GloboNews esconde que séries de reportagens “Em Movimento” é bancada por empreiteira citada na Lava-Jato

Programa da série “Em Movimento”, da GloboNews: CCR patrocinou. mas o espectador não é avisado.

Mauro Donato, via DCM em 9/8/2018

Você sabe o que é branded content? Sem nos alongarmos demais em tecnicismos, vamos definir como um tipo de ação de marketing na qual a criação de um conteúdo está diretamente relacionado ao universo de determinada marca que é, por óbvio, a responsável por financiar essa produção.

O objetivo do “conteúdo de marca” (branded content, em tradução literal) é estabelecer um relacionamento menos “comercial” com o público, desenvolver um “sentimento” em relação à marca. Tudo muito sutil e calculado. Vê-se muito em novelas.

A GloboNews estreou uma série chamada “Em Movimento”, que trata de mobilidade urbana e transporte público e é financiada pela CCR Grupo Camargo Correa.

O pacote envolve o G1.

Se no G1 uma tarja encabeça as matérias com a inscrição “Especial Publicitário”, na TV o patrocínio não está explícito. Nenhuma informação, nenhum logotipo no cantinho da tela, nem mesmo nos créditos finais.

A empresa que bancou o pacote é a CCR, citada na Lava-Jato por meio de delação de Adir Assad, “empresário” acusado de usar contratos fictícios firmados com empresas de fachada para direcionar dinheiro para empreiteiras pagarem propina a políticos (Assad disse que quem o aproximou da CCR foi Paulo Preto).

Além da Globo, quem tem se empenhado na divulgação da série é a InnerVoice Comunicação Essencial, especializada em desenvolvimento de conteúdo e pertencente ao Grupo Heads de publicidade. Eles negam que se trate de uma ação de branded content e sim de patrocínio.

O que o leitor pensa a respeito desse tipo de patrocínio velado associado ao jornalismo? Acredita que facilite a independência sobre um tema cujo patrocinador é diretamente interessado?

Ainda no período de apresentação da série, o repórter Vitor Ferreira declarou que o tema – mobilidade urbana – é muito importante e que precisa ser “acompanhado com lupa, pois já demos muitas notícias de casos de corrupção com essas obras que envolvem muito dinheiro público e precisamos acompanhar, sobretudo em ano eleitoral, para cobrar dos nossos candidatos”.

Bem, se é assim, será que algum episódio da série revelará que no início deste ano o Sindicato dos Metroviários informou com mais de uma semana de antecedência que a CCR venceria a licitação de concessão para operar mais duas linhas de metrô em São Paulo, além de outra que já operava e cujo contrato foi usado como base para a formulação do edital?

Algo como passar a responsabilidade de elaboração das questões de uma prova ao aluno que irá preenchê-la.

A CCR é um caso fantástico de empresa afortunada, pois ela ganha nas duas pontas: como construtora vence para fazer as obras e, espantosamente, vence também para administrar a operação dos trens.

A série que pretende “aprofundar e enriquecer o debate sobre mobilidade e infraestrutura urbana” trouxe já no primeiro episódio “os desafios da integração no transporte público (metrô, ônibus e trem)”.

No estágio mais que atrasado em que estamos, a demanda por metrô ficará evidente, certo? E quem foi o único empreiteiro entrevistado no programa? O presidente da CCR.

“O metrô é o meio de transporte urbano seguro, limpo e de qualidade consagrado internacionalmente. Mas apenas seis cidades brasileiras têm rede de metrô. Basta esse exemplo para que se torne evidente a necessidade de abrir a discussão sobre que futuro queremos construir nas concentrações urbanas brasileiras”, diz Francisco Bulhões, diretor de Comunicação e Sustentabilidade do Grupo CCR e presidente do Instituto CCR.

E quem constrói metrôs, estradas, túneis, viadutos, quem, quem? A CCR, veja você que coincidência.

Em meio a semana que temos notícia de que outros 170 jornalistas foram demitidos numa tacada só, Eurípedes Alcântara, CEO da InnerVoice, afirmou o seguinte no release de apresentação da série de reportagens: “Só o jornalismo rigoroso, independente e de qualidade é capaz de lidar com essas questões colocando o interesse maior do público em primeiro lugar”.

É muito curiosa essa afirmação vinda não da emissora jornalística, mas da empresa de propaganda cujo cliente financia o programa.

Eurípedes foi diretor da revista Veja da Editora Abril durante anos, a mesma Abril que demitiu os 170 jornalistas enquanto ele agora produz conteúdo pago e enaltece “jornalismo independente”.

A Globo não deixar esses aspectos transparentes já é uma tradição. É o que se pode verificar na campanha “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é tudo”, na qual não se sabe exatamente qual a mensagem, o que está sendo “vendido” e, sobretudo, quem está pagando por aquilo (é a bancada ruralista, caro leitor, que carrega consigo grandes empresas anunciantes e que, não coincidentemente, aprovou sem grandes dificuldades a lei que afrouxa o uso de agrotóxicos).

A publicidade não é, evidentemente, um mal em si, mas a linha que separa o que é informação jornalística, o que é conteúdo pago, o que é publicidade, não pode ser tênue a ponto de ficar invisível.

Release da série bancada pela CCR na Globo.

 

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: