Estadão não esconde “dor de cotovelo” por mau desempenho de Alckmin

Fernando Brito, via Tijolaço em 10/8/2018

A manchete do Estadão, hoje [10/8], é quase um lamento pela chance que Geraldo Alckmin teve de mudar a impressão geral de nada do que se faça por ele consegue desfazer a sua falta de capacidade de empolgar e convencer as pessoas.

Vai ser difícil esperar um crescimento expressivo nos tucanos que as pesquisas, inexplicavelmente postergadas, pudessem atribuir ao seu desempenho televisivo, uma vez que a aliança com o centrão não vitaminou os índices do ex-governador paulista.

Por isso, mais que por qualquer coisa, justifica-se uma análise do debate de ontem que, ao fim e ao cabo, pouca importância de massa tem além de uma primeira impressão sobre os candidatos que se engalfinham para ter a vitória ungida pela Justiça, que tirou Lula do páreo, e não por sua capacidade.

Millôr Fernandes, numa daquelas suas frases ferinas, disse que “muito mais importante que ser genial é estar cercado de medíocres”.

O debate de ontem na Bandeirantes era a ocasião por excelência para alguém brilhar e meio à mediocridade.

Mas, ao que parece, a mediocridade espalhou-se ali como um vírus destes de epidemia que não poupa ninguém.

Ciro Gomes, que tinha capacidade para destacar-se ali com o apelo nacional, popular e democrático, arranjou uma “ideia-força” de marqueteiro, a de anistiar os brasileiros inscritos no cadastro do SPC para se agarrar durante todo o debate, como se isso fosse a panaceia da economia. Claro que é possível até mesmo fazer algo neste sentido, mas o alívio da situação de inadimplência é, essencialmente, fruto da retomada da atividade econômica. Até porque, sem isso, é como enxugar gelo.

Perdeu a chance de, assumindo ser uma voz pelo direito de Lula participar da eleição, reduzir as arestas que criou à esquerda e os ressentimentos dos simáticos ao ex-presidente.

Boulos, logo na abertura do debate (e depois não mais, até para minha surpresa) fez a menção a “Lula estar preso e Temer estar solto”, mas também não se aprofundou ou insistiu na questão central deste processo eleitoral: a de que ele se dá com a interdição da maior força política do país e com o evidente objetivo de dar formalidade a um projeto de dominação do povo e desmonte do país.

Jair Bolsonaro, ao que parece, não teve problemas com a sua incapacidade de expressar-se de forma articulada. Seu eleitor também não tem capacidade de entender argumentos e, portanto, estão ambos entendidos no reino da estupidez. Ninguém, exceto Boulos no primeiro bloco, quis confrontá-lo.

Henrique Meirelles é patético, incapaz de falar sobre qualquer coisa que não seja uma ridícula autolouvação em que se apresenta como o responsável pelo sucesso dos governos de Lula. Um amigo disse-me que Meirelles parece ser alguém que “só escreve no Excel, não no Word”.

Álvaro Dias fez exatamente o que se tinha antecipado aqui. Fez da Lava-Jato e de Sérgio Moro os sucedâneos de Hugo Henrique, o cão bichon frisé com que sustentou sua candidatura ao Senado em 2014. Bateu no PSDB sem nenhum pudor, num espetáculo de amnésia de ter sido, por anos e anos e até há pouco, também ele um tucano.

Marina Silva é mais do mesmo: fria, antipática e destino ideal para as perguntas de quem não quer “fazer marola” e que o debate não “esquente”. Foi e é o acompanhamento ideal para o “chuchu” Alckmin.

Este, a meu ver, foi o grande perdedor.

Incapaz de imprimir emoção, deixo que dele fale a tucanérrima Vera Magalhães, do Estadão, que lhe dá o penúltimo parágrafo de sua análise do debate, acima apenas da ausência de Lula:

O tucano procurou se manter propositivo, mas soou professoral e pouco didático. Enfileirou uma série de siglas de difícil compreensão para o eleitorado comum e evitou revidar na mesma moeda as chineladas [muito leves, diz este blog] que recebeu. Soou frio e burocrático a maior parte do tempo.

Era dele a chance de brilhar, demonstrando-se enérgico, capaz, convincente.

Ah, por fim, o candidato a “meme”, o tal Cabo Daciolo, com direito a criação da inédita “União das Repúblicas Socialistas da América Latina”, a ser combatida “em nome de Jesus”.

Pobre Cristo, não merecia esta cruz…

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: