Moro abre crise na justiça ao se render às milícias bolsonaristas

Via Brasil 247 em 28/2/2019

A decisão de Sérgio Moro de recuar na nomeação de Ilona Szabó para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, provou outra baixa no conselho. Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e membro do Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, decidiu pedir exoneração do cargo que ocupa em solidariedade com a colega.

De acordo com nota publicado pelo BR18, Renato classificou como “constrangedora” a revogação da nomeação de Ilona. “Escrevo para, em caráter irrevogável e em solidariedade à cientista política Ilona Szabó de Carvalho, que foi colocada em uma situação constrangedora no episódio da nomeação e posterior revogação da mesma para uma vaga no CNPCP, fruto da pressão de grupos nas redes sociais, pedir pública e respeitosamente minha exoneração da vaga que ocupo no Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social”, afirmou Renato.

***

DIRETOR DO FÓRUM DE SEGURANÇA DEIXA CONSELHO APÓS MORO DESISTIR DE ATIVISTA
Marcela Leite em 28/2/2019

Em ofício enviado ao ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, o presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, pediu hoje sua exoneração do Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social. O episódio acontece pouco depois de Moro revogar a nomeação de Ilona Szabó para o mesmo órgão.

No documento, Lima diz que tomou a atitude “irrevogável” em solidariedade à cientista política e ativista, que, segundo ele, “foi colocada em uma situação constrangedora no episódio da nomeação e posterior revogação da mesma para uma vaga no CNPCP, fruto da pressão de grupos nas redes sociais”.

Lima, no final do ofício, reiterou um pedido de “transparência, do uso de evidências e de mecanismos democráticos como ferramentas de formulação e implementação de políticas públicas”.

O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária é ligado diretamente ao Departamento Penitenciário Nacional, integrado por 13 membros designados pelo Ministério da Justiça. O mandato dos membros do Conselho tem a duração de dois anos.

Membros do Conselho, criado em 1980, se reúnem a cada quatro anos para elaborar o Plano Nacional de Política Criminal, a partir de periódicas avaliações do sistema criminal, criminológico e penitenciário.

Nomeação e recuo
Um dia após nomear Ilona Szabó, do Instituto Igarapé, para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, o ministro Sérgio Moro, da Justiça e da Segurança Pública, voltou atrás e revogou a nomeação depois de grupos de direita criticarem a decisão.

As críticas se dão porque Sazbó é reconhecida, entre outros pontos, por sua postura crítica à posse de armas. Em contrapartida, uma das primeiras medidas do governo Bolsonaro foi apresentar um decreto de flexibilização da posse de armas.

Em nota, o Ministério informou ter tomado a decisão “diante da repercussão negativa em alguns segmentos”. O órgão pediu “escusas” (desculpas) a Ilona e afirmou tê-la nomeado “pelos relevantes conhecimentos da nomeada na área de segurança pública e igualmente pela notoriedade e qualidade dos serviços prestados pelo Instituto Igarapé”.

Leia também:
Sobre a exoneração de Ilona Szábo: “Moro é movido a likes”, diz presidente do Conselho de Direitos Humanos
Sérgio Moro e o uso político da justiça
Pressionado por milicianos do governo que faz parte, “superministro” Moro desnomeia a pesquisadora Ilona Szabó

REPERCUSSÃO NAS REDES SOCIAIS

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: