“Suicídio acontece”, diz Bolsonaro sobre assassinato de Herzog na ditadura

Via DCM em 7/7/2018

Em entrevista ao programa de Mariana Godoy, Jair Bolsonaro teceu comentários acerca do assassinato de Vladimir Herzog nas instalações do DOI-Codi, em 1975, após ser seviciado.

Há dias, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil por negligência na investigação.

“Alguns inocentes acabaram tendo um fim que não mereciam, no meu entender. O caso Vladimir Herzog, muitos falam que ele praticou o suicídio”, declarou.

“Lamento a morte dele, em que circunstância, se foi suicídio ou morreu torturado. Suicídio acontece, pessoal pratica suicídio”, afirmou.

Mariana ouve aquele longo solo, mentiroso do início ao fim, canalha, ignominioso, e lhe pergunta se não acha importante reconhecer o que aconteceu.

“Me define o que é ditadura? Nós tínhamos liberdade de ir e vir”, argumenta.

“Por exemplo: a TV Globo nasceu em 65. Qual órgão imprensa nasceu em qualquer ditadura do mundo?”

Herzog era “um colaborador”, segundo o candidato, e o pessoal se “vitimiza”. A Anistia já resolveu tudo: “Essa é uma história que passou”.

Bolsonaro ainda defendeu a tortura. É preciso “parar de dar tratamento humano para quem não é ser humano”, segundo ele.

Etc. etc.

Jair tem um longo caminho enquanto tiver pela frente entrevistadores que o tratam como um tiozão esquisito, dando risadas a cada barbaridade que sai de sua boca, e não como uma ameaça à democracia.

***

BOLSONARO, O “SUICÍDIO” DE HERZOG, E OS TESTES DE MARKETING DA BARBÁRIE FASCISTA
Kiko Nogueira, via DCM em 7/7/2018

O escritor Fintan O’Toole, colunista do Irish Times, fez um belo artigo sobre Donald Trump.

Trump, diz O’Toole, está realizando ensaios fascistas que servem a dois propósitos.

“Eles acostumam os indivíduos a algo que inicialmente rechaçariam; e também permitem que se refinam e calibrem as ações”, escreve.

“O fascismo não surge de repente em uma democracia consolidada. Não é fácil convencer as pessoas a desistirem de seus ideais de liberdade e civilidade”.

Segundo O’Toole, “é preciso enfraquecer as barreiras morais, acostumar as pessoas a aceitarem fatos de extrema crueldade. Como os cães de caça, é preciso acostumá-las ao gosto do sangue. Elas precisam experimentar a selvageria.”

Isso vale para Jair Bolsonaro.

Bolsonaro foi acostumando os ouvidos da audiência com ignomínias sobre negros, gays, mulheres.

A mídia ajudou a normalizar seu discurso incivilizado. Sequer é chamado de extrema direita.

O sujeito foi aplaudido numa sabatina da Confederação Nacional da Indústria – não pelas ideias, que ele não as tem, mas pelas bravatas.

“Não quero botar um busto do Che Guevara no Palácio do Planalto”, falou, como se isso fizesse algum sentido.

“Hoje estão tirando nossa alegria de viver, não podemos mais contar piadas de afrodescendentes, de cearenses, de goianos”. Palmas para ele.

Na entrevista a Mariana Godoy na RedeTV, Bolsonaro passeou à vontade com seu terno fascista.

Arrancou, no máximo, risadas da entrevistadora e de seu estafeta quando defendeu, na maior, que Vladimir Herzog tinha cometido suicídio.

“Lamento a morte dele, em que circunstância, se foi suicídio ou morreu torturado. Suicídio acontece, pessoal pratica suicídio”, afirmou.

Herzog era “um colaborador” (do quê?) e esse pessoal se “vitimiza”. A Anistia já resolveu tudo: “Essa é uma história que passou”.

Há dias, a Corte Interamericana de Direitos Humanos determinou que o Estado brasileiro apure, julgue e, se for o caso, puna os responsáveis pela execução de Herzog.

Em outubro de 1975, o jornalista, membro do Partido Comunista Brasileiro, apresentou-se voluntariamente para depor no DOI/Codi, em São Paulo.

Foi interrogado, torturado e finalmente executado. Tinha 38 anos.

Uma farsa foi montada para simular um suicídio. Daí a famosa foto de Herzog “enforcado” a uma altura de 1,68. O laudo foi forjado. Seu corpo estava coberto de hematomas. O horror, o horror.

A viúva está viva. O filho, Ivo, também.

Essa excrescência proferida por JB deveria provocar uma onda de indignação na sociedade. Não aconteceu nada.

A começar por Mariana e seu ajudante, que tocaram seu barquinho como se tivessem ouvido daquele tiozão a piada do pavê.

Milhões estão aprendendo a pensar o impensável, aponta Fintan O’Toole em seu texto.

“Eles já cruzaram, em suas mentes, os limites da moralidade. Eles são, como Macbeth, ‘aprendizes nesse ofício’. Entretanto, esses testes serão refinados, os resultados analisados, os métodos aperfeiçoados, suas mensagens acentuadas. Só então suas façanhas poderão ser realizadas”, avisa.

A barbárie está instalada. Bem-vindo.

***

Dias depois do assassinato de Herzog, José Maria Marin faz discurso elogiando a ditadura e critica a TV Cultura

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: