“Todos podem brilhar”, diz advogado acusado de vender facilidades com a Lava-Jato

Nythalmar Dias Ferreira Filho foi acionado no Tribunal de Ética da OAB do Rio de Janeiro sob a alegação de que tentou “cooptar” investigados ou réus na Lava-Jato de outros escritórios de advocacia. Em troca, o jovem advogado teria sugerido “aproximação” com o juiz Marcelo Bretas e os promotores da força-tarefa.

Via Jornal GGN em 27/3/2019

Nythalmar Dias Ferreira Filho, jovem advogado do Rio de Janeiro denunciado à OAB por ter cooptado clientes de outras bancas, disse à Conjur que sua ascensão é fruto de seu trabalho e que não há “monopólio” no mercado. “Todos podem brilhar.”

O portal divulgou na terça [26/3] que o Tribunal de Ética da OAB vai investigar a conduta de Nythalmar, que é acusado de vender “proximidade” com o juiz Marcelo Bretas e a força-tarefa do Ministério Público. Há relatos de que ele teria oferecido facilidades para fechar acordos de colaboração.

“Chega a ser compreensível a inconformidade de alguns escritórios tradicionais, face aos êxitos alcançados por um jovem advogado, o que prova e incentiva aos novos Advogados, de que não há monopólio no mercado. Todos podem brilhar”, escreveu.

Na reclamação feita à OAB, a banca Luchione afirma que “há rumores no meio da advocacia criminal que na ilegal cooptação estaria inclusive sendo aventada a possível ‘aproximação’ com o juiz e promotores da força-tarefa da Lava-Jato, no sentido de alcançar seus objetivos”.

Nythalmar, com pouca experiência em advocacia criminal, conseguiu arrematar clientes como Fernando Cavendish e Pedro Corrêa, antes defendidos por bancas renomadas.

“Além destes três fatos envolvendo clientes da Luchione Advogados, a denúncia diz que há outras bancas que confirmam a conduta de Nythalmar. […] um dos advogados chegou até a expedir notificação extrajudicial pedindo que Nythalmar deixasse de fazer qualquer contato com seu cliente”, frisa a Conjur.

Em nota, o jovem advogado disse que “nunca cooptou clientes de outros advogados, preza pela ética e boas práticas, o que será devidamente provado na esfera competente.”

O advogado ainda enviou à Conjur um e-mail que supostamente prova que ele foi procurado por um dos clientes da Lechione primeiro. Na mensagem, o investigado teria dito que estava preocupado com a denúncia da Lava-Jato e que seu pai teria achado Nythalmar “brilhante”.

O caso de Nythalmar reacende o debate sobre a indústria da delação premiada. Leia mais aqui.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: