Haddad: Se Bolsonaro conseguir bloquear Fundeb haverá caos na educação e mil prefeituras irão fechar

Via Brasil 247 em 20/7/2020

Fernando Haddad afirmou em entrevista à GloboNews na noite de domingo [19/7] que a proposta do governo Bolsonaro de adiar o Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) para 2022 levaria a um caos na educação e ao fechamento de prefeituras: “Se [o Fundeb] não tiver vigência em 2021, tem prefeitura que vai fechar, porque não terá recursos. Teremos crise em 1 mil municípios. Não adianta retomar em 2022, o estrago terá feito. São municípios pobres que precisam de ajuda, e dependem do governo. Isso vai gerar um caos na educação”. A votação do Fundeb está marcada para a tarde de segunda-feira [20/7] na Câmara dos Deputados.

Haddad foi taxativo quanto à relevância do Fundeb, que “não envolve governo, envolve geração”. Para ele, “está faltando seriedade” para o Executivo.

“Os militares estão pedindo no orçamento da defesa R$50 bilhões a mais. Isso é três vezes o que a União complementa para o Fundeb. Qual a prioridade desse governo? Não sabemos se está faltando ou sobrando. Parece que sobra para muita gente e falta para o povo”, questionou Haddad na entrevista.

A nova versão da PEC do Fundeb apresentada sexta-feira [17/7] pela relatora, a deputada federal Dorinha (DEM/TO), determina o aumento gradual da complementação da União ao fundo, que é usado para financiamento da educação básica. O aporte do governo federal subirá dos atuais 10% para 20% em seis anos.

O governo Bolsonaro quer limitar os recursos do Fundeb que poderão ser utilizados para o pagamento de salários de professores, além de repassar parte dos recursos para Renda Brasil, versão bolsonarista do Bolsa Família, e adiar a entrada em vigor das mudanças em discussão no fundo para 2022.

As modificações foram criticadas por entidades e especialistas da área da educação, que disseram que o adiamento para 2022 cria um “vácuo de recursos para 2021”, já que as regras para o fundo atual acabam neste ano. O texto da PEC estabelece que as novas regras começam a valer no ano que vem.

“[Cria-se] um “apagão” para o financiamento e um colapso para a educação básica no Brasil no ano de 2021”, afirmou o Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed), em nota.

***

HADDAD: GOVERNO PRIORIZA MILITARES, MAS NÃO A EDUCAÇÃO
Ex-prefeito de São Paulo alerta na GloboNews que a opção do Palácio do Planalto em investir no Ministério da Defesa a ampliar recursos para o Fundeb é ruim para o futuro das crianças brasileiras. “Sobra [dinheiro] para muita gente e falta para o povo”, critica. “Falta seriedade ao governo”.
Via Portal do Partido dos Trabalhadores em 20/7/2020

O governo de Jair Bolsonaro não tem qualquer compromisso com a melhoria da educação brasileira e promove uma política de destruição do futuro das crianças do país. A avaliação é do economista e ex-ministro da Educação Fernando Haddad, que defendeu a manutenção do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e criticou o Palácio do Planalto por desprezar o investimento educacional.

“Os militares estão pedindo no Orçamento da Defesa R$50 bilhões a mais. Isso é três vezes o que a União complementa para o Fundeb. Qual a prioridade desse governo? Não sabemos se está faltando ou sobrando. Parece que sobra para muita gente e falta para o povo”, advertiu, durante debate realizado pela GloboNews, no domingo, 19 de julho.

Ex-candidato à Presidência pelo PT em 2018, Haddad diz que o papel do governo deveria ser suprapartidário, porque o Fundeb “não envolve governo, envolve geração”. Ele lamenta que falta faltando seriedade ao governo. O Fundeb foi criado em 2006, durante o governo Lula, quando Haddad estava à frente do MEC, e redistribui aos estados e municípios um montante de R$165 bilhões por ano. O fundo e vence em dezembro 2020.

No programa GloboNews Debate, Haddad alertou que a proposta do governo para adiar o Fundeb para 2022 vai levar os municípios brasileiros a uma grave crise financeira. “Se [o Fundeb] não tiver vigência em 2021, tem prefeitura que vai fechar, porque não terá recursos”, adverte o ex-ministro. “Teremos crise em 1 mil municípios. Não adianta retomar em 2022, o estrago terá feito. São municípios pobres que precisam de ajuda, e dependem do governo. Isso vai gerar um caos na educação”.

Drenando recursos
O ex-ministro lamenta que o governo esteja adotando uma manobra diversionista para mudar o nome do Bolsa Família e adotar uma brecha que vai representar uma drenagem de recursos do fundo para a educação, furando a PEC do Teto de Gastos. “É um truque que não deveria ser aceito pelo Congresso”, ressalta. “Vai trazer danos irreparáveis. E penso que o parlamentar não deveria sequer considerar a proposta do governo”.

A nova versão da PEC do Fundeb, que está em discussão na Câmara dos Deputados, determina o aumento gradual da complementação da União ao fundo, usado para financiamento da educação básica. No texto apresentado na sexta-feira pela relatora, deputada Dorinha Rezende (DEM/TO), o aporte do governo federal sobe dos atuais 10% para 20% em seis anos. A proposta entra na pauta da Câmara na segunda-feira [20/7].

A governo Bolsonaro quer limitar os recursos do Fundeb que poderão ser utilizados para o pagamento de salários de professores, além de repassar parte do dinheiro para o novo programa Renda Brasil, adiando a entrada em vigor das mudanças em discussão para 2022. O Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) adverte que o colapso da educação é grave.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: