STF e TSE: Ao reconhecer uma coisa, é forçoso que a justiça reconheça a outra

Ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Foto: Nelson Jr.

Carlos Fernandes em 29/5/2020

Existe nesse momento uma relação simbiótica entre dois julgamentos que transitam no STF e no TSE.

A deflagração da operação autorizada pelo ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, contra a rede de fake news em operação no Brasil traz a prova cabal de um vasto esquema de ameaças, mentiras e investidas contra instituições nacionais e à própria democracia.

O que se apurou até o momento envolve crimes como uso ilegal de verbas públicas, injúria, financiamento ilegal de campanha, formação de quadrilha e atividades de grupos paramilitares.

Isso para ficarmos apenas no básico do que essa gente é capaz.

Mas o fato é que com inúmeros empresários, influenciadores digitais e ativistas políticos denunciados sob uma farta gama de provas documentais, o processo em andamento no STF fornece material mais do que suficiente para embasar outro inquérito em curso na corte superior eleitoral.

Para muito além de convicções, o que já se tem em poder da justiça comprova definitivamente as irregularidades e crimes eleitorais praticados pela chapa presidencial de Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão.

Sim, aguarda pacientemente nos arquivos do TSE o processo que pede a cassação do presidente da República e seu vice pelas fraudes e crimes que cometeram durante a campanha de 2018.

Que Bolsonaro utilizou-se de práticas como caixa-dois e disparos ilegais em massa de fake news que influenciaram diretamente no resultado da eleição, já não é segredo sequer para o reino mineral.

Faltava, no entanto, uma investigação séria que comprovasse tudo aquilo que já era do conhecimento de todos sobre as táticas de fomento à desinformação e contrainformação importadas diretamente do maior agente de desestabilização política do mundo: os Estados Unidos da América.

Dificuldade essa superada justamente pela Polícia Federal e o Supremo Tribunal Federal sob os holofotes do mundo.

Dessa forma, desbaratada a quadrilha de milicianos digitais e seus financiadores, já não existem razões que justifiquem o TSE continuar acobertando um governo forjado à base do ódio e do embuste.

E ainda que eu não espere nada de muito alvissareiro vindo do ministro Luís Roberto Barroso, presidente recém-empossado do TSE, não custa lembrar que colocar esse inquérito na pauta do tribunal se apresenta como uma oportunidade única de tentar consertar minimamente a tragédia que o seu punitivismo inquisitorial ajudou a instalar nesse país.

Além do que, apesar do rosário de contradições que vive a justiça brasileira, seria descer um degrau a mais na escada da canalhice, reconhecer de um lado que existiu uma quadrilha que financiou e ajudou a eleger Bolsonaro e, de outro, não reconhecer que esse país vive sob a égide de um presidente completamente ilegítimo.

Com a palavra, Barroso.

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: