O vendedor de carro Queiroz fugiu do MP para dizer na TV que só fala com o MP

Leonardo Sakamoto em 27/12/2018

Assistir à integra da entrevista de Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro, ao SBT Brasil, na noite de quarta [26/12], sobre a polêmica de suas “movimentações atípicas” de R$1,2 milhão, causa um misto de indignação e júbilo. Ou ele acredita que a população é tapada ou encontramos um Fernando Pessoa reencarnado – que finge tão completamente, que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.

Fabrício disse que faltou à última convocação feita pelo Ministério Público porque precisava fazer um exame. Sua descrição do procedimento somada às informações dadas por seu advogado sugere que ele tenha se referido a uma colonoscopia – exame de imagem para verificar o interior do intestino. Preparação desagradável, sedação com naninha gostosa, breve repouso após o procedimento e, em algumas horas, pronto para o trabalho.

Se Queiroz queria ganhar tempo com a entrevista, o resultado vai ser o inverso, pois o que ele apresentou deixou mais dúvidas do que respostas.

Assumindo que ele realmente tenha câncer e esteja com cirurgia marcada, nada impedia que tivesse prestado esclarecimentos ao Ministério Público em algum momento nas últimas três semanas, desde que a polêmica veio à público com a reportagem de Fábio Serapião, do jornal O Estado de S. Paulo, no dia 6 de dezembro. Mas ele preferiu viver um paradoxo e nos tragar para dentro dele, como em um episódio de “Além da Imaginação”: fugiu do MP e optou por falar à TV a fim de dizer que o mais importante só dirá ao MP.

Há coincidências entre datas de pagamentos dos salários pela Assembleia Legislativa do Rio, depósitos na conta de Queiroz feitos por outros funcionários do gabinete de Flávio e saques em dinheiro pelo policial. Esse tipo de ação é semelhante à prática ilegal de devolução de parte dos salários dos funcionários aos seus chefes parlamentares.

Na entrevista de quarta, disse que preferia falar ao MP, mas que geria os recursos da família, justificando os depósitos de sua mulher e filha, que também trabalhavam para o filho do presidente eleito, em sua conta. Quando a repórter Débora Bergamasco perguntou o porquê de também ter recebido de outros funcionários do gabinete, afirmou que “em respeito ao MP” prestaria os esclarecimentos à instituição.

Queiroz pediu desculpas à Michelle Bolsonaro por toda essa superexposição. Segundo o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), a futura primeira-dama recebeu R$24 mil de depósitos feitos por ele.

Então por que não foi ao MP resolver isso antes ao invés de ficar sofrendo, como ele mesmo diz? Ou por que não chamou à imprensa logo de cara para contar sua versão se tudo é facilmente explicável? Por que deixou fortalecer os discursos da oposição que afirmam que ele é um laranja da família Bolsonaro e os adiamentos têm o objetivo de garantir a posse do presidente, em janeiro, e a do senador, em fevereiro, sem constrangimentos? Pior: por que deixou chegar ao ponto do chorume da internet brotar teorias conspiratórias com a versão de que é um implantado do PT na vida dos Bolsonaro e outras bobagens?

Jair Bolsonaro afirmou que esses R$24 mil se referem a uma dívida pessoal que Queiroz, seu amigo de longa data, tinha com ele. Disse que pediu que a devolução fosse feita para a conta da futura primeira-dama porque ele não tinha tempo de ir ao banco. Flávio Bolsonaro declarou, por sua vez, que o ex-assessor relatou a ele uma “história bastante plausível”, garantindo que as transações não são ilegais. Questionado na entrevista desta quarta, Queiroz disse que – veja bem – só revelará a “história bastante plausível” ao MP.

O Caso Queiroz vem dando dor de cabeça a Flávio Bolsonaro (o MP sugeriu que ele fosse ouvido no próximo dia 10), mas também a assessores de seu pai, que foram questionados sobre o tema.

O ex-juiz federal e futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública Sérgio Moro, perguntado sobre o caso, primeiro se calou. Depois afirmou que “o senhor presidente eleito já esclareceu a parte que lhe cabe no episódio” e completou dizendo que “o ministro da Justiça não é uma pessoa para ficar interferindo em casos concretos”.

Já o deputado federal e futuro ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni surtou em uma coletiva de imprensa, quando os repórteres insistiram em saber a origem do dinheiro. Primeiro usou o PT como muleta, depois teceu uma resposta quase filosófica sobre a busca da verdade e terminou atacando os repórteres antes de deixar a coletiva, perguntando quanto eles haviam recebido este mês.

Queiroz diz que parte dos recursos vem de seu trabalho com carros. “Eu sou um cara de negócios, eu faço dinheiro, compro, revendo, compro, revendo, compro carro, revendo carro, sempre fui assim, gosto muito de comprar carro de seguradora, na minha época lá atrás, compra um carrinho, mandava arrumar, revendia, tenho uma segurança.”

Diante de tudo o que foi apresentado até agora, inclusive a entrevista desta quarta, a impressão é que a única frase realmente esclarecedora foi “eu faço dinheiro”. Nisso, parece que há um majestoso consenso.

Em tempo: Três semanas e o máximo que ele teve de media training foi isso?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: