Enrolou-se: Flávio Bolsonaro dá versões diferentes sobre ex-assessor que foi pra Portugal

Via DCM em 13/12/2018

O Jornal Nacional descobriu que um ex-funcionário da Assembleia do Rio passou mais de 400 dias fora do Brasil em três anos. Neste período, Wellington Sérvulo também trabalhou no gabinete do deputado e senador eleito Flávio Bolsonaro. O filho do presidente eleito deu na quinta-feira [13/12] a terceira declaração sobre o caso.

As explicações de Flávio Bolsonaro geraram mais dúvidas.

Na quarta-feira [12/12], o Jornal Nacional mostrou que um dos assessores do deputado e senador eleito passou metade do tempo em que foi contratado do gabinete dele em viagens. Wellington Sérvulo Romano da Silva ficou fora do país 248 dias. Ele aparece no relatório do Coaf sobre movimentações financeiras suspeitas de servidores da Alerj.

Pelos registros da Assembleia Legislativa, Wellington, que é tenente-coronel da Polícia Militar, trabalhou para Flávio um ano e quatro meses. Foi nomeado no dia 15 de abril de 2015 e dispensado no dia 1º de setembro de 2016.

Na nota divulgada na quarta-feira, Flávio Bolsonaro afirma outra coisa. Diz que Wellington trabalhou normalmente no gabinete até ser exonerado a pedido em 23 de fevereiro de 2018.

A assessoria da Alerj informou que, depois de 2016, Wellington não teve nenhum cargo na Assembleia nem no gabinete de Flávio e não recebeu salários pela casa.

A Polícia Militar explicou que entre 2016 e 2018 Wellington estava cedido para a Superintendência Militar da Alerj, que cuida da segurança da Assembleia.

Numa rede social, a mulher de Wellington diz que a cidade onde mora atualmente é Aveiro, em Portugal. E foi o que o JN ouviu, na quarta, do porteiro onde o tenente-coronel tem um apartamento.

Na nota divulgada na quarta, Flávio Bolsonaro afirma que não procede a informação de que Wellington Sérvulo morava em Portugal enquanto estava lotado no gabinete na Alerj. O senador eleito diz que a família dele, sim, se mudou para lá, e acrescenta que Wellington os visitava esporadicamente.

A reportagem mostrou que, enquanto trabalhou no gabinete de Flávio, Wellington Sérvulo Romano da Silva, fez oito viagens para Portugal, sempre pela mesma companhia aérea, a TAP.

No dia 24 de abril de 2015, por exemplo, nove dias depois de ter sido nomeado por Flávio, Wellington viajou para Portugal, onde ficou 44 dias. Ainda em 2015 viajou outras três vezes pra Portugal. Naquele ano foram 119 dias fora do Brasil. Até setembro de 2016 fez mais quatro viagens.

A Alerj informou que, durante todo o período em que ele esteve na casa, nunca tirou licença. Nesse período recebeu o salário e gratificações da Alerj: total de R$5.400 por mês, mais o salário como tenente-coronel, hoje, R$25 mil.

Ainda na quarta-feira, numa rede social, Flávio Bolsonaro fez um esclarecimento. Disse que o servidor Wellington Sérvulo foi lotado na Coordenadoria Militar na Alerj, em 2015, já com direito a 160 dias de férias pela Polícia Militar e adquiriu direito a mais 60 dias de férias nos anos de 2016 e 2017. Flávio afirma que, no entendimento da assessoria dele, pelo fato de Wellington estar vinculado a órgão da Polícia Militar, tratava-se de um direito adquirido do servidor.

A Polícia Militar confirmou que Wellington tinha férias acumuladas, mas não informou quanto e que essas férias deveriam ser requisitas à Alerj enquanto ele estava cedido. […]

***

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: