Com os direitos políticos cassados, Dória usa ilegalmente estrutura de empresas do filho para campanha

O multifuncional Dória.

Via CBN em 30/8/2018

Na segunda-feira [27/8], pouco depois das 9 horas da manhã, João Dória chegava a um hospital particular na Zona Sul de São Paulo a bordo de um Kia Sorento. O SUV preto ganhou um adesivo com o nome e número do candidato no vidro de trás logo que começou a campanha. O veículo foi emprestado pela KIA Motors do Brasil para a Dória Administração e Eventos até 31 de dezembro deste ano e que o objetivo era divulgação como merchandising no transporte de participantes de eventos do grupo Lide.

O carro já tinha sido usado em agendas de campanha na quinta e sexta-feira da semana passada. E não foi o único emprestado de uma empresa – o que é proibido pela lei eleitoral. Na quarta-feira da semana passada, o tucano usou um Volkswagen Jetta que é da Dória Editora, que o ex-prefeito transferiu para o filho com três meses na prefeitura. A empresa tem como objetivo social a “edição de livros”.

Assim como ela, a Dória Administração e Eventos Ltda., criada com finalidade de alugar imóveis, também foi transferida para o filho em março do ano passado. A empresa com capital social de R$40 milhões tem um helicóptero, um Bell 429 preto com detalhes em dourado e as iniciais do candidato. Foi com ele que Dória partiu do hospital particular para dar entrevista a uma emissora de TV em Campinas.

Nenhum desses meios de transporte aparece na prestação de contas de Dória à Justiça Eleitoral, e nem devem aparecer, já que as empresas não são locadoras de veículos.

O uso de veículos emprestados de empresas é proibido pela lei eleitoral como explica o promotor Rodrigo Zílio, que é coordenador do gabinete eleitoral do Ministério Público do Rio Grande do Sul.

“Pessoas jurídicas elas não podem doar para campanhas eleitorais e nem para partidos políticos seja em dinheiro ou ainda doação estimável em dinheiro, que consiste em seção de bens móveis ou mesmo em seção de veículos. Tudo isso é proibido pela legislação eleitoral. Em havendo uma situação de uma empresa fazer doações para a campanha de candidatos, ainda que doação estimável em dinheiro, isso se caracteriza como uma captação ilícita de recurso eleitoral e pode ao fim, conforme as circunstâncias do caso concreto, levar a uma representação cuja a sanção é a denegação ou cassação do diploma”, diz ele.

Outra empresa que ajudou Dória na campanha foi a Maringá Turismo. A empresa cuidou de um jantar realizado na casa do dono, Marcos Arbaitman amigo do político há muitos anos. No evento para mais de 200 pessoas com serviço de estacionamento e comida grátis, um dos buffets mais famosos de São Paulo ofereceu sopa, macarrão, escalope de peixe e chocolamour. Na véspera do jantar, a CBN ligou para a Maringá Turismo e confirmou a presença com uma secretária da empresa e afirmou que se tratava de um evento da campanha de João Dória, embora não estivesse na agenda oficial.

[…]

Leia também
Com os direitos políticos cassados, Dória coleciona decisões duvidosas como gestor
Alckmin é chifrado no próprio ninho por dobradinha Dória-Bolsonaro em São Paulo

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: