Bloqueio dos EUA impede chegada de máscaras e respiradores a Cuba

Homem com máscara caminha pelas ruas de Havana, capital de Cuba. Foto: Ernesto Mastrascusa.

Enviados pela China, equipamentos essenciais no combate ao coronavírus são impedidos de chegar à Ilha por conta do bloqueio comercial norte-americano.

Via EFE em 1º/4/2020

Cuba denunciou na quarta-feira [1º/4] que o bloqueio comercial imposto pelos Estados Unidos frustrou uma doação de máscaras, respiradores e testes para detectar o coronavírus enviada pela empresa chinesa Alibaba à Ilha, que já tem seis mortes e 212 casos confirmados de covid-19.

“As coisas são sempre mais difíceis para Cuba. Mesmo em tempos de pandemia, nós cubanos não podemos respirar facilmente”, disse o embaixador do país em Pequim, Carlos Miguel Pereira, citado na capa do jornal Granma, que conta como a empresa de transportes contratada por Alibaba desistiu de chegar aos portos da Ilha.

Os EUA recusaram no último minuto o pedido de Cuba, e impediram a carga de chegar ao país devido ao bloqueio econômico, financeiro e comercial que Washington mantém desde 1962, reforçado desde a chegada do presidente Donald Trump à Casa Branca, em 2017.

A medida, chamada em Cuba de bloqueio, impõe, entre outras restrições, que a Ilha utilize o dólar nas transações internacionais, proíbe aos cubanos a compra de um produto com mais de 10% de componentes americanos e estabelece uma penalidade de 180 dias antes de entrar nos EUA para os navios que ancoram em portos cubanos.

O governo Trump apertou as medidas restritivas contra Havana, em uma tentativa de asfixiar a sua já frágil economia, em retaliação a uma suposta ajuda a Nicolás Maduro na Venezuela.

Ajuda para todos, menos para Cuba
A ajuda anunciada pelo fundador da Alibaba, Jack Ma, inclui 2 milhões de máscaras, 400 mil testes rápidos e 104 respiradores para 24 países da América Latina e do Caribe, incluindo Cuba, Brasil Argentina, Chile, Equador, República Dominicana e Peru.

Ma, um dos homens mais ricos do mundo, já havia enviado remessas humanitárias semelhantes através de sua empresa e da fundação que leva seu nome para EUA, Japão, Coreia do Sul, Itália, Irã e Espanha, entre os países mais duramente atingidos pela pandemia. Logo depois, as doações chegariam também aos países africanos e asiáticos.

No entanto, um desses carregamentos não pôde chegar ao seu destino final, confirmou o embaixador cubano na China, que agradeceu a Ma por ter pensado nos cubanos e pelos esforços que ela ainda faz para que a contribuição de sua fundação finalmente chegue ao seu destino.

“O nobre, enorme e louvável esforço de Jack Ma, que tinha conseguido alcançar mais de 50 países em todo o mundo, não pôde tocar em solo cubano, por mais necessários que esses recursos fossem para apoiar a batalha travada pela pequena Ilha sitiada e bloqueada”, sublinhou o diplomata.

Solidariedade em tempos de pandemia
Muitas vozes estão sendo levantadas para pedir as suspensões das restrições dos EUA a países como Irã, Venezuela e Cuba, em um momento em que a pandemia do coronavírus está atingindo os sistemas de saúde e economias em todo o mundo.

Uma campanha online na plataforma de ativismo cidadão Change.org, iniciada por cubanos que vivem em território americano, já reuniu mais de 15,8 mil assinaturas para pedir a Trump que derrube o bloqueio ao menos provisoriamente.

Até agora, Cuba registrou seis mortes e 212 casos confirmados da doença, mantendo mais de 2,7 mil pessoas isoladas em unidades de saúde. Ontem, o governo local anunciou o fechamento total das fronteiras e reforçou as medidas para enfrentar a crise sanitária, incluindo a suspensão do desfile do dia 1º de maio.

***

DIFERENÇAS
Leandro Fortes em 7/4/2020

“A China está ajudando mais de 90 países em uma ação coordenada com Cuba e Rússia, enquanto os EUA confiscam cargas de equipamentos que iriam para países da América Latina (inclusive Brasil), amplia o esmagamento financeiro à Venezuela e tenta comprar exclusividade de uma fábrica de medicamentos alemã. Não existe mais nenhuma diferença de atitude entre a Alemanha nazista e os EUA.”
Elias Jabbour, doutor em geografia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP e pesquisador do Núcleo de Estudos Asiáticos do Departamento de Geociências do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC.

Leia também: Cubanos pedem que bloqueio dos EUA seja suspenso durante pandemia

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: