Bolsonaro levou a lógica da milícia para o governo

A LÓGICA DA MILÍCIA
A função da Polícia Federal é proteger sua família e amigos. A tarefa dos ministros é defendê-lo do alcance da lei.

Bernardo Mello Franco em 24/5/2020

O vídeo liberado pelo ministro Celso de Mello expõe as vísceras da extrema direita no poder. A gravação mostra como Jair Bolsonaro transportou a lógica da milícia para o governo. A função da Polícia Federal é proteger a família e os amigos do presidente. A tarefa dos ministros é defender o chefe do alcance da lei. “O que os caras querem é a nossa hemorroida!”, brada o capitão, antes de atacar prefeitos e governadores aos palavrões.

Bolsonaro comanda a reunião no Planalto como se estivesse num churrasco em Rio das Pedras. Entre berros e xingamentos, ele diz estar “se lixando” para a reeleição. Em seguida, avisa que a vitória de um adversário em 2022 pode levá-lo para a cadeia. “Se for a esquerda, eu e uma porrada de vocês aqui tem (sic) que sair do Brasil, porque vão ser presos”, ameaça. Todos os ministros estavam presentes, e nenhum deles se encorajou a retrucar.

A gravação reforça as suspeitas de interferência indevida na PF. “Eu não vou esperar foder a minha família toda de sacanagem, ou amigos meus”, diz o presidente. “Vou interferir e ponto final”, acrescenta. Dois dias depois, ele cumpriu a promessa. Demitiu o diretor-geral da polícia, à revelia do ministro da Justiça.

O vídeo fornece matéria-prima para novas frentes de investigação. Num trecho, o capitão revela a existência de um sistema particular de informações. Na noite de sexta, ele disse que essa rede clandestina o avisou da “possibilidade de busca e apreensão na casa de filho meu”. “Levantei isso. Graças a Deus, tenho amigos policiais civis e policiais militares do Rio”, contou.

Em outra passagem da fita, o presidente fala em “escancarar a questão do armamento” e ordena a publicação de uma portaria para facilitar a venda de armas a civis. “Eu quero dar um puta de um recado pra esses bostas”, diz, referindo-se a prefeitos que decretaram medidas de isolamento contra o coronavírus. O presidente estimula a formação de grupos paramilitares, o que é proibido pela Constituição. Cinco generais e um almirante ouvem o disparate sem abrir a boca.

O clima de conspiração contra a República domina as conversas na sala. Abraham Weintraub defende a prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal. “Por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia”, vocifera. Damares Alves sugere prender prefeitos e governadores. O presidente fala em “pedir às Forças Armadas que intervenham pra restabelecer a ordem no Brasil”. Ele cita três vezes o artigo 142 da Constituição, fetiche da militância bolsonarista que clama por uma “intervenção militar”.

Enquanto o capitão e seus aloprados sonham com um golpe, outros ministros falam em aproveitar a pandemia para afrouxar leis e liquidar patrimônio público. Ricardo Salles sugere “passar a boiada”, desmontando o que resta da legislação ambiental. Paulo Guedes defende uma privatização a jato do Banco do Brasil. “Tem que vender essa porra logo!”, afirma.

Num momento em que milhares de negócios quebram sem apoio do governo, o vídeo expõe as prioridades do economista-chefe do bolsonarismo: “Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas”.

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: