Governo abandona Guedes e reforma sozinho na linha de tiro

Ministro Paulo Guedes fala sobre a reforma da Previdência no Congresso. Foto: Pedro Ladeira/Folhapress.

Caso “tchutchuca” evidencia falta de uma coalizão comprometida com Bolsonaro.

Bruno Boghossian em 4/4/2019

Em sua primeira visita ao Congresso, na semana passada, Paulo Guedes reclamou dos aliados do governo. Atacado até pelo PSL, o ministro parecia se sentir traído. “A gente anda dez metros e, de repente, vê que levou um balaço de gente que é nossa mesmo”, desabafou.

O chefe da equipe econômica voltou a encontrar o mundo político nesta quarta [3/4] para discutir a reforma da Previdência. Na Câmara, o partido de Jair Bolsonaro não disparou, mas deixou Guedes sozinho por horas na linha de tiro.

A proposta do governo perambula como um filho feio sem pai. Parlamentares de centro e da oposição fazem críticas pesadas, enquanto poucos governistas se arriscam a apoiar uma medida impopular.

Nas primeiras quatro horas e meia de audiência, o único deputado do PSL a discursar foi o líder do governo na Câmara. Seria generosidade dizer que Major Vitor Hugo fez uma defesa enfática da reforma.

O deputado gastou quase metade de seu tempo com elogios a Guedes por sua “coragem e determinação”. Nos minutos que restaram, desfiou platitudes sobre a proposta, sem responder ao festival de bobagens de alguns integrantes da oposição.

No meio do tiroteio em cima do ministro e da reforma, Vitor Hugo ainda parabenizou tanto a oposição quanto “deputados mais alinhados com o governo”. Não seria possível chamá-los exatamente de “aliados”.

O episódio evidenciou a falta que faz uma coalizão comprometida com o governo. Líderes dos partidos que poderiam dar sustentação a Bolsonaro estavam sorridentes numa sala reservada para cumprimentar o ministro antes da sessão, mas foram embora antes do início do falatório.

Sem proteção, Guedes ainda foi obrigado a ouvir um insensato Zeca Dirceu (PT) dizer que ele é “tigrão” para cortar benefícios de pobres, mas “tchutchuca” para tirar privilégios de banqueiros. O vexame só terminou porque o presidente da comissão encerrou a audiência. O ministro teve que ser escoltado por policiais e meia dúzia de deputados.

Bruno Boghossian é jornalista e mestre em Ciência Política pela Universidade Columbia (EUA).

Leia também: Bolsonaro atropela Guedes e desiste da capitalização na Previdência

Uma resposta to “Governo abandona Guedes e reforma sozinho na linha de tiro”

  1. Geraldo Lobo Says:

    POR ACASO QUEREM SABER MAIS A RESPEITO DESSE PULHA? PERGUNTEM AOS AMIGOS DO IPEA/IPES ONDE HAVIAM REUNIÕES E SEMINÁRIOS ONDE ELE DE VEZ EM QUANDO APARECIA PRA FALAR E SER VAIADO ! E DESDE ENTÃO JÁ TEVE ATÉ UMA ESCOLA DE EMPULHAÇÃO, QUE DEPOIS DE SUA SAÍDA SE TORNOU ATÉ UM LOCAL DECENTE DE ESTUDOS E PESQUISAS. ASK AND THOU SHALL KNOW THE ANSWER !

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: