Rodrigo Maia: “Brasil não suporta 24 horas de confronto com a Venezuela”.

Lido no DCM em 25/3/2019

De O Estado de S.Paulo.

[…]

O deputado Eduardo Bolsonaro disse que em algum momento será necessário o uso da força para tirar o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, do poder. O sr. concorda?
Respeito o deputado Eduardo Bolsonaro, que é presidente da Comissão de Relações Exteriores, mas acho que a interferência de outros países na Venezuela não é o melhor caminho e que essa não é a posição dos ministros militares do governo. Nós estamos com a estrutura das Forças Armadas desabastecida. Vamos dizer que alguns concordem com isso. O Brasil não tem nem condições de segurar 24 horas de confronto com a Venezuela.

O sr. acha que Bolsonaro deve enquadrar os filhos?
Tenho dificuldade de falar como o presidente deve tratar os filhos dele. Eu sei como tratar os meus.

***

DOIS AVIÕES RUSSOS CHEGAM À VENEZUELA COM UMA CENTENA DE MILITARES
Aterrissagem das aeronaves ocorre depois de Maduro dizer que havia reforçado sua segurança

Jacobo Garcia, via El País Brasil em 24/3/2019

A chegada de dois aviões militares russos ao aeroporto de Maiquetía, em Caracas, no sábado [23/3] à tarde, desencadeou todos os tipos de suspeitas sobre os papéis que irá desempenhar a centena de militares que viajava neles. De acordo com fontes da Embaixada da Rússia na Venezuela, citadas pela agência de notícias oficial russa Sputnik, as aeronaves transportavam equipamentos e pessoal para atender a vários acordos militares entre os dois países. “Eles não têm nada de misterioso”, disseram as fontes referindo-se aos voos, que chegaram à Venezuela poucas horas depois de Nicolas Maduro declarar que havia precisado reforçar a sua segurança.

“A Rússia tem vários contratos que já estão em processo de cumprimento, contratos de caráter técnico-militar, e incluem vários voos e trazem várias coisas”, observou a mesma fonte. De qualquer modo, não foi especificado no que consiste o material levado ao país nem qual serão as tarefas dos militares que viajavam nas aeronaves. “Intercâmbio de consultas”, é tudo o que a embaixada informou à agência Sputnik.

Trata-se de dois aviões da Força Aérea russa, um Antonov An-124 e um avião de passageiros Ilyushin Il-62, que chegaram no sábado à rampa presidencial do Aeroporto Internacional Simón Bolívar, em Maiquetía, nos arredores de Caracas. De acordo com a imprensa e analistas locais, no comando da operação estava o chefe do Comando Principal das Forças Terrestres da Rússia, Vasili Tonkoshkurov.

A chegada dos aviões ocorreu poucas horas depois de Nicolas Maduro dizer que havia precisado reforçar a sua segurança porque havia um plano liderado por Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, para matá-lo. “Acabamos de desmantelar um plano do Fantoche Diabólico, que ele dirigia pessoalmente para me matar”, declarou Maduro, referindo-se ao presidente interino. “Nos próximos dias certamente haverá novas imagens, de novos terroristas, chamem-se como quiserem”, disse ele em um evento público repleto de advertências e ataques a seus opositores denominado, paradoxalmente, “contra o terrorismo e o ódio”.

Poucas horas antes, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, mostrou evidências dos supostos planos de “terrorismo” com os quais estariam vinculados Guaidó, Roberto Marrero, seu chefe de gabinete, e Leopoldo López, atualmente sob prisão domiciliar, assim como outros líderes do partido Vontade Popular. De acordo com Rodríguez, Marrero, que foi preso na quinta-feira de madrugada, é “o principal elo” para a realização de atos violentos em território venezuelano a cargo de centro-americanos chegados nos últimos dias ao país.

A Rússia, junto com a China e a Turquia, é um dos principais aliados estratégicos de Maduro, tanto em matéria política, econômica e energética como nas questões militares, um legado do falecido Hugo Chavez, que durante sua Presidência (1999-2013) promoveu essa aliança. O presidente Vladimir Putin apoiou Maduro ante o desafio de Juan Guaidó, que mais de 50 governos no mundo, incluindo o dos Estados Unidos, reconhecem como presidente interino.

REDES SOCIAIS

2 Respostas to “Rodrigo Maia: “Brasil não suporta 24 horas de confronto com a Venezuela”.”

  1. Aristóteles Barros da Silva Says:

    Pior é ter a certeza de que nossos filhos e netos é que servirão de bucha de canhão, enquanto os canalhas se refestelam nos salões de festa! Tem é que mandar, na frente, Bolsonaro, seus Três Patetas e seu Ministério Trapalhão, além de Moro Marreco de Maringá e toda a corja de Curitiba. E, deixar o pipoco comer no lombo desses safados!

  2. Geraldo Lobo Says:

    As poucas brigadas de PQD e de Fuzileiros Navais que porventura tenhamos, adequadas a uma operação de invasão e combate firme e cerrado, não chegam a um milésimo das que a Venezuela possuam — só para a sua defesa! Quem quiser que pense ao contrário pode voltar à infância e aos soldadinhos de chumbo coloridos.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: