Agonia em praça pública: Demissões em massa na Editora Abril

Roberto Civita (centro) entre os filhos e diante do busto do fundador Victor, removido do edifício.

Miguel Enriquez, via DCM em 6/8/2018

Menos de três semanas depois de ter assumido a gestão do grupo Abril, a consultoria norte-americana Alvarez & Marsal mostra a que veio: na manhã de segunda-feira [6/8], os funcionários da família Civita estão sendo comunicados de um corte gigantesco no quadro de pessoal.

Ele é estimado entre 500 e 840 cabeças, abrangendo, além da editora, outros negócios, como a área de logística e distribuição de revistas. As demissões começarão oficialmente, na próxima quarta-feira, 8.

Na mesma segunda pela manhã, no entanto, uma fila de mais de 50 funcionários aguardava o exame médico demissional.

Como antecipou o DCM no dia 19 de julho, o portfólio de publicações sofrerá uma razia.

Concluídas as dispensas, só sobrarão sete títulos: Veja, Exame, as femininas Cláudia e Saúde, além de Quatro Rodas, Vip e Placar, algumas delas apenas na versão digital.

Paralelamente, estão cada vez mais fortes os indícios de que os herdeiros de Roberto Civita estão decididos a entrar com um pedido de recuperação judicial do grupo.

Giancarlo, o primogênito, que entregou a presidência executiva da Abril para o consultor Marcos Haaland, da Alvarez & Marsal, vem mantendo reuniões com as diretorias dos principais bancos credores comunicando sua disposição de recorrer a essa alternativa diante da situação financeira calamitosa da companhia fundada pelo avô Victor Civita.

A Abril deve na praça mais de R$1 bilhão em compromissos que devem ser honrados até 2022, acumulou prejuízos de R$768,1 milhões nos últimos três anos e registrou um patrimônio negativo de R$715,9 milhões, no balanço de 2017.

***

OS BASTIDORES DO CORTE DE REVISTAS E DAS DEMISSÕES EM MASSA NA EDITORA ABRIL
Publicações como Elle e Mundo Estranho deixarão de circular. Na Veja, que não será extinta, a meta é eliminar algumas centenas de milhares de reais em folha de pagamento, o que envolveria a demissão de editores com muitos anos de casa e com altos salários.
Graciliano Rocha, via BuzzFeed Brasil em 6/8/2018

O Grupo Abril, maior editora de revistas do país, está efetuando um corte em massa no seu portfólio de publicações e a demissão de um número ainda incerto de funcionários. Segundo as primeiras informações, Veja, Exame e Cláudia continuarão sendo publicadas, mas os cortes atingirão ao menos dez outras revistas da Abril.

O BuzzFeed News apurou que o total de demitidos ou de prestadores de serviço dispensados estaria entre 550 e 600 pessoas – cerca de 150 ou 170 jornalistas, entre eles. O comunicado oficial do grupo não detalha o número. Em nota, o Sindicato de Jornalistas de São Paulo repudiou a demissão em massa de “dezenas de jornalistas.”

O movimento de enxugamento, o maior de um grande grupo brasileiro de mídia na história recente, acontece menos de duas semanas depois que os credores da Abril, principalmente bancos, promoveram uma intervenção branca no grupo, afastando a família Civita dos postos de direção.

Os cortes estão sendo liderados por Marcos Haaland, da empresa de consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, que ocupa a presidência executiva desde o dia 20 de julho, quando substituiu Giancarlo Civita. Na ocasião, Victor Civita Neto também renunciou ao posto de presidente do conselho editorial.

As revistas a serem fechadas serão Cosmopolitan, Elle, Boa Forma, Mundo Estranho, Arquitetura e Construção, Casa Cláudia, Minha Casa, além dos sites Casa.com, Educar para Crescer e Bebe.com.

A descontinuidade foi anunciada em uma reunião interna com funcionários na manhã de segunda-feira [6/8]. Na nota oficial, o grupo afirmou que os cortes fazem parte de um processo de reestruturação com objetivo de “garantir a saúde operacional em um ambiente de profundas transformações tecnológicas”.

O BuzzFeed News apurou que haverá cortes de pessoal mesmo nas publicações que não serão extintas. Na Veja, por exemplo, a meta é eliminar algumas centenas de milhares de reais em folha de pagamento e custeio por mês. Isso envolveria, inclusive, a demissão de editores com muitos anos de casa e com altos salários.

A agonia da Abril foi descrita, em letra impressa, no balanço do grupo publicado em 30 de abril. Nele, a consultoria PricewaterhouseCoopers afirmou que existe uma “incerteza relevante relacionada com a continuidade operacional” do grupo.

A Abril e suas controladas fecharam 2017 com R$368 milhões no vermelho. Em 2016, o prejuízo já havia sido quase idêntico, R$367 milhões. Segundo o balanço, o patrimônio líquido do grupo fechou negativo em R$715 milhões. A íntegra está aqui.

Graciliano Rocha é editor de Notícias do BuzzFeed, Brasil.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: