Escândalo com esposa de Bolsonaro anteciparia tutela militar

Luis Nassif em 6/12/2018

Aparentemente, o reinado da família Bolsonaro chegou ao fim antes mesmo de começar. Reeditou-se o caso da viúva Porcina.

A reportagem “Coaf relata conta de ex-assessor de Flávio Bolsonaro”, de Fábio Serapião, informa sobre relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que identificou movimentação atípica de R$1,2 milhão na conta de um ex-assessor do deputado estadual e senador eleitor Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

O documento consta da investigação que resultou na Operação Furna da Onça, do mês passado, que levou à prisão dez deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A parte politicamente mais grave do relatório foi a identificação de um depósito de R$24 mil na conta de Michelle Bolsonaro, futura primeira-dama.

Nenhuma medida foi tomada contra o motorista Fabrício José de Queiroz nem contra Flávio Bolsonaro.

Na primeira semana após as eleições, Flávio e o governador eleitor do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, anunciaram a intenção de ir a Israel adquirir drones para trabalhos de segurança. Está semana, Witzel ampliou as intenções de compra para US$300 milhões, antes mesmo de um diagnóstico sobre o setor.

O relatório da Coaf amenizará a sede de ambos. Mas o estrago que irá causar certamente abreviará a era Bolsonaro e antecipará a era militar.

***

Flavinho põe a mão no fogo pelo seu motorista.

SEGURANÇA DE FLÁVIO BOLSONARO É PEGO EM “TRANSAÇÃO SUSPEITA” DE R$1,2 MILHÃO
Via Jornal GGN em 6/12/2018

Fabrício José Carlos de Queiroz, que até outubro deste ano trabalhava como assessor especial lotado no gabinete do deputado Flávio Bolsonaro, foi delatado pelo banco ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) por ter movimentado, só entre janeiro 2016 e janeiro 2017, R$1,2 milhão. A transação foi considerada “suspeita” porque Fabrício, que ganhava dinheiro como motorista e segurança do filho de Jair Bolsonaro há mais de 10 anos, não tinha renda mensal nem patrimônio compatível com o montante milionário.

A notícia, que cai como uma bomba sobre a família Bolsonaro, e também atinge a esposa do presidente eleito, Michelle, foi divulgada pelo Estadão, na quinta [6/12].

Além da movimentação suspeita, Fabrício também foi relatado por ter movimentado ao menos R$320 mil em espécie de maneira atípica, com saques feitos inclusive de dentro de agência bancária disponível na Assembleia do Rio de Janeiro. Lá, ele retirou R$159 mil.

“Também chamou a atenção dos investigadores as transações realizadas entre Queiroz e outros funcionários da Assembleia. O documento lista todas as movimentações e seus destinatários ou remetentes”, narrou o Estadão, sem fornecer os detalhes.

As autoridades consideram os saques suspeitos porque eles podem ser utilizados como método para dificultar o rastreio do destino dos recursos. Além disso, pela análise do banco, Fabrício costuma movimentar recursos pessoais em outro tipo de transação que não o saque.

O nome de Fabrício foi encontrado em um relatório do Coaf anexado pelo Ministério Público Federal à investigação que originou a Operação Furna da Onça, que prendeu 10 deputados estaduais do Rio de Janeiro no mês passado.

O Coaf listou 22 assessores da Câmara com movimentações suspeitas que somam R$222 milhões. Fabrício era o número 20, mas não foi alvo da operação. Ele só aparece na lista porque os procuradores da República pediram para o Coaf relatar todos os assessores da Assembleia do Rio que tenham sido objeto de comunicação de “transações financeiras suspeitas”.

Segundo o Estadão, Fabrício ganhava salário de R$8,5 mil como segurança e motorista de Flávio Bolsonaro. Ele também recebeu rendimentos mensais de R$12,6 mil da Polícia Militar. Ao longo de um ano, a soma dos salários dá menos de um quarto dos R$1,2 milhão movimentados de maneira suspeita em 2016.

Fabrício também assinou um cheque para Michelle Bolsonaro que chamou atenção das autoridades.

Procurado, o ex-assessor disse que não sabe nada sobre a movimentação suspeita. Flávio Bolsonaro disse, por meio da assessoria de imprensa, que tem com Fabrício relação de “confiança e amizade” e que ao longo de uma década de serviço, não tomou conhecimento de fatos que “desabonem” o profissional. Segundo o parlamentar, a exoneração do assessor se deu em outubro de 2018, a pedido dele.

Ao longo da disputa eleitoral, a Folha de S.Paulo revelou outros dois escândalos envolvendo Bolsonaro: um processo de divórcio polêmico, em que a ex-esposa fez acordo para não comentar, e o chamado “caixa 2 do WhatsApp”, que levou o capitão da reserva ao caminho da vitória, com empresas privadas financiando ataques e disparos de fake news contra o PT, nas redes sociais.

Ao longo da disputa eleitoral, a Folha de S.Paulo revelou um processo de divórcio de Jair Bolsonaro e o escândalo do caixa 2 do WhatsApp.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: