncia com pedido de prisão de até 12 anos para Temer.

Pelo fato de o procurador-geral Rodrigo Janot apontar o ilegítimo como “chefe de uma quadrilha”, juristas defendem o afastamento de Michel Temer do cargo por uma medida cautelar do Supremo Tribunal Federal.

“Para garantia da instrução penal e da aplicação da lei penal, ele pode ser perfeitamente afastado. Inclusive porque, ao que tudo indica, está cometendo um crime atrás do outro, utilizando a máquina administrativa em proveito próprio”, explica o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão.

Como se vê, caríssimo leitor, o fim de Temer está muito próximo. Até os discretos britânicos já perceberam isso.


%d blogueiros gostam disto: