Paulo Preto, funcionário de José Serra, fez ameaças a tucanos e afirmava ter sócios na conta da Suíça

Acusado de ser o operador financeiro do PSDB, ex-diretor da Dersa foi preso novamente na terça [19/2].

Mario Cesar Carvalho, via Folha on-line em 21/2/2019

Quando foi preso pela segunda vez no ano passado e passou 36 dias na penitenciária, alguns deles numa solitária por ter discutido com um agente, o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, fez circular a informação de que cogitava fazer delação para se livrar do que considerava um período longo demais dentro de uma cela.

Acusado pela Lava-Jato de ser operador financeiro do PSDB, ele, que foi preso novamente nesta terça [19/2], dizia ter uma informação bombástica para revelar: a de que a conta encontrada na Suíça com saldo de R$132 milhões, em valores atuais, não era só dele. Era o que ele chamava de “conta ônibus”, ou seja, de vários titulares, todos cardeais tucanos, como Aloysio Nunes Ferreira e José Serra, e do próprio PSDB.

A informação da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba de que Aloysio recebeu um cartão de crédito ligado à conta de Paulo Preto aponta, na visão de procuradores, que os recados do ex-diretor da Dersa podem não ser apenas ameaças.

O recado tinha um tom óbvio de chantagem, com um subtexto que dizia “ou vocês me salvam ou entrego todo mundo”.

Após a pressão de Paulo Preto, ele trocou de advogado: saiu Daniel Bialski e entrou José Roberto Santoro, que também cuidava da defesa de Aloysio. Foi o novo advogado que conseguiu soltar Paulo Preto, com um habeas corpus do ministro Gilmar Mendes, do Supremo.

Não era a primeira vez que Paulo Preto mandava recados intimidatórios para a cúpula do PSDB.

Na campanha presidencial de 2010, quando ele se tornou uma figura central nos debates entre Dilma Rousseff e José Serra, Paulo Preto pronunciou aquela que se tornaria a sua frase mais famosa. “Não se abandona um líder ferido na beira da estrada”, afirmou logo depois de o então candidato tucano à Presidência ter dito num evento de campanha em Goiânia (GO) que não conhecia o ex-diretor da Dersa.

Serra ainda acusou a imprensa no episódio: “Eu não sei quem é o Paulo Preto. Nunca ouvi falar. Ele foi um factoide criado para que vocês [jornalistas] fiquem perguntando”. O então candidato não concluiu a frase, mas aparentemente o que ele queria dizer era que a imprensa usava Paulo Preto para questioná-lo sobre corrupção durante a sua gestão.

Como não conhece?, dizia Paulo Preto, se o Serra estava comigo na inauguração do Rodoanel Sul? Foi nessa obra que o ex-diretor é acusado de ter formado o cartel de empreiteiras e cobrado propina para o partido e para Serra.

O Rodoanel Sul foi iniciado na administração de Serra no governo de São Paulo, em 2007.

Havia outro indício de que Serra conhecia bem Paulo Preto. Quem indicou o engenheiro para a diretoria de obras da Dersa, a que toca as obras mais caras, foi o principal aliado de Serra dentro do PSDB, o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira.

Aloysio ocupava a pasta mais importante durante a gestão de Serra no governo paulista: era o chefe da Casa Civil.

Foi ele também, segundo políticos tucanos, quem indicara Paulo Preto para a diretoria de obras da Dersa, a empresa de obras viárias do governo paulista.

No governo anterior, de Geraldo Alckmin, Paulo Preto ocupava desde 2005 um diretoria sem importância, de relações institucionais.

Quando a Lava-Jato começou a investigar Paulo Preto, Aloysio tentou se dissociar do seu antigo aliado.

Havia outros laços entre Aloysio e Paulo Preto. Em 2007, uma filha de Paulo Preto, a advogada Priscila de Souza, e a então mulher do então diretor da Dersa fizeram um empréstimo para Aloysio comprar um apartamento no bairro de Higienópolis, em São Paulo, conforme a Folha revelou em 2010.

A filha entrou com a maior parte do empréstimo: R$250 mil. À época, ela trabalhava para empreiteiras que tinham contratos com a Dersa, como a Camargo Corrêa.

Aloysio disse que quitou o empréstimo em prestações, mas não houve pagamento de juros.

Em 2014, quando foi vice de Aécio Neves na corrida presidencial, Aloysio declarou ter um patrimônio de R$1,85 milhão.

Ao ser questionado pela Folha, Aloysio disse o seguinte sobre a ameaça de delação e a conta: “Isso é mentira. É apenas fofoca de cadeia. Isso seguramente não aconteceu”. Serra não quis se pronunciar.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: