Luiz Felipe Miguel: A direta de Alckmin quer aprofundar os retrocessos, sem ceder nada

Luiz Felipe Miguel em 20/7/2018

Acho engraçado esse negócio de “centrão”. Em que mundo aqueles partidos são de centro? Só na novilíngua do noticiário político brasileiro, em que Ciro Gomes é “radical”, Lula é “extremista” e Boulos, “terrorista”.

São partidos de direita com comportamento acentuadamente fisiológico – outra expressão curiosa, um eufemismo brasileiro que indica aquela zona cinzenta entre o oportunista e o corrupto.

É mais um “Gelatinão” do que qualquer outra coisa. Um paradoxo, na verdade: o “centrão” é a manifestação organizada da geleia geral da política partidária brasileira.

Agora, rifam Ciro e decidem apoiar Alckmin. O candidato do PSDB ganha algum gás e encerra, ao menos por enquanto, a ofensiva para substituí-lo por Dória. O preço que paga é ter seu eventual (ainda improvável) governo tutelado por seus novos parceiros; seu programa, que a imprensa vai chamar de “liberal”, só poderá ser a manutenção, ampliação e blindagem da rapinagem da elite política sobre o Estado brasileiro.

Mas não se sabe se o apoio será o suficiente para erguer sua campanha – os tucanos andam chamuscados demais para conseguir alçar voo.

Ciro sai mal da história, sem os apoios ambicionados e com dificuldade para recuperar seu discurso à esquerda.

Mas a lição principal é que os partidos da direita fisiológica também fecham as portas para uma saída negociada da situação aberta com o golpe. Ciro tentava se posicionar como o arauto de um novo lulismo, capaz de conciliar os contrários e pacificar o país. Um lulismo diferente, é claro, adaptado à sua persona, sem a barreira que o preconceito de classe gerava, com um toque mais tecnocrático e menos popular. Mas com o mesmo espírito, de uma pactuação que incorporasse todos sem ameaçar ninguém.

A manutenção de Lula como preso político, nas circunstâncias que todos conhecemos, mostra que a classe dominante brasileira fecha as portas para esta repactuação, tal como proposta por Lula. Ciro já enfrentava o desagrado de muito do empresariado e, agora, ganha a rejeição formal da elite política: seu próprio projeto de repactuação não encontra eco.

O caminho deles, está dito e redito, é aprofundar os retrocessos, sem ceder nada, sem conceder nada.

***

GREGNEWS: “CENTRÃO”, A DIREITA PARASITA
Via Meu Professor de História em 21/7/2018

Uma análise bem-humorada do “centrão” (que na verdade é de direitão parasitão) do Congresso Nacional, conhecidos também como a turma mais oportunista de Brasília!

***

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: