Delegado que admitiu elo entre o clã Bolsonaro e miliciano preso pela morte de Marielle será afastado

Investigador havia admitido à imprensa que um dos filhos de Bolsonaro namorou a filha de Ronnie Lessa, um dos supostos milicianos presos na Operação Lume, pela morte de Marielle Franco.

Via Jornal GGN em 13/3/2019

Ao que tudo indica, ter citado à imprensa o namoro entre um dos filhos de Jair Bolsonaro e a filha do suposto miliciano Ronnie Lessa – preso na terça [12/3] pelo assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes – custou o cargo do delegado do caso, Giniton Lages. Segundo o colunista de O Globo, Lauro Jardim, o investigador será afastado sob o pretexto de que já cumpriu sua missão no inquérito.

Ontem [12/3], durante coletiva de imprensa, Lages disse que encerrou a primeira fase de investigação sobre o assassinato político da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista, que vai completar um ano em março. Neste primeiro ciclo foram presos dois supostos milicianos, Ronnie Lessa e ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, expulso da corporação.

Lessa é vizinho de Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro. Todos têm residência no mesmo condomínio no Rio de Janeiro.

Questionado pela imprensa, o delegado admitiu que houve namoro entre um filho de Bolsonaro e a filha do dito miliciano, vizinho da família presidencial. Mas, segundo Lages, essa relação não era “importante” para esta fase da investigação do caso Marielle, e seria “analisada no momento oportuno”.

Segundo Lauro Jardim, o chefe da Polícia Civil, delegado Marcus Vinícius Braga, decidiu afastar Lages após a declaração. Ele “indicará na semana que vem o encarregado da segunda etapa da investigação, centrada em descobrir quem mandou matar a vereadora e o motorista.”

“Oficialmente, o motivo dado será que ele cumpriu sua missão.”

A decisão da Polícia contraria as expectativas em torno do caso Marielle.

Na segunda fase da operação prometida pelo delegado Lages, o mandante do crime seria perseguido.

O jornalista Kennedy Alencar chegou a sugerir a federalização da investigação, porque informações da primeira operação foram vazadas – os milicianos sabiam que seriam presos.

Além disso, o jornalista sugeriu que a “polícia precisa colocar foco nas relações políticas e pessoais dos acusados de executar Marielle e Anderson, o sargento reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz. Também devem ser investigados o histórico patrimonial de ambos (seguir o caminho do dinheiro).”

Enquanto isso, a família Bolsonaro menospreza a morte de Marielle. O filho Eduardo Bolsonaro disse que se trata de um assassinato comum, como os outros 60 mil registrados no País no último levantamento. Já o próprio presidente misturou o atentado que sofreu durante a eleição – praticado por Adélio Bispo, que foi diagnosticado com problema mental – com a chacina que vitimou Marielle – arquitetada pelo crime organizado.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: