Medo de Haddad leva establishment a namorar Ciro

Helena Chagas em 16/9/2018

Primeiro, eles tentaram produzir alguém de fora, mas de confiança, tipo Luciano Huck. Não deu certo. Chegaram a alimentar esperanças num candidato do governo Temer, que ia “consertar a economia” e ganharia a eleição, quem sabe Geraldo Alckmin ou Henrique Meirelles. Deu tudo errado. Alguns passaram a admitir Jair Bolsonaro, mas só em último caso, dada a incerteza e o peso desta candidatura. Agora, a onda do establishment órfão – que acima de tudo quer evitar a vitória do PT – é Ciro Gomes.

Esses setores, representados no PIB, nos partidos da centro-direita, no mercado e em parte da mídia, passaram a última semana apavorados diante do cenário que nunca esperaram. Afinal, imaginavam estar livres do PT há tempos. Achavam que Lula, condenado, não seria candidato, e que, se fosse, não teria tantos votos e nem o poder de transferi-los. O establishment não é mesmo muito bom de previsões quando estas envolvem o povo.

Em quatro dias, Fernando Haddad cresceu 4 pontos na pesquisa do Datafolha, e empata agora com Ciro em segundo lugar, com 13%, numa clara trajetória de ascensão. Mantidas as mesmas condições de pressão e temperatura, as previsões dos institutos de pesquisa colocam o candidato de Lula no 2º turno daqui a três domingos.

E agora? O movimento do mercado, dólar subindo e bolsas caindo segundo as oscilações de saúde do candidato do PSL, mostram que Bolsonaro é uma opção concreta para o establishment. Mas tem um custo bastante alto, e as fotos do candidato internado fazendo gesto de armas com os dedos e as declarações antidemocráticas de seu vice – que quer fazer uma Constituição à la Pedro I – mostraram isso esta semana. O crescimento de Ciro, porém, abriu-lhes um caminho que, se não cogitavam antes, começa a parecer menos espinhoso.

Se o objetivo é impedir a vitória de Haddad, até Ciro – que sempre apanhou dessa turma e nada tem a ver com ela – serve. Quem diria. Já estamos ouvindo de interlocutores ligados ao PIB afirmações simpáticas ao candidato do PDT, que critica o sistema financeiro e promete taxar os ricos. O pessoal do Centrão, que o esnobou, já começa a reatar laços.

Cedo para dizer se essa operação irá em frente, se Ciro continuará crescendo – o que acontecia sobretudo às custas de votos da esquerda antes do lançamento de Haddad – viabilizando-se como uma opção no 2º turno, ou se terá estagnado com a ascensão do petista.

O certo é que se trata de mais um episódio da série “o que o desespero não faz”, uma das mais assistidas da temporada de 2018.

***

O ÓDIO EMBURRECE
Reinaldo Del Dotore em 16/9/2018

Grupo de mulheres contra o inominável hackeado e excluído por seguidores dele.

Eleitores de Marina afirmando que votarão no inominável no 2º turno contra Haddad, para “dar uma lição no PT”.

Eleitores de Ciro dizendo que preferem o inominável a Haddad.

Definitivamente, o ódio emburrece. Muito.

Desde já adianto: se Haddad não for ao 2º turno, eu voto Ciro (um bom candidato). Se restarem o inominável e Alckmin, eu anulo o voto e tomo um porre de uma semana.

***

Nelson Barbosa
Leio por aqui que tem confesso eleitor de Ciro flertando com o fascista num 2º turno só pra dar uma “lição” no PT. Não duvido que isso possa acontecer: há discursos de ódio aos “erros” do PT que nem a ultradireita ainda conseguiu formular.

Uma resposta to “Medo de Haddad leva establishment a namorar Ciro”

  1. Geraldo Lobo Says:

    O ÓDIO EMBURRECE PELA SUA PRÓPRIA NATUREZA ASNÁTICA LATENTE; PÓ DE MERDA, NÃO SERVE PRA CHEIRAR NEM PRA LAMBER.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: