Bernardo Mello Franco: O paraíso das delações furadas

Estardalhaço da mídia de uma delação sem provas.

Delcídio Amaral não provou nada do que disse, mas se livrou da cadeia e passeia de Harley-Davidson. Se quiser evitar novas delações furadas, a Justiça deveria rever seus benefícios.

Bernardo Mello Franco em 15/7/2018

Dedo-duro, X-9, linguarudo, ganso. A Lava-Jato reabilitou a figura do delator, o criminoso que entrega os comparsas para se safar da cadeia. As colaborações premiadas ajudaram a desmontar quadrilhas e a encontrar dinheiro no exterior. O instrumento deu bons resultados, mas começa a demonstrar seus furos.

Na quinta-feira [12/7], a Justiça Federal absolveu o ex-presidente Lula e o banqueiro André Esteves da acusação de obstruir investigações. A denúncia era baseada na delação do ex-senador Delcídio do Amaral, que chegou a ser preso em flagrante no fim de 2015.

Para o juiz Ricardo Leite, o delator não foi capaz de apresentar provas do que disse, como exige a lei. “A colaboração premiada, bem como o testemunho de outros réus, não possui credibilidade suficiente para qualquer juízo condenatório”, escreveu o titular da 10ª Vara Criminal de Brasília.

Na sentença, Leite lembrou que palavra de delatores deve ser analisada “com ressalvas”, e só pode ser aceita se estiver acompanhada de “provas idôneas”. É uma obviedade, mas obviedades costumam ser esquecidas quando há muita pressa para denunciar.

Em junho, o Supremo absolveu a senadora Gleisi Hoffmann e o ex-ministro Paulo Bernardo. Eles haviam sido acusados sem provas por dois superdelatores da Lava-Jato: Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. “São tantas as incongruências e as inconsistências nas delações que elas se tornam imprestáveis para sustentar qualquer condenação”, disse o ministro Ricardo Lewandowski.

A Polícia Federal também apontou problemas no acordo de Sérgio Machado, o ex-presidente da Transpetro. Ele ajudou a entender o impeachment quando gravou o senador Romero Jucá dizendo que era preciso “estancar essa sangria”. No entanto, não conseguiu provar as acusações contra figurões do MDB.

Se quiser evitar novos fiascos, a Justiça terá que decidir o que fazer com os autores das delações furadas. Hoje eles continuam a desfrutar o paraíso dos alcaguetes. Delcídio passeia de Harley-Davidson, Paulo Roberto descansa em Itaipava e Sérgio Machado curte o sol de Fortaleza.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: