Doutor Bumbum promoveu Bolsonaro, votou em Aécio, pregou derrubada de Dilma e pediu prisão de Lula

O médico Denis César Barros Furtado, fala à imprensa após ser preso na 16° Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca.

Em junho de 2017 ele aconselhou: “Julgue seu médico também pela ética em que este trabalha”.

Mário Magalhães, via The Intercept Brsil em 25/7/2018

Um tipo manjado costuma frequentar o transporte público: o sujeito que, ao perceber um velhinho ou uma mulher com barrigão de grávida se aproximando, finge cochilar, para não ceder o banco onde está sentado. Na hipótese mais generosa, torce para que outro passageiro se levante. Na mais egoísta, prefere que se dane quem necessita mais do assento do que ele.

Na imprensa também há quem afete um cochilo para não contar as histórias por inteiro. É o caso do relativo silêncio sobre o febril ativismo político, nas redes (antis)sociais, do médico Denis Cesar Barros Furtado. Conhecido como Doutor Bumbum, apelido que lhe “dá muita alegria”, ele foi preso na quinta-feira, indiciado por homicídio doloso qualificado de Lilian Calixto. A bancária de 46 anos morrera na madrugada do domingo anterior, horas depois de se submeter a uma intervenção estética de incremento dos glúteos conduzida por Furtado numa cobertura residencial na Barra da Tijuca.

A omissão acerca da militância digital talvez se justificasse pelo receio de generalizar: todos os que se identificam com o ideário de Furtado aprontariam como ele (é óbvio como peruca de ministro do Supremo que essa comunhão inexiste). O raciocínio é débil. Levado ao extremo, implicaria calar sobre o episódio, pois um desmiolado poderia interpretar que todos os médicos são trambiqueiros e eventualmente assassinos (mais uma estultice).

É compreensível, e recomendável, que os perfis jornalísticos do caricatural Doutor Bumbum assinalem a contradição entre suas promessas de beleza e saúde e os resultados concretos de frustração e morte. Mas não é igualmente relevante expor o abismo entre a pregação dele contra violações éticas e, conforme numerosos fatos e acusações, a condição cínica de useiro e vezeiro em práticas dessa natureza?

Furtado imprimiu nas redes as digitais de seus pensamento e caráter. É um provinciano hedonista dado a se fotografar com bíceps avantajados e um cérebro bem menor do que o do fortão Popeye alimentado a espinafre. O deslumbramento ególatra disfarça o pragmatismo da sua atividade na internet, voltada à autopromoção e ao proselitismo político.

O parlapatão apregoa seus tratamentos que ofereceriam benefícios com aura miraculosa, sem desprezar o expediente ladino das fotos de bundas “antes” e “depois”. Seus anzóis fisgam gente desconsolada com as imperfeições de seus corpos, como se corpos perfeitos pudessem ter algum encanto. Um passeio pelos perfis de Denis Furtado no Instagram e no Facebook o radiografam. Eles são as fontes primárias da maioria das citações aqui reunidas.

“Cansado de mentiras e roubos”
Em março de 2015, o médico postou uma foto de protesto em Brasília onde um manifestante desfraldava uma bandeira com o slogan “Fora, Dilma”. E bravateou: “ […] Estamos cansados de tantas mentiras e roubos!”

Imagem do perfil de Denis Furtado no Instagram.

Sabe-se agora que uma pessoa que trabalhou como enfermeira para ele declarou que o patrão “ficava com parte dos produtos” que as pacientes lhe compravam. “Ele vendia 500 ml de metacril e aplicava 300 ml”, disse Wanessa Ribeiro Reis. “O restante do produto ele vendia novamente para outras mulheres.”

Em março, uma juíza de São Paulo condenou-o a pagar R$12,2 mil a duas pacientes que receberam dose menor do que a combinada em tratamento hormonal. O Doutor Bumbum foi punido com sua mãe, Maria de Fátima Barros, médica cujo registro no Conselho Regional de Medicina havia sido cassado. Ela teria participado do procedimento depois do qual Lilian morreu. Seu filho não poderia trabalhar no Rio, pois não tem autorização do Cremerj; seus registros ativos são de Goiás e do Distrito Federal.

Em março de 2016, em diapasão justiceiro, Furtado distribuíra mensagem do Movimento Contra Corrupção: “Teori Zavascki, indicado por Dilma, dá mais um golpe – Cuspiu na cara de quem paga impostos! Riu de quem foi às ruas! Pisou na Constituição! Se você tem vergonha de ele ser ministro do STF, compartilhe!”

O Doutor Bumbum aconselhou, em junho de 2017: “Julgue seu médico também pela ética em que este trabalha, valorizando a avaliação médica presencial para garantir resultados de excelência e qualidade”.

“A paciente saiu rígida do meu consultório; ela saiu íntegra”, ele alegou em vídeo que veiculou pouco antes de ser preso – Lilian Calixto morreu no Hospital Barra D’Or. Acontece que o Doutor Bumbum operava em casa, não em ambiente hospitalar seguro ou num “consultório”. Faz dez anos que ele não paga o condomínio da sua cobertura na Barra. A dívida gira em torno de meio milhão de reais, calculou a Justiça.

“Cidadão brasileiro honesto”
O Doutor Bumbum, contudo, arrota ser um varão da honestidade. Em março de 2015, passou adiante uma mensagem oposicionista: “Eu sou um cidadão brasileiro honesto. Eu sou contra o PT. Simples assim”. Na 16ª Delegacia Policial do Rio, uma mulher denunciou o médico por não restituir o dinheiro que ela adiantara para um procedimento de que desistiu. Outra, desconfiada após uma consulta, também pediu a devolução. Sem sucesso, perdeu R$9,3 mil.

Em agosto de 2015, Furtado criticou quem não apoiava aumento salarial para delegados federais por não fazer “sua parte contra a corrupção”. Em março do ano seguinte, aderiu a manifesto de apoio ao juiz Sérgio Moro e à Lava-Jato. Fizera coro com o desabafo: “Segundo aumento de combustíveis em 15 dias. O PT rouba e quem paga é você”.

Furtado aplicava PMMA, ou o palavrão de nove sílabas polimetilmetacrilato, nas bioplastias de glúteos. A Sociedade Brasileira de Dermatologia e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica não recomendam o emprego de tal substância com objetivo estético. Seu uso em grande quantidade pode causar morte, adverte o Conselho Federal de Medicina.

Mas a calamidade, brama o Doutor Bumbum, é o programa Mais Médicos. Em fevereiro de 2015, esse “cidadão de bem” afligiu-se: “Se por nenhum motivo plausível o PT trouxe médicos cubanos sem revalida de diploma, e muitas vezes até sem diploma para o Brasil, muito em breve, por sua própria metodologia de certificação, estará trazendo professores cubanos”.

Furtado não vai com cara de cubano, ainda que nascido na Argentina. Em fevereiro de 2014, malhou o Che Guevara. Dali a dez meses, perguntou: “Desmilitarização das polícias: você é contra ou a favor?” Ensinou: “Devemos ficar muito atentos a essa questão. Será esse um passo decisivo para a instalação de um golpe comunista no Brasil. Fica o alerta!” Em agosto de 2015, os brasileiros corriam o risco iminente, preveniu o Doutor Bumbum, de serem “escravos do comunismo ditatorial”.

Imagem do perfil de Denis Furtado no Instagram.

A mesma postagem louvou a ditadura. Quer dizer, compartilhou um vídeo nostálgico do “Regime Democrático Militar”. Na tela, sucedem-se fotos dos ditadores, inclusive do mais carniceiro, Emílio Garrastazu Médici. E rememora-se um dos bordões mais desprezíveis do governo: “Brasil: ame-o ou deixe-o”.

Imagem do perfil de Denis Furtado no Facebook.

O Doutor Bumbum é uma chorosa viúva da ditadura. Ele propagou em outubro de 2014 uma declaração – com pinta de fake – do ditador Ernesto Geisel: “ […] Chegará um tempo que o povo sentirá saudade do Regime Militar”. Furtado, de 45 anos, sente. Era “uma época linda aonde [sic] todos se respeitavam e prosperavam”. Ele posta fotos trajando seu uniforme militar de tenente médico do Exército.

Imagem do perfil de Denis Furtado no Facebook.

O médico promove outras carpideiras, como o deputado Jair Bolsonaro. Em dezembro de 2014, postou vídeo com discurso do antigo capitão do Exército amaldiçoando os direitos humanos. O hoje candidato à Presidência dirigiu-se à deputada Maria do Rosário: “Eu falei que não iria estuprar você porque você não merece”. Furtado difundiu um queixume: “Militância: PT, LGBT, além de acusar Bolsonaro de assassino, o agridem fisicamente e verbalmente. E eles dizem que a direita é quem estimula a violência”.

Imagem do perfil de Denis Furtado no Facebook.

“O MST é uma quadrilha”
Petistas, como Maria do Rosário, são os alvos preferenciais do Doutor Bumbum, que em dezembro de 2014 espalhou um vídeo sobre o duvidoso “triplex do Lula”. Em junho de 2016, ele queria o ex-presidente “na cadeia”. Em agosto de 2015, republicara montagem mostrando Dilma Rousseff atrás das grades. Um mês depois, clamou por “impeachment já”.

Antes, supusera que a presidente soçobraria nas urnas. Às vésperas do segundo turno, augurou: “Uma semana para o fim da vergonha”. Exibiu em suas redes um pronunciamento de Aécio Neves na reta final da campanha. Em novembro, na ressaca da derrota, ecoou outra gravação do tucano. Ignoro se mais tarde ele vestiu a camiseta com a inscrição “A culpa não é minha: eu votei no Aécio”.

O Doutor Bumbum já colecionava sete anotações criminais contra si na polícia, entre elas uma por suspeita de homicídio e outra por porte ilegal de armas – ele abomina o estatuto do desarmamento. No ano passado, policiais encontraram na residência dele em Brasília duas pistolas e uma espingarda, todas sem registro. Em 1997, o médico e sua mãe foram suspeitos do assassinato do companheiro dela, crime não elucidado.

Mãe e filho estão hoje em cana devido à morte de Lilian Calixto. No domingo, ele fugiu às pressas, arrancando com seu carro a cancela de um shopping. A terceira pessoa presa é Renata Fernandes Cirne, secretária e namorada de Furtado. Há indícios de que Renata o teria auxiliado no procedimento no corpo da bancária que viajou de Cuiabá ao Rio para ser atendida pelo Doutor Bumbum.

O Barra D’Or informou que Lilian chegou ao hospital com falta de ar, taquicardia e pele azulada. Ela teve ao menos três paradas cardíacas antes de morrer. O laudo do Instituto Médico Legal definiu como inconclusiva a causa da morte.

Enquanto permanecer encarcerado, Furtado terá de dar um tempo em seus sermões digitais. Em fevereiro, ele compartilhou um artigo, mezzo linha-dura, mezzo ficção, versando sobre “por que a esquerda se esforça tanto em defender bandidos comuns, ladrões, assaltantes e até pedófilos”.

Continuam no ar opiniões como “o MST é uma quadrilha” (palavra de quem foi indiciado também por associação criminosa). A expressão indigente “mimimi”. Vídeos do cardiologista Enéas Carneiro, transformado post mortem em totem da extrema direita, e do MBL, pró-redução da maioridade penal. Apelos de grupos e comunidades como Vem Pra Rua, Direita Vive 3.0 e Destra Corporação (essa vende roupas com a ameaça “Se essa rua fosse minha, nem petista nem feminista ia pisar”). Sobrevive a previsível ironia de Furtado, a respeito de um adolescente apreendido: “Tá com pena? Leva pra sua casa”. E outra, mencionando “o tão chamado ‘golpe’” contra Dilma.

Ao se defender nas redes, antes de ser encontrado pela polícia e ir para o xilindró, o Doutor Bumbum esbravejou: “Eu estou sendo julgado por um crime que eu não cometi”. “Me caluniam e difamam”. “Esses serão punidos pelo homem e também por Deus”.

Na segunda-feira [23/7], seu perfil no Instagram somava 666 mil seguidores.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: