“A mamata acabou”: Bolsonaro coloca amigos-deputados não reeleitos no segundo escalão

Via UOL em 10/1/2019

Pelo menos nove deputados e ex-deputados que não se elegeram nas eleições de 2018 foram indicados para cargos no segundo escalão do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Eles vão trabalhar nos ministérios, subordinados diretamente aos chefes das pastas. Entre os parlamentares há políticos de seis partidos: PSDB, MDB, PRB, PSL, Podemos e PSD.

Além do PSL, partido de Bolsonaro, apenas o PR declarou apoio formal ao governo, mas algumas das principais legendas no Congresso Nacional prometeram apoiar algumas das principais reformas prometidas por Bolsonaro, como a da Previdência. Foi isso que fizeram PSDB, Podemos e PSD. O DEM e o PTB ainda estudam se vão integrar a base do governo.

Único partido até o momento a declarar que vai integrar oficialmente a base do governo, o PR não teve até o momento nomes no segundo escalão dos ministérios. O partido afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não fez indicações políticas ao governo.

Bolsonaro tem afirmado que a escolha dos indicados para os cargos no governo é técnica e que sua gestão pôs fim à prática de trocar nomeações por apoio das bancadas dos partidos no Congresso.Veja quem foram os indicados para ocupar cargos no segundo escalão dos ministérios.

Casa Civil
Na Casa Civil, o ministro Onyx Lorenzoni (DEM/RS), ele mesmo deputado federal reeleito, escolheu dois colegas de Câmara dos Deputados para trabalhar na articulação com o Congresso Nacional.

O deputado Leonardo Quintão (MDB/MG) vai assumir a Subchefia de Assuntos Parlamentares e o deputado Carlos Manato (PSL/ES) será secretário especial da Casa Civil para a Câmara dos Deputados.

Manato concorreu ao governo do Espírito Santo e terminou em segundo lugar, com 27,22% dos votos. Quintão disputou mais um mandato na Câmara, mas não conseguiu a reeleição.

Ciência e Tecnologia
No Ministério de Ciência e Tecnologia, o ministro Marcos Pontes nomeou o ex-deputado federal Júlio Semeghini (PSDB/SP) para secretário-executivo da pasta, segundo cargo na estrutura do ministério. Semeghini também foi secretário nos governos tucanos de Geraldo Alckmin e João Dória, no estado e na prefeitura de São Paulo respectivamente. O ex-deputado não se candidatou nas últimas eleições.

Direitos Humanos
A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, anunciou dois deputados federais que não se reelegeram para integrar a equipe do ministério.

O deputado Antônio Jácome (Pode/RN), que se candidatou sem sucesso ao Senado, será o número dois da pasta, ocupando a secretaria-executiva do ministério.

A deputada Tia Eron (PRB/BA) será a secretária nacional de Políticas para as Mulheres. Ela não conseguiu a reeleição para a Câmara.

ron e Jácome ainda não foram nomeados para os cargos. Na terça-feira [8/1], o Ministério dos Direitos Humanos informou que não poderia confirmar a nomeação dos deputados. A equipe do segundo escalão foi anunciada pela ministra Damares Alves na cerimônia de posse no cargo.

Cidadania
Os deputados federais Lelo Coimbra (MDB/ES) e Floriano Pesaro (PSDB/SP) vão comandar secretarias do recém-criado Ministério da Cidadania.

Coimbra será responsável pela Secretaria Especial de Desenvolvimento Social, departamento que cuida do programa Bolsa Família, e Pesaro vai chefiar a Secretaria Nacional de Assistência Social. Além de deputado federal, Pesaro foi secretário Estadual de Desenvolvimento Social do governo Alckmin, em São Paulo.

Coimbra e Pesaro disputaram a última eleição, mas não conseguiram se reeleger.

O Ministério da Cidadania é chefiado pelo deputado federal Osmar Terra (MDB/RS), que conseguiu se reeleger nas eleições de outubro.

Economia
Relator da Reforma Trabalhista aprovada no governo Michel Temer (MDB), o deputado Rogério Marinho (PSDB/RN) vai comandar a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia. O deputado não conseguiu se reeleger.

O Ministério da Economia, chefiado pelo economista Paulo Guedes, foi criado no governo Bolsonaro para absorver atribuições antes dispersas nas pastas da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio Exterior, além de algumas funções do Ministério do Trabalho, que foi extinto.

Agricultura
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, escolheu como número dois do ministério o deputado federal Marcos Montes (PSD/MG).

Assim como Cristina, que é deputada federal pelo DEM do Mato Grosso do Sul, Montes é uma liderança do setor rural e já foi presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária.

Montes foi candidato a vice-governador de Minas Gerais na chapa liderada pelo senador Antônio Anastasia (PSDB). Eles foram derrotados no segundo turno pela chapa do governador Romeu Zema (Novo).

A ministra conseguiu a reeleição para mais um mandato na Câmara.

No primeiro escalão, Bolsonaro tem como ministros três deputados federais do DEM – Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Tereza Cristina (Agricultura) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde) –, três do PSL – Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) –, um do MDB – Osmar Terra (Cidadania) – e um do Novo – Ricardo Salles (Meio Ambiente).

***

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: