Paraná: Prisão de Beto Richa favorece aliado de Rosângela Moro na eleição ao Senado

Da esquerda à direita: Rosângela Moro, esposa do juiz Sérgio Moro e atual procuradora da Federação das Apaes; a então presidente da Federação Nacional das Apaes, Aracy Lêdo, e Flávio Arns. Foto: Flickr Equipe Flávio Arns.

Via Jornal GGN em 11/9/2018

No dia em que o PT deve fazer a substituição oficial de Lula por Fernando Haddad na disputa presidencial, o Ministério Público Federal e Estadual no Paraná, junto com a Polícia Federal e a Justiça estadual e federal, deram à imprensa uma outra pauta para ocupar o noticiário: a prisão do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

O que a maior parte dos veículos da grande mídia tem esquecido de contar aos seus leitores é que a prisão de Richa, a menos de 1 mês da eleição, favorece um aliado de Rosângela Moro, esposa do juiz federal Sérgio Moro: Flávio Arns, ex-presidente da Federação Nacional das Apaes, que tem como procuradora jurídica a primeira-dama da Lava-Jato.

O GGN já produziu uma série de reportagens sobre as ligações entre Rosângela Moro, os Arns, as Apaes e o governo do Paraná. Acesse por aqui.

Richa e sua esposa, Fernanda, foram presos na terça-feira [11/9], em Curitiba. A ordem, de acordo com o Estadão, partiu da Justiça estadual, não de Moro, na operação Patrulha do Campo.

Mas a Lava-Jato sob Moro também colocou nas ruas uma megaoperação, batizada de Operação Piloto, com cerca de 180 agentes cumprindo 36 ordens de prisão, busca e apreensão e outras diligências, contra aliados do ex-governador tucano.

Ou seja: a investida contra Richa ocorre, simultaneamente, em duas frentes.

Antes das 10 horas, o Estadão já havia publicado uma série de reportagens a respeito da Operação Piloto, incluindo trechos de delações premiadas e documentos utilizados para sustentar a tese de que houve um suposto esquema de corrupção no governo do Paraná e pagamento de propina por parte da Odebrecht, em 2014, por obra envolvendo a “duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323”, uma PPP (parceria público-privada).

Desde a semana passada, Joaquim de Carvalho, no DCM, tem chamado atenção para a investida da Lava-Jato contra Richa.

As pesquisas de opinião feitas nos últimos tempos vinham indicando que Richa tinha condições de ganhar uma das duas vagas ao Senado pelo Paraná. Ele aparece com 28% das intenções de voto, atrás apenas de Roberto Requião (PMDB), com 43%.

Com a candidatura de Richa atacada pelo Judiciário e MP, quem sai beneficiado na corrida pelo Senado é Flávio Arns, ex-vice-governador do Paraná que está filiado à Rede de Marina Silva, e tem 17% das intenções de voto.

A família Arns confere à advogada Rosângela Moro algumas parcerias profissionais. Ela é procuradora das Apaes (Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais), “que têm na pessoa de Flávio Arns sua maior liderança”, segundo o DCM. Ele já foi presidente da instituição algumas vezes e, até o ano passado, era do conselho consultivo.

A relação de Rosângela, que ainda hoje é a procuradora jurídica da Federação das Apaes, com a família Arns não para por aí. Ela também integrou equipe do advogado Marlus Arns, sobrinho de Flávio. Marlus foi advogado de delatores na Lava-Jato, que foram homologados por Sérgio Moro, a despeito da relação com a esposa.

***

PARANÁ: PRISÃO DE BETO RICHA BENEFICIA ALIADO DE ROSÂNGELA MORO
Joaquim de Carvalho, via DCM em 8/9/2018

Um despacho de Sérgio Moro, divulgado na quarta-feira [5/9], passou despercebido em razão do noticiário intenso sobre a facada em Bolsonaro. Mas é preciso voltar a ele e apontar a repercussão política da decisão do juiz.

Nesse despacho, ao mesmo tempo em que aceita a denúncia contra o ex-chefe de gabinete do governo do Estado, Deonilson Roldo, Moro carrega nas tintas ao autorizar o Ministério Público Federal e a Polícia Federal a aprofundarem a investigação em torno de Beto Richa.

“Os valores utilizados para pagar as despesas de campanha de 2014 de Carlos Alberto Richa não foram totalmente utilizados na campanha, vez que Carlos Alberto Richa foi eleito no 1º turno, havendo muita sobra de recursos que foi utilizada para enriquecimento pessoal por intermédio das empresas do governador junto com Jorge Atherino”, escreveu Moro, com a transcrição literal do depoimento de um dos réus colaboradores.

O despacho de Moro está sendo usado pelos aliados do candidato a senador Flávio Arns para tentar minar a candidatura de Beto Richa ao Senado, com quem disputam uma vaga no Senado. Pelas pesquisas, Roberto Requião tem 43% das intenções de voto, Beto Richa, 28% e Flávio Arns, 17%.

Richa é do PSDB e Arns, que já foi do PSDB e também do PT, agora está filiado à Rede de Marina Silva.

Pelo quadro que se apresenta, uma das vagas será de Requião, a outra, de Richa ou Arns. A disputa entre os dois está acirrada, e é por isso que o despacho de Moro foi visto como providencial pela campanha de Arns.

Moro poderia ser visto apenas como um magistrado no exercício de suas funções, não houvesse antecedentes que ligam o juiz ao círculo mais próximo de Arns.

A mulher, Rosângela Moro, é procuradora das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes), que têm na pessoa de Flávio Arns sua maior liderança.

Até o ano passado, ele era do conselho consultivo e presidiu a Federação das ApaeS algumas vezes.

Há um vídeo na internet com a íntegra de uma reunião na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, em junho de 2013.

Procuradora das Apaes do Paraná, Rosângela participa da reunião e, logo da abertura, anuncia que representava o então vice-governador do Estado do Paraná, Flávio Arns:

“Primeiramente eu quero dizer que estou aqui na condição de representante do vice-governador do Estado do Paraná, o senhor Flávio Arns, que está no exercício do governo e por tal razão não pode estar presente.”

A relação de Rosângela com a família Arns vai além de Flávio. Ela participou da equipe do advogado Marlus Arns, sobrinho de Fábio, em pelo menos um caso de gestão de massa falida no Estado do Paraná, parte de um esquema que o então deputado Fábio de Souza Camargo, hoje do Tribunal de Contas do Estado, chamou de Máfia das Falências, comandado pela família Simão.

Rosângela foi contratada por Marlus Arns para representar a massa falida da GVA (fabricante de placas madeirit) junto à justiça trabalhista.

Na época, o deputado Fábio de Souza Camargo presidiu uma CPI e acusou a família Simão de manter um esquema fraudulento de gestão de massas falidas, com ligações no Poder Judiciário do Estado do Paraná.

Por esse esquema, recursos da massa falida eram desviados, com prejuízo para os credores mais frágeis, entre os quais os antigos trabalhadores.

Na época em que contei essa história, em dezembro do ano passado, procurei Rosângela Moro para falar sobre essas acusações. Encaminhei e-mail, mas não obtive resposta.

Marlus Arns também atuou junto ao Ministério Público Federal nas negociações para acordos de delação premiada no âmbito da Lava-Jato, que mais tarde seriam homologados por Sérgio Moro.

O advogado Marlus Arns é ainda contraparente de um dos procuradores da linha de frente das delações, Orlando Martello. Seriam concunhados.

Todos fazem parte do que o advogado Rodrigo Tacla Duran soube se chamar panela de Curitiba. Ex-advogado da Odebrecht, quando começou a ser investigado, Tacla Duran foi orientado por um colega a contratar um advogado desse grupo, para fechar um acordo de delação.

Marlus chegou a lhe prestar serviços. Mas foi com outro advogado, Carlos Zucolotto Júnior, ex-sócio de Rosângela, que ele avançou mais na direção de um acordo.

Zucolotto teria lhe pedido, no entanto, US$5 milhões por fora para fechar a negociação. A conversa não evoluiu e, pouco tempo depois, Rodrigo Tacla Duran denunciou Zucolotto pelo que chamou de tentativa de extorsão.

Como prova, entregou à CPI da JBS cópias periciadas da tela de seu celular, com o print das conversas com Zucolotto.

As delações ligam essa panela ao caso que resultou no despacho de Moro agora usado como trunfo de campanha de Flávio Arns.

Um dos fundamentos para a denúncia é uma gravação em que o chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, conta como funcionava o esquema de desvio de recursos de obras em estradas em benefício do então governador.

Quem gravou o chefe de gabinete foi o empresário Pedro Rache, interessado numa obra do Estado. A gravação foi divulgada pelo ex-deputado estadual Antônio Celso Garcia, velho conhecido de Moro, uma espécie de Alberto Youssef na versão mais provinciana.

Tony Garcia, como era conhecido, foi colaborador de Moro há cerca de 13 anos, depois de ser condenado por aplicar um golpe milionário através de um consórcio.

Para ter redução da pena e ganhar liberdade, ele aceitou gravar alvos pré-definidos pelo magistrado e pelo Ministério Público Federal.

As gravações foram usadas em outras denúncias e algumas se revelaram imprestáveis, já que eram com pessoas detentoras de foro privilegiado, longe do alcance de Moro.

O advogado de Tony Garcia era Antônio Figueiredo Basto, considerado o rei das delações da vara de Moro e que saiu de cena depois que doleiros o acusaram de cobrar US$50 mil por mês para ter proteção nos depoimentos de colaboração, na Polícia Federal e no Ministério Público Federal.

Com a investigação sobre Beto Richa, aberta depois das delações de executivos da Odebrecht, Tony Garcia reapareceu, com a gravação de Deonilson, o que complicou a situação de Richa.

Estas gravações com o chefe de gabinete não estão ligadas diretamente à colaboração do passado, mas provavelmente Tony Garcia orientou o empresário Pedro Racha e usar o mesmo expediente, transmitido a ele por policiais federais que agiam sob autoridade de Moro.

Tony costumava se aproximar dos alvos e uma das primeiras frases que falava é: “Vamos desligar o celular, assim temos certeza de que nenhum de nós será gravado”.

Só que Tony tinha um dispositivo de gravação que era acionado assim que o celular era desligado e, perto dali, policiais e procuradores acompanhavam toda a conversa, através de um microtransmissor.

Qual o interesse de Tony Garcia ao entregar à justiça de Moro esta gravação com o homem de confiança de Beto Richa?

Não está claro, mas, com a candidatura de Flávio Arns, já se sabe quem pode colher os maiores dividendos eleitorais: o amigo de Rosângela.

A Lava-Jato se tornou um instrumento de disputa política. Resta saber se com o conhecimento de juízes e procuradores.

Leia também
● “O cara” da Operação Lava-Jato é J. Malucelli, amigo de Moro e Beto Richa
● Não tem os amigos de Aécio e Serra: Tucano Beto Richa, ex-governador do Paraná e candidato ao Senado, é preso por corrupção

Uma resposta to “Paraná: Prisão de Beto Richa favorece aliado de Rosângela Moro na eleição ao Senado”

  1. Aristóteles Barros da Silva Says:

    Flávio Arns é velho conhecido dos paranaenses. Trata-se de “oportunista de carteirinha”, verdadeiro “biruta de aeroporto”. Voa para onde se lhe empurram os ventos. Vade retro!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: