No baile de Davos, Dória chama Paulo Guedes para dançar e deixa Bolsonaro no chá de cadeira

José Cássio, via DCM 23/1/2019

Davos é uma festa – especialmente para João Dória.

Na pornochanchada tropical protagonizada pela família Bolsonaro e seus agregados diante do tubaronato financeiro mundial, quem melhor que o gestor para se destacar e levar vantagem?

Apontado pelo próprio Bolsonaro e por Paulo Guedes, como o possível presidente da República no futuro, o governador paulista deita e rola, tirando selfie e gravando vídeos, como o que realizou ao lado de um constrangido Sérgio Moro para falar dos planos de combate ao crime organizado.

– Combinamos uma reunião com os governadores para tratar de segurança pública, até 10 de fevereiro, para ser compartilhado o novo programa de segurança nacional, anunciou, tento ao seu lado um Sérgio Moro com cara de dois de paus.

Nenhuma preocupação com os fatos gravíssimos envolvendo as milícias do Rio e o envolvimento de seus principais líderes com um senador eleito e filho do presidente da República.

Quem se importa com seriedade pública quando estamos tratando de João Dória numa entrevista com Sérgio Moro?

A sério o gestor quer mesmo é discursar para uma plateia de banqueiros sobre seus esforços no objetivo de alcançar a reforma da Previdência.

– Tanto Paulo Guedes como eu entendemos que ela é primordial para o País, disse ao Estadão.

– Se acontecer, muda o País de maneira rápida e concreta e abre as comportas para os investimentos internacionais. Aqui em Davos há uma expectativa em relação ao um conjunto de reformas, especificamente a da Previdência.

Em nenhum momento de sua estada em Davos, João Dória citou o presidente Bolsonaro ou mostrou qualquer tipo de preocupação com os problemas do povo brasileiro.

O gestor que entrou na vida pública negando a política e traindo Geraldo Alckmin, seu padrinho, na primeira curva, segue seu rumo, agora no encalço da cadeira do presidente limítrofe que é incapaz de se submeter a uma sabatina de imprensa num evento manjado em que todos estão focados no tradicional ganha-ganha.

Se Geraldo foi atropelado sem dó, e Dória parece já ter conquistado a cumplicidade do Posto Ipiranga do novo governo, imagine só o que vai sobrar de Bolsonaro em quatro anos?

Davos foi só o primeiro ato. O show não pode parar.

***

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: