A barrigada da Folha e o Picasso largado no INSS

Pensar a História em 6/2/2022

Os apreciadores de arte moderna certamente se surpreenderam com a matéria ilustrada na capa da Folha de S. Paulo em 7 de março de 2004. O jornal assegurava que uma obra do mestre espanhol Pablo Picasso teria sido descoberta por acaso em uma repartição do INSS em Brasília.

Ilustrando a matéria de capa, uma foto com ângulo cuidadosamente selecionado para abranger o retrato oficial do presidente Lula no segundo plano. O ex-metalúrgico havia acabado de completar um ano e dois meses no cargo.

Sob a chamada “Decoração burocrata”, a matéria deixava clara a intenção de ressaltar o amadorismo, a ignorância, a falta de cultura do novo governo, suficientemente obtuso para deixar uma obra que valeria milhões de dólares largada em uma repartição pública qualquer.

“Uma mulher desenhada por Pablo Picasso passa os dias debaixo de luzes fluorescentes e em meio à papelada de uma repartição do governo federal”, dizia o texto, que ressaltava duas vezes o fato de que a obra “dividia a moldura com restos de inseto”.

O texto ressaltava a responsabilidade do governo atual pelo desleixo: “Pendurada desde o final do ano passado numa das salas da diretoria do instituto próxima de uma fotografia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a mulher de Picasso ainda aguarda um destino melhor.”

A reportagem não disfarçava o elitismo típico manifestado pela imprensa em relação ao governo petista. Um Picasso largado em uma repartição, sem controle de temperatura e umidade, sem os cuidados de um especialista. Que tipo de apedeuta cometeria tal barbaridade?

A “denúncia” da Folha teve repercussão imediata. Foi tratada com destaque por Estadão, Correio Braziliense, Época, IstoÉ e sites como UOL e Terra. Causou também espanto na Espanha, onde um embasbacado El Mundo informava que havia um Picasso largado em um sótão do Brasil.

O tom das matérias variava da indignação à ironia cáustica. O cuidado em apontar o despreparo do governo Lula em lidar com a cultura e a arte era inversamente proporcional à diligência dedicada à descrição da obra, indistintamente tratada como pintura, gravura e desenho.

A mídia acertou ao dizer que a obra era valiosa. De fato é. Intitulado “Mulher em Branco”, o quadro foi pintado por Picasso em 1923 e é considerado uma das obras mais famosos da chamada “fase neoclássica”. O problema é que essa obra nunca esteve no Brasil.

A modelo do quadro é Sara Murphy, uma estadunidense expatriada em Paris que Picasso conheceu no Théâtre du Châtelet. A obra “Mulher em Branco” pertence ao acervo do Metropolitan Museum of Art de Nova York, onde se encontra localizada desde 1951.

O “Picasso do INSS” era apenas uma reprodução sem valor artístico – uma fotografia da obra original com tons esmaecidos, dessas que são vendidas em bancas de jornal e que costumam ser mais baratas do que a própria moldura.

Vários leitores alertaram a Folha sobre a “barrigada” – incluindo o cineasta Jorge Furtado, que passou 2 anos trocando correspondências com a redação e com o ombudsman. O jornal, entretanto, se negou a reconhecer o erro e seguiu tratando o “Picasso do INSS” como original.

Diante da insistência de que a obra era um desenho original, Jorge Furtado chegou a realizar uma colagem sobrepondo o “Picasso do INSS” com o Picasso do Metropolitan. A sobreposição perfeita não deixava dúvidas de que se trata de uma reprodução mecânica, como uma foto.

Em janeiro de 2006, ocorreu um incêndio no prédio do INSS em Brasília. Os bombeiros foram alertados que deveriam entrar no prédio em chamas e arriscar suas vidas para salvar a “valiosa” obra de arte.

O incêndio que colocou em risco o “Picasso do INSS” foi a justificativa perfeita para mais uma rodada de linchamento político e críticas exaltadas à negligência do governo Lula com o patrimônio cultural da nação. Mas, por sorte, a “obra” sobreviveu ao fogo.

A Folha seguiu sustentando que o “Picasso do INSS” seria uma obra autêntica por dez anos. Em 2014, entretanto, a narrativa foi magistralmente contestada pelo documentário “O Mercado de Notícias”, dedicado à análise crítica do papel do jornalismo. A farsa então ruiu.

Em 11 de agosto de 2014, mais de dez anos após a denúncia original, a Folha corrigiu sua desinformação e admitiu que o “Picasso o INSS” era apenas uma reprodução mecânica. Todos os 4 especialistas ouvidos pelo jornal e o curador do INSS descartaram a autenticidade da obra.

Uma resposta to “A barrigada da Folha e o Picasso largado no INSS”

  1. Sérgio Silva Says:

    Muito obrigado pela rememoração de mais essa canalhice do PIG!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: