Campanha imitada por Bolsonaro é apenas um dos erros cometidos pela Itália

Giuseppe “Beppe” Sala, prefeito de Milão e genocida.

Via UOL em 28/3/2020

Exatamente um mês atrás, no dia 27 de fevereiro, o prefeito de Milão, Beppe Sala, compartilhou nas redes sociais um vídeo para convidar a população a levar uma vida normal, embora a epidemia do novo coronavírus já estivesse se alastrando pelo norte da Itália.

A campanha é parecida com a que foi lançada pelo governo Jair Bolsonaro ontem [27/3] com o título “O Brasil não pode parar”. Esse foi apenas um dos erros cometidos por autoridades italianas no combate à doença.

A campanha italiana, criada por empresários do setor da gastronomia e replicada por alguns políticos, pedia a reabertura de escolas, museus e teatros. “A cultura é vida”, defendia Sala.

Essa semana, o prefeito de Milão, do Partido Democrático (centro-esquerda) se desculpou publicamente e se justificou: “Naquele momento ninguém entendeu a veemência do vírus”.

O que aconteceu após a campanha midiática rodou o mundo. Em 3 de março, o primeiro-ministro Giuseppe Conte decretou a quarentena em nível nacional para conter a difusão descontrolada do vírus.

Mesmo assim, a Itália se tornou o país com o maior número de vítimas pela covid-19: mais e de 9.000 mortes e mais de 80 mil pessoas infectadas, segundo balanço de ontem.

Políticos subestimaram a crise
O prefeito de Milão não foi o único político a defender que a Itália não parasse perante a difusão do vírus. Giorgio Gori, prefeito de Bergamo, a cidade mais afetada pelo coronavírus no país, organizou um jantar com todos seus secretários municipais em um restaurante chinês para combater o racismo contra o povo da China, apontado por muitos como o culpado pela difusão do vírus.

O líder do Partido Democrático (centro-esquerda), Nicola Zingaretti, também se juntou ao coro no dia 27 de fevereiro. Ele chegou a promover um happy hour em Milão com seus correligionários.

“Precisamos isolar os focos [de infecção], mas não devemos destruir a vida ou difundir o pânico. A coisa mais importante é reacender a economia do país com medidas extraordinárias”, afirmou na ocasião.

Poucos dias depois, em 7 de março, Zingaretti testou positivo ao coronavírus e foi posto em isolamento.

Os políticos da direita não agiram de forma diferente. Há um mês, Matteo Salvini, líder da Liga, também pedia enfaticamente de reabrir todas as atividades comerciais.

Na quinta-feira [26/3], ele admitiu publicamente o erro. Em 1° de março, seu colega de partido e governador da região do Vêneto, Luca Zaia, solicitou ao governo central que reabrisse “escolas, teatros e igrejas com distanciamento entre as pessoas”. Dois dias depois, a Itália decretou a quarentena total.

Despreparo dos hospitais
Apesar de ter um sistema de saúde público e gratuito considerado avançado, a Itália demonstrou não estar preparada para enfrentar uma pandemia.

Protocolos de segurança e atendimento e as estruturas hospitalares se revelaram insuficientes para enfrentar uma epidemia desse porte.

Logo nos primeiros dias da crise ficou evidente a escassez de leitos de UTI e a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs), o que colocou em perigo a saúde e a vida de médicos e enfermeiros.

O resultado foi que muitos profissionais da saúde contraíram o vírus durante os atendimentos aos pacientes de covid-19, espalhando ainda mais o contágio para colegas de outros departamentos e familiares.

Os kits para exames também se revelaram insuficientes para testar médicos e enfermeiros. Apenas os com sintomas graves foram submetidos às análises, como no Brasil.

O resultado foi que muitos profissionais contaminados continuaram trabalhando e os próprios hospitais se tornaram vetores da infecção, agravando ainda mais a situação. Desde o começo da crise, morreram 44 entre médicos e enfermeiros.

A porcentagem de profissionais da saúde infectados nos hospitais da região Lombardia, a mais afetada, é de 13%. No resto da Itália é de 9%.

Isso causa o afastamento do trabalhando, complicando ainda mais o atendimento.

Hospitais de campanha foram abertos, mas a dificuldade maior foi encontrar médicos e material sanitário. Ao ponto que vários países tiveram que socorrer o sistema de saúde italiano.

Foram importados médicos da China, Cuba e Rússia. A Alemanha acolheu alguns pacientes italianos, enquanto Estados Unidos e Brasil também contribuíram com o envio de máscaras e ventiladores.

Os problemas italianos podem se repetir no Brasil, segundo Flaviano Feu Ventorim, presidente da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa).

“Em tese eu deveria fazer o teste ao profissional todo dia de manhã e de tarde”, explica ao UOL, o que tornaria inviável realizar exames para centenas de milhares de médicos e enfermeiros do país.

Flaviano aponta também para o risco de haver no Brasil escassez de material como aconteceu na Itália, na China e está ocorrendo nos Estados Unidos, ao mesmo tempo que houver excesso de pacientes nos hospitais.

“Continuamos comprando material, estamos repondo estoque. O receio dos hospitais nesse momento é a dificuldade de encontrar material”, alerta o especialista.

Gestão falha
Quando surgiram os primeiros focos de infecção nos pequenos municípios de Codogno, na Lombardia, e Vó Euganeo, no Veneto, o governo isolou os dois territórios e estabeleceu a quarentena para essas populações.

Em poucas semanas, o contágio se interrompeu nessas áreas. Enquanto isso, porém, a infecção galopava sorrateiramente para outras cidades e regiões e por falhas no rastreamento da epidemia, as medidas foram tomadas tardiamente. Até hoje a Itália não conseguiu rastrear o alastramento.

A partida da Champions League entre Atalanta e Valencia, disputada em Milão no dia 19 de fevereiro na frente de 45 mil torcedores, enquanto já havia centenas de casos no país, foi considerada a “bomba biológica” que acelerou o contágio.

A suspeita é que os torcedores aglomerados no estádio tenham em seguida levado o vírus para a população da província de Bergamo, que hoje é a mais afetada. E também para Espanha, outro país duramente atingido pelo coronavírus.

Os primeiros casos de coronavírus foram registrados na Itália em 31 de janeiro, mas durante cerca de um mês, as autoridades italianas de todos as esferas agiram morosamente, minimizando o problema e tentando convencer a população a se comportar normalmente para não comprometer a economia.

Quando a situação começou a fugir do controle, medidas drásticas foram tomadas: quarentena em todo o país, saídas de casa só por motivos essenciais e mediante autorização, e um pacote econômico para tentar enfrentar a crise social.

Mesmo 24 dias após o fechamento do país, o pico de contágios continua elevado com cerca de 600 a 700 novas vítimas e milhares de novos doentes todos os dias.

REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: