Em 4 anos, Alckmin gastou R$28 milhões comprando jornais e revistas para distribuir em escolas

Jabá.

ALCKMIN GASTOU R$28 MILHÕES DA EDUCAÇÃO EM 4 ANOS COM JORNAIS E REVISTAS
Vinicius Segalla e Gustavo Aranda, via DCM em 28/8/2018

Em seu mandato como governador de São Paulo de 2011 a 2014, o candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, gastou R$28 milhões do orçamento estadual voltado para a Educação comprando sem licitação milhares de exemplares das revistas e jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo, Veja (Editora Abril), IstoÉ (Editora Três) e Época (Editora Globo).

As compras fazem parte de um programa de formação de docentes. No mesmo período, o Estado derrubou o valor global investido na formação de seus professores em 67,8%. Já o montante consumido anualmente com os jornais não teve qualquer queda.

De 2012 a 2015, de acordo com dados publicados pela Secretaria de Educação e pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, o recurso anual destinado ao treinamento dos docentes caiu de R$86,9 milhões para R$28,9 milhões. Já as compras de exemplares de periódicos não só não caíram como foram renovadas. Em novembro de 2015, só com a Folha e o Estadão, foram contratadas as compras de milhares de edições impressas diárias até 2017, a um custo adicional de R$6 milhões.

Como consta no “Relatório de Gestão 2011-2014“, da Secretaria de Educação, em seu mandato de 2011 a 2014, Alckmin gastou em dinheiro da Educação com as grandes empresas da mídia um valor de, no mínimo, R$28 milhões.

Para tanto, o governo fez uso do programa “Salas de Leitura”, voltado para a formação de docentes. É que os jornais e revistas seriam deixados em salas de professores de escolas da rede pública, para incentivar a leitura.

Assim, só em 2013, o Estado comprou 5.200 assinaturas do Estadão por R$1.554.800; outras 5.200 assinaturas da Folha pelo mesmo valor; e 5.200 assinaturas da Veja por R$669.240, perfazendo R$3,8 milhões.

Segundo o relatório – compilado pela Fundação Estadual para o Desenvolvimento da Educação (FDE) – que administra o “Salas de Leitura” –, também “participam do programa” as revistas IstoÉ e Época.

A justificativa para as compras, conforme o documento oficial: “A FDE é responsável pela distribuição às escolas estaduais dos jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo e das revistas Veja, IstoÉ e Época, com investimento de R$28 milhões, para formação e informação dos educadores.”

Já a explicação para ter feito a compra sem licitação é a de que tais produtos jornalísticos são únicos, não haveria no mercado concorrentes que pudessem resultar no mesmo objetivo buscado pelo Estado, qual seja, “formar e informar os educadores”.

O governo não informa, porém, por que tomou a decisão pela compra de tais publicações sem antes consultar a opinião dos próprios educadores que deveriam ser formados e informados pelos veículos escolhidos pelo Estado.

Cai investimento em formação de professores, mas não dinheiro para a imprensa
Assim, ao mesmo tempo em que tentava formar professores comprando exemplares da Veja e do Estadão, o governo Geraldo Alckmin derrubou o valor investido na formação dos docentes em 67,8%.

O próprio Estadão publicou reportagem sobre a derrubada no investimento em formação de professores promovida por Alckmin. Foi no dia 13 de julho de 2016. O título: “Estado de São Paulo reduz gasto para formar professores“. Todos os números da queda de 67,8% nos investimentos de formação dos docentes estão lá.

O que não consta na reportagem do jornal é a informação publicada no Diário Oficial do Estado do dia 28 de novembro de 2015, na página 42.

Quer dizer: enquanto reduzia para menos da metade seu investimento na formação de professores da rede pública estadual, o governo Alckmin estendia a até, pelo menos, 2017 seus gastos comprando edições impressas de periódicos. Mais R$6 milhões empenhados em compras só da Folha e do Estadão.

Ficam os jornais, perecem os cursos
Então, entre os anos de 2011 e 2015, todo o montante gasto anualmente pelo governo em formação de docentes despencou 67,8%. Já o que gastava comprando jornais, que é parte do orçamento dos programas de formação, não caiu nem um centavo, pelo contrário, teve seus contratos sem licitação prorrogados até 2017.

Assim, para a conta fechar, alguma outra ação do governo estadual em formação de docentes necessariamente sofreu uma redução orçamentária superior a 67,8%. Quer dizer: algum programa de formação foi preterido pelo governo em favor da formação por meio da leitura de veículos como Veja e IstoÉ.

O Estadão já informou o que fez o governo Alckmin para a conta fechar: cortou vagas em cursos de formação oferecidos a seus funcionários. “O número de inscrições em programas de aperfeiçoamento de professores do Estado caiu. Eram 104,6 mil docentes atendidos em 2012, ante 77,2 mil em 2015, queda de 26,2%. […] O ensino a distância (EAD), que responde pela maioria das inscrições, também teve queda. Em 2012, eram 73,2 mil vagas. Já em 2015, só 47,8 mil inscrições foram feitas.”

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: