A diplomacia da destruição

Ernesto Araújo não está sozinho no esforço de destruição do Itamaraty. Para mostrar serviço, embaixadores torturam fatos e atuam como agentes do bolsonarismo.

Bernardo Mello Franco em 22/5/2020

Na semana passada, o ministro Ernesto Araújo tomou uma providência para conter o fluxo de más notícias sobre o Brasil. Proibiu o envio de reportagens publicadas aqui para os postos diplomáticos no exterior. A tentativa de censura já seria inócua no tempo do telégrafo. Na era da internet, soou apenas como birra de um chanceler sem medo do ridículo.

Ernesto anda irritado. No início do mês, sete ex-ministros redigiram um artigo crítico à sua gestão desastrosa no Itamaraty. O texto afirmou que a política externa em vigor afronta a Constituição, mina a credibilidade do país e afugenta os investidores internacionais. Era tudo verdade, mas o olavista não gostou de ser confrontado com o espelho.

Numa série de tuítes enfezados, ele disse representar o “Brasil de verdade”, em oposição à “mídia uniformizada” e a uma “ordem mundial totalitária”. Ilustrou o discurso delirante com uma foto de bolsonaristas em marcha na Esplanada. A mesma turma que veste amarelo para louvar o capitão e clamar por um golpe fardado.

O artigo que enfureceu Ernesto foi assinado por ministros dos governos Collor, Itamar, FH, Lula, Dilma e Temer. Eles superaram as divergências ideológicas para se unir contra a destruição do Itamaraty.

É duro admitir, mas a torturar os fatos e atuar como agentes de propaganda do bolsonarismo. É o caso do embaixador em Washington, Nestor Forster, que se orgulha de ter apresentado Ernesto ao guru da Virgínia. Agora ele ganhou a concorrência de Luís Fernando Serra, chefe da missão em Paris.

Na terça, o ambassadeur enviou uma carta furibunda ao jornal “Le Monde”. O motivo foi um editorial recheado de críticas a Jair Bolsonaro. Dizendo-se “indignado” com o diário francês, Serra negou que o presidente tenha politizado a pandemia. Também alegou que os governadores só teriam decretado medidas de isolamento para “derrubar os excelentes indicadores econômicos apresentados pelo governo Bolsonaro em 2019”. Só faltou culpar os desafetos do capitão pelo fechamento do Louvre e da Torre Eiffel.

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: