“Uma ameaça para a América Latina”: Os principais pontos do duro editorial da Economist contra Bolsonaro

Via Esquerda Caviar.

Sem uma base no Congresso, Bolsonaro tende a “degradar ainda mais a política”, segundo a revista que é referência em liberalismo econômico.

Graciliano Rocha, via BuzzFeed em 20/9/2018

O mais recente número da revista Economist, publicado na quinta-feira [20/9], dedica sua capa e o editorial ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), que é retratado como “a mais recente ameaça da América Latina.”

Bússola do pensamento econômico liberal, a publicação britânica afirma que o candidato Bolsonaro soube explorar “de forma brilhante” o mal-estar reinante no país, assolado por uma recessão que fez a renda per capita encolher 10% entre 2014 e 2016 e com uma taxa de desemprego da ordem de 12%.

Ao apresentar o candidato a seus leitores, a Economist lembra que, até os escândalos da Lava Jato, Bolsonaro era somente um deputado com um histórico de ofensas – a revista menciona as frases do deputado de que não estupraria uma deputada porque ela não merece e que preferia ter um filho morto a um filho gay.

“De repente, essa disposição de quebrar tabus está sendo tomada como prova de que ele é diferente do establishment político de Brasília”, afirma a publicação.

A Economist também ressaltou a conversão tardia de Bolsonaro ao credo do liberalismo econômico: “Para os brasileiros desesperados para se livrarem de políticos corruptos e traficantes de drogas assassinos, o sr. Bolsonaro se apresenta como um xerife sensato. Cristão evangélico, ele mistura o conservadorismo social com o liberalismo econômico, ao qual ele se converteu recentemente”.

E menciona Paulo Guedes, cotado para ser ministro da Fazenda, que passou pela Universidade de Chicago, um bastião de ideias de livre mercado. Guedes defende a privatização de todas as empresas estatais brasileiras e a simplificação “brutal” dos impostos.

As pesquisas mostram que a fórmula está funcionando. Na interpretação da publicação, a facada que o candidato levou em Juiz de Fora (MG) não apenas o tornou mais popular, como “protegeu-o de um exame mais minucioso pela mídia e seus oponentes.” E conclui que, se o 2º turno for travado entre Bolsonaro e Fernando Haddad (PT), o antipetismo poderia fazer do capitão reformado o próximo presidente.

A principal crítica do editorial, contudo, é ao que a publicação chama de “admiração preocupante de Bolsonaro pela ditadura.”

“A América Latina já experimentou antes misturando políticas autoritárias e economia liberal. Augusto Pinochet, um governante brutal do Chile entre 1973 e 1990, foi aconselhado pelo livre mercado “Chicago Boys”. Eles ajudaram a estabelecer o terreno para a prosperidade relativa de hoje no Chile, mas a um custo humano e social terrível. Os brasileiros têm um fatalismo sobre a corrupção, resumido na frase “rouba, mas faz” (“rouba, mas age”). Eles não deveriam se deixar se levar pelo sr. Bolsonaro […]. A América Latina conhece todos os tipos de homens fortes, a maioria deles terríveis. Para provas recentes, olhe apenas para os desastres na Venezuela e na Nicarágua.”

No final, a revista conclui que Bolsonaro “pode não ser capaz de converter seu populismo em ditadura ao estilo de Pinochet, mesmo que quisesse.” Mas afirma que o “flerte com autoritarismo” preocupa.

Sem uma base no Congresso para formar uma coalizão necessária para governar o país, Bolsonaro tende, segundo a Economist, a “degradar ainda mais a política.”

“Em vez de cair nas promessas vãs de um político perigoso, na esperança de que ele possa resolver todos os seus problemas, os brasileiros devem perceber que a tarefa de curar sua democracia e reformar sua economia não será fácil nem rápida. Algum progresso foi feito – como a proibição de doações corporativas a partidos e o congelamento de gastos federais. Muito mais reformas são necessárias. Bolsonaro não é o homem que vai entregar.”

Graciliano Rocha é editor de notícias do BuzzFeed e trabalha em São Paulo.

***

“BOLSONARO É AMEAÇA PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA”, AFIRMA THE ECONOMIST
Revista britânica lembra que candidato dedicou seu voto no impeachment para destituir Dilma Rousseff ao torturador do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra e diz que eleição é chance de país recomeçar.
Via RBA em 20/9/2018

Matéria de capa da revista britânica The Economist, considerada legítima representante do liberalismo econômico, afirma que uma eventual eleição de Jair Bolsonaro no Brasil “poderia colocar em risco a própria sobrevivência da democracia no maior país da América Latina”. Mais do que isso, a publicação, lançada na quinta-feira [20/9], afirma que o candidato “é uma ameaça para o Brasil e para a América Latina”.

A publicação semanal, lida no mundo todo por um público considerado de “alto nível”, começa citando o ditado popular “Deus é brasileiro”, título também de um filme de Cacá Diegues, para dizer na sequência que “hoje em dia os brasileiros devem se perguntar se, como a divindade do filme, Deus saiu de férias”. “A economia é um desastre, as finanças públicas estão sob pressão e a política está completamente podre. O crime de rua está aumentando. Sete cidades brasileiras estão entre as 20 mais violentas do mundo.”

No artigo, intitulado “Jair Bolsonaro, a mais recente ameaça da América Latina”, a The Economist pondera que as eleições nacionais de outubro “dão ao Brasil a chance de começar de novo”. Porém, destaca também a “autoflagelação e corrupção da elite” que tomam conta do país.

A publicação se refere ao candidato do PSL como um político que tem longa história de ser “grosseiramente agressivo, e ilustra a afirmação lembrando situações como o deputado ter dito “que não iria violentar uma congressista (a deputada Maria do Rosário, do PT gaúcho) porque ela era ‘feia’”.

Outros exemplos citados são as declarações do candidato de extrema-direita (que o semanário prefere caracterizar como de direita) de que preferiria um filho morto a um que fosse gay e ter sugerido que quilombolas “são gordos e preguiçosos”. Para a população, ele aparece como alguém disposto a quebrar tabus e diferente dos políticos de Brasília, diz a revista.

“Se enfrentar Fernando Haddad, o candidato do Partido dos Trabalhadores de Lula, de esquerda, no 2º turno, no final de outubro, muitos eleitores de classe média e alta, que culpam Lula e o PT acima de tudo pelos problemas do Brasil, poderiam cair em seus braços”, afirma a publicação, em mais uma insinuação, comum em veículos da mídia tradicional neste período pré-eleitoral, que pode favorecer o candidato do PDT, Ciro Gomes

A The Economist lembra que Bolsonaro “dedicou seu voto para destituir Dilma Rousseff ao comandante(coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra) de uma unidade responsável por 500 casos de tortura e 40 assassinatos sob o regime militar, que governou o Brasil de 1964 a 1985”.

A revista também faz um trocadilho sobre a célebre sentença brasileira sobre corrupção (“rouba, mas faz”), para dizer que, no caso do candidato que lidera as pesquisas eleitorais, a frase poderia ser “eles torturaram, mas agiram”.

“Bolsonaro pode não ser capaz de converter seu populismo em ditadura ao estilo de Pinochet, mesmo que quisesse. Mas a democracia do Brasil ainda é jovem. Até mesmo um flerte com o autoritarismo é preocupante. Todos os presidentes brasileiros precisam de uma coalizão no Congresso. O senhor Bolsonaro tem poucos amigos políticos. Para governar, ele poderia ser levado a degradar ainda mais a política, potencialmente pavimentando o caminho para algo ainda pior”, finaliza a revista britânica.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: