Racismo e violência policial: Minneapolis é aqui

PM aponta fuzil para manifestante no ato “Vidas Negras Importam”. Foto: Vanessa Carnavalho/Zimel Press.

Só lembrando: No Brasil, 75% dos mortos pela polícia são negros.

Bernando Mello Franco em 2/6/2020

A morte de George Floyd incendiou as ruas dos Estados Unidos em plena pandemia. A imagem de um homem negro asfixiado por um policial branco motivou uma onda de protestos contra o racismo. O levante começou em Minneapolis e se espalhou pelas principais cidades americanas.

No Rio, um ato lembrou o estudante João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos. O adolescente foi morto há duas semanas durante uma operação policial no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo. Estava na casa dos tios quando levou um tiro de fuzil nas costas.

A cada 100 pessoas mortas pela polícia no Brasil, 75 são negras, informa o Atlas da Violência. “A brutalidade e o autoritarismo caminham junto com o racismo”, diz Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil. Ela acusa as instituições de leniência com a discriminação racial. “A polícia atira, mata e não há nenhuma reparação às famílias”, critica.

A diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, ressalta que a polícia mata mais negros nos EUA e no Brasil. “A diferença é a escala. Aqui a polícia mata muito mais”, observa.

Ela lembra que a chance de um jovem negro ser assassinado é 2,7 vezes maior do que a de um jovem branco. “Esses números são a face mais evidente da desigualdade racial no país”, afirma.

A manifestação de domingo [31/5] pedia paz, mas terminou em violência. A PM atirou bombas de gás para dispersar os ativistas. A imagem de um policial apontando o fuzil para um rapaz descalço e desarmado ajuda a ilustrar os motivos do protesto.

“Foi uma cena inadmissível. A polícia que mata negros na favela também ameaça nos matar quando protestamos contra isso”, diz o ativista Renê Silva, morador do Alemão e fundador do jornal Voz das Comunidades.

A diretora da Anistia Internacional ressalta que o racismo sempre esteve entre nós, mas parece ganhar espaço na cena política. No sábado [30/5], bolsonaristas marcharam com tochas e máscaras em Brasília. A performance lembrou a Ku Klux Klan, grupo supremacista branco que apoiou a eleição de Donald Trump.

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: