Currículo de Davi desmente a falácia de Dallagnol

Jeferson Miola em 3/2/2019

Deltan Dallagnol e outros integrantes da Lava-Jato interferiram freneticamente na eleição para a presidência do Senado pressionando senadores e senadoras nas redes sociais – e talvez também através de outros meios não-públicos.

Essa turma de juízes, procuradores e policiais federais passa grande parte do expediente de trabalho produzindo e impulsionando conteúdos nas redes sociais para atacar seus inimigos e se intrometer na arena política.

E, apesar de usar o horário no serviço público para fins político-partidários, eles não sofrem descontos nos salários milionários e na variedade de regalias e privilégios pornográficos que recebem por mês.

Exigindo dos/as senadores/as a transparência que não exigem em relação ao caso Queiroz e da conexão da família Bolsonaro com gangues criminosas e chefes milicianos, a turma da Lava-Jato constrangeu parlamentares exigindo a quebra do segredo de voto em nome de suposta transparência [sic].

Alinhados com o governo Bolsonaro, em especial com o Onyx da Caixa 2 perdoada por Moro, eles foram fundamentais na demonização do candidato Renan Calheiros, abrindo uma avenida para a eleição de Davi Alcolumbre com 42 votos.

Depois do resultado, Deltan Dallagnol, o DD, celebrou no Twitter: “O Brasil está mudando”.

É infrutífero exigir-se medidas disciplinares do CNMP em relação a este procurador da República que tem tido, assim como tinha Sérgio [Bolso]Moro quando político togado, frenético ativismo político-partidário, porque todas estas instituições estão apodrecidas e incorporadas ao Estado de Exceção vigente no Brasil. Do contrário, seriam demitidos a bem do serviço público e, em casos de atentado contra o Estado de Direito, seriam presos.

Isso posto, resta apenas perguntar: a eleição do Davi Alcolumbre para presidir o Senado é, de verdade, um sinal de que o Brasil está mudando?

Diogo Cabral, no perfil de twitter @Diogotapuio, mostra porque a afirmação do DD é pura hipocrisia. Numa sequência de postagens, Diogo mostra a ficha indecorosa do senador que a Lava-Jato elegeu para presidir o Senado:

Sobre Davi Alcolumbre (DEM), eleito presidente do Senado da República, algumas informações de utilidade pública nessa thread:

– Responde aos inquéritos nº 4.353 – Crimes eleitorais e nº 4.677 – Crime contra a fé pública, uso de documento falso.

– Suspeito de corrupção passiva na Operação Pororoca no ano de 2004, por fraude em licitações, em inquérito do Supremo Tribunal Federal. A investigação apura o desvio de R$103 milhões em obras públicas no Amapá.

– Dos cerca de R$2 milhões de doações que Alcolumbre recebeu oficialmente em 2014, R$138 mil foram oriundos de doações do grupo JBS.

– Empregou, com recursos públicos, a mulher de um primo, Vânia Alcolumbre, em seu escritório político em Macapá.

– Em outubro de 2017 votou a favor da manutenção do mandato do senador Aécio Neves derrubando decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo onde Aécio é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.

– Votou a favor da reforma trabalhista, que aniquilou direitos dos trabalhadores brasileiros.

– Por meio da cota para o exercício da atividade parlamentar dos senadores (Ceaps), entre 2015-2018, reembolsou R$1,46 milhão de recursos públicos, com divulgação da atividade parlamentar, sobretudo! É o campeão no Senado nesta prática!

– Em 2014, declarou o patrimônio de R$585 mil para a Justiça Eleitoral. Em 2018 um pouco mais de R$770 mil.

– Em 2017, o desembargador Agostino Silvério, do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TER/AP), determinou a quebra do sigilo bancário de uma conta de Rynaldo Antônio Machado, contador da campanha eleitoral do senador Davi Alcolumbre (DEM/AP).

A controvérsia envolve dados extraídos da prestação das eleições 2014, questionando-se inúmeros vícios, como a falsificação de notas fiscais e de documentos públicos, o que teria contribuído para a configuração de abuso de poder econômico e político.

Na mesma acusação, consta a suspeita de que tenha constrangido servidores comissionados da prefeitura de Macapá a apoiá-lo, sob pena de serem demitidos, e do Batalhão de Operações Especiais da PM/AP e do Corpo de Bombeiros Militar, sob pena de transferência para outra unidade.

– A sra. DENISE VEBERLING, esposa do ministro chefe da Casa Civil, Sr. @onyxlorenzoni, exerce cargo em Comissão no Gabinete do Sr. Presidente do Senado, desde 2016.

– De acordo com @valoreconomico, Alcolumbre já foi alvo de investigação no passado por sua ligação, enquanto deputado, com o doleiro Fayed Trabouli, alvo da Polícia Federal (PF) na Operação Miquéias, em 2013.

A investigação, no entanto, travou no Supremo Tribunal Federal (STF) depois que o relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, anulou as interceptações da PF”.

Leia também:
Novo presidente do Senado é suspeito de nepotismo, constranger servidores e uso de documentos falsos

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: