Archive for the ‘Internacional’ Category

Após reunião sobre os frigoríficos, Temer leva embaixadores a rodízio de carne importada

20 de março de 2017

Temer passou cerca de uma hora no local do rodízio, que custou por pessoa R$119,00. Foto: Agência Brasil.

O presidente convidou embaixadores para jantar em uma churrascaria de Brasília após reunião sobre a Operação Carne Fraca.

Via Estadão on-line em 19/3/2017

Em um gesto político para tentar minimizar os efeitos negativos da Operação Carne Fraca sobre a venda de carne brasileira, o presidente Michel Temer jantou neste domingo, dia 19/3, em uma churrascaria de Brasília acompanhado de ministros e embaixadores e representantes de 27 países. A carne bovina que Temer comeu, porém, não era de origem brasileira, segundo funcionários do próprio restaurante. Somente as carnes suínas e de frango servidas no local são nacionais. A carne bovina é importada da Argentina, Uruguai e Austrália.

Temer e a comitiva participaram de um rodízio. O Palácio do Planalto reservou uma mesa para 80 pessoas. O preço do rodízio por pessoa foi de R$119,00. O valor incluía carnes, um bufê de saladas, acompanhamentos e sushi. A bebida era à parte. Temer comeu carne bovina e frango, queijo coalho assado, acompanhado de uma típica caipirinha brasileira. Na mesa, também foi servido vinho tinto, dessa vez nacional, da vinícola Casa Valduga, produzido em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul.

A comitiva sentou em uma grande mesa no centro do salão principal da churrascaria, localizada no Lago Sul, área nobre de Brasília. Temer estava no centro da mesa, ladeado pelos embaixadores da China e de Angola no Brasil. Entre os ministros presentes estavam Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência), Blairo Maggi (Agricultura), Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços). O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, não estava presente.

[…]

Leia também
Para entender a Operação Carne Fraca
Para exportadores, ação da PF favorece EUA e Austrália
Citado na Carne Fraca, Serraglio traz legado ao Ministério da Justiça

Operação Carne Fraca: Veterinário preso é contra a corrupção e chamava Lula de ladrão
Ministro da Justiça de Temer aparece em grampo da Operação Carne Fraca
Brasil se assusta com carne que chega a sua mesa, mas fecha os olhos para discussão sobre abate
Leonardo Stoppa: Interesse dos EUA na derrubada dos frigoríficos brasileiros

Ação da PF contra setor de carnes ocorre após Brasil conquistar mercado nos EUA
A República do Paraná prepara-se para destruir outro setor econômico

Para exportadores, ação da PF favorece EUA e Austrália

19 de março de 2017

Via Reuters em 18/3/2017

O presidente da AEB, associação que reúne os exportadores brasileiros, José Augusto Castro, considerou uma tragédia histórica a notícia de que frigoríficos brasileiros pagavam propinas a fiscais sanitários para liberar carnes e acredita que o impacto do escândalo vai além do mercado de proteína animal, influenciando também os preços de grãos no mercado global.

Ele avaliou que carne de origem duvidosa é menos valorizada no mercado e para que possa a voltar a entrar nos mercados consumidores externos, os compradores podem oferecer preços menos atrativos e fazer uma análise de qualidade mais minuciosa. Isso aumentaria o custo ao exportador nacional.

“É a maior crise da história do Brasil do mercado de carnes”, disse Castro à Reuters. “Vai aumentar custo com mais fiscalização e menos receita. Podemos ver uma perda de competitividade”, acrescentou, citando como possibilidade a imposição de barreiras fitossanitárias mais rigorosas entre os importadores da carne nacional, além de perda de mercados para fortes concorrentes como Estados Unidos e Austrália.

“O pior é que a denúncia envolve grandes empresas. Não tem desculpa para dizer que elas não têm estrutura”, disse Castro.

Analistas consultados pela Reuters mais cedo manifestaram posições semelhantes sobre impactos para as exportações de carne brasileira e perda de confiança de consumidores nacionais.

O secretário-executivo do ministério, Eumar Novacki, reconheceu que o governo federal teme uma reação dos mercados internacionais. “Existe sim o receio de fechamento dos mercados, mas estamos conversando”, disse o secretário a jornalistas, confirmando que instituições da União Europeia e dos Estados Unidos já fizeram contato com o governo brasileiro para levantar questões sobre a operação.

“Lógico que nos preocupa o mercado internacional. Existem falhas, mas estamos aprimorando o sistema”, acrescentou.

Os impactos dessa fraude na fiscalização no mercado de carnes também devem ser sentidos no mercado de grãos. Produtos como milho e soja, com forte presença na pauta exportadora brasileira, devem ter uma redução de preços no mercado global, na avaliação do dirigente.

“Se o Brasil reduzir a quantidade [de carne] exportada, principalmente o frango que consome muita ração, vamos deixar de transformar soja e milho em farelo; vai ter que colocar isso no mercado externo e com oferta maior isso pode derrubar o preço [dos grãos]”.

No primeiro bimestre deste ano, o preço da carne de frango exportada pelo Brasil subiu 21%, afirmou Castro. “É claro que vai perder essa alta.” Já o preço da carne bovina avançou 4,2% e a suína subiu 29% a tonelada, disse o presidente da AEB.

Para minimizar os efeitos do escândalo, Castro defende a entrada de importadores no Brasil para analisarem in loco a qualidade dos produtos.

Leia também:
Citado na Carne Fraca, Serraglio traz legado ao Ministério da Justiça

Operação Carne Fraca: Veterinário preso é contra a corrupção e chamava Lula de ladrão
Ministro da Justiça de Temer aparece em grampo da Operação Carne Fraca
Brasil se assusta com carne que chega a sua mesa, mas fecha os olhos para discussão sobre abate
Leonardo Stoppa: Interesse dos EUA na derrubada dos frigoríficos brasileiros

Ação da PF contra setor de carnes ocorre após Brasil conquistar mercado nos EUA
A República do Paraná prepara-se para destruir outro setor econômico

Um caso de mitomania: Com o país parado, Temer diz que sociedade apoia reformas

15 de março de 2017

Mitômano.

Kiko Nogueira, via DCM em 15/3/2017

Nos últimos meses, a imprensa norte-americana vem especulando sobre o estado mental de Donald Trump.

Psiquiatras e psicólogos diagnosticaram o líder norte-americano como portador de transtorno de personalidade narcisista, entre outras coisas.

Um professor de Harvard defendeu no New York Times que “a grave instabilidade emocional” de Trump o torna “incapaz de servir de maneira segura como presidente”.

Os profissionais da área no Brasil não se dispuseram a estudar o caso de Michel Temer profundamente, mas não seria surpresa se fosse encontrada alguma patologia.

Na quarta-feira, dia 15/3, enquanto o Brasil inteiro parava por causa de protestos contra suas reformas, com a greve geral nas maiores cidades, o noticiário tomado pelas paralisações, Temer se reuniu com empresários e servidores para falar da reforma da Previdência.

A alturas tantas, para consternação geral dos presentes, cravou: “A sociedade brasileira, pouco a pouco, vai entendendo que é preciso dar apoio a este caminho para colocar o país nos trilhos”.

Reconheceu que proposta original poderá ter “uma ou outra adaptação” na Câmara, mas ela é necessária porque, senão, “daqui a quatro e cinco anos temos de fazer como Portugal, Espanha e Grécia, que tiveram de fazer um corte muito maior”.

Ao final, insistiu naquele mantra inventando por Nizan Guanaes num lanche da tarde no Planalto, segundo o qual ele deveria aproveitar sua “impopularidade”. Nizan, na ocasião, quase o chamou de um paspalho útil.

“Com toda franqueza, tenho seguidamente feito uma distinção entre medidas populistas e populares. As medidas populistas são feitas de maneira irresponsável. Elas têm efeito imediato, cheio de aplausos, para logo depois revelar-se um desastre a absoluto. As medidas populares não têm o aplauso imediato, mas têm o reconhecimento posterior”, falou.

O cinismo já não serve mais para explicar os atos de Michel. A burrice tampouco. A pusilanimidade não dá conta.

Temer vive em um ciclo de mentiras que poderia colocá-lo na condição clínica de mitômano.

“A pessoa cria situações falsas, vivencia a mentira, cria uma realidade paralela e acredita nela”, define o mestre e doutorando do departamento de psiquiatria da Unifesp, Adriano Resende Lima.

Ao contrário do esquizofrênico, quem padece de mitomania se sente confortável e realizado com o mundo que criou. O sofrimento é de quem convive com o doente.

Temer não passaria no psicotécnico de autoescola, embora tenha uma enorme habilidade específica para negociatas nas sombras. Como Trump, Temer é incapaz de servir de maneira segura como presidente.

As vítimas do embusteiro, plenas de razão, estão nas ruas e delas não sairão.

Deputado diz que Mickey é homossexual e que Disney faz apologia ao “gayismo”

15 de março de 2017

“As pessoas estão enganadas com essa mensagem subliminar que a Disney está passando para a sociedade, principalmente às nossas crianças”, disse Victório Galli, do PSC/MT.

Via Estadão on-line em 13/3/2017

A polêmica com o deputado federal Victório Galli (PSC/MT) começou na semana passada, quando ele compartilhou, em sua página do Facebook, uma ilustração em que Jesus aparece “protegendo” uma criança do Mickey. Alguns dias depois, o deputado explicou seu posicionamento sobre a Disney durante uma entrevista.

“Em relação a essa situação do Mickey e da Disney, a gente vê que em todas as suas atuações, eles fazem apologia ao homossexualismo. Inclusive o Mickey, se você fizer um estudo profundo como eu já fiz, ele é homossexual. As pessoas estão enganadas com essa mensagem subliminar que a Disney está passando para a sociedade, principalmente às nossas crianças”, disse ele ao jornalista Paulo Coelho, da rádio Capital, de Cuiabá (MT).

O jornalista então perguntou como o Mickey poderia ser homossexual se namora com a Minnie. “Isso é o que eles fazem para enganar a pessoa. O objetivo é destruir famílias”, disse. E continuou: “O próprio nome dele em relação aos exemplos que fazem, as cores, assim por diante, você vê uma mensagem subliminar que ele está fazendo uma apologia e apoiando a questão gay.”

O repórter insiste, pedindo exemplos mais claros de que o Mickey seria gay. “Eu não tenho aqui em mãos, como passar os pontos nesse sentido. Mas a mensagem, a forma como se coloca, de transmitir a linguagem para nossas crianças, tudo leva nesse sentido”, explica o deputado.

[…]

Apresentador britânico diz que Putin é “modelo de sensibilidade” perto de Temer

15 de março de 2017

Via O Globo em 13/3/2017

Comediante John Oliver critica Temer durante o primeiro episódio da quarta temporada de seu talk-show.

O polêmico discurso de Michel Temer no Dia da Mulher segue repercutindo na imprensa estrangeira. Na noite do último domingo, o comediante britânico John Oliver usou de todo seu sarcasmo para comentar a fala do presidente na estreia da quarta temporada do talk-show “Last Week Tonight”, exibido na televisão dos EUA.

“Todos os anos, a melhor forma de entender, não só onde as mulheres já chegaram, mas, principalmente, o quanto elas ainda precisam lutar, é observando homens poderosos tropeçarem em seus … ao falarem sobre este dia”, afirmou Oliver sobre a data do dia 8 de março, antes de comentar as falas de Vladimir Putin, presidente da Rússia, e de Temer.

“Incrivelmente, Putin é um modelo de sensibilidade se comparado ao discurso proferido pelo presidente brasileiro, Michel Temer”, comentou, para então destacar o pedaço do discurso em que Temer afirma que as mulheres têm papel importante na economia do país pois ninguém melhor do que elas para “detectarem flutuações econômicas nos mercados”.

“Ele reduziu a contribuição de metade da população brasileira para a economia como ‘as mulheres vão às compras, pessoal’”, ironizou.

Na parte destaca da fala do presidente russo, Putin afirma que as “mulheres nos dão vida e perpetuam isso nas nossas crianças. Nós faremos o máximo que pudermos para envolvermos nossas mulheres de carinho e atenção para que elas possam sorrir mais frequentemente”.


%d blogueiros gostam disto: