Alvo de três investigações, Paulo Guedes foi fiador de “empresa fantasma” que lesou fundos de pensão em R$22 milhões

Moro e Guedes, tudo a ver.

Guedes foi intimado a depor na Procuradoria duas vezes, mas as oitivas foram desmarcadas pelos investigadores na primeira ocasião e pelo ministro na segunda. Ele alegou problemas de saúde.

Via Revista Fórum em 6/1/2019

Alçado a comandar o superministério da Economia por Jair Bolsonaro, o chicago boy Paulo Guedes foi fiador de uma “empresa de prateleira“ – que não tem atividade alguma – que recebeu mais de R$62 milhões captados em fundos de pensão de empresas estatais, que tiveram um prejuízo e R$22 milhões com a negociata. A informação é do repórter Fábio Fabrini, na edição de domingo [6/1] da Folha de S.Paulo.

Alvo de três investigações, na Polícia Federal e na Procuradoria da República no Distrito Federal, para apurar indícios de gestão fraudulenta ou temerária, o superministro de Bolsonaro criou dois fundos de investimentos em participações – BR Educacional e Brasil de Governança Corporativa – que receberam, a partir de 2009, R$1 bilhão de sete fundos de pensão.

Para administrar os recursos, Guedes criou a BR Educacional Gestora de Ativos. Segundo as investigações, apesar da alta cifra captada, a empresa não tinha experiência, tendo, em 2009, obtido recentemente autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para operar.

Pelos relatórios da Funcef, fundação previdenciária dos empregados da Caixa, o ministro seria o fiador das transações. A primeira empresa a receber investimentos, a BR Educação Executiva S.A., era, segundo investigadores, “de prateleira”.

Pelas investigações em curso, a empresa recebeu R$62,5 milhões do FIP BR Educacional. Não tinha patrimônio líquido, histórico de faturamento ou qualquer outra garantia.

O roteiro do investimento de R$62,5 milhões, iniciado em 2009, terminou em 2015 com prejuízo de R$22 milhões aos fundos de pensão (valores atualizados pela Selic, a taxa básica de juros da economia), de acordo com a força-tarefa.

Guedes foi intimado a depor na Procuradoria duas vezes, mas as oitivas foram desmarcadas pelos investigadores na primeira ocasião e pelo ministro na segunda. Ele alegou problemas de saúde.

Leia a reportagem na íntegra.

***

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: