Impunidade: Após 42 adiamentos, Ministério Público arquiva processo de Lula contra Dallagnol do caso power point

O ex-juiz federal Sérgio Moro e o procurador federal e coordenador da Lava-Jato no MPF, Deltan Dallagnol. Foto: Jorge Araújo/Folhapress.

Autor do voto vencedor reconhece que Lula foi tratado na mídia como culpado antes de seu julgamento, mas sequer cogitou a demissão dos procuradores por causa disso.

Cíntia Alves, via Jornal GGN em 25/8/2020

Após protelar o julgamento por quatro anos, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) se reuniu na terça-feira [25/8] para discutir o pedido de providências que a defesa de Lula apresentou contra Deltan Dallagnol e seus colegas de força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, ainda em setembro de 2016.

Os advogados reclamaram que os procuradores “enxovalharam a honra” de Lula e anteciparam juízo de culpa, violando seu direito constitucional à presunção de inocência, quando convocaram a imprensa nacional e internacional para divulgar a petição inicial (acusação) do caso triplex. Na ocasião, usaram uma apresentação em Power Point atribuindo a Lula a chefia de uma organização criminosa – uma acusação fora de sua competência e jamais comprovada na Justiça.

O relator do caso, conselheiro Marcelo Weitzel, sinalizou discordância em relação à postura da Lava-Jato, mas decidiu poupá-la de críticas mais duras durante o julgamento. Ele disse que quando recebeu o processo do primeiro relator, em janeiro de 2018, as penas moderadas já estavam todas prescritas. Weitzel encaminhou voto pela integral rejeição dos pedidos de Lula.

Aberto o debate entre conselheiros, a maioria reconheceu que os procuradores “extrapolaram” na forma como trataram Lula na imprensa.

Sebastião Caixeta [em destaque na foto acima] puxou o voto divergente, avaliando que a conduta da força-tarefa “maculou” a imagem do Ministério Público Federal. “Pareceu que a apresentação [em Power Point] vinha com o propósito de fazer o chamado julgamento pela mídia”, admitiu.

Segundo ele, os procuradores externaram na entrevista coletiva a convicção de que Lula era culpado por “fatos que estavam em investigação”. A divulgação foi marcada pela “ausência de zelo” em esclarecer que as acusações ainda seriam processadas. Passaram da “transmissão da informação”, um direito e dever do MPF, ao “juízo de valor”, “influenciando a opinião pública” contra o réu.

Apesar de não ser possível o provimento quanto a qualquer tipo de censura aos membros do Ministério Público, há indícios de autoria e materialidade de infração disciplinar”, avaliou Caixeta. Para ele, o ideal seria a abertura de um PAD (processo administrativo disciplinar) contra Dallagnol e demais envolvidos. Mas a proposta logo foi abandonada.

“A culpa é do próprio CNMP”
A questão da prescrição das penas “fulminou” a instauração do PAD. Depois de quatro anos de lentidão no CNMP, a única pena que ainda não prescreveu neste processo seria a exoneração dos procuradores. Mas os conselheiros não consideraram “cabível”. Caixeta disse: “Não cogitei jamais em meu voto a situação de demissão.”

Diante da “aparente prescrição das penas mais brandas”, abriu-se uma discussão sobre a efetividade de abrir um processo administrativo, como sugeriu Caixeta, se a pena que restou – a demissão – era vista pela maioria como dura demais. Além disso, ela também prescreve daqui a 20 dias.

O conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho foi quem fez um mea culpa institucional com contundência. “Não acho que o CNMP se afirma ao deixar de decidir porque um caso prescreveu por sua própria culpa”, disse. “É a primeira vez que esse caso vem ao plenário do CNMP. Nós vamos ficar discutindo a prescrição ou vamos discutir de fato o que está por trás desse processo, as tintas que foram carregadas?”

Ele defendeu que a prescrição fosse discutida no âmbito do PAD, convergindo com a defesa de Lula.

Já o conselheiro Silvio Roberto saiu em defesa da Lava-Jato em todas as suas manifestações. Quando o debate estava caminhando para a abertura do PAD, foi ele quem puxou o freio de mão e pautou a questão da prescrição.

“O que não está prescrito é a pena de demissão. Prescreve em 14 de setembro. Vamos ao PAD para apurar uma conduta que geraria demissão por causa de uma apresentação [em Power Point]?”, questionou aos colegas, em tom de descrença. “É preciso que seja muito bem colocado que o que se pretende com abertura de PAD é a demissão.”

“Uma conduta que já prescreveu não enseja abertura de PAD”, emendou Caixeta, recuando de sua proposta inicial.

Prestigiando a impunidade
O advogado Cristiano Zanin sustentou que não promover a abertura do PAD, conforme aventado por Caixeta, seria “utilizar a prescrição para impedir a ocorrência de uma investigação”.

“Se houver a prescrição, ela deve ser reconhecida no processo adequado. Reconhecer a prescrição por antecipação, para não investigar, com o devido respeito ao Conselho, seria prestigiar a impunidade.”

Após quatro anos de imbróglio, a maioria do CNMP decidiu jogar panos quentes na história.

O corregedor do CNMP Rinaldo Reis, que presidia a sessão, proclamou o resultado: por maioria, o Conselho determina o arquivamento do pedido de Lula “pelo reconhecimento da prescrição”, embora “reconheça que seria procedente o pedido de instauração de processo administrativo disciplinar, nos termos do voto divergente do conselheiro Sebastião Caixeta”.

Também por maioria, o CNMP determinou que os membros da Lava-Jato se abstenham de usar a estrutura do MPF “para fins de divulgação de atividades políticas ou político-partidárias.”

Os conselheiros lamentaram que a demora no processamento tenha gerado a prescrição.

Em coletiva de imprensa com veículos da grande mídia, Zanin afirmou que aguardará a publicação do acórdão para verificar se entrará com recurso (embargos de declaração) ao próprio CNMP.

REDES SOCIAIS

2 Respostas to “Impunidade: Após 42 adiamentos, Ministério Público arquiva processo de Lula contra Dallagnol do caso power point”

  1. gustavo_horta Says:

    Republicou isso em Gustavo Hortae comentado:
    *SEI LÁ, ENTENDE? SEI LÁ.*
    > https://youtu.be/7qyXNLPK7N0

    *PESADELO NÃO É, MEU NETINHO*
    > https://youtu.be/4aRPkmYsVQk

    *PESADELO NÃO É, COM TÊNUES DESARMADAS CÚMPLICES, OS PODERES DA REPÚBLICA, PODERES PRIVADOS/LATRINA, COM O SUPREMO, COM TUDO…*

    *****

    *A gente deveria ter mais cuidado com as crianças…*
    > https://youtu.be/dz8VoJsxlLc

    gustavohorta.wordpress.com
    *****

    Dá um “like”. Ou dá um “deslike”.
    Inscreva-se no canal e receba avisos de novas publicações.
    Apoie este nosso canal. Abraços. Agradeço muito.

  2. Afonso Schroeder Says:

    Quadrilheiros “Bozó/Moro” são coniventes/participes, fascistas, genocidas, irresponsáveis e perseguidores das esquerdas com atos nefastos contra o ex-presidente (Lula) 100% inocente tudo comprovado pela INTERCEPT de Glenn Greenwald vemos ate esta data a “injustiça” da justiça lamentável.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: