Claudio Tognolli, que vazou o telefone do desembargador, é o mesmo que divulgou os exames de dona Marisa

JORNALISTA DEDO-DURO PODE SER IMPEDIDO DE EXERCER A PROFISSÃO
Via Dever de casa em 9/7/2018

Dedo-duro já foi repreendido pelo chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Ações na Fenaj podem resultar em punição mais dura

O jornalista e professor da Escola de Comunicação e Artes da USP Claudio Tognolli pode perder o direito de exercer sua profissão. O motivo é a atitude deplorável de agir como dedo-duro do desembargador Rogério Favreto, que autorizou a liberdade de Lula. Tognolli postou no Twitter o telefone do magistrado, com o claro e criminoso fim de jogar o povo contra essa autoridade do TRF4. Após receber milhares de represálias por conta disso nas redes sociais, Tognolli se acovardou e apagou a deduragem que postara.

Vários profissionais de imprensa, em particular de São Paulo, onde Tognolli atua, sinalizam que vão impetrar ações na Comissão de Ética do sindicato do dedo-duro e na Fenaj. Cristian Góes – membro titular da Comissão Nacional de Ética (CNE) da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) – já anunciou no Facebook que vai propor a abertura de um processo para apurar o caso.

O objetivo de tais ações é expulsar Tognolli dessas entidades ou aplicar-lhe alguma outra dura punição que o impeça de continuar a usar o jornalismo para a promoção de crimes, como é o caso da incitação à violência que ele patrocinou com sua deduragem.

Repreendido na USP
Segundo o site da Fórum, o jornalista Dennis de Oliveira, chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), publicou Nota em que repudia a atitude do jornalista dedo-duro. Leia, após o anúncio.

“Eu, Dennis de Oliveira, chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração, jornalista, não concordo e repudio essa publicação do celular do desembargador na rede social. Acredito que o debate político e jurídico não pode ser feito a partir dessas tentativas de criar linchamento de pessoas. Esse não é o jornalismo que ensinamos na ECA e essa postura não corresponde à visão do curso de jornalismo da USP que temos implementado.”

***

A seguir, notícia de 26/1/2017 da Folha de S.Paulo.

CONSELHO APURA VAZAMENTO DE TOMOGRAFIA DE MARISA
O Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) abriu sindicância para apurar o vazamento de imagens de exames da ex-primeira-dama Marisa Letícia. A mulher do ex-presidente Lula está internada de terça-feira [24/1], após sofrer um AVC (acidente vascular cerebral).

“A apuração pode apontar se a divulgação de dados clínicos teve a participação de médicos ou se era do conhecimento da diretoria técnica ou clínica da instituição”, afirma o Cremesp em comunicado.

A imagem de uma tomografia de Marisa foi divulgada inicialmente pelo jornalista Claudio Tognolli, que disse ter recebido o material de uma fonte “militante do PT e muito ligada ao partido”. Ele defende, em um vídeo na internet, que a publicação é de interesse público. De acordo com o Código de Ética Médica, profissionais da área não podem permitir o acesso de terceiros a prontuários.

O Cremesp diz lamentar a exposição do exame e lembra que, quando se trata de pacientes famosos, a informação para o público só deve ser divulgada por meio de boletim médico autorizado pelo paciente ou responsável. O Hospital Sírio-Libanês, onde a ex-primeira-dama está internada, afirma em nota que “zela pela privacidade de seus pacientes e repudia a quebra de sigilo médico por qualquer profissional de saúde”.

“O próprio jornalista [Tognolli]”, diz o Sírio, “deixa claro que sua fonte não foi o Hospital Sírio-Libanês ou qualquer um de seus profissionais. Ele também informa que a imagem mostrada não é de um exame realizado dentro da nossa instituição”. Antes do Sírio, Marisa Letícia foi atendida no Hospital Assunção, em São Bernardo do Campo. A instituição afirma que, “tão logo tomou conhecimento do evento, imediatamente instaurou sindicância interna para apuração dos fatos, tendo suspendido e afastado os envolvidos na investigação até a sua conclusão”.

***

Leia também:
Após repercussão negativa, Claudio Tognolli apaga postagem em que divulgava celular de desembargador
Após um dia inteiro de manobras, Thompson Flores mantém Lula preso
Ministros do STJ e STF preveem ações contra Moro após reação a ordem para soltar Lula
Em nota, PT afirma que prisão de Lula aprofunda sentimento de injustiça
Desembargador que liberou Lula diz que PF agiu com “má vontade” e sofre ameaças
Cármen Lúcia condena quebra de hierarquia e reforça soltura de Lula
Guerra contra soltura de Lula é política e derruba máscara da Lava-Jato
Pela prisão de Sérgio Moro
Desembargador do TRF4 manda libertar Lula, mas Moro, mais uma vez, descumpre a lei e trava soltura

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: